ARTIGO
201 pág.

ARTIGO


DisciplinaCiência Política I34.120 materiais653.671 seguidores
Pré-visualização50 páginas
\u201cO Mix Público-Privado no Sistema de Saúde Brasileiro: elementos para 
a regulação da cobertura duplicada\u201d 
 
 
por 
 
 
Isabela Soares Santos 
 
 
Tese apresentada com vistas à obtenção do título de Doutor em Ciências 
na área de Saúde Pública 
 
 
 
 
 
Orientadora: Prof.ª Dr.ª Maria Alicia Domínguez Ugá 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Rio de Janeiro, julho de 2009. 
 
 ii 
 
 
 
 
 
 
 
 
Esta tese, intitulada 
 
 
\u201cO Mix Público-Privado no Sistema de Saúde Brasileiro: elementos para 
a regulação da cobertura duplicada\u201d 
 
 
apresentada por 
 
 
Isabela Soares Santos 
 
 
 
foi avaliada pela Banca Examinadora composta pelos seguintes membros: 
 
 
Prof. Dr. Hésio de Albuquerque Cordeiro 
Prof. Dr. Paulo Henrique de Almeida Rodrigues 
Prof.ª Dr.ª Claudia Maria de Rezende Travassos 
Prof.ª Dr.ª Silvia Marta Porto 
Prof.ª Dr.ª Maria Alicia Domínguez Ugá \u2013 Orientadora 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Tese defendida e aprovada em 06 de julho de 2009. 
 iii 
 
 
 
 
 
A U T O R I Z A Ç Ã O 
 
 Autorizo, exclusivamente para fins acadêmicos e científicos, a 
reprodução total ou parcial desta tese, por processos 
fotocopiadores. 
 
 
 
 
Rio de Janeiro, 06 de julho de 2009. 
 
________________________________ 
Isabela Soares Santos 
 
 
CG/Fa 
 
 
 
 
 iv 
 
Serviço de Gestão Acadêmica - Rua Leopoldo Bulhões, 1.480, Térreo \u2013 Manguinhos-RJ \u2013 21041-210 
Tel.: (0-XX-21) 2598-2730 ou 08000230085 
E-mail: secasp@ensp.fiocruz.br Homepage: http://www.ensp.fiocruz.br 
 
 
 
 
 Catalogação na fonte 
 Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica 
 Biblioteca de Saúde Pública 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 S237 Santos, Isabela Soares 
O mix público-privado no sistema de saúde brasileiro: 
elementos para a regulação da cobertura duplicada. / Isabela 
Soares Santos. Rio de Janeiro : s.n., 2009. 
xv, 186 f., tab., graf. 
 
Orientador: Ugá, Maria Alicia Domínguez 
Tese (Doutorado) Escola Nacional de Saúde Pública Sergio 
Arouca 
 
1. Política de Saúde. 2. Setor Privado. 3. Setor Público. 4. 
Saúde Suplementar. 5. Assistência à Saúde. 6. Regulação 
Governamental. I. Título. 
CDD \u2013 22.ed. \u2013 362.10981 
 
 v 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
\u201cO sistema de saúde é o espelho da sociedade. 
Ele reflete sua história e seu caráter\u201d. 
(Deppe, 2006: 3. Tradução livre) 
 
 
 
 
 
 
\u201cO Estado brasileiro não tem dinheiro suficiente pra aprimorar o SUS e atender 
toda a população do país integralmente, mas, ao mesmo tempo, deixa de receber 
vultuosas somas de dinheiro por conta da renúncia fiscal, não recebe o ressarcimento 
previsto na lei, paga planos de saúde para os funcionários públicos, sustenta o 
atendimento pelos planos em hospitais universitários, e ainda financia a ANS com 
recursos públicos mais taxas\u201d 
(reportagem \u201cComo o dinheiro público financia os planos de saúde privados\u201d, de 
Fernando Sucupira, publicada na revista Carta Maior em 25/07/2005). 
 vi 
AGRADECIMENTOS 
 
Agradeço à Fiocruz, em especial à Escola Nacional de Saúde Pública e os 
pesquisadores que me acolheram e contribuíram para uma formação crítica de pós-
graduação, resultando nos trabalhos e pesquisas desenvolvidos desde minha chegada ao 
Rio de Janeiro em 1998, inclusive na dissertação de mestrado (2000) e nesta tese de 
doutorado. Entre os pesquisadores, merece destaque a amiga e orientadora Alicia Ugá, 
pela paciência e pela competência e, sobretudo, pelo companheirismo na crença em uma 
política de saúde mais solidária para nosso sistema de saúde, cuja persistência durante 
todo o processo de orientação corroborou minha coragem nas conclusões dessa tese. 
Este trabalho também foi aprimorado a partir de conversas, reflexões, discussões 
teóricas, troca de dicas de fontes documentais e revisões com diversos queridos, entre 
eles destacam-se Danielle Borges e Mario Viola, Paulo Henrique Rodrigues, Mario 
Araújo, Pipo, Silvia Porto, Thiago Pereira, Bárbara, Silvia Costa, Eleonor Conill, Hésio 
Cordeiro, Nérsão e Chico Braga. Com especial importância aos membros examinadores 
da banca de qualificação e outros que tanto discutiram e encorajaram o projeto, aí 
incluídos Claudia Travassos, tio Gastão, tia Lenir e tio Gilson Carvalho, sem os quais eu 
possivelmente não teria seguido esta trilha. Também agradeço a Chico Viacava, sem o 
qual eu não teria aprendido a analisar os microdados da PNAD com competência e tanto 
bom humor. 
Chico, meu marido e pai de nosso filho ou filha, merece um agradecimento 
especial pelo apoio nos exercícios de elaboração dos pressupostos e das perguntas da 
tese que me encorajaram, ainda nos idos de 2005, a tratar o mix público-privado na 
saúde como algo mais do que um contexto de uma discussão: como um tema de 
pesquisa. Agradeço também sua paciência nas diversas leituras atentas e discussões 
acaloradas sobre os trechos espinhosos. 
Agradeço aos meus pais e meus irmãos pelo suporte físico e emocional nos 
momentos de retiro, que correspondem aos de escrita da tese, e pelo amor por eles 
doado a mim que, mesmo imergida no processo de elaboração da escrita, em todos os 
momentos sentia a presença de carinho e cuidado que me foi entregue pela simples 
confiança no meu ser e que pela sensação que estamos no mesmo barco. Ainda, 
agradeço à meu pai pelo empenho empreendido nas leituras e nas prolongadas 
discussões sob o delicioso sol da tarde campineiro. 
 vii 
Agradeço também às equipes de trabalho da ANS (tanto os colegas da Gepin 
como agora os da Geats), especialmente pela iluminação das pessoas que coordenam o 
trabalho na Dides, como Leôncio Feitosa, Ceres Albuquerque e Márcia Piovesan pelo 
apoio para que fosse possível concluir uma tese concomitante ao desenvolver do 
trabalho na instituição. Em especial, à Márcia Piovesan pelo seu respeito aos seres 
humanos que me ilumina um caminho mais leve para levar a vida. 
A todos aqui citados e aos inúmeros outros que conviveram comigo neste período, 
têm todo meu reconhecimento que sem vocês e a paciência que tiveram comigo e com a 
minha obsessão pelo tema, este trabalho não teria sido possível. 
 viii 
RESUMO 
Este trabalho se originou de três perguntas: (i) qual a função do segmento 
suplementar no sistema de saúde brasileiro?; (ii) o segmento suplementar desonera o 
SUS financeiramente e na diminuição da demanda por serviços? e; (iii) como a 
regulação governamental sobre o segmento suplementar interfere sobre o arranjo 
público-privado? Objetiva analisar o mix público-privado no sistema de saúde 
brasileiro, seus efeitos na desigualdade de uso, financiamento e oferta de serviços de 
saúde e o modelo de regulação vigente. 
É analisado o debate sobre o mix público-privado na bibliografia internacional, 
são discutidos os resultados de reformas setoriais ocorridas nas últimas décadas do 
século XX, são apresentadas as tipologias de arranjos público-privados no sistema de 
saúde \u2013 o brasileiro é considerado Suplementar com Cobertura Duplicada \u2013 e são 
analisados os efeitos da regulação brasileira sob a ótica do mix público-privado. 
As evidências identificadas em estudos internacionais acerca da cobertura 
duplicada mostram que este arranjo está associado a desigualdades próprias deste tipo 
de mix e é prejudicial ao sistema de saúde como um todo. O mesmo ocorre no sistema 
brasileiro, onde o aspecto negativo da dualidade de nosso mix público-privado se deve 
não à cobertura de serviços além-SUS (suplementar), mas à que concorre com o SUS 
(duplicada).