Buscar

Coração Pericárdio e Vasos

Prévia do material em texto

Leiam com atenção!
Esse roteiro de estruturas destina-se a orientação dos alunos de medicina na prática anatômica; servindo como material complementar (não definitivo), único e exclusivamente para a parte de identificação.
A função e origem das estruturas listadas aqui precisam ser conhecidas, não tem significado clínico apenas decorá-las sem saber sua real origem ou aplicação. Em prova prática algumas das funções das mesmas poderão ser revisitadas.
A ausência de estruturas nesse roteiro não impede seu aparecimento em prova, marcações feitas em aula podem acabar não figurando aqui por um pequeno deslize do autor, entretanto, como dito no primeiro parágrafo este roteiro serve:
“como material complementar (não definitivo)”
Abraços
Câmaras do coração e suas estruturas
Átrios
Pequena descrição: os átrios são câmaras localizadas póstero superiormente aos ventrículos; são reconhecidos, em uma visão anterior, por suas estruturas em formas de “orelha de elfo” chamadas de aurículas. A aurícula do átrio direito geralmente é maior e mais regular (triangular) quando em comparação a do átrio esquerdo. Em uma visão posterior ainda externa os átrios são lisos e formados pelas veias que despejam sangue em seu interior.
Internamente os átrios apresentam enrugações na parede de suas aurículas, enquanto posteriormente apresentam parede lisa.
 
Átrio direito (AD)
Externamente: 
Aurícula direita – bolsa de recepção de sangue, mais triangular.
Sulco coronário – local de passagem da art. Coronária direita.
Sulco terminal – veremos a presença do ramo do nó sinusal.
Internamente:
Septo interatrial – face direita; o septo interatrial impede a mistura do sangue presente no ad com o sangue presente no AE e surge a partir do fechamento do forame oval.
Fossa oval - vestígio do forame oval encontrada na face direita do septo interatrial.
Óstio do seio coronário – encontrado próximo a valva atrioventricular direita, na face posterior do átrio; recebe sangue do seio coronário.
Músculos pectíneos da aurícula direita – enrugações encontradas na parede das aurículas.
Crista terminal – ponto onde os músculos pectíneos desaparecem dando lugar a parede lisa típica dos átrios.
Óstio da veia cava superior
Óstio da veia cava inferior
Átrio esquerdo (AE)
Externamente:
Aurícula esquerda – bolsa de recepção de sangue, mais irregular.
Internamente:
Septo interatrial – face esquerda.
Válvula do forame oval - vestígio do forame oval encontrado na face esquerda do septo interatrial.
Músculos pectíneos da aurícula esquerda
Óstio da veia pulmonar direita inferior e superior
Óstio da veia pulmonar esquerda inferior e superior
Ventrículos
Pequena descrição: os ventrículos são câmaras localizadas antero inferiormente aos átrios; são reconhecidos externamente pelo seu amplo corpo muscular coberto por uma capa de tecido adiposo protetor. Os ventrículos posicionam o coração à esquerda do mediastino através do ápice na maior parte das pessoas.
Internamente são majoritariamente enrugados devido a pressão do sangue, sendo o ventrículo esquerdo ainda mais que o ventrículo direito. A exceção se encontrada no vestíbulo das artérias que saem dessas câmaras, onde a parede se encontra lisa afim de direcionar o sangue.
Seio gorduroso coronário
Sulco interventricular anterior
Sulco interventricular posterior
Ventrículo direito (VD)
Externamente:
Cone arterial – bolsa muscular que leva o sangue em até o tronco pulmonar.
Internamente:
Valva atrioventricular direita (ou tricúspide) – impede o regurgitamento de sangue do VD para o AD; apresenta três cúspides:
· Válvula anterior direita
· Válvula posterior direita
· Válvula septal
Músculos papilares – servem como âncora para as cordas tendíneas; existem três no vd:
· Músculo papilar anterior direita
· Músculo papilar posterior direita
· Músculo papilar septal – este sendo geralmente o menor dos três 
Cordas tendíneas – cordões feito de tecido conjuntivo que seguram as válvulas atrioventriculares.
Trabécula septo marginal (ou banda moderadora) – feixe muscular que parte do septo interventricular e se junta ao músculo papilar anterior; apresenta internamente algumas células autorrítimas derivadas do feixe de His que levam a despolarização rápida do músculo papilar anterior.
Crista supraventricular – área lisa encontrada no VD ao qual é responsável pelo direcionamento de sangue para o tronco pulmonar.
Trabéculas cárneas – enrugação causadas pela pressão de sangue nos ventrículos (são mais grossas e menos numerosas no VD e mais finas e mais numerosas no VE).
Miocárdio direito – mais fino.
Ventrículo esquerdo (VE)
Externamente:
Ápice do coração
Internamente:
Valva atrioventricular esquerda (ou bicúspide ou mitral) – impede o regurgitamento de sangue do VE para o AE; apresenta duas cúspides:
· Válvula anterior esquerda
· Válvula posterior esquerda
Músculos papilares – servem como âncora para as cordas tendíneas; existem duas no VE:
· Músculo papilar anterior esquerda
· Músculo papilar posterior esquerda
Cordas tendíneas
Vestíbulo da aorta – área lisa encontrada no VE ao qual é responsável pelo direcionamento de sangue para a aorta.
Miocárdio esquerdo – mais espesso resultado da resistência do sangue.
Septo interventricular – devido a sua espessura ser semelhante a do miocárdio esquerdo diz-se que pertence ao VE; forma internamente o ápice do coração. O septo interventricular impede a mistura do sangue presente no VD com o sangue presente no VE.
Sobre os septos
Entre os septos interatrial e o septo interventricular existe uma parede membranosa de tecido conjuntivo que serve como isolante elétrico e faz parte do corpo fibroso do coração, esta é chamada de septo atrioventricular (ou septo parte membranosa do septo interventricular.
Sistema de condução do coração
Nó sinusal (ou nó sinoatrial) – servem como marca passo biológico do coração; é encontrado próximo ao óstio da veia cava superior.
Ramo internodal – conecta o nó sinusal ao nó atrioventricular
Nó atrioventricular – retarda o impulso elétrico que segue em direção aos ventrículos; encontrado próximo ao óstio do seio coronário e o óstio atrioventricular direito, na parede posterior do átrio direito.
Feixe de His (feixe atrioventricular) – direciona o impulso elétrico em direção ao ápice do coração; passa por dentro do septo interventricular e se divide em um ramo direito e esquerdo.
Fibras de Purkinje (ou ramos subendocárdicos) – despolariza as fibras musculares dos ventrículos; passa pela parede lateral dos ventrículos e músculos papilares.
Valvas semilunares
Pequena descrição: As valvas semilunares são encontradas na porção proximal da aorta ascendente (valva aórtica), e do tronco pulmonar (valva tronco pulmonar). Ao contrário das valvas atrioventriculares que apresentam cordas tendíneas e músculos papilares dando estabilidade para que não se abram em direção atípica, as valvas semilunares são dotadas de extremidades espessas e rígidas chamadas de lúnulas (na periferia das válvulas) e nódulos valvulares (região nodular no ápice das válvulas semilunares).
Valva tronco pulmonar (TP) – impede o regurgitamento de sangue do tronco pulmonar para o VD; é formada por três válvulas:
· Válvula semilunar esquerda TP
· Válvula semilunar direita TP
· Válvula semilunar anterior 
Valva aórtica (Ao) – impede o regurgitamento de sangue da aorta para o VE; é formada por três válvulas:
· Válvula semilunar esquerda Ao – escondida por esta válvula nós encontraremos o óstio da art. Coronária esquerda.
· Válvula semilunar direita Ao – escondida por esta válvula nós encontraremos o óstio da art. Coronária direita.
· Válvula semilunar posterior
Vasos sanguíneos da base do coração
Pequena descrição: na base do coração iremos encontrar artérias de grande calibre que recebem sangue dos ventrículos e distribuem ao longo do corpo, e veias de grande calibre que ao receberem sangue dos mais diversos locais do corpo despejam dentro dos átrios; esses são chamados vasos da base.
Artérias
Aorta ascendente – dará origem as principais artérias do corpo; responsável por carrear sangue rico O2que dará sustento as diversos tecidos que nos formam. Surge do ventrículo esquerdo.
Tronco pulmonar – dá origem as artérias pulmonares esquerda e direita que carreiam sangue pobre em O2 em direção aos pulmões onde ocorrerá a hematose. Surge do ventrículo direito.
OBS. Aorta e tronco pulmonar são conectados durante a vida embrionário através do canal arterial, o fechamento deste canal faz surgir uma estrutura comum denominada ligamento arterioso.
Veias
Veia cava superior – recebe sangue pobre em O2 do tórax, pescoço, cabeça e pulmões e envia ao átrio direito.
Veia cava inferior – recebe sangue pobre em O2 da parte inferior do corpo, e envia ao átrio direito.
Veia pulmonar esquerda superior (VPES) – leva sangue rico em O2 do pulmão ao átrio esquerdo.
Veia pulmonar esquerda inferior (VPEI) – leva sangue rico em O2 do pulmão ao átrio esquerdo.
Veia pulmonar direita superior (VPDS) – leva sangue rico em O2 do pulmão ao átrio esquerdo.
Veia pulmonar direita inferior (VPDI) – leva sangue rico em O2 do pulmão ao átrio esquerdo.
Vascularização do coração
Pequena descrição: o coração recebe sangue rico em oxigênio e nutrientes durante a diástole do ventrículo esquerdo. A diminuição da pressão dentro da aorta faz com que o sangue tente regurgitar para o VE, nesse momento, o fechamento da valva aórtica obriga esse sangue a entrar pelo óstio das artérias coronárias, localizados no interior da aorta ascendente em sua porção proximal. O miocárdio e epicárdio são irrigados então pelas artérias coronárias direita (que passa embaixo da aurícula direita) e a artéria coronária esquerda (que passa embaixo da aurícula esquerda).
Coronária direita: Geralmente mais longa e responsável por dar origem aos ramos mais importantes do coração.
Ramos mais comuns da coronária direita (em ordem de aparecimento)
Ramo do nó sinusal – alimenta o nó sinusal.
Ramo marginal direito – alimenta a parede marginal direita do coração.
Ramo do nó atrioventricular – alimenta o nó atrioventricular.
Ramo interventricular posterior – alimenta a parede posterior dos ventrículos.
Coronária esquerda: Geralmente mais curta.
Ramos mais comuns da coronária esquerda (em ordem de aparecimento)
Ramo interventricular anterior – alimenta a parede anterior dos ventrículos.
Ramo circunflexo – leva sangue a parede posterior esquerda do coração.
Ramo marginal esquerdo - se origina do ramo circunflexo; alimenta a parede marginal esquerda do coração.
Drenagem Venosa do Coração
Pequena descrição: veias que recebem sangue dos capilares cardíacos e o transportam em direção ao óstio do seio coronário encontrado no átrio direito.
Veia cardíaca magna – traz sangue drenado da parte esquerda do coração.
Veia cardíaca parva – traz sangue drenado da parte direita do coração.
Veia cardíaca interventricular posterior
Veia cardíaca interventricular anterior
Seio coronário - dilatação encontrada na parte posterior do coração, repousa sobre o sulco coronário. Recebe sangue das demais veias cardíacas e o despeja no átrio direito do coração.
Esqueleto fibroso do coração
Pequena descrição: esqueleto de tecido conjuntivo denso encontrado principalmente na região atrioventricular, este tem a capacidade de isolar impulsos elétricos, impedir a distensão anormal do tecido muscular cardíaco e dar suporte para fixação das valvas cardíacas.
Componentes visíveis em peças cadavéricas
Trígono fibroso esquerdo – encontrado entre o anel fibroso esquerdo e a valva aórtica.
Trígono fibroso direito – encontrado entre o anel fibroso direito e a valva aórtica.
Septo membranoso – encontrado entre o septo interventricular e septo interatrial.
Pericárdio e estruturas correlacionadas
Pequena descrição: o pericárdio é um bolsa fibroserosa que envolve o coração e limita seu espaço de movimentação dentro do mediastino. Apresenta três camadas (2 parietais e 1 visceral) e está fixado a parede torácica por ligamentos fibrosos.
Pericárdio fibroso parietal – camada do pericárdio voltada para a parede torácica.
Pericárdio seroso parietal – camada do pericárdio encontrada atrás da camada fibrosa.
Pericárdio visceral – também chamada de epicárdio, e a camada do pericárdio dita mais íntima do coração.
Ligamento pericárdio frênico – liga o pericárdio ao diafragma.
Ligamento esternopericárdio – liga o pericárdio ao esterno.
Seio transverso – espaço formado pelo recesso do pericárdio pelo qual podemos isolar aorta e tronco pulmonar.
Seio oblíquo – espaço formado pelo recesso do pericárdio pelo qual podemos isolar aa veia cava superior e as veias pulmonares.
Roteiro de Sistemas Vascular (Visualizar o ANEXO 1 – Vasos Sanguíneos)

Continue navegando

Outros materiais