Buscar

2 01 Apostila da UC 12

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 90 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 90 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 90 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

GESTÃO DO AGRONEGÓCIO
MÓDULO ESPECÍFICO II
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas 
ao Agronegócio
Curso Técnico EaD Senar
Formação Técnica
Gestão de Tecnologias 
e Inovação Aplicadas ao 
Agronegócio
SENAR - Brasília, 2022
S491c
 SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.
 Curso técnico EaD SENAR: gestão de tecnologias e 
inovação aplicadas ao agronegócio / Serviço Nacional de 
Aprendizagem Rural. – Brasília, DF: SENAR, 2022.
 88 p. : il. ; 21 x 29,7 cm – (SENAR Formação 
Técnica)
 
	 	 Inclui	bibliografia
 ISBN 978-65-86344-46-2
 
 1. Agronegócio. 2. Ensino a distância. 3. 
Produtividade agrícola. I. Título. II. Série.
CDU 630
Elaborado por Maurício Amormino Júnior | CRB6/2422
Sumário
Introdução à Unidade Curricular ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7
Tema 1: Ciência, tecnologia e inovação: conceitos e implicações no 
agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 11
Tópico 1: Fundamentos de tecnologia e inovação: conhecimento, 
criatividade e colaboração ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 12
1.1 De que forma a inovação se apresenta no dia a dia em sociedade? –––––––– 12
1.2	Conhecer,	colaborar	e	criar:	superando	desafios –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 15
Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 19
Tópico 2: Ciência, tecnologia e inovação e seus impactos no agronegócio –– 19
2.1 Conceitos de ciência, tecnologia e inovação –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 20
2.2 Modernização da agricultura e relevância da C, T & I para o 
agronegócio –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 24
Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 30
Tópico 3: Impactos da C, T & I em termos de sustentabilidade para o 
agronegócio –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 31
3.1 Aplicabilidade da tecnologia e da inovação em sustentabilidade –––––––––––––– 31
3.2 Uso racional dos recursos: materiais, humanos e naturais ––––––––––––––––––––––– 35
Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 37
Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 37
Tema 2: O ambiente da cadeia produtiva no agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––– 39
Tópico 1: Gestão da inovação em cadeias produtivas: 
competitividade e tendências no contexto do agronegócio –––––––––––––––––––––––––––––– 40
1.1 Estímulo à inovação e à tecnologia: os ambientes institucional e 
organizacional em cadeias produtivas ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 43
1.2 O papel do produtor rural enquanto protagonista da inovação no 
meio rural ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 47
1.3	Desafios	e	ferramentas	para	a	gestão	da	inovação	em	uma	
empresa rural ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 51
1.4 Ampliando os olhares: impactos da tecnologia e da inovação antes 
e depois da porteira –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 54
Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 57
Tópico 2: Aplicações da tecnologia e da inovação em uma empresa rural –– 57
2.1 Conceitos em gestão de empresas rurais ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 57
2.2 Agricultura vertical e de precisão: conceitos e aplicabilidade ––––––––––––––––––– 60
Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 65
Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 65
Tema 3: Agir no presente, planejando o futuro: estratégias em inovação 
para o agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 67
Tópico 1: Dados e informações: gestão de impacto para a empresa rural –– 67
1.1 Adivinhar menos, conhecer mais: a relevância da gestão baseada 
em dados para o agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 70
Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 71
1.2 Extraindo informações para planejar o futuro: decisões de impacto ––––––– 72
1.3 Gestão do conhecimento: como utilizar as informações obtidas no 
planejamento do negócio rural ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 75
Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 77
Tópico 2: Inovação e melhoria contínua: projetos, produtos e 
processos em agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 77
2.1 Conceitos e aplicabilidade de projetos, produtos e processos –––––––––––––––––– 78
2.2 Como utilizar projetos para inovar em uma empresa rural ––––––––––––––––––––––– 81
Atividade de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 82
Encerramento do tema ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 82
Encerramento da Unidade Curricular ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 83
Referências ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 84
Gabarito das atividades de aprendizagem ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 85
Tema 1: Ciência, tecnologia e inovação: conceitos e implicações no 
agronegócio –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 85
Tema 2: O ambiente da cadeia produtiva no agronegócio –––––––––––––––––––––––––––––– 85
Tema 3: Agir no presente, planejando o futuro: estratégias em 
inovação para o agronegócio ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 86
Introdução à Unidade 
Curricular
7GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Introdução à Unidade Curricular
A tecnologia e a inovação estão cada vez mais presentes no dia a dia da sociedade e, 
por	isso,	é	fundamental	compreender	como	aplicá-las	para	superar	desafios.	A	aplica-
ção de métodos e técnicas contribui para a promoção da sustentabilidade nas empre-
sas rurais e incentiva o uso racional de recursos materiais, humanos e naturais.
Nesse	contexto,	o	profissional	técnico	em	agronegócio	poderá	aplicar	estratégias	ino-
vadoras, que fomentem novas ações de sustentabilidade em busca de melhorias con-
tínuas. Para o agronegócio, a gestão de tecnologias e inovação nas cadeias produtivas 
é fundamental para garantir a competitividade da empresa rural e acompanhar as ten-
dências desse setor. Portanto, é preciso agir no presente e planejar o futuro!
A Unidade Curricular Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegó-
cio apresenta os conceitos e as implicações da tecnologia e da inovação aplicadas aos 
negócios rurais. Os assuntos abordados ajudarão você a compreender melhor as bases 
fundamentais para inovar e impactar positivamente o ambiente de negócios. Também 
será possível conhecer os conceitos de ciência, tecnologia e inovação, além dos concei-
tos e das práticas de gestão em inovação. Encerraremos com um aprofundamento em 
conceitos de processos, produtos e projetos para inovar nocontexto do agronegócio.
Capacidades técnicas
Ao	fim	desta	Unidade,	você	terá	desenvolvido	as	competências	
técnicas de gestão, bem como os conhecimentos necessários 
para executar ações técnicas e operacionais em gestão de tec-
nologias e inovação.
Com carga horária de 40 horas, a Unidade foi organizada em três temas, diversos tó-
picos	e	subtópicos	relevantes	para	a	sua	formação	profissional.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR8
Temas Tópicos Subtópicos
Tema 1:
Ciência, 
Tecnologia 
e Inovação: 
conceitos e 
implicações no 
agronegócio
Tópico 1: 
Fundamentos de 
tecnologia e inovação: 
conhecimento, 
criatividade e 
colaboração
1.1 De que forma a inovação se apre-
senta no dia a dia em sociedade?
1.2 Conhecer, colaborar e criar: supe-
rando	desafios
Tópico 2: Ciência, 
Tecnologia e Inovação 
e seus impactos no 
agronegócio
2.1 Conceitos de ciência, tecnologia e 
inovação
2.2 Modernização da agricultura e 
relevância da C, T & I para o 
agronegócio
Tópico 3: Impactos da 
C, T & I em termos de 
sustentabilidade para o 
agronegócio
3.1 Aplicabilidade da tecnologia e da 
inovação em sustentabilidade
3.2 Uso racional dos recursos: mate-
riais, humanos e naturais
Tema 2: O 
ambiente 
da cadeia 
produtiva do 
agronegócio
Tópico 1: Gestão 
da inovação em 
cadeias produtivas: 
competitividade e 
tendências no contexto 
do agronegócio
1.1 Estímulo à inovação e à tecno-
logia: os ambientes institucio-
nal e organizacional em cadeias 
produtivas
1.2 O papel do produtor rural enquan-
to protagonista da inovação no 
meio rural
1.3 Desafios	e	ferramentas	para	a	
gestão da inovação em uma em-
presa rural
1.4 Ampliando os olhares: impactos da 
tecnologia e da inovação antes e 
depois da porteira.
Tópico 2: Aplicações 
da tecnologia e da 
inovação em uma 
empresa rural
2.1 Conceitos em gestão de empresas 
rurais
2.2 Agricultura vertical e de precisão: 
conceitos e aplicabilidade
9GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Temas Tópicos Subtópicos
Tema 3: Agir 
no presente, 
planejando 
o futuro: 
estratégias em 
inovação para o 
agronegócio
Tópico 1: Dados e 
informações: gestão 
de impacto para a 
empresa rural
1.1 Adivinhar menos, conhecer mais: 
a relevância da gestão baseada 
em dados para o agronegócio
1.2 Extraindo informações para plane-
jar o futuro: decisões de impacto
1.3 Gestão do conhecimento: como 
utilizar as informações obtidas no 
planejamento do negócio rural
Tópico 2: Inovação 
e melhoria contínua: 
projetos, produtos 
e processos em 
agronegócio
2.1 Conceitos e aplicabilidade de pro-
jetos, produtos e processos
2.2 Como utilizar projetos para inovar 
em uma empresa rural
Certifique-se	de	estudá-los	com	atenção	e,	se	precisar,	conte	com	o	apoio	da	tutoria	a	
distância desta Unidade Curricular.
Para	fixar	seu	conhecimento,	ao	fim	de	alguns	tópicos,	você	vai	encontrar	atividades	
para colocar em prática o que aprendeu imediatamente após os conceitos e as teorias.
Comentários do autor
Todas as atividades buscam respeitar seu ritmo de aprendi-
zagem e são coerentes com o que você será capaz de fazer a 
partir dos assuntos abordados.
Ao	 fim	 desta	 apostila,	 é	 disponibilizado	 um	 gabarito	 para	 que	 você	 verifique	 suas	
respostas.
Bons estudos!
01
Ciência, tecnologia e 
inovação: conceitos 
e implicações no 
agronegócio
11GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Tema 1: Ciência, tecnologia e inovação: 
conceitos e implicações no agronegócio
Tecnologia e inovação são conceitos presentes em praticamente todas as rodas de 
conversa	na	sociedade	atual.	Não	poderia	ser	diferente,	não	é	mesmo?	Afinal,	perten-
cemos a uma sociedade imersa na Era da Informação, na qual mudança é a palavra 
de ordem.
O tema de aula Ciência, tecnologia e inovação: conceitos e implicações no agro-
negócio vai reforçar quais são as bases fundamentais da tecnologia e da inovação, 
além de fazer uma análise do impacto desses dois conceitos em nosso dia a dia.
Fonte: Getty Images.
Assim, você vai compreender a importância de aplicar esses conhecimentos no 
agronegócio.
Capacidades técnicas
Ao	 final	 deste	 tema,	 você	 terá	 desenvolvido	 as	 seguintes	
capacidades:
• empregar os conceitos de inovação e tecnologia aplicados 
no agronegócio; e
• aplicar	 estratégias	 inovadoras	 a	 fim	 de	 fomentar	 novas	
ações na busca por melhorias contínuas.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR12
Tópico 1: Fundamentos de tecnologia e inovação: 
conhecimento, criatividade e colaboração
A tecnologia e a inovação estão cada vez mais presentes em nosso dia a dia, em ações 
rotineiras, como escutar música e fazer uso da internet para entrar em contato com 
parentes distantes. A tecnologia e a inovação têm mudado as formas como a sociedade 
enxerga o mundo e se relaciona com ele.
No setor do agronegócio, essa pre-
missa também é verdadeira. É im-
possível dissociar a tecnologia e a 
inovação dos avanços surpreen-
dentes desse setor tão importante 
para a economia brasileira.
Fonte: Getty Images.
Para	crescer	diante	de	tantos	desafios	que	fazem	parte	do	cotidiano	do	agronegócio,	o	
uso	da	tecnologia	e	da	inovação	é	fundamental!	Mas,	afinal,	você	sabe	o	que	é	tecno-
logia e o que é inovação? Sabe a diferença entre esses dois conceitos?
Para responder cada uma dessas perguntas, primeiro, é necessário conhecer as bases 
que sustentam o estudo da tecnologia e da inovação para que, então, seja possível 
aprofundar a compreensão sobre seu impacto no agronegócio.
1.1 De que forma a inovação se apresenta no dia a dia em sociedade?
São inúmeras as situações em que estamos em contato com a tecnologia e a inovação 
em nosso dia a dia. Por exemplo, para pagar contas via internet banking, pedir co-
mida por meio de aplicativos, ouvir música, conversar com os amigos remotamente, 
estudar e, até mesmo, fazer compras. Ao analisarmos tudo o que fazemos durante um 
dia inteiro, desde o momento em que nos levantamos até a hora de dormir, é possível 
perceber que diversas ferramentas tecnológicas nos auxiliam a executar diversas ati-
vidades diárias.
13GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Glossário
Internet banking: Banco internético, e-banking, banco on-
-line, online banking, banco virtual, banco eletrônico ou ban-
co doméstico são termos usados para caracterizar transações, 
pagamentos	 e	 outras	 operações	 financeiras	 e	 de	 dados	 pela	
internet por meio de uma página segura de banco.
A tecnologia e a inovação se apresentam de diferentes formas em nosso dia a dia, por 
meio de melhorias teoricamente simples, que facilitam o desenvolvimento de deter-
minados processos, ou, até mesmo, de ferramentas que possibilitam a economia de 
recursos preciosos, como o tempo.
Nesse contexto, inovar é fazer diferente. E, na maioria das 
situações, é possível fazer diferente.
Perceber o impacto da inovação no dia a dia, bem 
como identificar o quanto é realmente possível 
implementar estratégias inovadoras, é o que mo-
vimenta o mundo. Afinal, inovar requer dinamici-
dade e movimento para instigar mudanças.
A sociedade atual é pautada por transformações que acontecem a todo momento, 
em uma velocidade impressionante. Essas mudanças decorrem, principalmente, de 
questionamentos e inquietações. Toda essa transformação impacta a forma como as 
pessoas se relacionam entre si e a maneira como as empresas, em todo o mundo, se 
relacionam com o mercado, os clientes e a concorrência.
Para sobreviver em um cenário tão dinâmico, a criatividade é cada vez mais reconhe-
cida e valorizada, já que essa característica é a base principal da inovação.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR14
A criatividade é uma característica 
inata do ser humano, que se ex-
pressa de maneira muito natural, 
especialmente durante a infância. 
O processo criativo está relacio-
nado ao potencial de conceber no-
vas ideias, ou seja, que nunca fo-
ram apresentadas. 
Fonte: Getty Images.
A principal diferença entre criatividade e inovação é o enfoquede cada um desses dois 
conceitos.	Ser	criativo	significa	desenvolver	novas	ideias,	ao	passo	que	ser	inovador	
requer que essas ideias sejam colocadas em prática. No contexto de uma empresa, 
inovar	significa	aplicar	novas	ideias,	com	o	propósito	de	atender	a	uma	necessidade	
real, que impactem diretamente nos resultados do negócio por meio de processos mais 
simplificados,	econômicos,	sustentáveis	e	eficazes.
Fonte: Getty Images.
O desenvolvimento dos smartphones	 e	 o	 avanço	da	 internet	no	 século	XXI	modifi-
caram a forma de comunicação entre as pessoas, facilitaram os meios de comuni-
cação e impulsionaram o desenvolvimento de novos serviços. Um exemplo bastante 
comum	de	serviço	fortemente	modificado,	a	partir	das	Tecnologias da Informação 
15GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
e Comunicação (TICs), é o internet banking, no qual as operações e transações ban-
cárias acontecem por meio do computador ou do celular sem a necessidade de compa-
recimento presencial às agências bancárias.
Tecnologias da Informação e Co-
municação (TICs) são o conjunto 
total de tecnologias que permitem 
a produção, o acesso e a propaga-
ção de informações, assim como 
tecnologias que permitem e facili-
tam a comunicação entre as pessoas 
(RODRIGUES et al., 2014).
1.2 Conhecer, colaborar e criar: superando desafios
Você sabia que, além da criatividade, a inovação tem outros fundamentos que a sus-
tentam, como o conhecimento e a colaboração? Em um cenário tão dinâmico e 
complexo como o que se apresenta atualmente, além de compreender o papel da cria-
tividade para o desenvolvimento de inovações, é necessário reconhecer a relevância 
da cooperação para compartilhar experiências e desenvolver novas ideias em conjunto.
Fonte: Shutterstock.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR16
Para compreender melhor, que tal um exemplo? Imagine que duas empresas desen-
volvem o mesmo produto e oferecem serviços semelhantes no mercado. Consideremos 
que, para desenvolver esse produto, ambas as empresas implementaram processos 
semelhantes. Contudo, os colaboradores que trabalham nessas empresas são diferen-
tes entre si, já que têm histórias de vida distintas.
Mesmo com suas experiências individuais, as pessoas que se dedicam a uma organização 
contribuem	para	o	resultado	final	por	ela	alcançado.	Assim,	apesar	de	ofertarem	o	mesmo	
produto, os serviços que suportam a oferta desse produto no mercado serão diferentes.
O	entendimento	acerca	da	influência	das	pessoas	na	cons-
trução dos negócios passou a ser valorizado a partir do início 
do século XX, com o início da Era da Informação.
O avanço tecnológico, perceptível nesse período, facilitou o desenvolvimento de tare-
fas operacionais, ou seja, o ato de fazer se tornou mais simples com o advento da tec-
nologia. Essas mudanças permitiram que as empresas passassem a valorizar o ato de 
pensar e enfatizassem a importância da presença humana nas organizações.
Considerando a velocidade com que as mudanças se apresentam na sociedade atual 
–	especialmente	em	termos	de	desenvolvimento	de	novas	tecnologias	que	influenciam	
diretamente a concorrência entre as empresas –, o compartilhamento do conhecimen-
to é apontado como um grande diferencial competitivo.
Diferencial competitivo é um ou 
mais atributos que fazem a empre-
sa ser única e superior aos seus con-
correntes. São vantagens e benefí-
cios oferecidos aos clientes que as 
demais empresas não são capazes de 
oferecer (SEBRAE, 2021).
Mas, qual a relação do compartilhamento de conhecimento com o exemplo das empre-
sas que desenvolvem o mesmo produto, porém oferecem serviços diferentes ao mer-
cado? A partir da colaboração entre as empresas, seria possível economizar esforços 
e, assim, elas poderiam trabalhar de forma conjunta para oferecer produtos diferen-
ciados e mais inovadores.
17GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
O conhecimento é uma das bases da inovação, uma vez que diz respeito ao enten-
dimento de conceitos, teorias e procedimentos que possibilitam o desenvolvimento de 
soluções para resolver problemas. Portanto, ampliar o conhecimento é um dos cami-
nhos para a criatividade, e compartilhar esse conhecimento é imprescindível para a 
inovação. Nesse contexto, aprender, usar e compartilhar o conhecimento são etapas 
importantes do processo de inovação, dentro de uma mesma empresa ou entre em-
presas distintas, do mesmo ou de diferentes setores.
Tidd	 e	 Bessant	 (2015,	 p.	 8)	 afir-
mam que a inovação é uma ques-
tão de conhecimento – criar novas 
possibilidades por meio da combi-
nação de diferentes conjuntos de 
conhecimentos.
Fonte: Shutterstock.
A relevância do conhecimento como base para a inovação pode ser observada a partir 
do	aumento	do	número	de	associações,	congressos,	seminários	e	publicações	científi-
cas que caracterizam a Era da Informação. A economia do conhecimento, uma das 
características principais desse período, fez com que setores tradicionalmente intensi-
vos em mão de obra passassem a valorizar a comunicação estratégica, a Tecnologia da 
Informação, a cooperação e a inteligência empresarial.
Essa valorização foi imprescindível para que di-
versos setores da economia alcançassem o pata-
mar atual de evolução tecnológica.
Cooperar para inovar é um dos conceitos que estimulam o desenvolvimento de novas 
tecnologias no Brasil. Além de possibilitar a difusão do conhecimento, a cooperação 
facilita o acesso a recursos técnicos e produtivos e permite que as empresas se capa-
citem	para	processos	cada	vez	mais	eficientes.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR18
Glossário
Cooperar: atuar, juntamente com outros, para um mesmo 
fim;	contribuir	com	trabalho,	esforços,	auxílio;	colaborar.
A cooperação pode acontecer dentro de uma mesma cadeia produtiva, a chamada co-
operação vertical, ou com agentes externos a uma cadeia, como universidades e redes 
de pesquisa.
Um dos princípios da cooperação é a colaboração em contraposição à competição, o 
que faz muito sentido quando se pensa em inovação. Isso porque uma empresa que 
busca inovação não o faz apenas dentro de uma única área do conhecimento. Existem 
diferentes fontes de informação que compõem as bases da inovação, uma vez que os 
novos produtos são cada vez mais multifuncionais, ou seja, não atendem a uma única 
funcionalidade.
Um exemplo é o surgimento do smartphone. Originado dos telefones celulares, o 
smartphone teve sua evolução a partir da incorporação de funções de assistentes vir-
tuais. Dessa forma, o mercado passou a dispor de um aparelho com múltiplas funções. 
Vale ressaltar que esse exemplo representa um dos maiores avanços da Tecnologia da 
Informação dos últimos anos.
Confira,	no	infográfico,	a	evolução	do	smartphone nas últimas décadas:
Telefone
móvel
Assistente
virtual
Smartphone com
múltiplas funções
Fonte: Elaborado pelo autor (2022).
19GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
A literatura comprova que as empresas inovadoras que cooperam têm maior capaci-
dade de se apropriar do conhecimento gerado fora delas e, por isso, apresentam um 
desempenho global mais elevado. Essas empresas tendem a lançar inovação para o 
mercado e não apenas internamente (para si mesmas) e, assim, colaboram para o pro-
cesso de inovação como um todo (ABRAMOVSKY et al., 2009; TETHER, 2002).
Na	sequência,	faça	a	atividade	para	fixar	seu	aprendizado.
Atividade de aprendizagem
1. Quando falamos em inovação, é bastante comum imaginarmos algo futu-
rístico, que quebre paradigmas. Mas a inovação não se caracteriza apenas 
por seu radicalismo. Inúmeras inovações incrementais estão presentes em 
nosso dia a dia, inclusive no contexto do agronegócio. Com base nessa 
afirmativa, elabore um conceito para inovação e exemplifique-o a partir da 
utilização de uma inovação incremental no agronegócio.
Tópico 2: Ciência, tecnologia e inovação e seus impactos 
no agronegócio
O agronegócio é o setor mais dinâmico da economia brasileira.Assim, é papel do pro-
fissional	técnico	em	agronegócio	conhecer	as	bases	fundamentais	da	ciência,	da	tec-
nologia e da inovação, bem como as diferentes formas de como esses conceitos se 
apresentam para que sejam implementados nos negócios rurais.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR20
Ciência, tecnologia e inovação no agronegócio. 
Fonte: Getty Images.
2.1 Conceitos de ciência, tecnologia e inovação
As grandes conquistas realizadas pelo ser humano foram baseadas em um conjunto 
de conhecimentos acumulados ao longo de toda sua história, desde o surgimento do 
Homo sapiens	até	os	dias	de	hoje.	Assim,	pode-se	afirmar	que	a	ciência	é	algo	tão	an-
tigo quanto a própria existência da humanidade.
Trata-se de um conjunto de conhecimentos de certas metodologias e equipamentos 
empregados	com	a	finalidade	de	aprimorar	ou	solucionar	dificuldades	preexistentes	no	
processo produtivo. Assim, a tecnologia consiste basicamente no uso de várias ciências 
ou saberes aplicados de forma prática nos processos produtivos de bens e serviços.
Nesse aspecto, é possível observar que, geralmente, quando uma propriedade rural 
decide optar por certa tecnologia, acaba por adotar um pacote tecnológico de conhe-
cimentos diversos.
Vejamos alguns exemplos:
21GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Ao adotar a mecanização com o 
uso de tratores, usualmente, tam-
bém são adotadas práticas de adu-
bação química.
Fonte: Shutterstock.
As propriedades dedicadas à sui-
nocultura, ao investirem em um 
novo processo de coleta e arma-
zenamento de resíduos, também 
precisam investir em equipamen-
tos que possibilitem o aproveita-
mento adequado dos gases com-
bustíveis gerados pelo processo de 
fermentação anaeróbica.
Fonte: Getty Images.
Dessa	forma,	é	fundamental	buscar	meios	eficazes	de	distribuição	de	resíduos	sólidos	
e líquidos sobre os solos a serem cultivados. Surge, então, a necessidade da interação 
entre diversas áreas de conhecimento para obter sucesso em cada etapa de produção.
Também é importante observar que a tecnologia é dinâmica e se renova com o passar 
do tempo. Muitas tecnologias empregadas no Brasil na década de 1960, por exemplo, já 
não se aplicam mais, sobretudo devido aos apelos ambiental e social dos tempos atuais.
O	conjunto	de	conhecimentos	adquiridos	desde	aquela	época	permite	afirmar	que	algu-
mas práticas não são mais racionalmente aceitas, como o plantio fora das curvas de nível, 
sem a construção de bons terraços, que causa o desmatamento de áreas de preservação.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR22
Fonte: Shutterstock.
Nesse contexto, surgiram as Boas Práticas Agrícolas (BPA), que foram aprimora-
das ao longo de muitos anos e podem ser adotadas pelos produtores rurais. Podem ser 
implementadas as seguintes práticas:
• uso adequado de máquinas e implementos agrícolas;
• melhoramento genético;
• melhoramento da fertilidade do solo;
• controle de pragas, doenças e plantas daninhas;
• manejo conservacionista do solo; e
• melhorias na ambiência genética e na nutrição animal.
Glossário
Boas práticas: conjunto de ações destinadas à produção agrí-
cola, com atenção à redução de perdas, maior preservação am-
biental e otimização dos recursos de produção.
O desenvolvimento de novas tecnologias está diretamente relacionado às inovações. 
Inovação é o processo de transformar ideias em realidade e lhes capturar valor. Esse 
processo se traduz em quatro fases principais: a busca, a escolha estratégica, a imple-
mentação e a captura de valor (TIDD; BESSANT, 2015).
23GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Portanto, inovar é desenvolver soluções úteis 
para os problemas que se apresentam.
Se é possível aplicar essas ideias e práticas e implementar esses equipamentos ao 
processo	produtivo,	a	fim	de	gerar	ganhos	econômicos,	reduzir	custos,	elevar	receitas	
ou promover melhorias sociais, esse processo pode ser entendido como inovação tec-
nológica (PINTO, 2012).
Mas, nem sempre as inovações produzidas são demandadas pelo mercado. Elas podem 
estar associadas ao invencionismo (compulsão por inventar) e não são de aplicação 
imediata (GOMIDE; VILELA, 2015). Assim, nem toda invenção se caracteriza como 
uma inovação.
Algumas adaptações feitas em equipamentos agrícolas nas fazendas podem produzir 
bons resultados, mas não constituem inovação.
Exemplo: algumas propriedades usam motocicletas comuns 
para conduzir carretas, acionar pulverizadores, entre outras 
finalidades.
Para se consolidar como inovação, além de ser totalmente nova ou apresentar me-
lhorias	significativas,	a	invenção deve ser aceita comercialmente pelo mercado con-
sumidor. De modo geral, as inovações podem ser divididas de acordo com o grau de 
novidade.	Isso	porque	inovar	não	significa	apenas	abrir	novos	mercados,	mas	também	
oferecer novas formas de servir aos mercados já estabelecidos.
Por isso, em muitos casos, a inovação surge quan-
do a forma de olhar para algo é repensada.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR24
A	tecnologia	estuda	meios	de	resolver	dificuldades	dos	processos	produtivos	por	meio	
de um conjunto de conhecimentos ou ciências acumuladas ao longo do tempo. Já as 
inovações	implicam	retorno	financeiro	devido	ao	surgimento	de	novos	produtos	ou	de	
melhorias implementadas nos processos e serviços. Esses assuntos têm uma estrei-
ta relação entre si e, por isso, a pesquisa e a necessidade de produção otimizada são 
grandes fatores motivadores da inovação.
Fonte: Getty Images.
As	tecnologias	inovadoras	são	desenvolvidas	por	profissionais	dotados	de	iniciativa	e	
visão holística do empreendimento no qual estão envolvidos. Surge, então, a impor-
tância	de	qualificar	a	mão	de	obra	empregada	no	setor	agropecuário.
2.2 Modernização da agricultura e relevância da C, T & I para o 
agronegócio
As aplicações da ciência, da tecnologia e da inovação no agronegócio são visíveis no 
Brasil desde os anos 1960. Os resultados expressivos da produtividade das culturas 
agrícolas e pecuárias foram possíveis somente graças ao desenvolvimento e à incor-
poração	do	conhecimento	científico	às	produções	agrícola	e	pecuária.	Associados	ao	
desenvolvimento de inovações tecnológicas, eles revolucionaram o trabalho no campo.
25GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Tudo isso permitiu que o Brasil 
emergisse como um dos maiores 
exportadores de produtos agrope-
cuários de todo o mundo, com pa-
pel fundamental no fornecimento 
de carne, ave, soja, açúcar, café 
e laranja.
Fonte: Getty Images.
Para tanto, os investimentos feitos em pesquisa para setor rural no país foram fun-
damentais, tanto na pesquisa básica quanto na aplicada, em instituições públicas e 
privadas voltadas ao assunto. A ascensão do agronegócio brasileiro ocorreu a partir 
da criação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), especialmente 
com o desenvolvimento de novas e mais produtivas variedades de sementes e a adap-
tação ao solo e ao clima, o que contribuiu diretamente para elevar a produtividade e a 
produção de alimentos no país.
A produção de alimentos existe desde os primórdios da humanidade e, desde então, 
vem sofrendo transformações.
A Primeira Revolução Agrícola, ocorrida entre os séculos 
XVIII e XIX, foi marcada pela substituição das pastagens 
naturais	por	artificiais,	pelo	abandono	da	produção	baseada	
em sistemas de pousio e pelo aumento de produtividade dos 
sistemas agropecuários.
Nesse período, também houve a aproximação da agricultura e da pecuária, que, his-
toricamente, eram atividades opostas. Além disso, suas complementaridades e as sim-
bioses naturais entre as espécies animais e vegetais foram aproveitadas para desenvol-
ver a fertilidade dos solos. Essa aproximação permitiu, ainda, o estabelecimento de um 
sistema de rotação de cultivos e, a partir daí, foram observados os primeiros movimen-
tos de transição em direção ao estabelecimento da chamada agricultura moderna.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR26
Agriculturamoderna. 
Fonte: Getty Images.
A Segunda Revolução Agrícola, também conhecida como Revolução Verde, se 
prolongou ao longo do século XX e teve como premissa a mecanização e a motori-
zação, apoiadas na seleção de variedades de plantas e raças de animais domésticos 
adaptados aos meios de produção industriais. A Revolução Verde ocorreu com base na 
necessidade de ampliação da produção de alimentos para alimentar a população mun-
dial, principalmente por meio de incrementos de produtividade no campo.
O aumento da produtividade no campo se tornou possível a partir da implantação de 
pacotes tecnológicos que, no Brasil, tiveram apoio determinante do governo por meio 
de subsídios de créditos agrícolas para estimular a produção agropecuária.
Ação no campo
Entre 1975 e 2017, a produção de grãos, que era de 38 milhões 
de toneladas, cresceu mais de seis vezes e atingiu 236 milhões, 
enquanto a área plantada apenas dobrou.
Saiba mais
Para compreender como a Terceira Revolução Industrial in-
fluenciou	as	culturas	agrícolas	e	pecuárias,	acesse	o	material	
disponível para você na biblioteca do AVA.
27GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Outros fatores também foram determinantes para a modernização da agricultura no 
Brasil,	como	os	padrões	de	produção,	bastante	modificados	desde	os	anos	1960.	As	
práticas produtivas inadequadas, que causavam severos danos ambientais, como ero-
são e assoreamento, foram substituídas por padrões produtivos mais modernos, que 
respeitam o meio ambiente.
Duas	grandes	cadeias	produtivas	se	consolidaram	a	partir	de	modificações	expressivas	
nos padrões de produção, especialmente em termos de sanidade, manejo e instala-
ções: a avicultura e a suinocultura.
Avicultura. 
Fonte: Getty Images.
Suinocultura. 
Fonte: Getty Images.
Na suinocultura, robôs podem ser programados para se des-
locarem sobre trilhos e realizarem todo o processo de dosa-
gem de ração ideal para cada baia individual, além de regis-
trarem a temperatura do ambiente, marcarem o consumo de 
alimento,	controlarem	o	estoque	de	ração	no	silo	e	identifi-
carem enfermidades (MARTIN NETO, 2010).
Além disso, os avanços relacionados à organização produtiva permitiram elevar ex-
pressivamente a produção nessas cadeias produtivas.
Ação no campo
No caso da carne de frango, por exemplo, a produção passou 
de 217 mil toneladas, em 1970, para 12,9 milhões de tonela-
das, em 2016, o que consolidou o Brasil como o maior produtor 
e exportador mundial do produto.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR28
A utilização de tecnologias inovadoras também 
se justifica pela necessidade do produtor rural 
de se manter ativo e competitivo em um cenário 
capitalista, em que a competição motiva mercados 
e aponta tendências de produtos.
Há uma tendência de integração de tecnologias voltadas à produção de alimentos de 
origem	vegetal	e	animal,	fibras,	energia	e	madeira	em	uma	mesma	área,	cultivados	
em sucessão ou em rotação num mesmo espaço. Uma das grandes vantagens dessa 
integração tecnológica é a quebra do ciclo biológico de certas pragas, doenças e plan-
tas daninhas, além de proporcionar maior dinamismo à vida microbiana do solo. Do 
ponto	de	vista	da	viabilidade	financeira	da	empresa	rural,	essa	diversificação	de	pro-
dutos cria fontes alternativas de renda.
Fonte: Getty Images.
Outro cenário cada vez mais presente é o uso de produtos oriundos do melhoramen-
to genético vegetal e animal em larga escala. Dadas as diferentes raças de bovinos, 
com	especificidades	em	suas	diferentes	formas	de	exploração,	por	exemplo,	ainda	é	
possível	fazer	cruzamentos	direcionados	entre	elas,	a	fim	de	obter	animais	com	melhor	
desempenho e adaptados a diferentes condições de exploração.
29GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Há uma grande expectativa de que 
a engenharia genética continue 
avançando na criação de produ-
tos transgênicos e contribua para 
o surgimento de espécies que se 
adaptem melhor aos solos mais 
pobres e às regiões de maior es-
cassez hídrica, com o objetivo de 
garantir a segurança alimentar e a 
preservação ambiental.
Fonte: Getty Images.
Comentários do autor
Pode-se dizer que as perspectivas para expansão das tecno-
logias genéticas na agropecuária são enormes, e muitas pes-
quisas têm sido realizadas mundo afora. Assim, é possível que 
algumas delas, em breve, apareçam como grandes inovações.
Em relação às máquinas e aos implementos agrícolas, a expectativa de implementação 
de novas tecnologias está diretamente relacionada à automação e, principalmente, aos 
sistemas de sensoriamento remoto, com respostas mais rápidas e melhor qualidade 
de operação.
Outra	perspectiva	é	a	de	que	leis	ambientais	e	fiscalizações	mais	severas	obriguem	os	
produtores a adotar medidas voltadas para os manejos conservacionistas e a fazer uso 
mais racional dos insumos de produção.
Além disso, leis trabalhistas que demandam maior investi-
mento para garantir mais conforto e segurança aos colabo-
radores também estarão mais presentes no campo.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR30
Com isso, o produtor rural terá que buscar formas de se adequar ao novo cenário 
para garantir sua presença no mercado por meio do uso de inovações e tecnologias 
que possibilitem maior rentabilidade. Portanto, as possibilidades de emprego de novas 
tecnologias no meio rural são amplas e estarão ao alcance de todos os produtores, in-
dependentemente	do	tamanho	da	sua	propriedade.	Afinal,	o	que	dita	o	emprego	das	
tecnologias é a motivação do produtor em se manter competitivo no mercado.
A história comprova que a evolução das tecnologias inovadoras, atualmente imple-
mentadas na agropecuária, se deu de acordo com conhecimentos acumulados e, pos-
teriormente, com a transmissão desses conhecimentos entre as gerações, o que per-
mitiu haver sólidos aprimoramentos no setor produtivo agropecuário.
Na	sequência,	resolva	a	atividade	para	fixar	seu	aprendizado.
Atividade de aprendizagem
1. “O aumento da produtividade no campo se tornou possível a partir da im-
plantação de pacotes tecnológicos que, no Brasil, tiveram apoio determi-
nante do governo por meio de subsídios de créditos agrícolas para estimu-
lar a produção agropecuária. Entre 1975 e 2017, a produção de grãos, que 
era de 38 milhões de toneladas, cresceu mais de seis vezes e atingiu 236 
milhões, enquanto a área plantada apenas dobrou.”
 Dado o contexto de modernização da agricultura, que impulsionou o de-
senvolvimento do agronegócio brasileiro a partir dos anos 1960, assinale a 
alternativa incorreta.
a) A modernização da agricultura ocorreu com base na necessidade de ampliação da 
produção de alimentos para alimentar a população mundial, principalmente por 
meio de incrementos de produtividade no campo.
b) O incremento de produtividade das culturas possibilitou o aumento do rendimento 
dos sistemas produtivos.
c) A tecnologia foi uma ferramenta determinante para que a agricultura brasileira ex-
perimentasse tamanha revolução em tão pouco tempo.
d) A pesquisa agropecuária foi fundamental para embasar o desenvolvimento tecnoló-
gico que caracterizou a modernização da agricultura a partir dos anos 1960.
e) O aumento da produção, observado desde os anos 1960, é baseado essencialmente 
na expansão da área plantada.
31GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Tópico 3: Impactos da C, T & I em termos de 
sustentabilidade para o agronegócio
Apesar de muitos avanços terem sido observados nos últimos anos, a agropecuária 
possui uma forte dependência dos recursos naturais e, por isso, o aumento da produ-
tividade deve estar atrelado a questões de sustentabilidade. Porém, é nítido que algu-
mas tecnologias contribuem substancialmente para a redução de impactos ambientais 
e a preservação dos recursos naturais para as gerações futuras.
Fonte: Shutterstock.
Nesse sentido, a ciência, a tecnologia e a inovação não possibilitaram apenas a evolu-
ção	da	produtividade	no	agronegócio,	masa	produção	cada	vez	mais	eficiente	de	pro-
dutos advindos do campo. Isso representou uma economia considerável de recursos 
materiais, humanos e naturais envolvidos em todo o processo produtivo.
Para compreender melhor a relação entre sustentabilidade, inovação e agronegócio, é 
fundamental	que	você,	profissional	técnico	em	agronegócio,	reconheça	alguns	concei-
tos importantes.
3.1 Aplicabilidade da tecnologia e da inovação em sustentabilidade
O Brasil tem condições e recursos naturais excelentes para a produção agrícola e pecu-
ária, e esse é o fator primordial para o sucesso do agronegócio brasileiro. Porém, o que 
aconteceria com esses recursos e com o próprio setor agropecuário se não houvesse o 
caráter inovador de quem empreende no agronegócio brasileiro? Como esse setor, tão 
relevante para a economia brasileira, se sairia nessa situação?
CURSO TÉCNICO EAD SENAR32
Fonte: Getty Images.
O Brasil é o país mais desenvolvido em agricultura tropical no mundo e dispõe de 
inovações que apresentam os seguintes benefícios:
Redução e eliminação da erosão, preservação do solo, da vegetação e dos recursos 
hídricos.
Redução do uso de insumos por meio de sistemas de agricultura de precisão que 
possibilitam o aumento da margem de lucro da propriedade.
Implementação de estratégias de controle de pragas menos ofensivas.
Melhoramento genético de sementes para o controle de qualidade da produção.
Há diversas outras tecnologias e inovações que garantem a produção agropecuária 
competitiva e rentável, com sustentabilidade para o meio ambiente, responsabilidade 
social e qualidade dos alimentos. O uso de tecnologias e inovações nos processos pro-
dutivos é fundamental para o desenvolvimento socioeconômico e a geração de riquezas.
Entretanto, é possível considerar que a disponibilidade de recursos naturais é um dos 
fatores mais importantes, pois é o propulsor de todos os meios de produção.
33GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Por exemplo, a disponibilidade de 
grandes extensões de terras pla-
nas, que sejam mecanizáveis, com 
solos dotados de potencial para fa-
zer a correção da acidez e boa dis-
tribuição de chuvas ao longo do 
ano, é um atrativo para o investi-
mento na exploração agropecuária 
em todos seus segmentos.
Fonte: Getty Images.
Ao mesmo tempo em que se sabe que a disponibilidade de recursos naturais é um fator 
determinante para o desenvolvimento da atividade agropecuária, sabe-se também que 
é preciso preservar esses recursos para que seja possível produzir agora e no futuro. 
E ninguém melhor para cuidar da terra do que o próprio produtor rural, não é mesmo?
Culturalmente, a preocupação ambiental é um traço bastante característico da agricul-
tura brasileira. Um exemplo disso é que o aumento da produção agropecuária obser-
vada no país se dá muito mais pelo incremento de produtividade do que pela expansão 
da fronteira agrícola.
Para refletir
A preocupação com o meio ambiente, característica do produ-
tor rural brasileiro, é de extrema relevância para que o Brasil 
continue a produzir e fornecer alimentos seguros e de qualida-
de para a população mundial.
Isso porque, há algum tempo, os consumidores já sinalizam que perceberam seu grande 
poder	de	influência	sobre	os	processos	de	produção	e	reivindicam	seus	direitos	de	forma	
mais veemente. Esse comportamento pode ser observado nas exigências feitas pelos 
mercados europeus para aquisição de produtos brasileiros para a adoção das Boas Prá-
ticas Agrícolas (BPA) e para a preservação ambiental.	Esse	fato,	por	si	só,	justifica	
a necessidade de o produtor rural empregar novas tecnologias em suas propriedades.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR34
Uma das práticas produtivas que colaboram para que o agro-
negócio brasileiro seja reconhecido por sua sustentabilidade 
é a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF), que 
consiste	na	estratégia	de	integrar	lavoura,	pecuária	e	flores-
ta em uma mesma área.
A aplicação desse método produtivo resulta em aumento de produtividade, bem como 
em benefícios ambientais para todo o sistema, que advêm da sinergia entre seus ele-
mentos. Em sistemas como esse, a capacidade de sequestro de carbono é maior e há 
maior conforto térmico para os animais em função da sombra das árvores.
Para o produtor rural, os sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF) tam-
bém	representam	diversificação	de	renda,	uma	vez	que	ele	passa	a	ter	mais	de	um	
produto para oferecer ao mercado.
Outro exemplo de prática produtiva que corrobora com a sustentabilidade da produção 
agrícola brasileira é o plantio direto na palha, que consiste em um sistema de manejo 
do solo desenvolvido para reduzir o impacto da atividade.
Plantio direto na palha. 
Fonte: Getty Images.
Com isso, ferramentas comuns, como o arado e a grade, não são usadas no preparo do 
solo. As sementes são colocadas diretamente no solo sem revolvimento, e a manuten-
ção dos restos de culturas anteriores é fundamental para o sucesso do plantio direto. 
Essa prática produtiva contribui, por exemplo, para melhorar a retenção de umidade 
no solo, o que impacta diretamente o rendimento das culturas em anos de seca.
35GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
3.2 Uso racional dos recursos: materiais, humanos e naturais
No tópico anterior, você entendeu a importância das contribuições de algumas práticas 
produtivas	para	a	promoção	de	negócios	rurais	mais	produtivos,	eficientes	e	sustentá-
veis. Parte desse resultado está diretamente relacionado às práticas produtivas adota-
das no campo, como a iLPF e o plantio direto.
Fonte: Getty Images.
Para aprofundar o entendimento sobre os impactos das práticas produtivas em relação 
à sustentabilidade da produção agropecuária brasileira, é fundamental reconhecer o 
consumo dos recursos produtivos envolvidos e de que maneira a prática pode ser apli-
cada de forma mais racional e consciente.
Imagine	que	você,	profissional	técnico	em	agronegócio,	trabalha	na	produção	de	uma	
cultura de grãos. Para produzir de forma adequada, você deve dominar os mais varia-
dos conhecimentos, dados e informações, não é mesmo? Além disso, é essencial ter 
o conhecimento técnico necessário para selecionar as sementes, analisar a época de 
plantio,	verificar	as	técnicas	de	semeadura	e	colheita	que	serão	usadas	e	planejar	as	
estratégias de combate a pragas e ervas daninhas.
Para essas e outras decisões, que fazem parte do dia a dia da produção rural, é neces-
sário	que	o	produtor	esteja	atento	e	devidamente	capacitado,	a	fim	de	reduzir	os	riscos	
e as incertezas inerentes à sua atuação.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR36
Todo esse entendimento vem sendo construído ao longo do 
tempo, e a atividade de produção no campo, que antes era 
vista como atrasada, passou a ser encarada como impres-
cindível para a sustentação do país.
É	importante	compreender	esse	contexto	como	um	todo,	já	que	essas	modificações,	
inclusive comportamentais, impactam diretamente as práticas produtivas adotadas no 
campo e, consequentemente, os recursos consumidos pela atividade de produção.
Para falar sobre o consumo de recursos pelos sistemas produtivos, um bom exemplo é o 
caso da agricultura de precisão, prática cada vez mais fortalecida e difundida no país.
Ação no campo
Ao contrário da agricultura convencional, em que o manejo das 
culturas é feito pela média insumos x área, a agricultura de 
precisão torna possível observar as características ambientais e 
agronômicas da área, que são coletadas diretamente no campo.
Vale ressaltar que a área de produção não é uniforme. Portanto, alguns lugares apre-
sentam variações na composição do solo, o que impacta diretamente sua fertilidade e, 
consequentemente, o resultado da produção.
Com a análise e o registro dessas variações, o produtor rural pode otimizar a aplicação 
de insumos, como:
Adubos Defensivos Recursos naturais
A adoção dessas práticas mais racionais de produção é extremamente favorável para 
elevar aprodutividade no campo e, ao mesmo tempo, possibilitar a economia de recur-
sos importantes para o sistema produtivo como um todo. Ou seja, usar a quantidade 
correta de insumos, de acordo com a capacidade de resposta do ecossistema.
37GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Além da economia de insumos, a implementação de técnicas racionais de cultivo tam-
bém favorece o meio ambiente, já que considera a capacidade de suporte e de rege-
neração	dos	recursos	naturais	e,	ainda,	considera	a	mão	de	obra	dos	profissionais	en-
volvidos na atividade produtiva.
Antes	de	encerrar	este	tema,	fixe	seus	conhecimentos	com	a	atividade	proposta	a	seguir.
Atividade de aprendizagem
1. O Brasil é reconhecido internacionalmente pela adoção de práticas produ-
tivas como, por exemplo, a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta e o plan-
tio direto, que propiciam o desenvolvimento da atividade de produção em 
harmonia com o meio ambiente. Acerca da sustentabilidade no agronegó-
cio, assinale a alternativa correta.
a) Sustentabilidade	no	 agronegócio	 significa	 apenas	 se	preocupar	 com	os	 aspectos	
ambientais da atividade, ou seja, com os recursos naturais.
b) Economia de recursos e uso racional dos insumos são conceitos opostos.
c) Falar em sustentabilidade no agronegócio é também falar sobre a economia de re-
cursos	e	o	aumento	da	eficiência	produtiva	observada	nos	sistemas	produtivos.
d) Não é possível perceber preocupação com a atividade produtiva na adoção dos con-
ceitos e nas práticas da agricultura de precisão.
e) Para que o produtor rural adote práticas mais sustentáveis, não é necessário que 
esteja capacitado e atualizado.
Encerramento do tema
Você encerrou o tema Ciência, tecnologia e inovação: conceitos e implicações 
no agronegócio. Nele, você conheceu os conceitos e as bases que fundamentam o 
estudo e a aplicabilidade da tecnologia e da inovação. Também entendeu que é cada 
vez	mais	importante	que	o	profissional	técnico	em	agronegócio	esteja	preparado	para	
atuar de maneira colaborativa e criativa, principalmente em um mundo imerso em mu-
danças, dentro e fora das empresas.
No próximo Tema, vamos conhecer o ambiente da cadeia produtiva nos negócios rurais.
O ambiente da 
cadeia produtiva no 
agronegócio
02
39GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Tema 2: O ambiente da cadeia produtiva 
no agronegócio
A tecnologia e a inovação estão cada vez mais presentes no dia a dia da sociedade 
atual e seu impacto também é sentido pelas empresas dos mais diversos setores da 
economia.	Especificamente	para	o	agronegócio,	a	adoção	de	tecnologias	e	da	inovação	
modificou	os	processos	produtivos,	com	impactos	diretos	nos	resultados	obtidos	por	
esse setor tão importante para o desenvolvimento do país.
No tema de aula O ambiente da cadeia produtiva no agronegócio, você vai co-
nhecer conceitos importantes para que a tecnologia e a inovação estejam ainda mais 
presentes no setor rural.
Fonte: Getty Images.
Esses	conceitos	influenciam	diretamente	os	processos	das	cadeias	produtivas	e	os	am-
bientes organizacionais e institucionais.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR40
Capacidades técnicas
Ao	 fim	 deste	 tema,	 você	 terá	 desenvolvido	 as	 seguintes	
capacidades:
• legislação e normas aplicadas à cadeia do agronegócio;
• prospectar oportunidades do mercado de trabalho;
• analisar o contexto da inovação tecnológica e sua importân-
cia para o desenvolvimento do agronegócio; e
• empregar os conceitos de inovação e tecnologia aplicados 
ao agronegócio.
Tópico 1: Gestão da inovação em cadeias produtivas: 
competitividade e tendências no contexto do agronegócio
A criatividade é uma das bases fundamentais para a inovação pois, a partir dela, é que 
surgem as ideias que produzem inovações. Mas, você sabia que um dos maiores pro-
blemas enfrentados nas empresas, quando se trata de inovação, é confundi-la com a 
criatividade?	Mais	do	que	ter	ideias,	inovar	significa	colocar	em	prática	as	ideias	que,	
de fato, sejam úteis para a resolução dos problemas que se apresentam.
Fonte: Getty Images.
41GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Entretanto,	a	inovação,	de	maneira	isolada,	também	não	é	suficiente.	Dessa	forma,	nin-
guém assume a responsabilidade por gerenciar a inovação. O mesmo pode acontecer 
com as ideias: empresas que não gerenciam a criatividade, no sentido de conectá-la à 
gestão da inovação, certamente, estão fadadas ao fracasso. São muitos os casos de em-
presas	que	se	queixam	da	carência	de	profissionais	criativos,	mas	o	que	lhes	falta,	na	
verdade, é o gerenciamento de ideias funcionais (DE BES e KOTLER, 2011).
A	inovação	requer	pessoas	criativas,	assim	como	a	definição	
de estratégias e objetivos claros, além do estabelecimento 
de riscos, recursos e alocação de responsabilidades. O con-
junto de todas essas tarefas é denominado gestão.
Os setores da economia que garantem o desenvolvimento de um país e conseguem 
se manter atuantes, como é o caso do agronegócio no Brasil, só são capazes de de-
sempenhar tal papel por meio da gestão adequada de conhecimento. Nesse contexto, 
a gestão pode ser entendida como um conjunto de ações planejadas, cujo objetivo é 
implantar meios de administrar a empresa rural e atendendo às expectativas dos clien-
tes,	fornecedores	e	colaboradores	e,	ao	mesmo	tempo,	garantir	o	retorno	financeiro	
adequado para a empresa.
Atenção
Como você já sabe, o emprego de inovações pode trazer incer-
tezas e riscos durante sua implantação. Entretanto, empresas 
rurais que não se arriscam a implantar inovações e novas tec-
nologias correm um grande risco de, mais cedo ou mais tarde, 
fechar as portas. 
Assim, implementar a gestão da inovação é fundamental para o sucesso continuado 
da	empresa.	A	gestão	da	 inovação	requer	definição	de	estratégias	baseadas	em	di-
versos conhecimentos do agronegócio. A própria base da inovação é o conhecimento, 
que	não	pode	ser	isolado;	deve	envolver	diferentes	profissionais,	com	pontos	de	vista	
diversos, para interpretar as informações das quais dispõem sobre a necessidade de 
inovar e evoluir no desenvolvimento e na implementação da solução inovadora.
No entanto, quando uma empresa busca a inovação constantemente, pode haver uma 
grande quantidade de informações e de conhecimentos. Consequentemente, o excesso 
deles pode ser tão complexo de ser administrado quanto sua falta. Por isso, deve-se 
adotar técnicas para gerenciar a informação corretamente.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR42
A gestão da inovação ocorre quan-
do é possível administrar informa-
ções novas e intercalar as ideias na 
busca de algo que seja realmente 
novo dentro do processo produtivo. 
Para isso, deve haver, na empresa, 
um ambiente que fomente o desen-
volvimento de competências e habi-
lidades, trabalho em equipe, tolerân-
cia e respeito mútuos, para que os 
colaboradores produzam inovação 
(PINTO, 2012).
Esse ambiente resulta em um processo continuado de produção de inovação. Por isso, 
é essencial que as empresas rurais encontrem meios de criar tais ambientes na sua 
estrutura de produção. Portanto, fazer a gestão da inovação é muito importante para 
garantir a existência e a longevidade da propriedade e deve ser parte da estratégia de 
funcionamento da empresa rural.
Fonte: Getty Images.
43GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Ao implementar a gestão da inovação, a empresa cria meios de inovar de acordo com 
as demandas recebidas ou, até mesmo, com as observações de mercado. Em geral, 
valoriza as ideias de todos os colaboradores, o que contribui para a formação de um 
ambiente de trabalho estimulante à criatividade de todos.
1.1 Estímulo à inovação e à tecnologia: os ambientes institucional e 
organizacional em cadeias produtivas
De maneira geral, a cadeia produtiva é a sequência de etapas e transformações pelas 
quais	um	insumo	passa	e	sofre	até	a	entrega	do	produto	final	ao	consumidor.Ocorre	
que,	 toda	 essa	 sequência	 de	 etapas	 sofre	 influência	 de	 normas	 econômicas,	 políti-
cas, sociais, morais e legais que estabelecem as bases para a produção e a distribui-
ção dos produtos resultantes. O conjunto dessas normas é denominado ambiente 
institucional.
O ambiente organizacional, por 
sua vez, é composto por estrutu-
ras criadas para dar suporte à ca-
deia como, por exemplo, empre-
sas, universidades, associações e 
cooperativas.
Fonte: Getty Images.
Os ambientes institucional e organizacional em cadeias produtivas do agronegócio in-
fluenciam,	de	maneira	determinante,	todo	o	andamento	das	atividades	de	cada	um	dos	
atores que os compõem, justamente, porque se tratam de instituições e regulamentos 
que devem ser observados pelas atividades econômicas ali exercidas. Nesse contexto, 
dada	tamanha	relevância	e	 influência	para	as	cadeias	produtivas,	também	é	impor-
tante	refletir	sobre	a	maneira	como	esses	ambientes	impactam	o	desenvolvimento	de	
tecnologias e inovações para o agronegócio.
No Brasil, existem vários órgãos públicos e privados que apoiam pesquisas e inovação 
nos mais diversos setores da economia, entre eles a agropecuária. A atuação desses 
órgãos contribui para a geração de muitas oportunidades que, nem sempre, são ampla-
mente difundidas e deixam de chegar ao alcance de possíveis interessados no meio rural.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR44
Fonte: Getty Images.
Entretanto,	algumas	iniciativas	podem	reduzir	a	dificuldade	de	comunicação	que	existe	
entre o investidor e a parte interessada. O trabalho do Instituto Nacional de Empre-
endedorismo e Inovação (Inei),	por	sua	vez,	tem	o	objetivo	de	identificar	e	difundir	
as principais fontes de fomento para a pesquisa e inovação no Brasil.
De modo geral, a rede de apoio à pesquisa e à inovação existente no Brasil pode ser 
dividida em órgãos públicos e privados. Entre os órgãos públicos de fomento à pesqui-
sa e à inovação, alguns podem ser destacados, como:
a) Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
O CNPq é uma agência ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações 
(MCTI)	e	tem	como	principal	atribuição	fomentar	a	pesquisa	científica	e	tecnológica	e	
incentivar a formação de pesquisadores brasileiros. Atua no fornecimento de bolsas de 
estudos para que pesquisadores trabalhem no Brasil e no exterior e, assim, aumentar 
as possibilidades de troca de experiências dos pesquisadores brasileiros com outros de 
diversas partes do mundo.
O CNPq financia projetos de pesquisa por meio de 
editais públicos. Algumas linhas de atuação são 
voltadas especificamente para o agronegócio.
45GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
b) Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)
A Capes é uma fundação do Ministério da Educação (MEC) que desempenha papel 
fundamental na expansão e na consolidação da pós-graduação em todo o Brasil. Entre 
as atribuições da Capes está a avaliação e o gerenciamento de cursos de pós-gradua-
ção, além do apontamento de melhorias para o ensino superior no país.
A Capes trabalha principalmente 
em parceria com instituições de 
ensino superior por meio de editais 
públicos para, entre outros objeti-
vos,	 capacitar	mão	 de	 obra	 a	 fim	
de atender demandas regionais e 
apoiar iniciativas com o objetivo de 
difundir novas tecnologias.
Fonte: Getty Images.
Também tem linhas de concessão de bolsas para diferentes pesquisadores vinculados 
a centros de pesquisa e de ensino Brasil afora.
c) Financiadora de Estudos e Projetos (Finep)
A Finep é a Agência Brasileira da Inovação. Trata-se de uma empresa pública, 
vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que oferece fomento 
à ciência, à tecnologia e à inovação em empresas, universidades, institutos tecnológi-
cos e outras instituições públicas ou privadas. Tem várias linhas de atuação e oferece 
recursos reembolsáveis ou não.
Uma delas é a Inova Agros, que apoia o desenvolvimento 
de insumos, o melhoramento genético, novas embalagens, 
além de máquinas e implementos agrícolas.
Há também o Projeto Inovar, que estimula empresas com ideias inovadoras e pe-
queno capital de giro.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR46
d) Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)
O BNDES	é	uma	empresa	pública	federal	que	faz	financiamentos	de	longo	prazo	a	cus-
tos competitivos e visa ao desenvolvimento de projetos em todos os setores da econo-
mia	brasileira.	É	um	dos	principais	órgãos	do	governo	federal	para	o	financiamento	de	
grandes projetos. Financia também projetos para pessoas físicas voltados à geração de 
empregos, renda e inclusão social.
Alguns órgãos citados anteriormente, como a Finep, 
usam recursos do BNDES.
Na	agropecuária,	o	BNDES	financia	projetos	direcionados	à	bovinocultura	de	corte,	à	
formação ou à reforma de pastos, aos gastos e aos tratos culturais, entre outros. Para 
tanto, o projeto deve seguir normas internas de submissão da proposta e, sobretudo, 
atender a questões socioambientais.
e) Agentes estaduais de fomento à tecnologia
De modo geral, todos os estados brasileiros são dotados de agentes estaduais de 
fomento à tecnologia e seguem as mesmas metodologias de repasse empregadas 
pelos agentes federais. Como exemplo, podem ser citados os seguintes agentes:
Minas Gerais
Fapemig
São Paulo
Fapesp
Ceará
Funcap
Mato Grosso
Fapemat
47GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Santa Catarina
Funcitec
Rio Grande do Sul
Fapergs
Nesse	caso,	a	origem	dos	recursos	para	financiar	as	pesquisas	é	a	arrecadação	geral	
do estado.
Informação extra
No site do Inei, é possível encontrar uma relação completa dos 
agentes de fomento por estado, com direcionamento para a 
unidade federativa de seu interesse.
Além	dos	órgãos	que	operam	com	recursos	públicos,	diversas	empresas	também	fi-
nanciam	pesquisas	por	meio	de	recursos	e	iniciativas	próprios.	Elas	definem	linhas	de	
ações	específicas	de	modo	a	atender	a	interesses	internos.	Empresas	inovadoras	que	
atuam no agronegócio e têm setores de pesquisa e desenvolvimento estruturados, 
normalmente, se apresentam como grandes agentes de fomento e estão em constante 
contato com o produtor rural.
1.2 O papel do produtor rural enquanto protagonista da inovação no 
meio rural
O produtor rural tem um papel de destaque na geração de inovação agropecuária. Ele 
é o grande responsável por colocar em prática as tecnologias pensadas e construídas 
em ensaios de laboratórios ou em campos experimentais. Se essas tecnologias não 
forem validadas na propriedade rural, dadas todas as variáveis possíveis de serem en-
contradas nessas condições, de nada servirão.
As variáveis mais comuns presentes no meio rural são:
• variação das condições de solo;
• condições climáticas;
• pragas;
• doenças;
• plantas daninhas; e
• questões culturais.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR48
Além disso, dependendo da experiência e do tempo de dedicação à atividade produtiva, 
por exemplo, ninguém melhor para conhecer a terra do que o próprio produtor rural. 
Partindo desse princípio, é fundamental que o conhecimento e a experiência do produtor 
sejam	levados	em	consideração	com	mais	afinco	no	processo	que	envolve	a	inovação.
Fonte: Getty Images.
Do ponto de vista desse importante ator, considerando sua atuação dentro de uma em-
presa rural, é possível distinguir a ocorrência de cinco tipos de inovação:
• produto;
• serviço;
• processo;
• marketing; e
• organizacional
Lembre-se que, ao falarmos em inovação, não necessariamente nos referimos a uma 
quebra	de	paradigma,	algo	capaz	de	modificar	a	estrutura	do	mercado.	Antes,	é	pre-
ciso falar sobre a aplicação de novas ideias com sucesso, que sejam, de fato, úteis ao 
que se propõem. A partir daí, pode surgir a descoberta de uma nova matéria-prima, 
uma	modificação	no	desenvolvimento	e	no	processo	da	produção	ou	um	novo	produto	
que	influencie	a	expansão	comercial	da	empresa.
Nesse contexto, dois tiposde inovação devem ser destacados: a inovação de produto 
e a inovação de serviço. Por meio delas ocorre agregação de valor ao produto ou ser-
viço que, por sua vez, fortalece a empresa e favorece seu posicionamento no mercado.
49GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Imagine, por exemplo, o caso de 
um produtor rural de leite que, ao 
observar a necessidade do mercado 
consumidor, passa a produzir e ofer-
tar queijos e iogurtes e, ao mesmo 
tempo, passa a oferecer horários 
para visitas guiadas na agroindús-
tria em que ocorrem os processos 
de transformação dos produtos.
Fonte: Shutterstock.
Nesse caso, há duas inovações: a 
primeira se refere ao produto, pois, 
além do leite, o produtor agregou 
valor ao produto e passou a ofertar 
queijos e iogurtes; a segunda é a de 
serviço, pois a agroindústria, antes 
fechada ao público, passou a rece-
ber visitas guiadas para apresentar 
o processo produtivo aos clientes 
que desejavam conhecê-lo.
Fonte: Getty Images.
Certamente, há um preparo prévio que deve ser 
feito para que essas inovações sejam colocadas 
em prática. Mas, o melhor termômetro para o 
desenvolvimento dessas inovações é o próprio 
cliente.
Outro tipo é a inovação de processo. Os processos se referem aos métodos e às téc-
nicas empregadas na produção. Esse é o ponto em que normalmente se concentra um 
maior emprego de tecnologias, já que é onde ocorre o desenvolvimento do produto.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR50
Nesse caso, imagine que o produtor de leite, ao invés de investir no desenvolvimento 
de outros produtos, como queijos e iogurtes, implantou melhorias no processo de pas-
teurização do leite que já produzia. A inovação de processo, portanto, não proporciona 
mudança	no	produto	final,	mas	gera	alterações	no	método	de	produção.
Outro exemplo: uma propriedade rural adquire um trator novo ou uma máquina que 
torna	o	trabalho	mais	eficiente	e	mais	produtivo.	Essa	prática	também	caracteriza	a	
inovação de processo. Assim, a tendência é a de que a propriedade tenha maior retor-
no	financeiro	com	o	aumento	da	produção.
Trator. 
Fonte: Getty Images.
Máquina. 
Fonte: Getty Images.
O quarto tipo é a inovação de marketing. Um exemplo bastante comum de aplica-
ção desse tipo de inovação é a criação, pela empresa rural, de uma logomarca para 
seu negócio ou produto, já que está inovando na divulgação de seu nome no mercado. 
Esse processo é fundamental para manter relações comerciais com os clientes, pois 
possibilita	identificar	e	diferenciar	os	produtos	dos	concorrentes.
Dica
A empresa também pode inovar na criação de embalagens 
mais duráveis ou recicláveis, por exemplo, além de pensar em 
formas criativas de fazer propaganda para uma boa aceitação 
do produto.
Por	fim,	o	último	tipo	é	a	inovação organizacional. Esse tipo de inovação consiste na 
adoção de ações que melhorem a qualidade do trabalho dos colaboradores, de modo a 
aumentar a produtividade deles.
Nesse aspecto, as propriedades rurais podem fazer alguns investimentos como:
51GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
• locais para repouso;
• instalações para integração e convivência;
• promoção de refeições de forma confortável;
• adoção	de	estratégias	de	atualização	profissional;	e
• introdução da remuneração por desempenho.
1.3 Desafios e ferramentas para a gestão da inovação em uma empresa rural
Considerando os tipos de inovação mencionados no tópico anterior, você deve estar se 
perguntando: como o produtor rural, atento às demandas do mercado, lida com tudo 
isso?	O	primeiro	desafio	é	lidar	com	todas	essas	informações,	dada	a	velocidade	com	
que as mudanças acontecem na Era da Informação.
Fonte: Getty Images.
E, para saber lidar com tudo isso, certamente o produtor rural enfrentará barreiras 
culturais	e	de	conhecimento,	resistência	a	mudanças	e,	até	mesmo,	desafios	de	con-
tratação de mão de obra adequada.
A inovação é um processo e, como tal, necessita da implementação de ferramentas de 
gestão, como:
CURSO TÉCNICO EAD SENAR52
Definição	de	metas Controle Mensuração
Como processo, a inovação também precisa ser compreendida, desenvolvida e fomen-
tada. Além disso, o processo de inovação precisa de estratégias para ocorrer, e com-
pete à gestão todas essas importantes tarefas, que podem ser executadas e acompa-
nhadas	de	maneira	mais	eficiente	com	o	auxílio	de	ferramentas	tecnológicas.
Confira,	a	seguir,	algumas	as	ferramentas	mais	importantes	que	auxiliam	a	gestão	da	
inovação no campo:
a) A informática no campo
A informática ultrapassou os limites da zona urbana e, hoje, já é aplicada em larga 
escala no campo, o que representa um importante avanço tecnológico para a agro-
pecuária. Ela tem se tornado um recurso básico no gerenciamento das propriedades 
rurais, tal como acontece nas indústrias.
Funções como planejamento, con-
trole e monitoramento são execu-
tadas	 com	mais	 eficiência,	 já	 que	
as informações podem ser adequa-
damente planejadas e estar dispo-
níveis no momento oportuno.
Fonte: Getty Images.
Em termos de gerenciamento de empresas rurais, o desenvolvimento da informática 
possibilitou	a	implantação	de	tecnologias	avançadas,	mais	eficientes	e	de	custos	de-
crescentes. O armazenamento e a manipulação de dados estão cada vez mais baratos. 
Assim, a maioria dos produtores rurais tem condições de armazenar e processar um 
volume considerável de dados.
53GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
A Tecnologia da Informação pode ser usada de diversas formas na agropecuária, como 
no emprego de planilhas para controle das atividades, na implementação de sistemas 
de gerenciamento de fazendas e no uso de softwares para gerenciamento dos reba-
nhos e da produção agrícola.
b) A internet no campo
Um dos grandes benefícios proporcionados pela informática no campo é o uso da in-
ternet.	Por	meio	dela,	o	produtor	pode	ter	acesso	a	informações	sobre	uma	infinidade	
de assuntos, de todos os lugares do mundo.
Essa caraterística torna a internet uma importante ferramenta na busca de informa-
ções, conhecimentos técnicos, além de situações de clima e mercado, que podem ser 
relevantes para o processo de tomada de decisão. Ela também facilita a comunicação 
entre as pessoas que vivem no campo, o que pode reduzir custos e acelerar processos 
de produção.
Dica
Atualmente, é possível produzir uma imagem ou um vídeo de 
um fato ocorrido na fazenda e compartilhá-lo com técnicos de 
qualquer parte do mundo para obter um diagnóstico detalhado. 
c) A automação da produção agropecuária
A automação contribui para a otimização de diversos recursos de produção, como:
Insumos Defensivos Água
Além disso, é um recurso cada vez mais necessário diante da constante redução da 
disponibilidade de mão de obra no meio rural.
Uma grande tendência do processo de automação é criar ferramentas de trabalho que 
se assemelhem, o máximo possível, à mão de obra humana. No Brasil, a automação 
de processos produtivos na agropecuária se tornou mais comum a partir da década de 
1980, com a introdução da agricultura de precisão, que proporcionou enormes avanços 
na mecanização dos campos.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR54
Automação no agronegócio. 
Fonte: Getty Images.
Na agricultura, as máquinas e os implementos são capazes de desempenhar suas 
funções nas operações de plantio, adubação, controle de pragas, doenças e plantas 
daninhas,	irrigação,	colheita,	beneficiamento	e	transporte.	Eles	empregam	muita	tec-
nologia e proporcionam melhorias consideráveis na qualidade dos serviços executados. 
Entre essas tecnologias, podem ser citadas:
• visão	artificial	para	navegação	autônoma	(trabalho	noturno);
• sensores de presença e de velocidade para aplicação de defensivos e fertilizantes a 
taxas variáveis; e
• softwares para processamento de imagens, com aplicações em tempo real ou 
pós-processamento de dados.
1.4 Ampliando os olhares: impactos da tecnologia e da inovação antes e 
depois da porteiraDe fato, a tecnologia e a inovação, são fatores indispensáveis quando olhamos para 
dentro da porteira e, diretamente, para o produtor rural. No entanto, antes que elas 
adentrem	a	porteira,	alguns	atores	influenciam	o	agronegócio.
É o caso da pesquisa agropecuária, desenvolvida tanto em empresas públicas e pri-
vadas quanto em universidades por todo o Brasil.
55GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Comentários do autor
Para termos uma ideia da contribuição da pesquisa para os 
resultados que o setor rural apresenta atualmente, há autores 
que defendem que o crescimento do Brasil na produção agro-
pecuária é consequência de muita pesquisa. 
A	base	para	essa	afirmação	advém	do	fato	de	que,	não	fosse	a	pesquisa,	a	produção	
agrícola observada no Cerrado brasileiro não aconteceria. Dadas as condições inóspitas 
para o plantio, é possível observar as vastas áreas dedicadas à soja naquele bioma que 
só podem ser resultado de uma verdadeira revolução no campo.
Plantação de soja. 
Fonte: Getty Images.
Por meio da pesquisa, que resultou no desenvolvimento de tecnologias adequadas, 
centenas de espécies e processos produtivos foram adaptados à realidade do Brasil, 
consideradas as características edafoclimáticas do país.
Mas,	pensar	nas	atividades	que	acontecem	antes	da	porteira	não	significa	pensar	so-
mente em pesquisa! Outros fatores fazem parte desse segmento, como maquinários 
e implementos, cujo mercado se desenvolve em uma velocidade impressionante para 
ser capaz de prover aos produtores rurais ferramentas que correspondam às suas ne-
cessidades no campo.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR56
Essas ferramentas possibilitaram a alavancagem 
da produtividade, observada na produção agríco-
la do Brasil a partir dos anos 1960, e estão em 
constante desenvolvimento e evolução.
Depois da porteira, a realidade da produção rural envolve as seguintes etapas:
Transporte Logística Agroindústria
Inclusive, essas etapas se reinventam a todo instante para acompanhar as necessida-
des do campo. A tecnologia e a inovação depois da porteira permitiram uma evolução 
intangível	para	a	qualidade	e	a	segurança	dos	produtos	agroindustriais.	Isso	influencia	
diretamente, de um lado, a decisão de consumo por parte do consumidor e, de outro, 
o fortalecimento da marca do produtor, assim como do agronegócio como um todo.
Confira,	a	seguir,	outras	tecnologias	que	podem	ser	implementadas	nos	processos	de	
produção depois da porteira:
Métodos de conservação Dispor de embalagens para prolongar a vida útil 
dos alimentos.
Logística da cadeia de 
suprimentos
Usar sistemas de informação para integração da 
cadeia produtiva.
Transporte e logística Adaptar os veículos de transporte para facilitar a 
logística.
Armazenamento Implementar sistemas de armazenamento de 
acordo	com	as	especificidades	dos	produtos.
57GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Na	sequência,	resolva	a	atividade	para	fixar	seu	aprendizado.
Atividade de aprendizagem
1. Não basta ser criativo e inovador: para que a inovação seja perene e traga 
resultados duradouros para a empresa em termos de vantagem competiti-
va, é preciso haver esforço em nível de gestão da inovação. Com base nes-
sa afirmativa, elenque, pelo menos, três atividades relacionadas à gestão 
da inovação que contribuem para o posicionamento estratégico da empre-
sa no mercado.
Tópico 2: Aplicações da tecnologia e da inovação em uma 
empresa rural
Dado o caminho que deve ser percorrido para que as propriedades rurais incorporem 
a	inovação	em	seu	dia	a	dia	e	sejam	cada	vez	mais	produtivas	e	eficientes,	iniciamos	
esse tópico com um assunto que é a base para o estudo da inovação: a gestão.
2.1 Conceitos em gestão de empresas rurais
Passados mais de sessenta anos após a Revolução Verde, a história mostra claramente 
que, para fazer uso de tecnologias inovadoras, as propriedades rurais devem se orga-
nizar	na	forma	de	empresas	rurais,	com	planejamento	e	gestão	a	fim	de	obterem	êxito.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR58
Fonte: Getty Images.
Durante muito tempo, considerava-se como negócio rural simplesmente uma proprie-
dade localizada na zona rural que cultivava a terra e explorava a capacidade produtiva 
do solo, com atividades ligadas à produção de alimentos de origem animal ou vegetal, 
além	de	fibra	e	energia.	Hoje,	o	negócio	rural	deve	se	transformar	em	empresa	rural,	
no	sentido	de	utilização	de	técnicas	de	gestão	modernas	para	ampliar	a	eficiência,	a	
rentabilidade e a competitividade, por meio da aplicação de estratégias de gerencia-
mento interno em suas atividades e na comercialização de seus produtos.
Esses fatores são fundamentais para que uma propriedade rural se transforme em uma 
empresa. E, para tanto, ela deverá adotar procedimentos de organização adequados 
ao seu funcionamento, como:
• preocupação	com	a	qualidade	do	produto	final;
• redução de desperdícios;
• pesquisas	de	mercado	para	identificar	as	principais	necessidades	dos	consumidores;	e
• atenção com questões sociais e ambientais.
As consequências práticas dessas ações são:
• a redução de custos e a elevação de receitas; e
• a garantia de um mercado mais estável, devido à maior aceitação dos produtos.
Essas práticas podem ser implementadas por qualquer tipo de propriedade, grandes 
ou pequenas. Para tanto, deve-se fugir do tradicional e buscar meios de fazer a asso-
ciação de experiências práticas, essenciais para o sucesso do agronegócio, com inova-
ções	tecnológicas	dentro	e	fora	da	porteira,	a	fim	de	transformar	a	propriedade	rural	
em uma empresa competitiva.
59GESTÃO DO AGRONEGÓCIO 
Gestão de Tecnologias e Inovação Aplicadas ao Agronegócio
Empresa rural competitiva é aquela que, além de entender todas as etapas da pro-
dução e o comportamento do mercado em que seus produtos são comercializados, 
consegue fazer bom uso de todo esse conhecimento. As principais características da 
empresa rural competitiva são:
• organização administrativa;
• percepção de mercado;
• qualificação	de	mão	de	obra;	e
• capacidade para inovar e tomar decisões.
Para tanto, é necessário que a empresa rural seja gerenciada por líderes criativos e 
que saibam organizar ideias.
Esse é o ponto-chave do sucesso 
competitivo, já que as informações 
existem e estão disponíveis para 
todos. O grande diferencial é o em-
prego das informações na tomada 
de decisão dentro da empresa.
Fonte: Getty Images.
Essas são práticas muito importantes e complexas de implementar em uma empresa ru-
ral.	Mas,	se	você,	profissional	técnico	em	agronegócio,	tem	uma	visão	ampla	sobre	todo	
o processo, poderá tomar decisões com segurança. A tomada de decisão pode ter vários 
níveis, como o estratégico, o tático, o operacional ou o administrativo (VALE, 2006).
Vamos diferenciá-los:
Decisões de nível estratégico
Remetem às ações que repercutirão na empresa em longo prazo. Elas procuram 
manter a empresa sempre atenta às mudanças de mercado e às demandas da 
sociedade. Entre essas decisões, podemos citar as relacionadas à região na qual 
a empresa produzirá e comercializará seus produtos, à compra de insumos, como 
fertilizantes, sementes, defensivos, equipamentos em geral, e à possibilidade de 
financiamentos.
CURSO TÉCNICO EAD SENAR60
Decisões táticas
Referem-se a questões sobre o emprego de decisões estratégicas, ou seja, obje-
tivam viabilizar decisões futuras, que necessitam de maior aprofundamento em 
estudos nas questões pontuais sobre o negócio. Por exemplo, buscar mão de obra 
local	qualificada	ou	localizar	terrenos	adequados	na	região	em	que	a	empresa	será	
estabelecida.
Decisões operacionais ou administrativas
Referem-se	à	realização	de	atividades	específicas	que	garantam	a	eficiência	e	a	
eficácia	do	processo	produtivo.	Entre	essas	decisões,	podem	ser	citadas	a	quanti-
dade e a qualidade de matéria-prima que deverá ser comprada ou estocada, e a 
definição	de	deveres	e	direitos	dos	colaboradores.
Todo esse arcabouço da empresa rural é fundamental

Continue navegando