A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Estudos Disciplinares XII - Questionario Unidade I

Pré-visualização | Página 2 de 3

curriculares que deram 
início ao pensamento transdisciplinar, têm em comum a articulação 
de seus conteúdos, que se autoalimentam de modo polissêmico e 
simbólico no plano didático, o que exige a contextualização das 
produções humanas, dos tempos e dos espaços, e que impede a 
fragmentação do conhecimento dessas áreas. 
 
d. A transdisciplinaridade implica a formação do pensamento 
racionalizado sobre as diferentes áreas de conhecimento, associada à 
avaliação pedagógica dos resultados, que despreza a visão 
segmentada e disciplinar do ser humano, considerado sujeito 
antropoético, ou seja, não se avaliam conteúdos, mas vivências 
manifestas em atitudes relacionais antropológicas e éticas. 
 
e. A organização do trabalho pedagógico, sob a perspectiva 
transdisciplinar, implica a formação do ser humano em suas 
múltiplas dimensões, promovendo o desenvolvimento integral do ser 
que pensa, fala, deseja e age, em vivências que favorecem o 
autoconhecimento, e tornando o pensamento aberto a tudo que 
transcenda a fragmentação do conhecimento e do ser. 
 
PERGUNTA 6 
(Questão 18 – Enade 2017) 
Aos poucos, rabiscos vão se transformando em agrupamentos de rabiscos, vão 
aparecendo algumas bolinhas e traços soltos dos agrupamentos. Isso se deve ao fato 
de as crianças começarem a levantar o lápis do papel e a perceberem que as suas 
ações geram registros. Ao fazerem essas constatações, começam a relacionar os 
rabiscos às coisas à sua volta. Um conjunto de bolinhas pode ser um cachorro, um 
barco, uma ninhada de patinhos e outras tantas formas que a criança nominar. Isso 
ocorre, porque a criança quer contar algo por meio de suas formas, portanto, ela faz 
de conta que uma mancha no papel é uma árvore, que uma embalagem de pasta de 
dentes é um carro; essa intenção de dizer algo é denominada como representação. 
 
Fonte: Adaptado de: JUNQUEIRA FILHO, G. A. et al. Convivendo com crianças de 
zero a seis anos. In: RAPOPORT, A. et al. O dia a dia na Educação Infantil. Porto 
Alegre: Mediação, 2012. 
 
No fragmento de texto apresentado, são feitas as considerações acerca do trabalho 
pedagógico no cotidiano da Educação Infantil, as quais se embasam nas orientações 
contidas nas políticas para a infância vigentes nas Diretrizes Curriculares 
Nacionais para a Educação Infantil, especificamente no Parecer CNE/CEB n. 
20/2009 e na Resolução CNE/CEB n. 05/2009. 
 
A partir do texto apresentado, avalie as afirmativas: 
I- O currículo da Educação Infantil é definido como um conjunto de conteúdos, ou 
seja, objetos de conhecimento que articulam as experiências e os saberes das 
crianças com os conhecimentos que fazem parte do patrimônio cultural, artístico, 
científico e tecnológico; 
II- O planejamento, imprescindível às propostas educativas, deve ser flexível e 
contextual, adequado à idade das crianças, o que exige, por exemplo, separar as 
linguagens, para que haja clareza no desenvolvimento das atividades que envolvem 
as artes, o corpo e as linguagens expressivas; 
III- A proposta pedagógica deve primar pela orientação de vivências, desenvolvidas 
por meio de metodologias específicas para a Educação Infantil, e de promoção de 
atividades de expressão motora, afetiva, cognitiva, linguística, ética, estética e 
sociocultural das crianças; 
IV- A avaliação deve contemplar o conhecimento sobre as preferências das crianças, 
a maneira como elas se envolvem nas atividades, os parceiros escolhidos por elas 
para interagir em diferentes contextos, o que subsidiará a reorganização da práxis 
de modo assertivo; 
V- A prática pedagógica deve preparar as crianças para o momento de transição, 
para o Ensino Fundamental, o que justifica o desenvolvimento de atividades por 
áreas, com os conteúdos de artes, corpo e linguagem, assegurando-se a 
continuidade dos processos educativos vividos pela criança. 
É correto apenas o que se afirma em: 
 
a. II e III. 
 
b. III e IV. 
 
c. I, II e V. 
 
d. I, II, IV e V. 
 
e. I, III, IV e V. 
 
PERGUNTA 7 
(Questão 20 – Enade 2017) 
As políticas educacionais estão dentro do marco da reforma do Estado e, 
consideradas na ótica do caráter instrumental, subordinadas à lógica econômica, 
tendo em vista a necessidade de adequar os países às exigências postas pela 
globalização e incluí-los na nova ordem econômica mundial. Nesse sentido, as 
políticas educacionais brasileiras, como as políticas consentidas pelo governo em 
relação às exigências dos organismos internacionais, têm colocado em destaque 
quatro eixos: gestão, equidade e qualidade, financimento e aperfeiçoamento 
docente. Em torno de cada eixo, desenharam-se programas. 
 
Fonte: Adaptado de: MAUÉS, O. Os organismos internacionais e as políticas 
educacionais do Brasil. In: GONÇALVES, L. A. O. Currículo e políticas públicas. 
Belo Horizonte: Autêntica, 2003. 
 
No que tange aos programas relacionados aos eixos das políticas educacionais, 
avalie as afirmativas: 
I- No eixo de gestão, encontram-se os programas: autonomia escolar e participação 
local; melhoria dos sistemas de informações e gestão; e participação dos pais, dos 
governos e das comunidades locais; 
II- No eixo de equidade e da qualidade, encontram-se os programas: reforma 
curricular; determinação positiva para grupos vulneráveis; e extensão da jornada 
escolar ou aumento de horas de aula; 
III- No eixo de financiamento, encontram-se os programas: prestação de contas à 
sociedade; distribuição de recursos atrelados aos resultados das avaliações 
sistêmicas; e destinação de recursos para as instituições privadas; 
IV- No eixo de aperfeiçoamento docente, encontram-se os programas: melhoria e 
inovação pedagógica; descentralização administrativa e pedagógica; e programa 
nacional para os professores leigos. 
É correto apenas o que se afirma em: 
 
a. I e II. 
 
b. I e IV. 
 
c. III e IV. 
 
d. I, II e III. 
 
e. II, III e IV. 
 
PERGUNTA 8 
(Questão 21 – Enade 2017) 
Um olhar histórico sobre a alfabetização escolar no Brasil revela uma trajetória de 
sucessivas mudanças conceituais e, consequentemente, metodológicas. Atualmente, 
parece que, de novo, estamos enfrentando um desses momentos de mudança – é o 
que prenuncia o questionamento a que vêm sendo submetidos os quadros 
conceituais e as práticas deles, decorrentes que prevaleceram na área da 
alfabetização nas últimas três décadas. Pesquisas têm identificado problemas nos 
processos e nos resultados da alfabetização de crianças no contexto escolar, além de 
insatisfações e inseguranças entre alfabetizadores, motivando propostas de 
reexame das teorias e práticas atuais de alfabetização. Um momento como este é, 
sem dúvida, desafiador, porque estimula a revisão dos caminhos já trilhados e a 
busca de novos caminhos, mas é também ameaçador, porque pode conduzir a uma 
rejeição simplista dos caminhos trilhados. 
 
Fonte: Adaptado de: SOARES, M. Alfabetização e letramento: caminhos e 
descaminhos. Pátio Revista Pedagógica. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2004. 
 
Nesse contexto, avalie as asserções a seguir e a relação proposta entre elas: 
 
I- A criança constrói o seu conhecimento do sistema alfabético e ortográfico da 
língua escrita em situações de letramento, isto é, na interação com o material 
escrito real e não, artificialmente construído. 
PORQUE 
II- As práticas sociais envolvem a criança no contexto do processo de 
aquisição do sistema alfabético e ortográfico da escrita, o que favorece o 
desenvolvimento de habilidades e comportamentos de uso competente da 
língua escrita. 
 
A respeito dessas asserções, assinale a opção correta: 
 
a. As asserções I e II são proposições verdadeiras e a II é uma 
justificativa correta da I. 
 
b. As asserções I e II são proposições verdadeiras e a II não é uma 
justificativa correta da I. 
 
c. A asserção I é uma proposição verdadeira e a II é uma proposição 
falsa. 
 
d. A asserção I é uma proposição falsa e a II é uma proposição 
verdadeira. 
 
e.