A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
232 pág.
Roteiro de Estudos Logística Reversa Aulas 1 a 6

Pré-visualização | Página 16 de 21

ser citados com 
relação a implantação de um programa de Responsabilidade Social Empresarial, 
a saber: 
 É interesse desenvolver a comunidade; 
 As ações sociais podem ser lucrativas; 
 É ético se preocupar com a sociedade; 
 Melhora a imagem pública da empresa; 
 Aumenta a viabilidade do sistema empresarial; 
 Ajuda a evitar a intervenção governamental; 
 As leis não atendem a todas as circunstancias; 
 Beneficia o preço das ações; 
 As empresas passam a imagem de ter pessoal capacitado a resolver 
alguns problemas; 
 A prevenção é sempre melhor do que a cura 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CST em Logística 
Logística Reversa – Aula 5 
 
Professor Luiz Felipe Cougo 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
LR - Sustentabilidade e resultados sustentáveis 
A logística vem acompanhando as mudanças na sociedade e já incorporou o 
conceito de sustentabilidade. O principal objetivo continua sendo o de 
coordenar as atividades de transporte de produtos de uma forma que atenda às 
necessidades do cliente a um custo mínimo. Se, no passado, esse custo era 
baseado apenas no fator econômico, agora, as consequências ambientais e 
sociais das atividades também são levadas em conta. 
Há uma preocupação constante em combinar eficiência com redução de 
ruídos, menos poluição e um ambiente colaborativo. É o surgimento da 
logística sustentável. 
A logística trabalha muito a fim de reduzir custos, e é um erro achar que 
implementar mecanismos de sustentabilidade aumentam os gastos do 
empreendimento. Muito pelo contrário, é possível economizar mais ainda. 
Muitas vezes, ações que eram apenas um diferencial para empresas que 
tinham uma visão mais moderna acabaram virando uma necessidade para 
reduzir custos, evitar gastos como multas ou mesmo embargo na produção 
devido a problemas com o meio ambiente. Vale lembrar que, hoje em dia, a 
legislação é bem severa em relação à poluição feita por empresas. 
É verdade que o conceito de sustentabilidade vem crescendo no Brasil, mas, lá 
fora, ele já é bem estabelecido. As empresas que querem conquistar mercados 
externos vão encontrar, na sustentabilidade, um grande diferencial competitivo. 
Além disso, dependendo da legislação do país a ser conquistado, se não 
adotar uma política ambiental correta em relação aos descartes ou na 
produção, a entrada do negócio pode até mesmo vir a ser proibida. 
Nos casos em que a LR e o Desenvolvimento sustentável demandam de 
práticas padronizadas e reconhecidas pelos clientes, existem ferramentas de 
abordagem sistêmica que podem contribuir com a gestão da logística reversa 
sob às lentes da sustentabilidade, buscando a Ecoeficiência e resultados 
sustentáveis. 
Por exemplo: 
 O Mapeamento dos processos; 
 Produção mais Limpa 
 Ciclo de Vida 
 Sistemas de gestão ambiental (ISO) 
 Certificações e selos verdes 
 Tecnologias limpas, entre outros. 
Estas ferramentas são comumente utilizadas para melhoria dos processos, 
assegurar o atendimento aos requisitos dos clientes e também para 
comprometimento com as questões ambientais e legislação aplicável. No 
entanto, qualquer uma delas que sob condições descontroladas, podem falhar 
como qualquer sistema global. 
 
Leitura 
Sobre todo o conteúdo da LR, vale a leitura do livro da editora IBPEX, O 
reverso da Logística e as questões ambientais no Brasil. Quanto às questões 
ambientais, ele é amplamente aplicável e apresenta uma boa fatia do estado 
da arte sobre estes assuntos. É uma leitura assertiva e assegurada de um 
diferenciado aprendizado. 
 
http://ava.grupouninter.com.br/tead/hyperibook/IBPEX/582.html 
 
 
 
 
 
 
 
 
CST em Logística 
Logística Reversa – Aula 5 
 
Professor Luiz Felipe Cougo 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
LR x Ferramentas do Desenvolvimento Sustentável 
O Ciclo de Vida de um produto 
Como descreve Leite (2002), seria infindável a lista de autores analisando o 
acelerado ritmo de redução do ciclo de vida dos produtos nas últimas décadas, 
como forma e busca de diferenciação mercadológica, motivada por evoluções 
técnicas de performance em processo ou na aplicação, motivada pela redução 
de custos em geral e em particular os logísticos, além de outras razões. 
Em 1970 foram lançados 1.365 novos produtos nos Estados Unidos, em 1986 
este número foi de 8.042 novos produtos, em 1991 este número cresceu para 
13.244 e em 1994 alcançou a marca de 20.074 novos produtos lançados de 
acordo com dados de New Products News (Apud Blecher, 1996). 
Exemplos clássicos de bens com ciclo de vida rapidamente decrescentes são o 
dos computadores e seus periféricos, que se revelam expressivos na visão da 
Logística Reversa quando observamos alguns dados do Instituto Gardner Group 
estimando em 680 milhões as vendas de computadores no ano de 2005 e de 
150 milhões o número deles que serão descartados somente nos Estados 
Unidos. O nível de obsolescência atual nos Estados Unidos é de 2:3, ou seja, a 
cada três computadores produzidos dois tornam-se obsoletos, com tendência de 
que esta razão de obsolescência se torne 1:1 nos próximos anos. 
Em 1960 a produção mundial de plásticos era de 6 milhões de toneladas por ano 
e em 1994 passou a 110 milhões de toneladas. No Brasil a produção de plásticos 
teve um aumento de cerca de 50% entre os anos de 1993 e 1998, valores altos 
quando comparados com o crescimento dos metais mais comuns. Ainda no 
Brasil, o consumo de garrafas descartáveis de PET (denominação da resina 
constituinte - Polietileno Tereftalato) usadas como embalagem de refrigerantes 
e outras bebidas, iniciou-se em 1989 e alcança níveis de produção de 6 bilhões 
de garrafas por ano em 1998, o que corresponde a mais de 70% da embalagem 
do setor de refrigerantes. 
Este expressivo crescimento é devido principalmente às suas características de 
transparência e de suas vantagens logísticas na distribuição direta, substituindo 
a embalagem de garrafas de vidro retornável. 
Um dos indicadores do crescimento desta “descartabilidade” é o aumento do lixo 
urbano em diversas partes do mundo, conforme comprovam os dados da 
Prefeitura Municipal de São Paulo, através de seu departamento de limpeza 
pública, Limpurb (Departamento de Limpeza Pública Urbana da cidade de São 
Paulo), o lixo urbano cresceu de 4.450t por dia em 1985 para 16.000 t por dia 
em 2.000, na cidade de São Paulo, decrescendo as quantidades de lixo 
orgânicos e aumentando a de produtos descartáveis. 
O esquema da Figura a seguir sintetiza a idéia de como a crescente 
descartabilidade dos produtos tende a tornar mais expressiva a atuação da 
Logística Reversa, tanto no setor de pós-venda como no de pós - consumo. 
Tecnologia, Marketing, Logística e outras áreas empresariais, através de 
redução de ciclo de vida de produtos, geram necessidades de aumento de 
velocidade operacional de um lado e provocam exaustão acelerada dos meios 
tradicionais de destinos dos produtos de pós consumo. 
 
 
 
 
 
A obsolescência e a descartabilidade crescentes dos produtos observados nesta 
última década têm-se refletido em alterações estratégicas empresariais, dentro 
da própria organização e principalmente em todos os elos de sua rede 
operacional. Estas alterações se traduzem por aumento de “velocidade de 
resposta” em suas operações desde a concepção do projeto do produto até sua 
colocação no mercado, pela adoção de sistemas operacionais de alta 
“flexibilidade operacional” que permitam, além da velocidade do fluxo logística, 
a capacidade de adaptação constante às exigências do cliente e pela adoção de 
“ responsabilidade

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.