A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
50 pág.
STBL

Pré-visualização | Página 4 de 11

alteração irreversível em tecidos vivos ou em materiais inorgânicos, pela ação química no local 
de contato. Como exemplos dessas substâncias temos os metais alcalinos (Na, K), bases 
(KOH, NaOH) e ácidos concentrados (H2SO4, HNO3) e algumas substâncias oxidantes como o 
ácido crômico (H2CrO4). 
 
 
3.7. Irritantes 
 
Substâncias irritantes são compostos não corrosivos que, por contato com a pele ou com 
as mucosas, podem provocar uma reação inflamatória (vermelhidão) no local afetado. Dentre as 
substâncias irritantes podemos citar ácidos e bases diluídos, hidrocarbonetos saturados e 
aromáticos, compostos orgânicos halogenados como o clorofórmio (CHC3), tetracloreto de 
carbono (CC4), etc.. 
 
 Anote: Deve-se observar que quanto mais solúvel em água, 
mais irritante é a substância para o trato respiratório. Os solventes 
orgânicos são irritantes por dissolução da camada lipídica que 
protege a pele. 
 
 
 
Você sabia? 
Ao cortarmos uma cebola o gás anidrido sulfúrico, SO3, é 
desprendido? Em contato com a água dos olhos o SO3 forma uma 
substância irritante, o ácido sulfúrico H2SO4, e por isso ocorrem as 
lágrimas. Se colocarmos um palito de fósforo na boca, o SO3 é então 
adsorvido pela mistura presente na cabeça de um palito de fósforo e 
não chega aos nossos olhos. 
 
 
 
 
 
3.8. Substâncias danosas ao meio ambiente 
 
As substâncias danosas ao meio ambiente são substâncias que, apesar da baixa 
toxicidade ao ser humano, podem causar efeitos prejudiciais, muitas vezes irreparavelmente 
nocivos, ao meio ambiente. Os efeitos danosos de uma substância ao meio ambiente devem ser 
especialmente considerados quando do descarte de resíduos de laboratório. Como exemplo 
para essa classe de compostos, temos os íons fosfatos (PO4
3) e nitratos (NO3
), que podem 
causar o processo de eutrofização em lagos. Eutrofização é o termo que designa um 
crescimento desordenado de algas em um ambiente aquático pela elevada concentração de 
nutrientes, principalmente nitrogênio e fósforo. Esse processo causa um desequilíbrio no meio 
ambiente. 
 
 
3.9. Carcinogênicas 
 
Carcinogênicas são substâncias puras ou misturas que contêm um agente capaz de 
iniciar ou acelerar o desenvolvimento de um tumor maligno. As substâncias carcinogênicas ou 
cancerígenas são divididas em três classes. 
Classe I – É formada por substâncias cujo efeito carcinogênico para o homem foi 
demonstrado por meio de estudos epidemiológicos de causa e efeito. Como 
exemplo, podemos citar o arsênio em pó, sais de arsênio, asbestos 
(amianto), benzeno (C6H6), benzidina (C12H12N), cromo em pó, óxido de 
cromo IV, etc.. 
Classe II – Inclui as substâncias provavelmente carcinogênicas para o homem. Estudos 
de toxicidade em longo prazo já foram efetuados em animais. Entre as 
substâncias pertencentes a essa classe, encontramos o cádmio em pó, os 
sais de cádmio, níquel em pó, tetracloreto de carbono, clorofórmio, o-
toluidina (CH3C6H4NH2), óxido de etileno (C2H4O), etc.. 
Classe III – Aqui são agrupadas as substâncias suspeitas de causar câncer no 
organismo humano, mas que ainda não há dados suficientes para provar 
suas atividades carcinogênicas. Também os estudos com animais não 
forneceram, até o momento, evidências sólidas ou provas suficientes para 
classificá-las na classe II. Um exemplo de substância da classe III é o 
brometo de etídeo (C21H2OBrN3). Esse composto é utilizado como corante 
fluorescente para análise de ácidos nucléicos por eletroforese. 
 
Uma lista completa das substâncias e materiais carcinogênicos (classe I) da Agência 
Internacional para pesquisas sobre câncer, (em inglês International Agency for Research on 
Câncer - IARC) pode ser obtida no endereço eletrônico: 
http://physchem.ox.ac.uk/MSDS/carcinogens.html (visitado em 23 de junho de 2008). Outras 
listas relacionando as substâncias carcinogênicas das classes II e III podem ser obtidas no 
endereço eletrônico: http://www.vcu.edu/oehs/chemical/Carcinogen.html (visitado em 23 de 
junho de 2008). 
 
 
3.10. Mutagênicas 
 
 Os compostos mutagênicos podem alterar o material genético de células somáticas ou 
reprodutivas. Essa alteração pode desencadear um caso hereditário, se nesse efeito forem 
envolvidas células germinativas. Assim, as alterações (mutações) são incorporadas ao material 
genético das gerações futuras. As substâncias mutagênicas são divididas em três grandes 
classes (I, II e III), cujas características são análogas às estabelecidas para as classes definidas 
para as substâncias carcinogênicas. Como exemplos podemos citar a anilina (C6H7N) e o 
diclorometano (CH2C2) como substâncias comprovadamente mutagênicas. 
 
Você sabia? 
O número de substâncias mutagênicas da classe I é muito maior 
do que o de carcinogênicas. Atualmente, considera-se que alguns 
tipos de câncer são resultados da evolução de processos 
mutagênicos. 
 
 
3.11. Teratogênicas 
 
 Do grego terato (=coisa monstruosa) mais gênese (=geração), portanto, 
teratogênico=gerador de monstruosidade. As substâncias teratogênicas são aquelas que podem 
produzir alterações (malformações) no feto durante seu desenvolvimento intra-ulterino, sem, 
entretanto, causar sua morte ou danos à mãe. Os efeitos teratogênicos não são hereditários. As 
substâncias teratogênicas estão divididas em duas classes: 
Classe I  substâncias para as quais o efeito teratogênico foi demonstrado por estudos 
de causa-e-efeito; 
Classe II  substâncias provavelmente teratogênicas ao ser humano. Alguns exemplos 
são: os sais de alumínio, difenilamina (C12H11N), etileno glicol (C2H6O2), 
formaldeído (CH2O), etc.. 
 
Uma lista completa das classes I e II de compostos teratogênicos pode ser encontrada 
no endereço: http://msds.chem.ox.ac.uk/teratogens.html (visitado em 23 de junho de 
2008). 
 
Você sabia? 
O uso do formaldeído em cosméticos como conservante é 
permitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a ANVISA. 
Entretanto, a concentração máxima permitida é de 0,2%. Casos de 
intoxicação vêm ocorrendo em função, principalmente, do uso abusivo 
em salões de beleza, onde o formaldeído é usado para o alisamento 
de cabelos. 
 
 
 
 
Atividade 1.2 
Agora que você já conhece mais seis classes de riscos 
associados a uma substância química. Faça, novamente, uma 
pesquisa bibliográfica e liste três substâncias de cada uma 
das seguintes classes: 
 
Corrosivas: 
______________________________________________________________ 
Irritantes: 
______________________________________________________________ 
Danosas ao meio ambiente: 
______________________________________________________________ 
Carcinogênicas: 
______________________________________________________________ 
Mutagênicas: 
______________________________________________________________ 
Teratogênicas: 
______________________________________________________________ 
 
 
 
Equipamentos de Proteção em Laboratório 
 
O uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e dos Equipamentos de Proteção 
Coletiva (EPC) visa minimizar a possibilidade de contato das substâncias químicas com a pele, 
olhos e sistema respiratório e a contenção em casos de derramamento. Utilizando esses 
equipamentos de proteção adequadamente, minimiza-se o risco efetivo de acidentes, ao se 
manipular as diversas substâncias químicas em um laboratório. Uma descrição desses 
equipamentos é apresentada a seguir. 
 
 
4. Equipamentos de Proteção Individual (EPI) 
4.1. Avental ou roupas de proteção 
O avental recomendado para manuseio de substâncias químicas deve ser de algodão 
grosso, pois esse material queima