Climatologia   Noções Básicas e Climas do Brasil
198 pág.

Climatologia Noções Básicas e Climas do Brasil


DisciplinaClimatologia2.088 materiais37.056 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ClimAtoloGia
noções básicas e 
climas do Brasil
Francisco Mendonça 
Inès Moresco Danni-Oliveira
ClimAtoloGia
noções básicas e 
climas do Brasil
S e f^ tQ j
M 5 3 S c .
; Copyright 2007 Oficina de Textos 
I a reimpressão - 2009 
2a reimpressão - 2011
Universidade Estadual de Londrina 
Sistema de Bibliotecas
0 0 00238593
B C
G ra f ia atualizada conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, 
em vigor no Brasil a partir de 2009.
CONSELHO EDITORIAL Cylon Gonçalves da Silva; José Galizia Tundisi; Luis Enrique Sánchez;
Paulo Helene; Rozely Ferreira dos Santos; Teresa Gallotti Florenzano
ASSISTÊNCIA EDITORIAL Ana Paula Ribeiro 
CAPA, DIAGRAMAÇÃO e PROJETO GRÁFICO Malu Vallim 
DESENHOS Rodrigo Lacerda Marques e Eduardo Vedor de Paula 
PREPARAÇÃO DE FIGURAS Laura Martinez Moreira 
PREPARAÇÃO DE TEXTO Ana Paula Ribeiro 
REVISÃO TÉCNICA Manoel Alonso Gan
REVISÃO DE TEXTOS Mariana Castilho Marcoantonio e Maurício Katayama
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) 
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Mendonça, Francisco
Climatologia ; noções básicas e climas do Brasil / 
Francisco Mendonça, Inês Moresco Danni-Oliveira 
São Paulo : Oficina de Textos, 2007
Bibliografia.
ISBN 978-85-86238-54-3
1. Brasil - Clima 2. Climatologia
I. Danni-Oliveira, Inês Moresco. II. Título
oU I (oj/sf
i \J $A K l 4 C O (L /
Z / l i
^ 3 6 , 3 3
cce/teeo
07-1076 CDD-551.6981
índices para catálogo sistemático:
1. Brasil : Clima : Estudos : Ciências da terra 
5516981
2. Clima : Estudos : Brasil : Ciências da terra 
5516981
Todos os direitos reservados à Oficina de Textos 
Rua Cubatão, 959
CEP 04013-043 São Paulo SP Brasil 
tel. (11) 3085 7933 fax (11) 3083 0849 
site: www.ofitexto.com.br e-mail: ofitexto@ofitexto.com.br
Para
Ana Maria Brandão, 
com quem partilhamos, de maneira mais direta,
a ideia deste livro.
A p r e s e n t a ç ã o ,\u25a0 g
Esta obra resulta de uma incessante preocupação com a melhoria do 
ensino e da pesquisa em Climatologia no Brasil. Seu enfoque princi­
pal é condizente com a Climatologia analítico-descritiva, na qual a 
abordagem qualitativa tem maior destaque.
Nossa experiência em Climatologia, no âmbito do ensino superior 
e da pesquisa no Brasil, revelou-nos a carência de uma obra escrita 
por pesquisador brasileiro e que tivesse maior enfoque nas carac­
terísticas da atmosfera do País, em sua interação com a superfície. 
Assim, decidimos escrever este livro devido à explícita necessidade 
de colegas, estudantes e pesquisadores de uma obra que trouxesse 
tanto os conceitos básicos de Meteorologia e de Climatologia quanto 
as particularidades dos contextos sul-americano e brasileiro.
As publicações sobre Climatologia brasileira resumem-se, princi­
palmente, a capítulos de livros, artigos científicos em periódicos 
ou publicações isoladas de algumas instituições. Os compêndios de 
Climatologia utilizados em âmbito nacional são, em sua totalidade, 
estrangeiros, e os que foram traduzidos para o português quase não 
apresentam exemplos das especificidades brasileiras.
Esta edição preenche essas inúmeras lacunas e concepções, que 
podem, com a apreciação crítica dos colegas e o tempo, ser melhora­
das e aprofundadas. Das lacunas, de antemão percebidas, sobressai a 
ausência de uma importante parte que diz respeito às aplicabilidades 
do conhecimento climatológico. Estamos cientes de que seria muito 
importante acrescentar aqui os capítulos referentes ao clima urbano, 
à agroclimatologia, ao clima industrial, às interações clima-saúde e 
clima-turismo, aos métodos e técnicas, ao ensino da Climatologia 
etc., tantas possibilidades que certamente tornariam esta obra mais 
rica e mais completa. Todavia, esses temas são um desafio à constru­
ção de outras obras.
Colegas, amigos e familiares estiveram presentes no fazer desta 
obra. Muitos deles são merecedores de nossa gratidão, mas desta­
camos a colaboração fundamental de Ana Maria Brandão, no 
tratamento dos dados do Cap. 6, e de Eduardo Vedor de Paula e 
Felipe Vanhoni, na elaboração do Cap. 5.
Estamos certos de que, ao apreciar as críticas recebidas, as edições 
posteriores serão mais completas do que a presente.
Os autores
S u m á r i o
C l im a t o lo g ia : c o n c epç õ es c ien t íf ic a s e esc a la s de a b o r d a g em 11
1.1 O conhecimento climático 11
1.2 Climatologia e Meteorologia: conceitos e abordagens 13
1.3 A Climatologia brasileira 16
1.4 Escalas de estudo em Climatologia 21
2 - A a tm o s fe ra t e r r e s t r e 2 7
2.1 Características físico-químicas da atmosfera 27
2.2 O balanço de radiação 32
2.3 O processo de radiação 33
3 - A in tera ç ã o d o s elem en t o s d o c l im a com
os fato res da a t m o sfer a g eo g r á f ic a 41
3.1 O campo térmico: a temperatura do ar 49
3.2 O campo higrométrico: a água na atmosfera 58
3.3 O campo barométrico: o movimento do ar 73
4 - C irc u la ç ã o e dinâmica a tm osférica 83
4.1 Circulação geral da atmosfera 83
4.2 Centros de ação 95
4.3 As massas de ar 99
4.4 Frentes 102
4.5 As massas de ar da América do Sul e sua dinâmica 107
5 - C la ss if ic a ç õ es c l im á t ic a s : o s t ipo s c lim át ic o s da T erra 113
5.1 Abordagens aplicadas à classificação climática 115
5.2 Modelos analíticos de classificação climática 117
5.3 Modelos genéticos de classificação climática 124
5.4 Os grandes domínios climáticos do mundo 126
6 - B r a s il : a spec t o s t er m o plu v io m ét r ic o s e t ipo s c lim át ic o s 139
6.1 Dinâmica atmosférica 139
6.2 Variabilidade temporoespacial da temperatura do ar 140
6.3 Variabilidade temporoespacial das chuvas 146
6.4 Os climas 149
7 - T ó pic o s espec ia is em C l im a t o lo g ia 183
7.1 A intensificação do efeito estufa planetário 183
7.2 El Nino e La Nina 189
7.3 O processo de desertificação 194
B ib l io g r a f ia 2 0 3
1 - C l im a to lo g ia : c o n c epç õ es c ien t íficas e esc a la s de a bo r d a g em
1.1 0 conhecim ento climático
Conhecer a atmosfera do planeta Terra é uma das aspirações perse­
guidas pela humanidade desde os tempos mais remotos. A partir do 
momento em que o homem tomou consciência da interdependência 
das condições climáticas e daquelas resultantes de sua deliberada 
intervenção no meio natural, como necessidade para o desenvolvi­
mento social, ele passou a produzir e registrar o conhecimento sobre 
os componentes da natureza.
Desvendar a dinâmica dos fenômenos naturais, entre eles, o compor­
tamento da atmosfera, foi necessário para que os grupos sociais 
superassem a condição de meros indivíduos sujeitos às intempéries 
naturais e atingissem não somente a compreensão do funcionamen­
to de alguns fenômenos, mas também a condição de utilizadores e 
de manipuladores desses fenômenos em diferentes escalas.
Nos primórdios da humanidade, o conhecimento da atmosfera era 
muito pobre, assim como, de maneira geral, todo o conhecimento 
humano da realidade, devido à fraca capacidade de abstração do 
homem naquela época. Assim, atribuía-se a alguns fenômenos a 
condição de deuses. Por milhares de anos, o raio, o trovão, a chuva 
torrencial, a intensa seca etc. foram reverenciados como entidades 
mitológicas ou a elas ligados.
O conhecimento humano que conseguiu se desenvolver e apresentar 
explicações lógicas para aqueles fenômenos naturais formou, então, 
as bases iniciais para a origem do estudo científico da atmosfera.
Bem antes da era cristã, no Ocidente, o conhecimento da camada 
de gases que envolve a Terra já era produzido e registrado de várias 
maneiras. O regime de cheias e vazantes do rio Nilo, por exemplo, 
levou os egípcios a refletir sobre os elementos do ar dos quais deriva­
vam a umidade e a consequente fertilidade dos solos de várzeas 
do rio, recurso
Julia
Julia fez um comentário
ola boa tarde , me enviem também se tiver em PDF obrigada juliaterra99@gmail.com
0 aprovações
Matheus
Matheus fez um comentário
Vou querer também, alguém poderia me enviar por e-mail: mrtheu03@live.com
0 aprovações
Carregar mais