A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
SLIDE DE CIRURGIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Técnicas e farmacologia de controle de hemorragias 
Integrantes
Almir Coelho Neto
Allana Silva Rocha
Landuardo Elias B. Oliveira
Samara Costa Fonseca
Thainy Cristina O. Barbosa
Introdução 
Entende-se por hemostasia o processo fisiológico de parar o sangramento e iniciar o processo de reparo tecidual. A avaliação pré-operatória tem como objetivo otimizar a condição clínica do paciente, prevenindo o cirurgião dentista de intercorrências e complicações pós-operatórias. Uma boa hemostasia é sempre complemento de toda técnica cirúrgica e ela é obtida, durante uma intervenção, por meio de compressão com gaze ou dos métodos clássicos de pinçagem e ligadura. Sendo necessários um bom planejamento baseado nas condições sistêmicas, locais e psicológicas do paciente. 
Anamnese
Conceito
Principais alterações hemorragicas 
1. Hemofilia
2. Doença de Von Willebrand
3. Trombastenia de Glanzmann
4. Srindome de Bernard-Soulier
5. Púrpura Trombocitopênica imunologica
6. Púrpura Medicamentosa
Uso de medicamentos 
Classificações das Hemorragias 
Externas
Internas
Arterial
Venosa
Capilar
Primárias
Secundárias
Recorrentes ou repetitivas
Segundo as características clínicas 
Segundo natureza do vaso lesado
Segundo Etapa cirúrgica ou tratamento
Tempos das Hemostasias 
1. Parietal
 
 2. Plasmático
3. Trambodinâmico
Manobras Cirúrgicas de Hemostasia
Tamponamento :
 Homeostasia temporária, realizado no trans e pós operatório.
Manobras Cirúrgicas de Hemostasia
Eletrocoagulação:
Utilizada para homeostasia definitiva, usa-se bisturi eletrônico. 
Manobras Cirúrgicas de Hemostasia
Pinçamento:
Pinçamento de vasos ( pinças mosquito- aplicação de uma pinça homeostática na extremidade de um vaso lesado, cobrindo instantaneamente a hemorragia).
Manobras Cirúrgicas de Hemostasia
Ligadura:
Utilizada em vasos de maiores calibres, como a artéria facial.
Substâncias Hemostaticas 
 
 USO LOCAL 
Esponja de fibrina- Fibrinol 
Esponja de Gelatina reabsorvível 
Celulose Oxidada
Colágeno Microfibrilar
Cera óssea (Não absorvível) 
Substâncias Hemostaticas 
 USO SISTÊMICOS
Vitamina K
Etansilato (dicione)
Drogas antifibrinolíticas
Trasamin
Medicamentos evitados em pacientes com síndrome Hemorragica 
Ácido acetil-Salicílico
Fenibutazona, idometacina e outros antiinflamatórios
Antihistaminicos 
Penicilinas e Derivados 
Expectorantes 
Medicamentos que auxiliam no suporte do paciente com síndrome hemorrágica
Analgésicos 
Antinflamatórios
Corticosteróides
Antifrinolíticos 
Desmopressina