A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
SIMULADO ENADE 2021

Pré-visualização | Página 6 de 7

e religiosa.
	
	A pintura está presente também nas sociedades africanas, seja através de padrões aplicados em cerâmicas e outros objetos, ou na pintura corporal. Todas as tribos, de toda África, utilizam as mesmas cores, símbolos e desenhos nas pinturas corporais, a única diferença está na pintura específica feita no chefe da tribo.
	
	As máscaras são artefatos produzidos por grande parte das sociedades tribais africanas. Assim como outras manifestações, elas, em geral, tem como objetivo de engradecer a importância do homem na terra, fortalecendo a cultura materialista e se voltando contra a crença em deuses e rituais místicos.
		
	
	
		35
           Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1   
	"O Estado argentino dos anos 1970 e 1980 exemplifica plenamente a faceta assassina do Estado Militar na América Latina.  Em oposição, na sociedade se percebe o esforço em denunciar a violência político-militar desse Estado. A denúncia, a partir de então, não busca simplesmente dizer que existiu mas reparar politicamente as atrocidades cometidas. Os sujeitos desta ação, as Comissões de Familiares e demais entidades, exigem dos Estados a localização dos restos mortais das vítimas, a apuração das condições das mortes, dos responsáveis, e as punições cabíveis aos crimes cometidos."
COGIOLA, Osvaldo. Golpes Militares na América Latina. São Paulo: Contexto, 2001, p. 62
 
No bojo das ditaduras militares da América Latina, a violência de Estado foi crescente em todos os países. Desaparecimento de opositores, assassinatos, repressão, tudo isso marcou o período e deixou um forte legado de lutas por informações dos desaparecidos. Na Argentina, constituiu-se uma associação destinada à buscar informações sobre entes desaparecidos, cujo nome era:
		
	
	Comissão de Mortos e Desaparecidos
	
	Tortura nunca mais
	
	Comissões de Vítimas da ditadura
	 
	Mães da Praça De Maio
	
	Busca por desaparecidos
		
	
	
		36
           Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1   
	"Um engenho de açúcar é um inferno e todos os seus donos são condenados, escreveu da Bahia, em 1627, o padre Antonio de Gouveia. Repetidas vezes os observadores que viram as fornalhas fragorosas, os caldeirões ferventes, os corpos negros brilhantes e a agitação infernal do engenho durante as 24 horas do dia da safra usaram a mesma imagem do inferno."
SCHWARTZ, Stuart. O Brasil Colonial, c. 1580-1750: as grandes lavouras e as periferias. In: BETHEL, Leslie (org.). América Latina colonial. Vol. II. São Paulo: EDUSP; Brasília: FUNAG, 2004.
Durante os primeiros séculos do Brasil Colonial, a utilização da cana-de-açúcar como produto de exportação foi cada vez mais consolidada. Acerca deste período da história, é correto afirmar que:
		
	 
	Para expandir a economia colonial açucareira, grande quantidade de nativos africanos foram trazidos para o Brasil na condição de escravizados.
	
	Grandes plantações de açúcar se constituíram no Brasil Colonial, consolidando uma economia colaborativa entre nativos, escravizados e colonos.
	
	O auge da produção e exportação de cana-de-açúcar ocorreu no século XVI com a utilização de mão-de-obra indígena.
	
	O desenvolvimento dos engenhos foi marcado pela utilização de farta mão-de-obra livre presente em diversas regiões da colônia.
	
	Todas as técnicas de plantação e cultivo de cana-de-açúcar já eram conhecidas pelos nativos indígenas, que transmitiram seus conhecimentos aos portugueses e colaboraram significativamente na consolidação da economia colonial.
		
	
	
		37
           Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1   
	"Uma educação para o reconhecimento do outro, para o diálogo entre os diferentes grupos sociais e culturais. Uma educação para a negociação cultural, que enfrenta os conflitos provocados pela assimetria de poder entre os diferentes grupos socioculturais nas nossas sociedades e é capaz de favorecer a construção de um projeto comum, pelo qual as diferenças sejam dialeticamente integradas."
CANDAU, Vera Maria. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, v.13, nº37 jan/abr. 2008.
A autora, no trecho acima, analisa a educação como um território que necessita de uma perspectiva proporcionadora da correlação entre pluralidade e direitos humanos, o que nos traz uma reflexão sobre a necessidade de uma educação múltipla culturalmente.
Com base na análise do que tange à inserção dos agentes históricos indígenas em nossa educação, assinale a alternativa que identifica a Lei responsável pela inclusão do ensino de História e cultura indígena na Educação Brasileira, e uma característica dessa ação governamental.
		
	
	Lei 12.737/12 - possibilita o uso de histórias indígenas em sala de aula como validação das culturas dos povos originários e sua inserção na educação como agentes históricos brasileiros.
	
	Lei 11.340/06 - garantia de uma educação privilegiada às camadas abastadas, com o intuito da perpetuação do sistema de méritos que incentivam os estudantes a produzirem correções educacionais.
	 
	Lei 11.645/08 - reflexo das manifestações de movimentos indígenas que reivindicam a inserção das histórias e culturas de seus povos nos espaços de ensino, visando abordagens múltiplas e humanizadas.
	
	Lei 10.639/04 - formulação da lei que torna possível o ensino de História da África, Africanos no Brasil e Indígenas.
	
	Lei 3.353/88 - permite o ensino de História da África e dos Indígenas no Brasil.
		
	
	
		38
           Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1   
	"(...) a 2 de abril de 1982, o Exército ocupou as ilhas Malvinas, Georgias e Sandwich Sul, territórios argentinos do Atlântico Sul, colonizados pela Inglaterra desde meados do século XIX. Começou um vasto movimento popular de defesa da nação. A questão das Malvinas era uma das mais velhas e sentidas reivindicações nacionais. O movimento era heterogêneo: os últimos setores que apoiavam a ditadura levantaram a cabeça, mas também os que lutavam contra ela organizavam campanhas de apoio aos soldados do Atlântico Sul. Para as Mães da Praça de Maio, por exemplo, as Malvinas são argentinas, os desparecidos também"
COGIOLA, Osvaldo. Golpes Militares na América Latina. São Paulo: Contexto, 2001, p. 80-81
Um dos elementos que colaborou decisivamente para o encerramento da ditadura militar na Argentina foi a (o):
		
	 
	A capitulação argentina diante da Guerra das Malvinas.
	
	Políticas de acordo com os ingleses sobre a possessão das Malvinas, denunciando a ineficiência do Estado argentino em gerir seu próprio território. 
	
	Afastamento do presidente após os acordos entre EUA e Inglaterra que definiram os rumos da soberania inglesa sobre as Malvinas.
	
	A vitória dos argentinos e o definitivo estabelecimento de soberania sobre as Malvinas.
	
	Apoio estadunidense para a garantia da soberania argentina sobre as Malvinas.
		
	
	
		39
           Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1   
	"Os anos entre o fim da Segunda Guerra Mundial e o começo da Guerra Fria, isto é, 1944-1945 a 1947-1948, constituíram uma conjuntura crítica da história do século XX da Europa (oriental e ocidental), Oriente Médio, Índia, China, Sudeste Asiático e Japão. Ao contrário, embora ocorressem por essa época importantes mudanças políticas em diversos países latino-americanos - a ascensão de Juan Domingo Perón na Argentina, a eleição de Juan José Arévalo na Guatemala, o fim do Estado Novo no Brasil, a tomada do poder pela Acción Democrática na Venezuela e a guerra civil na Costa Rica, por exemplo -, o período não foi de modo geral considerado um divisor de águas significativo na história da região como um todo, em parte devido ao relativo isolamento internacional da América Latina."
BETHEL, Leslie; ROXBOROUGH, Ian. "Introdução A conjuntura do pós guerra na América Latina". In: BETHEL, Leslie; ROXBOROUGH, Ian (Org.). A América Latina entre a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
Acerca da conjuntura da América Latina durante os anos posteriores ao fim

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.