A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
aula 10 DIREITO AMBIENTAL

Pré-visualização | Página 1 de 1

9/10/2014 Aluno: SUELLEN ALVES DA SILVA VAZ •
http://estacio.webaula.com.br/salaframe.asp?curso=1998&turma=405176&CodProgramaTurma=0&CodModuloDeCursos=0&AcessoSomenteLeit… 1/2
DIREITO AMBIENTAL
Exercício: CCJ0012_EX_A10_201101250828 Voltar
Aluno(a): SUELLEN ALVES DA SILVA VAZ Matrícula: 201101250828
Data: 09/10/2014 22:34:59 (Finalizada)
 1a Questão (Ref.: 201101460884)
A Lei nº 7.347/85 disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao
consumidor, dentre outros. Marque a alternativa CORRETA sobre a ação civil pública:
no caso do dano ambiental, a inversão do ônus da prova é proposta diante da comprovação do crime
ambiental
No caso de condenação em dinheiro, será revertida a um fundo especial de interesse dos sujeitos lesados
pelo dano.
 O objeto da ação civil pública poderá ser a condenação em dinheiro ou o cumprimento da obrigação de
fazer ou não fazer.
Não são admitidas medidas liminares, mandado liminar nas ações civis pública
no caso de dano ambiental, independentemente da existência de culpa, a responsabilidade é subjetiva
 Gabarito Comentado.
 2a Questão (Ref.: 201101342155)
Quanto aos meios processuais para a defesa ambiental, assinale a opção correta.
O inquérito civil é um instrumento indispensável para o exercício da ação civil pública em defesa do meio
ambiente, pois é ele que dá suporte à preparação dessa ação perante o Judiciário.
Todas as alternativas estão incorretas.
O Ministério Público, ainda que não encontre elementos que indiquem a autoria do possível dano ambiental
ou o mínimo de prova para propor a ação judicial, não pode promover o arquivamento do inquérito civil ou
dos documentos em seu poder.
Cabe exclusivamente ao Conselho Superior do Ministério Público e ao Conselho Federal Gestor do Fundo de
Direitos Difusos a propositura de ação civil pública por danos causados ao meio ambiente provenientes de
empresa pública, fundação, sociedade de economia mista ou associação.
 De acordo com a CF, qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise anular ato lesivo
ao meio ambiente ou ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de
custas judiciais e do ônus da sucumbência.
 Gabarito Comentado.
 3a Questão (Ref.: 201101342313)
A ação civil pública NÃO poderá ter por objeto:
A imposição de uma obrigação de não fazer.
A imposição de pagamento de indenização.
 Uma declaração de direitos, sem conseqüências cominatórias.
Dano ou lesão causada a bem público.
A imposição de uma obrigação de fazer.
 Gabarito Comentado.
9/10/2014 Aluno: SUELLEN ALVES DA SILVA VAZ •
http://estacio.webaula.com.br/salaframe.asp?curso=1998&turma=405176&CodProgramaTurma=0&CodModuloDeCursos=0&AcessoSomenteLeit… 2/2
 4a Questão (Ref.: 201101342188)
A ação popular em matéria ambiental está prevista no artigo 5, LXXIII da CF/88 e também na Lei 4.717/65. É um instrumento
constitucional à disposição de qualquer cidadão que visa invalidar atos, contratos, ou condições administrativas ilegais que
causem prejuízo ao patrimônio federal, estadual ou municipal, ou às suas autarquias, entidades paraestatais e pessoas
jurídicas que recebem dinheiro público. Assinale a resposta FALSA com relação ao que se refere à ação popular.
A ação popular não é instrumento de proteção exclusiva para danos ambientais.
A ação popular nasce da necessidade de se melhorar a defesa do interesse público e da moral administrativa.
 Somente o cidadão brasileiro nato pode habilitar-se como litisconsorte ou assistente do autor de ação popular.
A ação popular é um instrumento legal diferente da ação civil pública
O sujeito ativo para a propositura de ação popular é qualquer cidadão no gozo de seus direitos políticos.
 Gabarito Comentado.
 5a Questão (Ref.: 201101460877)
A tutela processual está intimamente ligada ao acesso à Justiça. Por tanto, quanto aos meios processuais que
tutelam o meio ambiente, informe a alternativa CORRETA:
O Ministério Público pode se convencer da inexistência de fundamento para a propositura da ação civil
pública, independente de diligências, e promover o arquivamento dos autos do inquérito civil ou das peças
informativas, sem ser necessária uma fundamentação
 As ações civis públicas deverão ser propostas no foro do local onde ocorrer o dano, cujo juízo terá
competência para processar e julgar a causa e, conforme o bem lesado ou em ameaça, a competência
poderá ser da Justiça Federal ou da Justiça Estadual.
Na ação popular é possível requerer indenização ou obrigações de fazer além da anulação de ato lesivo por
qualquer pessoa, órgão, entidade ou agente do poder público.
Qualquer cidadão tem legitimidade para propor a ação civil pública, bastando provar sua cidadania com o
título eleitoral ou com documento que a ele corresponda.
Não é admitida a inversão do ônus probatório nas demandas ambientais por aplicação subsidiária do Código
de Defesa do Consumidor
 Gabarito Comentado.
 6a Questão (Ref.: 201101460916)
Diante de uma Ação Civil Pública, decorrente de dano ambiental em razão da destruição de floresta nativa
considerada de preservação permanente com antecipação da tutela imposta para evitar o aumento do já detectado
dano ao meio ambiente, marque a alternativa CORRETA.
 A ação civil pública será proposta no foro do local onde ocorrer o dano, cujo juízo terá competência
funcional para processar e julgar a causa.
Nas ações civis públicas poderá haver adiantamento de custas, emolumentos, honorários periciais e
quaisquer outras despesas, nem a solicitação da condenação da associação autora, salvo comprovada má-
fé, em honorários de advogado, custas e despesas processuais.
Se o órgão do Ministério Público, esgotadas todas as diligências, se convencer da inexistência de dados para
a propositura da ação civil, promoverá o arquivamento dos autos do inquérito civil ou das peças
informativas, sem ser necessária a fundamentação sobre o mesmo.
Nas ações civis públicas, o Ministério Público tem legitimidade para propor a ação principal, mas não a ação
cautelar.
Não é admitida a inversão do ônus probatório nas demandas ambientais por aplicação subsidiária do Código
de Defesa do Consumidor.