Aula Caatinga
41 pág.

Aula Caatinga


DisciplinaBiogeografia886 materiais11.382 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Caatinga 
MSc. Cecília Gontijo Leal 
Localização no Brasil 
11% do território 
nacional (cerca 
de 735 mil km2) 
 
70% do nordeste 
 
9 estados: PI, CE, 
RN, PB, PE, AL, 
SE, BA e MG 
(Jequitinhonha) 
 
-> segue o rio SF 
 
 
 
 
Amazônia 
Pantanal 
Mata 
Atlântica 
Pampa 
Caatinga 
www.ibge.gov.br 
 Caatinga: 
 
Baraúna-do-sertão - Schinopsis Aroeira - Myracrodruon Barriguda - Cavanillesia 
Pereiro \u2013 Aspidosperma 
Ipê - Tabebuia Tupi-Guarani 
Floresta branca 
(aspecto da vegetação na 
estação seca) 
CARACTERÍSTICAS 
EXTREMAS 
Baixa taxa de 
umidade relativa 
Baixa 
nebulosidade 
Alta radiação 
solar 
Temperatura 
média anual alta 
Evapotranspiração 
potencial elevada 
Precipitação baixa e IRREGULAR 
(400-900 mm), limitada a um 
período curto do ano 
Clima do semi-árido quente 
Eventos 
catatróficos 
 \u201cPolígono das Secas\u201d do 
nordeste do Brasil 
\u201cContudo, é a ausência 
completa de chuvas em 
alguns anos que 
caracterizam a região\u201d 
Nimer 1972 
Água \u2192 fator limitante 
Água Recurso de grande poder modelador da 
vegetação 
\u2022 Quantidade anual de chuvas 
 
\u2022 Distribuição temporal das chuvas 
 
\u2022 Evapotranspiração (umidade relativa, temperatura, ventos..) 
 
\u2022 Regime de água dos solos (topografia, prop. físicas do solo) 
 Drenagem (percolação/escoamento) 
 Capacidade de armazenamento 
 Saturação por água subterrânea ou fluvial 
Escassez de água 
Fator ecológico 
\uf0a7 Redução da altura da floresta; 
 
\uf0a7 Simplificação da estratificação florestal; 
 
\uf0a7 Aumento da deciduidade (caducidade) das árvores; 
 
\uf0a7 Aumento da esclerofilia foliar, incluindo espinhos; 
 
\uf0a7 Redução do tamanho de folhas, folíolos ou foliólulos; 
 
\uf0a7 Aumento da sincronia dos eventos fenológicos; 
 
\uf0a7 Redução de lianas e epífitas. 
Respostas da vegetação 
Flora 
\uf0fc Bioma mais desvalorizado e mal 
conhecido botanicamente. 
\uf0fc Caatinga: resultado da modificação de 
outra formação vegetal, 
\uf0fc baixa diversidade de plantas, sem espécies 
endêmicas e altamente modificada pelas 
ações antrópicas. 
 
 
\uf0d8 Mesmo alterada: 
\uf0d8 grande variedade de tipos vegetacionais, 
\uf0d8 elevado número de espécies, 
\uf0d8 remanescentes de vegetação ainda bem 
preservada, 
\uf0d8 número expressivo de táxons raros e 
endêmicos. 
 
Escassa cobertura vegetal 
rasteira sobre o solo; 
Plantas lenhosas decíduas 
e esclerófilas, suculentas 
e ervas efêmeras. 932 espécies de plantas 
vasculares 
 
318 espécies endêmicas - 34% 
Fitofisionomias 
\uf076 Vegetação típica: depressões 
sertanejas 
 
\uf076 Formações arbóreas: manchas de 
solos mais ricos 
 
\uf076 Florestas úmidas (brejos de 
altitude): encontas e topos das 
chapadas e serras > 500m e 
1.200mm de chuva 
 
\uf076Mata seca, mata úmida, carrasco, 
formações abertas com 
predomínio de cactáceas\u2026 
 
Solo 
Raso e pedregoso - 
arenoso e profundo 
 
Baixa fertilidade 
(chapada 
sedimentar da 
Ibiapaba) \u2013 alta 
fertilidade (Chapada 
cárstica do Apodi) 
Gêneros comuns 
Facheiro - Pilosocereus 
Pereiro - Aspidosperma 
Bromelia 
Cactus endêmicos 
Leocereus 
Tacinga 
Zehntnerella 
O número real de espécies na Caatinga 
deve ser ainda maior: 41% da região nunca foi 
investigada e 80% permanece subamostrada 
(Tabarelli & Vicente, 2004). 
Maior diversidade: maiores 
altitudes, principalmente 
em áreas rochosas 
Zona protegida durante oscilações climáticas do Pleistoceno 
Períodos úmidos: nordeste 
recoberto por diversos tipos 
de florestas (pereni e 
caduciólias) 
Isolamento 
plantas não 
arbóreas em 
áreas abertas, 
altas e com 
solos rasos 
Zona protegida durante oscilações climáticas do Pleistoceno 
Períodos secos: relevo 
acentuado + rochas expostas = 
captura de maior umidade 
(chuvas e neblina) 
Vertentes 
protegidas = 
refúgio para as 
espécies 
florestais 
Ex: florestas de brejo 
Fauna 
Mocó \u2013 espécie arborícola 
Kerodon rupestris 
Mamíferos 
148 espécies (Oliveira et al., 2003) 
10 espécies endêmicas - 7% 
Tatu-bola \u2013 recentemente 
redescoberto na caatinga 
Tolypeutes tricinctus 
Aves 
510 espécies (Silva et al., 2003) 
15 espécies endêmicas - 3% 
Ararinha-azul 
Cyanopsitta spixii 
& Tabebuia caraiba 
Arara-azul-de-lear 
Andorhynchus leari 
Licurizeiro 
Syagrus coronata 
Herpetofauna 
167 espécies (Rodrigues, 2003) 
 
47 lagartos 
52 cobras 
4 quelônios 
3 jacarés 
 
51 sapos 
10 cobras-cegas 
 
 
 
Endêmicos: 16 lagartos, 8 cobras, 4 cobras-cegas, 1 
sapo 
37 % dos lagartos e cobras-cegas, 16% das cobras da 
Caatinga em uma área que representa 0,8% do 
bioma. 
Região Biogeográfica 
Dunas do rio São Francisco 
São Lagoa 
São 
São Lagoa 
Oceano 
Atlântico 
Eurolophosaurus divaricatus Eurolophosaurus amathites 
Margem direita 
X 
Margem esquerda 
Calyptommatus Phimophis Amphisbaena 
Peixes 
240 espécies 
136 endêmicas - 57% 
 
Steindachnerina notonota 
Apareiodon davisi 
Moenkhausia 
lepidura 
Simpsonichthys fulminantis 
Serrasalmus 
brandtii 
Prochilodus brevis 
Regiões Aquáticas 
Características 
peculiares, como o 
regime intermitente e 
sazonal de seus rios, 
reflexo direto das 
precipitações escassas e 
irregulares, associadas à 
alta taxa de evaporação 
hídrica. 
 
Invertebrados 
 Heterogeneidade 
ambiental 
+ 
Singularidade de certos 
ambientes 
= 
Fauna provavelmente rica 
 
Abelhas, cupins e formigas 
19 áreas indicadas 
 
12 \u201cinsuficientemente conhecida\u201d 
Conservação 
1985 a 1996: 135 milhões de dólares 
para projetos de biodiversidade 
em todo país -> 4% para a 
caatinga 
 
6,4% do bioma \u2013 47 UC\u2019s 
 11 UC\u2019s (1%) de proteção integral 
 
Aprox 15% da população do BR 
Agricultura de corte 
e queima 
Caça 
Retirada de 
madeira para 
lenha 
Remoção de 
vegetação para 
criação 
Conservação 
1985 a 1996: 135 milhões de dólares 
para projetos de biodiversidade 
em todo país -> 4% para a 
caatinga 
 
6,4% do bioma \u2013 47 UC\u2019s 
 11 UC\u2019s (1%) de proteção integral 
 
Aprox 15% da população do BR 
Perda de 2,01% de 
cobertura vegetal 
2002-2008 
Atividade agrícola na 
Caatinga (áreas em 
preto). 
 
IBGE, 1993 
30,4% impactada 
 
3o bioma mais 
degradado 
 
243 fragmentos 
 
14 > 10.000km2 
51,7% impactada 
 
2o bioma 
 
172 fragmentos 
 
9 > 10.000 km2 
Atividade agrícola 
+ Zona de efeito 
de estradas 
Desertificação 
\u201cDegradação da terra nas regiões áridas, semi-áridas e 
subúmidas, resultante de diferentes fatores, entre eles as 
variações climáticas e atividades humanas\u201d 
Já atinge 
15% da área 
da caatinga 
 
1 milhão 
km2 - áreas 
suscetíveis 
Localização 
geográfica das 
áreas 
suscetíveis à 
desertificação 
 
Locais propícios: 
 - escassez de chuva (250 a 800 
mm/ano), concentração em certos 
períodos do ano 
 - áreas suscetíveis à erosão 
 
1 bilhão da população mundial 
 - 37% da superfície do planeta 
 - Concentração da pobreza 
 
Manejo inadequado da terra: 
 - queimadas, 
 - irrigação mal conduzida, 
 - desmatamento, 
 - pastoreio excessivo, etc 
Perda de nutrientes e 
redução da capacidade 
produtiva das terras 
Locais propícios: 
 - escassez de chuva (250 a 800 
mm/ano), concentração em certos 
períodos do ano 
 - áreas suscetíveis à erosão 
 
1 bilhão da população mundial 
 - 37% da superfície do planeta 
 - Concentração