A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
107 pág.
Automação industrial - SENAI - Instrumentação - Automação Básica

Pré-visualização | Página 3 de 18

de final de controle atua sobre o dispositivo controlado;
6) Com a atuação dos dispositivos controlados, a variável controlada atinge uma condição
predeterminada, e os dispositivos sensores e de proteção atuam.
7) Um sinal de detecção, que significa condição da variável controlada, é enviado aos
dispositivos de sinalização e/ou aos de processo, para a próxima sequência de operações.
8) Os dispositivos de sinalização indicam as condições de processo e da variável controlada
ao operador. Dependendo do resultado dessa sinalização, o operador poderá acionar o
dispositivo de comando quando necessário.
 
___________________________________________________________________________
SENAI
Departamento Regional do Espírito Santo 19
Figura 2.3
2.2 – CIRCUITO SEQUENCIAL
2.2.1 – Conceito
É um circuito lógico cujos valores de saída, num determinado instante, dependem tanto dos
valores de entrada quanto do estado interno do dispositivo nesse instante, e cujo estado
interno depende do valores de entrada imediatamente precedente. A denominação se deve ao
fato de a sequência das mudanças das entradas influir no comportamento do circuito.
2.2.2 – Análise de circuito
O funcionamento de um circuito sequencial pode ser analisado através do diagrama de tempo
ou do diagrama de transição.
 
___________________________________________________________________________
SENAI
Departamento Regional do Espírito Santo 20
Exemplo :
Equações :
321
2313
12
01
d.d.dh
d).dd(d
bd
bd
=
+=
=
=
O funcionamento do circuito da figura 2.4 é mostrado nos diagramas de tempo (figura 2.5a e
2.6a) e de transição (figura .2.5b e 2.6b).
a) Com acionamento de “b0” em primeiro lugar:
 
___________________________________________________________________________
SENAI
Departamento Regional do Espírito Santo 21
OBSERVAÇÃO:
No diagrama de transição, a indicação de um passo sem círculo representa um estado
transitório. Por exemplo, na figura 2.5b, na posição 4, o relé “d3” está na energização e em 1
está na desenergização. Na mesma figura as indicações “1” e “0” significam lâmpada “h”
acesa e apagada, respectivamente.
b) Com acionamento de “b1” em primeiro lugar:
Comparando os procedimento descritos anteriormente, verifica-se que a lâmpada “h” acende-
se somente quando “b0” é acionado em primeiro lugar.
2.2.3 – Montagem de circuito com condições estabelecidas
O circuito é montado a partir da equação que pode ser obtida do diagrama de tempo ou do
diagrama de transição, com condições estabelecidas.
Exemplo :
Montar um circuito que contém duas botoeiras “b0” e “b1”, um contador auxiliar “d” e uma
lâmpada “h”, de modo que :
� quando se apertar a botoeira “b1”, a lâmpada “h” se acenda e permaneça acesa;
� quando se apertar a botoeira “b0”, a lâmpada “h” se apague e permaneça apagada;
� quando se apertar as duas botoeiras “b0” e “b1” juntas , a lâmpada “h” permaneça acesa.
 
___________________________________________________________________________
SENAI
Departamento Regional do Espírito Santo 22
Usando-se o diagrama de tempo da figura2.7.
No diagrama de tempo temos :
Passo � - o circuito não se altera;
Passo � - aciona-se “b1”, energizando “d”, e a lâmpada “h” se acende;
Passo � - libera-se “b1”, e a lâmpada “h” permanece acesa;
Passo � - aciona-se “b0”, desenergizando “d”, a lâmpada “h” se apaga e permanece apagada.
Quando “b0” é liberado, o circuito volta à condição inicial.
ou
Passo � - o circuito não se altera;
Passo � - aciona-se “b1”, energizando “d”, e a lâmpada “h” se acende;
Passo �’ - com “b1” acionado, aciona-se “b0” e a lâmpada “h” permanece acesa;
Passo � - libera-se “b1” com “b0” ACIONADO, e a lâmpada “h” se apaga e permanece
apagada. Quando “b0” é liberado, o circuito volta à condição inicial.
Para se obter a equação do circuito, procede-se da seguinte maneira :
1 – Na sequência ����→→→→����→→→→����→→→→����
Nesta sequência, o sinal que atua o relé “d” ( passo � ) é retirado, enquanto este está atuando
(passo �), sendo necessário neste caso a retenção. A equação de “d” é :
d.
d"" relé do
retenção de condição
d"" relé do atuação
de inicial condição
d 



+



=
Considera-se a condição inicial de atuação do relé ( no passo �) , que é
10 b.b ,
e a seguir considera-se a condição de retenção do relé “d”(no passo �), que é
 
___________________________________________________________________________
SENAI
Departamento Regional do Espírito Santo 23
10 b.b
Assim, a equação do relé “d” ( nos passos � e �) é
d.b.bb.bd 1010 +=
Observação :
Todas as condições existentes para o relé, tanto inicial como todos os passos de retenção,
devem ser consideradas.
2 – Na sequência ����→→→→����→→→→����’→→→→����
Nesta sequência, o sinal que atua o relé “d” se mantém enquanto este está atuando e, neste
caso, a equação de “d” é :
relé) do atuação de condições as (todasd =
conforme se tem acima ( nos passos � e �)
10011010 b)bb(bb.bb.bd =+=+=
Considerando todas as condições, tem-se:
d.bbd
d.b.bbd
d.b.b)b1(bd
bd.b.bb.bd
01
101
1001
11010
+=
+=
++=
++=
A configuração do circuito é mostrada na figura 2.8
 
___________________________________________________________________________
SENAI
Departamento Regional do Espírito Santo 24
2.3 – CIRCUITOS BÁSICOS
A seguir são mostrados alguns circuitos básicos de comando e acionamento elétrico.
2.3.1 – Circuito de Retenção
Nos circuitos da figura 2.9, apertando-se a botoeira “b1”, a bobina do contator “d” é
energizada, fazendo fechar os contatos de retenção “d” como também o contato “d” para a
lâmpada e esta se acende. Liberando-se a botoeira “b1 “, a bobina mantém-se energizada, e a
lâmpada “h” permanece acesa. Quando se apertar a botoeira “b0”, a bobina será
desenergizada, fazendo abrir os contatos de retenção para a lâmpada “h”, e esta se apaga.
Libera-se “b0”, a lâmpada permanece apagada e o circuito volta à condição inicial.
Figura 2.9
 
___________________________________________________________________________
SENAI
Departamento Regional do Espírito Santo 25
Quando apertar as duas botoeiras “b0” e “b1” ao mesmo tempo, no circuito da figura 2.9a , a
lâmpada “h” não se acende, porque a botoeira “b0” tem preferência na desenergização, e no
circuito da figura 2.9b a lâmpada “h” se acende, porque a botoeira “b1” tem preferência na
energização.
2.3.2 – Circuito de Intertravamento
Nos circuitos da figura 2.10, apertando-se a botoeira “b12” (ou ‘b13”), a bobina do contator “d1” (ou
“d2”) é energizada, impossibilitando a energização da outra, e não deixando energizar as duas ao
mesmo tempo, porque estão intertravadas.
Figura 2.10
Quando se apertar as duas botoeiras “b12” e depois “b13”, no circuito da figura 2.10(a), que
tem intertravamento mecânico, com os contatos normalmente fechados das botoeiras
conjugadas, as lâmpadas não se acendem, e, no circuito da figura 2.10(b), o intertravamento é
elétrico com os contatos normalmente fechados dos contatores. Neste caso, a lâmpada “h12” se
acende e “h13” não se acende.
Na figura 2.11 é mostrado um circuito com retenção (selo) e intertravamento elétrico.
Figura 2.11
 
___________________________________________________________________________
SENAI
Departamento Regional do Espírito Santo 26
Apertando-se a botoeira “b12” (ou “b13”) a bobina do contator “d1”( ou “d2”) é energizada, o
contato de selo “d1” (ou “d2”) fecha-se mantendo a energização, o contato de intertravamento
de “d1” (ou “d2”) ligado em série com “d2” (ou “d1 “) impossibilita a energização das duas
bobinas ao mesmo tempo. Para se energizar a bobina “d2” (ou “d1 “) é necessário apertar