A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
60 pág.
Arbitragem em direito societário   Pedro A. Martin   fls. 1 até 119

Pré-visualização | Página 1 de 37

ARrBilRAGEM NO 
DIREITO SOCIETÁRIO 
"A QyARTIER LATIN teve o mérito de dar início a uma nova 
fase, na apresentação gráfica dos livros jurídicos, quebrando a 
frieza das capas neutras e trocando-as por edições artísticas. 
Seu pioneirismo impactou de tal forma o setor, que inúmeras 
Editoras seguiram seu modelo." 
I VES G ANDRA DA SILVA MARTINS 
Editora Quartier Latin do Bra,sil 
Empresa Brasileira, fundada em 20 de novembro de 2001 
Rua San ro Amaro, 3 16 - CEP O 1315-000 
Vendas: Fone (1 1) 3101-5780 
Ema i 1: quarcierla[i n@quarrierlatin.ar[. br 
Si[e: www.quarcierlarin.an.br 
PEDRO A. BATISTA MARTINS 
S6cio de Batista Martins Advogados. Arbitro, consultor e parecerista. Autor de 
livros e diversos artigos sobre arbitragem e outros ramos do Direito. Membro do 
Corpo de Árbitros de diversas instituições brasileiras e internacionais. 
Coautor da Lei Brasileira de Arbitragem. 
ARBITRAGEM NO 
DIREITO SociETÁRIO 
Editora Qyartier Latin do Brasil 
São Paulo, inverno de 2012 
quartierlatin@quartierlatin.art.br 
www.quartierlatin.art.br 
EDITORA QUARTIER LATIN DO BRASIL 
Rua Sanro Amaro, 316 - Centro - São Paulo 
Contato: qWlrtierlatin@quartierlatin.art.br 
www. quartierlatin. art.br 
Coordenação editorial: Vinicius Vieira 
Diagramação: José Ubiratan Ferraz Bueno 
Revisão gramatical: Rafael Almeida 
Capa: Eduardo N allis Villanova 
MARTINS, Pedro A. Batista - Arbitragem no Direito Societário-
São Paulo: Qy.artier Latin, 2012. 
ISBN 85-7674-630-1 
1. Arbitragem. 2. Direito Societário. I. T ítulo 
Índices para catálogo sistemático: 
1. Brasil: Arbitragem 
2. Brasil: Direito Societário 
TODOS OS DIREITOS RESERVAD OS. Proibida a reprodução total ou p-arcial, por qualquer meio ou processo, especialmente 
por sistemas gráficos,microfilmicos,fotogr.ificos,reprográficos, fonográficos, vidcográficos. Vedada a memorização e/ou a recuperação 
total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte desta obra em qualquer sistema de processamento de dados. Essas proibições 
aplicam-se também às características gr'.úicas da obra e à sua cditomção. A violação dos direitos automis é punível como crime (art. 184 
e parágrafos do Código Penal), com pena de prisão e multa, busca c apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei 9.610, 
de 19.02.1998,Lci dos D ircitosAummis). 
SUMÁRIO 
Prefácio - Arnoldo Wald ......... ..... ...... ............ ................ ...................... . 
Notas Introdutórias - Nelson Eizirik .................. .... ...................... ...... . . 
Nota do Autor .......... .... ................... .... ... ..... ......... ........... ....... .... ...... ..... . 
Introdução 
Abordagem Metodológica e Estrutura do Trabalho, 19 
Capítulo 1 
Arbitragem Como Paradigma de Justiça para Os Grupos Sociais. 
Uma Visão Filosófica, 27 
1. Inexiste Monopólio Judiciário ............... ...... ................ ..... ................ . 
2. Liberdade: Espinha Dorsal da Arbitragem ............ ........... ..... .......... . 
3. Arbitragem. Breve histórico. Meio Viabilizador da Justiça .... ...... .... . 
4. A Indesejável Intervenção Estatal .... ............ ..... ....... .... ...... ............... . 
Capítulo 2 
Prevalência da Maioria como Princípio Social lnarredável, 41 
Capítulo 3 
As Distintas Correntes sobre a Natureza Jurídica das Sociedades 
Anônimas Não Meta a Eficiência Jurídica da Arbitragem, 53 
Capítulo 4 
9 
15 
17 
2 8 
34 
35 
38 
Arbitrabilidade Subjetiva. A Inserção de Cláusula de Arbitragem 
nos Estatutos de Sociedade Anônima Aberta, por Maioria de Votos, 
e a Imposição de seus Efeitos a Todos os Acionistas, 71 
1. Introdução.... ........ .... ........... ..... ...... ...... ..... ........... ..... ....... .... .. ............ 7 2 
2. Breve Histórico das Sociedades Anônimas . ... ..... ........ ... ... ... .............. 7 3 
3. A Limitação de Responsabilidade ....... ............ ........... ..... ................ .. 7 5 
4. O Princípio Majoritário ..... ..... ...... ................ ...... ..... ..... ..... ........... .... . 
5. As Limitações ao Poder de Controle ................. ..... ............ .............. . 
6. A Arbitragem Não Afronta os Ditames Aplicáveis às 
Sociedades Anônimas ..... ...... ............ ......... ...... ..... ...... ......... · · ..... · · · · · · ·· · 
78 
91 
99 
6.1. O Ramo Societário e o Princípio Deliberativo que Norteia ..... . 
6.2. Há Sujeição e Não Renúncia a Direito .............. .. .................... . 
6.3. Não há Vício na Introdução, por Maioria, de Cláusula 
Compromissória Estatutária ........................... ..... ........... .......... .... . 
7. Arbitragem como Meio Eficaz de Governança Corporativa ......... ... . 
8. O Estatuto Social como Contrato de Adesão. 
Argumento Impertinente ... ............. ............... ............................... ..... . 
9. A Natureza e a Força Jurídica da Manifestação de Vontade em 
Assembleia Geral de Alteração Estatutária ............................ ............ . 
10. A Vinculação de Diretores Estatutários, Conselheiros de 
Administração e Fiscal aos Efeitos da Cláusula Compromissória 
Constante de Estatuto Social ............................................................. . 
11. A Cessão de Ações e a Eficácia Continuativa da Cláusula 
Arbitral Estatutária .................. .......................... .... ............................ . 
12. Vinculação dos Novos Acionistas à Convenção Arbitral 
99 
104 
106 
112 
119 
125 
131 
141 
Estatutária nas Operações de Incorporação, Fusão e Cisão ................ 152 
13. Observação quanto a Arbitrabilidade Subjetiva de Disputas 
Oriundas das Deliberações que Aprovam a Incorporação, 
a Fusão ou a Cisão...................... ... ............................. .... .. .... ............... 15 6 
14. Transformação de Tipo Societário e Vinculação Subjetiva 
à Arbitragem .... ..................... ............................ .................................. 162 
Capítulo 5 
Arbitragem e Empresas sob Controle Estatal, 163 
Capítulo 6 
Arbitrabilidade Objetiva. Enfoque Relativo a Certas Qyestões 
Societárias e sua Submissão à Arbitragem, 175 
1. Nota Introdutória........................................................................... .... 176 
2. Indisponibilidade e Ordem Pública. Normas Imperativas................ 177 
3. A Arbitrabilidade dos Conflitos de Natureza Negocial.............. ...... 185 
4. A Disponibilidade dos Direitos Políticos ......... ........................ ....... .. 192 
5. A Arbitrabilidade dos Conflitos Relativos à Constituição 
da Sociedade .. . . .. . . . ... . . . ... . . ..... ... .. ... . . . ... . . ..... ..... ... .. ..... .. . .. .. ... .. ...... .. . .... .. 19 7 
6. A Arbitrabilidade das Qyestões Objeto de Impugnações de 
Deliberações Assembleares ............................. ..................................... 204 
6.1. A Decisão Arbitral Vincula Todos os Acionistas ............. ........ . 
6.2. Caso em que a Deliberação Assemblear Qyestionada 
Atinge Direitos de Terceiros ......................... ............................... .. 
7. Arbitragem e a Ação de Responsabilidade 
contra Administradores ................. .......... ................. ..... ..... ...... .......... . 
8. Arbitrabilidade das Q,Iestões que Envolvem o Direito de Recesso .... . 
9. Arbitrabilidade das Demandas Objeto de Dissolução 
da Sociedade ....................................................................................... . 
Bibliografia, 229 
L Livros ... .................. ....................... .... ..................... .. ..... ..................... . 
11. Artigos de Periódicos ................................ ....................... · · · · .... · · · · · · · · · · 
111. Decisões Judiciais .............. ...... ............ ..... ..... ......

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.