Aula_1_-_Radiacao_Ionizante_-_Fundamentos
1 pág.

Aula_1_-_Radiacao_Ionizante_-_Fundamentos


DisciplinaBiofísica8.084 materiais193.949 seguidores
Pré-visualização1 página
*
*
*
Clique para editar o estilo do título mestre
Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Radiação Ionizante Fundamentos
Prof. Dra. Viviane Scheibel de Almeida

*
*
*
Clique para editar o estilo do título mestre
Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

*
*
*

*
*
*

Raios X
Isto ocorreu quando Röntgen estudava o fenômeno da luminescência produzida por raios catódicos num tubo de Crookes. Este dispositivo, foi envolvido por uma caixa de papelão negro e guardado numa câmara escura. Próximo à caixa, havia um pedaço de papel recoberto de platinocianeto de bário.
Conrad Röntgen percebeu que, quando fornecia corrente elétrica aos elétrons do tubo, este, emitia uma radiação que velava a chapa fotográfica, intrigado, resolveu intercalar entre o dispositivo e o papel fotográfico, corpos opacos à luz visível. Desta forma obteve provas de que vários materiais opacos à luz diminuíam, mas não eliminavam a emissão desta estranha irradiação induzida pelo raio de luz invisível, então desconhecido.
Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história.

*
*
*

Isto indicava que a energia atravessava facilmente os objetos, e se comportava como a luz visível. Após exaustivas experiências com objetos inanimados, Röntgen resolveu pedir para sua esposa por a mão entre o dispositivo e o papel fotográfico.
A foto revelou a estrutura óssea interna da mão humana, com todas as suas formações ósseas, foi a primeira chapa de raios X, nome dado pelo cientista à sua descoberta em 8 de novembro de 1895.
Depois de um tempo com a descoberta do raio X, Wilhelm descobriu que sem proteção, a exposição causava vermelhidão da pele, ulcerações e empolamento. Em casos mais graves de exposição poderia causar sérias lesões cancerígenas, morte das células e leucemia, o que fez ele morrer.

*
*
*

Fonte: www.inca.gov.br

*
*
*

Fonte: www.inca.gov.br

*
*
*

Fonte: www.inca.gov.br

*
*
*

Fonte: www.inca.gov.br

*
*
*

Estrutura do Átomo
		A notação utilizada para a identificação de um elemento químico é do tipo

	onde A é o número de massa e Z o número atômico. O número de nêutrons é obtido de N = A - Z.
	
	Exemplo: 		 			

*
*
*

Radiação Ionizante
Energia e partículas emitidas de núcleos instáveis são capazes de causar ionização.
Por que alguns isótopos são radioativos e outros não?

*
*
*

Quando um núcleo instável emite partículas, as partículas são, tipicamente, na forma de partículas alfa, partículas beta ou nêutrons.
No caso da emissão de energia, a emissão se faz por uma forma de onda eletromagnética muito semelhante aos raios X : os raios gama.

*
*
*

Tipos de Radiação
		Dependendo da quantidade de energia, uma radiação pode ser descrita como não-ionizante ou ionizante.
	
Radiações não-ionizantes 		baixa energia

 * Ondas eletromagnéticas, calor e ondas de rádio.

Radiações ionizantes		 altos níveis de energia

	* Podem alterar o estado físico de um átomo e causar a perda de elétrons, tornando-os eletricamente carregados ("ionização\u201c).   

*
*
*

Partículas Alfa
	Quando um átomo emite uma partícula alfa, ele perde dois prótons. Deste modo, o átomo instável muda para um elemento diferente.
Exemplo:
	Amerício-241 (241Am) e polônio-210 (210Po) são exemplos de fontes de radiação alfa.

*
*
*

Partículas Beta
	Essas partículas são elétrons (ou pósitrons) ejetados do núcleo atômico.
 Núcleo com excesso de nêutrons \u2013 emite elétrons (\u201cbeta menos\u201d)\u200f
 Núcleo com excesso de prótons - emite pósitrons (\u201cbeta mais\u201d)\u200f

Exemplo:

Em outras palavras,
* Estrôncio-90 (90Sr), tecnécio-99 (99Tc) e cálcio-45 (45Ca) são exemplos de fontes de radiação beta.

*
*
*

Raios Gama
 Raios gama são fótons de alta energia emitidos pelo núcleo de alguns átomos, extremamente penetrantes.

	Raios gama são idênticos aos raios X usados pelos dentistas 	e médicos. A diferença está no fato de que os raios gama 	vêm do centro do átomo, e os raios X não.

 Geralmente os raios gama têm muito mais energia que os raios X

 Estão presentes naturalmente em todos os lugares, como no solo, alimentos, paredes...

*
*
*

Interação da Radiação com a Matéria
Efeito fotoelétrico
		O efeito fotoelétrico é caracterizado pela transferência total da energia da radiação X ou gama (fóton que desaparece) a um único elétron orbital, que é expelido com uma energia cinética Ec bem definida,

Ec = hv\uf06e- Be

	onde h é a constante de Plank, v é a freqüência da radiação e Be é a energia de ligação do elétron orbital.
	
	
		O efeito fotoelétrico é predominante para as baixas energias e para elementos químicos de elevado número atômico Z.

*
*
*

	Efeito Compton

		No efeito Compton, o fóton é espalhado por um elétron de baixa energia de ligação, que recebe somente parte de sua energia, continuando sua sobrevivência dentro do material em outra direção.

*
*
*

	Formação de pares

		Este efeito ocorre quando fótons de energia superior a 1,022 MeV passam perto de núcleos de número atômico elevado, interagindo com o forte campo elétrico nuclear. Nesta interação, a radiação desaparece e dá origem a um par elétron-pósitron (2 mc2=1,022 MeV), por meio da reação:

*
*
*

Interação dos fótons com a matéria, segundo as faixas de energia.

*
*
*

Decaimento Radioativo \u2013 Raios X

Excitação:
Após uma colisão com outras partículas ou com radiação eletromagnética, um ou mais elétrons "saltam" para camadas superiores.

Decaimento:
Os elétrons retornam, após um certo tempo, às camadas mais baixas, emitindo radiação eletromagnética com energia tanto maior quanto maior for a "distância" entre as camadas.

*
*
*

UNIDADES DE RADIOATIVIDADE
Existem diversas unidades para expressar a radioatividade como:
 	Curie (C): quantifica a desintegração de 3,7 x 1010 átomos por segundo por uma grama de rádio;
 	Rad : quantifica uma dose de radiação correspondente à absorção pelo organismo de uma energia de 100 Erg;
	Gray (Gy): quantidade que provoca a absorção de 1 J por 1 Kg de tecido;
	Sievert (Sv): 1 Sv é responsável pela formação de 1 Gy de partículas  ou 0,1 Gy de neutrons;
	Becquerel (Bq): quantifica uma desintegração por segundo.
 Em 1977 a Comissão Internacional de Proteção Radiológica (ICRP) definiu como unidade padrão de atividade o Becquerel (Bq)
(1 Bq = 1 s-1).

*
*
*

Meia vida Física

É o tempo necessário para que um certo nuclídeo radioativo tenha o seu número de desintegrações por unidade de tempo reduzido à metade.

*
*
*

Meia vida Biológica

Quando um elemento químico (radioativo ou não) é introduzido em um organismo vivo, sofre metabolização e excreção próprias. Chamamos de meia-vida biológica ao tempo necessário para que a metade deste elemento ingerido pelo organismo seja eliminado pelas vias normais.

*
*
*

Meia vida Efetiva

A dose de radiação recebida por um órgão quando nele existe um material radioativo agregado depende da meia vida física e da meia vida biológica.

A combinação de ambas nos dá a meia vida efetiva, que é o tempo em que a dose de radiação neste órgão fica reduzida á metade.