A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Morfologia interna e fisiologia: Tegumento

Pré-visualização | Página 1 de 1

25/11/2015
1
Professora: Karina Cordeiro Albernazkcalbernaz@gmail.com
Morfologia interna e fisiologia:Tegumento
IntroduçãoCONCEITO: Anatomia interna e fisiologia
Descrevem a forma e o funcionamento dos órgãos, sistemas e aparelhos.
IntroduçãoCONCEITO: Anatomia interna e fisiologia
Descrevem a forma e o funcionamento dos órgãos, sistemas e aparelhos
Tegumento
 Aparelho digestivo
 Sistema de excreção
 Aparelho circulatório, respiratório e reprodutores
 Sistema nervoso
 Órgãos de sentido
 Sistema muscular e glandular
Introdução TEGUMENTO 
 É a camada mais externa do corpo do inseto
- Elipsóide, oco, continuo, modificado por invaginações e evaginações
Introdução TEGUMENTO: função
Proteção mecânica, química e biológica
Sustentação de músculos e órgãos
Pontos de ligação de asas e pernas
Evitar a perda excessiva de água
Tegumento dos insetos=Exoesqueleto
Introdução ESTRUTURA DO TEGUMENTO 
25/11/2015
2
Introdução ESTRUTURA DO TEGUMENTO 
Epiderme: camada de células poligonais epiteliais secretoras.- Função: Formação de toda cutícula 
Membrana basal: separa a epiderme do hemocele. Secretada por um tipo de hemócito
Glândula dérmica- produção da camada de cimento da epicutículaEnócitos: forma a camada de cuticulina (camada interna da epicutícula)Tricógenos: responsáveis pelo senso tátil e audição (seta).
Introdução ESTRUTURA DO TEGUMENTO 
Cutícula: secretada pelas células epidérmicas e depositadas na superfície externaformando o exoesqueleto. Divide-se em endocutícula, exocutícula e epicutícula
Introdução Constituição da cutícula 
Quitina: polissacarídeo nitrogenado e incolor presente na cutícula dos insetosFunção: confere dureza e rigidez aos insetos Fonte: IRAC - BR
De que forma os insetos crescem?
Mediante mudanças de tegumento (ecdise).
Comandada por hormônios.
• Tópicos em Crescimento de Insetos
– Insetos crescem por mudas periódicas
Fonte: Gullan & Cranston (1994)
Introdução Troca do tegumento 
Ecdise ou “muda”
É o nome dado ao fenômeno de mudança de tegumento dos insetos 
 Controle hormonal
25/11/2015
3
CONTROLE DA METAMORFOSE E ECDISE
 Natureza Hormonal (hormônios endócrinos)- secreções produzidas são liberadas na hemolinfa
1- Hormônio Protorácico Trópico (HTTP)Função: Estimula glândula protorácica produzir os ecditeróides2- EcdisteróidesFunção: (ecdisônio) são esteróis com atividade promotora da ecdise3-Hormônio da eclosãoFunção: regula o comportamento do inseto durante as ecdises3-Hormônio JuvenilFunção:(neotenim) controle da metamorfose nos estágios imaturos(mantém as características jovens do inseto)4 - BursicônioFunção: Escurecimento e endurecimento do novo tegumento
Principais hormônios:
 Hormônio Protorácico-trópico
Estimular as glândulas protorácicas - ecdisteróides 
células epidérmicas - ecdise
 Ecdisteróides (ecdisônio)
 Hormônio juvenil (neotenin)
 Células da epiderme devem receberInformações para que novos tecidossejam formados a cada ecdise
Células nervosas com função secretora
• Tópicos em Crescimento de Insetos
Hormônio envolvidos no processo de ecdise
Introdução ESTRUTURA DO TEGUMENTO Introdução Ecdise 
25/11/2015
4
Introdução Ecdise 
Fluido da ecdise
(inativo)
Introdução Ecdise 
Fluido da ecdise ativo
Endocutículaparcialmentedigerida
(enzima)
Introdução ESTRUTURA DO TEGUMENTO 
O mecanismo inicia-se com o rompimento do velho tegumento ao longo de uma linha, a linha da ecdise
Procutícula não diferenciada
Escurecimento – Hormônio Bursicônio
25/11/2015
5
Qual a importância de estudar 
o tegumento dos insetos ?
IntroduçãoImplicações do conhecimento do tegumento 
Inseticidas inibidores da sintese de quitina
 Atuam na fase jovem dos insetos (Ecdise)
Mecanismo de ação mais provável:
 Bloqueio na síntese de quitina, através das membranas das células 
epidérmicas.
 Quando o produto atua o inseto muda sem ter formado o novo tegumento. Fig.2 – A: Cutícula normal; B: Cutícula mal-formada pela deficiência de quitina (Folhetim BASF, 1988)
A B
Fig.3 – Durante o processo de muda, cutícula mal-formada não resiste a pressão (Folhetim BASF, 1988).