A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Análise Sincrônica Banco

Pré-visualização | Página 1 de 1

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP
ARQUITETURA E URBANISMO
ANÁLISE SINCRÔNICA:
BANCO
Trabalho da matéria Projeto do Mobiliário Urbano, apresentado a Professora Adriana Massucatti pela aluna ANDRESSA COMUNI COELHO, RA: C779FF-6, n° de ordem 41, da TURMA AU4B20, da UNIP, para o Curso de Arquitetura e Urbanismo;
São Paulo- SP
2017
Introdução
Atualmente, existe uma grande variedade de bancos no mercado e estamos sempre à procura do melhor, do mais confortável, com o menor custo de fabricação, com uma aparência bonita e inovadora, que utilize materiais sustentáveis, que seja versátil, que exerça a atividade que ele promete e com o menor ou nenhum custo de manutenção. Portanto, o trabalho de pesquisa que será apresentado a seguir tem como objetivo realizar uma análise sincrônica de bancos. Onde serão analisados diversos deles, para assim comparar e achar uma solução para elaborar um banco que não esteja no mercado atualmente.
Análise Estrutural
O banco é formado por pés e assento e pode ter ou não encosto e apoio de braço. Para ser confortável é preciso possuir uma ergonomia boa, descrita abaixo:
-A altura entre o chão e o assento não pode ser nem muito alta nem muito baixa, tem que ter entre 40 e 43,2 cm, mas o perfeito é 40 cm;
-A profundidade do assento, se possuir encosto, deve ter entre a medida mínima de 39 cm e a medida máxima 40,6 cm; se não tiver encosto deve ter entre 45 e 60 cm;
-A largura do assento, para uma pessoa, sem apoio de braços deve ter 61 cm e com apoio 76,2 cm;
-Se tiver encosto, o ângulo entre o assento e o encosto não pode ter 90°, tem que ter entre 100° e 112°, para um banco com um descanso prolongado o ideal seria o ângulo entre 110° e 112° e para um banco com descanso médio seria 100°, mas o ideal é 103°; a altura do encosto deve ter no máximo 0,40 cm;
-Se possuir apoio de braço, a altura entre o assento e o apoio deve ter no mínimo 0,20 cm e 0,27 cm no máximo, e o ideal 0,23 cm; a inclinação do mesmo deve ser levemente pra baixo; o comprimento do apoio deve ter entre 0,47 cm e 0,51 cm.
Análise Sincrônica
As imagens abaixo mostram alguns exemplos de bancos:
Banco URBE, artista F Studio Arquitetura + Design;
O banco URBE é formado por módulos com o assento hexagonal de concreto e pés triangulares de ferro maciço pintado com eletrostática na cor preta. O formato dele é diferenciado por conta de poder fazer várias composições com os módulos e as pernas serem vários triângulos diferentes e traz a relação de peso e leveza com os dois materiais.
Por usar os materiais citados, o banco não é sustentável, o ideal seria ficar em lugares cobertos, não tem um custo de manutenção tão alto por conta dos dois materiais serem resistentes ao intemperismo e o custo um pouco alto para a sua venda, cada módulo custa 350 reais.
Ele possui uma altura de 50 cm sendo um pouco alto para um banco, possui um assento de profundidade 25 cm e 25 cm de largura, sendo um pouco pequeno só um módulo, mas quando juntado com outro fica bom o tamanho do assento. Não possui encosto e apoio de braço.
Banco de Todos, artista Leonardo Bueno;
O Banco de Todos é único e tem sua volumetria diferenciada por conta do contraste da madeira imbuia num formato triangular e do ferro pintado de preto também num formato triangular resultando num trapézio. 
O uso da madeira é sustentável por conta da madeira poder ser cultivada, mas o uso do ferro não é por conta dele poder acabar, o custo de manutenção é baixo e o custo de mercado é alto sendo de 9.800 reais. A altura dele é de 45 cm, sendo uma altura agradável e profundidade é 40 cm o que não é muito apropriado. Não possui encosto e apoio de braço.
 Banco Linea Acciaio, artista lab23 gibillero design;
O banco Linea Acciaio é formado por de uma placa inclinada de aço galvanizado e pintado de branco que serve como encosto, pé e para apoiar o assento feito de madeira. Essa inclinação do encosto/pé, a placa servindo como pé e encosto e o assento “colado” nessa placa que faz com que o banco se torne único e diferente. 
Com a utilização dos materiais citados o banco se torna sustável por causa da madeira, mas não sustentável por causa do aço, custo de manutenção é baixo e o custo de mercado é alto. 
O banco tem uma altura de 40,5 cm sendo ideal, possui uma profundidade de 63,5 cm o que é um pouco maior que o ideal, o encosto tem uma inclinação aceitável, maior que 90° e não possui apoio de braço.
Banco Romeo & Juliet, artista Graux & Baeyens architecten, Stijn Goethals;
O Banco Romeo & Juliet é feito de tiras de madeira na parte do assento, fazendo assim a água escorrer entre elas e o diferencial dele é que seus pés são feitos de vasos de fibra de vidro. Então esse banco tem mais de uma função, além de sentar é um vaso, assim ele leva a natureza para o espaço em que será implantado.
O banco é sustentável por conta da madeira e não é por conta da fibra de vidro, possui um custo muito baixo ou inexistente de manutenção, mas é alto seu valor no preço de mercado. 
Sua profundidade é de 74 cm o que é maior que o ideal e sua altura aparenta ser um pouco maior que o ideal. Não possui encosto e apoio de braço. 
Considerações finais
Depois de conhecer todos os bancos, podemos perceber que quando um banco não possui encosto criam dois lados para sentar e dois campos de visão diferentes. Observamos que os bancos podem ser modulares ou não, podem ter ou não apoio de braço, podem acomodar duas ou mais pessoas, alguns possuem espaços para a água escoar ou não. Vemos que a maioria dos materiais usados são madeira, ferro e aço, por conta da resistência deles com relação ao intemperismo sofrido no ambiente que será inserido. Podemos observar que nem sempre eles possuem uma ergonomia adequada onde uns são mais altos e outros com assentos com uma profundidade inadequada, tornando assim os bancos menos confortáveis para o usuário. Alguns terão só uma função de acomodar o cliente e outros terão essa e outra função como vaso, floreira, canteiro, lixeira, porta livros, paraciclo, entre outras. Mas, no final todos os bancos irão buscar ter sua volumetria diferenciada, se relacionando com o ambiente em que será inserido e promovendo conforto ao usuário.
Referências:
 https://boobam.com.br/categoria/bancos-e-banquetas - Primeiro e segundo banco;
http://www.archiproducts.com/pt/produtos/bancos/estilo_estilo-moderno - Terceiro ao quinto banco;
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAgLbwAG/ergonomia-bancos-jardim - Ergonomia; 
https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/5100/5100_4.PDF - Ergonomia.