Resumo neotomismo, positivismo, materialismo histórico dialético e fenomenologia
1 pág.

Resumo neotomismo, positivismo, materialismo histórico dialético e fenomenologia


DisciplinaFundamentos Filosoficos do Serviço Social35 materiais268 seguidores
Pré-visualização1 página
NEOTOMISMO: Corrente filosófica surgida no século XIX com o intuito de retomar a filosofia de Tomás de Aquino, para resolver os problemas surgidos pela industrialização e o capitalismo. Seu objetivo é esclarecer as relações entre a fé e a razão. A primeira realidade a ser explicada é Deus, depois analisa o homem, que é composto de alma e corpo. O homem é dotado de razão, capaz de escolher entre o bem e o mal. Ele também é social e político. Para que haja o bem comum, é preciso que haja autoridade, ou seja, o Estado. Toda autoridade deriva de Deus, portanto respeitar a autoridade é respeitar a Deus. Se o Estado garantir os direitos e bem-estar da sociedade, então ele é bom. Nesta corrente, os princípios da dignidade humana e do bem comum entre todos predomina.
POSITIVISMO: Corrente filosófica surgida na primeira metade do século XIX, criada por Augusto Comte. O positivismo é baseado na ciência, naquilo que se pode comprovar por observação e fatos. Rejeita ideias teológicas e metafísicas para explicar as relações sociais. No positivismo, a sociedade é regulada por leis naturais invariáveis que independem da vontade humana, similar às leis da natureza.
MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO: concepção filosófica desenvolvida por Karl Marx e Engels. Defende que a sociedade é definida por fatores materiais, como economia, biologia, geografia e desenvolvimento científico. Rejeita as forças sobrenaturais e divindades. Acredita na influência da natureza sobre o homem e seu inverso, influência do homem sobre a natureza, ou seja, a matéria está em uma relação dialética com o psicológico e social.
FENOMENOLOGIA: ciência que descreve e classifica os fenômenos. Seu principal autor foi Husserl. Não tem a intenção de mudar a realidade, apenas descrevê-la. Não aborda conflitos de classes nem mudanças estruturais. Não se interessa em colocar a historicidades dos fenômenos.