A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
33 pág.
exercicios resolvidos contabilidade aula 02

Pré-visualização | Página 1 de 8

2008 
CONTABILIDADE GERAL 
CATHEDRA COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 
 
Contabilidade Geral em Exercícios ‐ Aula 02
 
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 2
CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS 
Diversas Bancas 
Prezados Alunos, 
 
Ao final de cada aula, disponibilizo as questões que serão comentadas durante 
a aula. Caso você julgue conveniente, poderá testar seu conhecimento previa-
mente antes de ver os gabaritos e as resoluções comentadas. Você pode simu-
lar uma situação real de prova: para calcular o tempo de duração das provas, 
considere um tempo de 3 minutos por questão. Desta forma, utilizando esta 
metodologia, seu aprendizado será muito mais eficaz. 
 
Caso tenham dúvidas sobre as questões, podem enviar e-mails para 
coordenareceita@cathedranet.com.br. 
 
Prova 3. Contador – Universidade do Estado do Pará – 2008 - CESPE 
Questões Comentadas e Resolvidas 
 
Texto para as questões de 11 a 13 
 
Componentes diretos Valor (R$) 
Matéria-prima consumida 10.000 
Componentes diretos 8.000 
Custos indiretos de fabricação 3.500 
Despesas de salários 3.135 
Despesas financeiras 4.052 
Despesas operacionais 3.500 
Eletricidade da fábrica 6.549 
Estoque final de produtos acabados 6.352 
Estoque final de produtos em elaboração 2.248 
Estoque inicial de produtos acabados 8.137 
Estoque inicial de produtos em elaboração 10.541 
Gastos com a segurança eletrônica do escritório 3.780 
Gastos com marketing e propaganda 3.691 
Gastos com o setor de manutenção da fábrica 4.578 
Gastos com salário dos motoristas do escritório 5.241 
Manutenção das máquinas da fábrica 2.147 
Mão-de-obra direta 8.500 
Mão-de-obra indireta 6.500 
Receita do período 150.000 
Telecomunicações do departamento de vendas 3.749 
 
Uma empresa que fabrica um único produto e que apresenta carga tributária 
de 18% sobre a receita e de 24% sobre o lucro expôs as informações de seu 
departamento de produção, que estão listadas no quadro acima. 
 
 
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 3
11. Nessa empresa, o valor do custo da produção acabada é igual a 
 
(a) R$ 49.774 
(b) R$ 49.371 
(c) R$ 58.067 
(d) R$ 66.204. 
 
Resolução 
 
Questão de Contabilidade de Custos. Como nada foi dito, deveremos utilizar 
o método de custeio por absorção. Vamos relembrar este conceito: 
 
Custeio por absorção: método de apropriação de custos cujo objetivo é rate-
ar todos os seus elementos (custos fixos ou custos variáveis) em cada fase da 
produção. Ou seja, no custeio por absorção um custo será apropriado quando 
for atribuído a um produto ou unidade de produção. Deste modo, cada produto 
receberá sua parte no custo até que todo o valor aplicado seja totalmente ab-
sorvido pelo Custo dos Produtos Vendidos (CPV) ou pelos Estoques Finais (EF). 
 
O custeio por absorção é uma imposição do Regulamento do Imposto de Ren-
da, que determina que os produtos em fabricação e os produtos acabados se-
rão avaliados pelo custo de produção. 
 
Para apuração por custeio por absorção deve-se adotar o seguinte procedimen-
to: 
 
1. Separação de custos e despesas; 
2. Apropriação dos custos diretos e indiretos à produção realizada no pe-
ríodo; 
3. Apuração do custo dos produtos acabados; 
4. Apuração do custo dos produtos vendidos; e 
5. Apuração do resultado. 
 
Apuração da produção acabada, dos produtos em elaboração e dos 
produtos vendidos (memorizar para a prova): 
 
Estoque inicial de materiais diretos 
(+) Custo de Aquisição das compras de materiais diretos (*) 
(-) Estoque final de materiais diretos 
(=) Materiais Diretos Consumidos (MD) 
(+) Mão-de-Obra Direta (MOD) 
(+) Custos Indiretos de Fabricação (CIF) 
(=) Custo de Produção do Período (CPP) 
(+) Estoque inicial de produtos em elaboração 
(-) Estoque final de produtos em elaboração 
(=) Custo da Produção Acabada 
(+) Estoque inicial de produtos acabados 
(-) Estoque final de produtos acabados 
Custo dos Produtos Vendidos (CPV) 
 
 
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 4
 
 
(*) Compras de materiais diretos: 
 
(+) Valor da Compra 
(-) Impostos Recuperáveis 
(+) Valor do frete suportado pelo adquirente (subtraído do ICMS 
recuperável incidente na operação) 
(+) Seguros 
(+) Gastos com o Desembaraço Aduaneiro (no caso de importa-
ção) 
(-) Descontos Incondicionais Obtidos (Descontos Comerciais) 
 Custo de Aquisição da Compras de Materiais Diretos 
 
(*) São exemplos de Custos Indiretos de Fabricação (CIF): 
 
 Materiais indiretos 
 Mão-de-obra indireta 
 Energia elétrica 
 Combustíveis 
 Manutenção de máquinas 
 Conta de telefone da fábrica 
 Aluguel da fábrica 
 Aluguel de equipamentos 
 Depreciação 
 Seguros da fábrica 
 Imposto predial 
 
Vamos à resolução da questão: 
 
(=) Materiais Diretos Consumidos (MD) 
 Matéria-prima consumida 10.000 
 Componentes diretos 8.000 
(+) Mão-de-Obra Direta (MOD) 8.500 
(+) Custos Indiretos de Fabricação (CIF) 3.500 
 Eletricidade da fábrica 6.549 
 Gastos com setor manutenção da fábrica 4.578 
 Manutenção das máquinas da fábrica 2.147 
 Mão-de-obra indireta 6.500 
(=) Custo de Produção do Período (CPP) 49.774 
(+) Estoque inicial de produtos em elaboração 10.541 
(-) Estoque final de produtos em elaboração (2.248) 
(=) Custo da Produção Acabada 58.067 
 
GABARITO: C 
 
 
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 5
12. O valor do lucro líquido apurado pela empresa é igual a 
 
(a) R$ 27.360. 
(b) R$ 36.000. 
(c) R$ 63.000. 
(d) R$ 40.052. 
 
Resolução 
 
Para calcular o lucro líquido, devemos apurar, inicialmente, o custo dos produ-
tos vendidos. Além disso, para calcular o lucro líquido, devemos lembrar a es-
trutura da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE): 
 
Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) 
 
A Demonstração do Resultado do Exercício tem por objetivo evidenciar a situa-
ção econômica da entidade em um determinado período através da apuração 
do resultado do exercício (lucro ou prejuízo). 
 
Receita Bruta 
(-) Deduções da Receita Bruta 
(-) Devoluções de Vendas 
(-) Abatimentos sobre Vendas 
(-) Descontos Incondicionais Concedidos 
(-) ICMS sobre Vendas 
(-) PIS e COFINS sobre Vendas 
(=) Receita Líquida 
(-) Custo das Mercadorias/Produtos/Serviços Vendi-
dos/Prestados 
(=) LUCRO BRUTO (RESULTADO OPERACIONAL BRUTO) 
(-) Despesas c/ Vendas 
(-) Despesas Financeiras 
(+) Receitas Financeiras 
(-) Despesas Gerais e Administrativas 
(-) Outras Despesas Operacionais 
(+) Outras Receitas Operacionais 
(=) LUCRO/PREJUÍZO OPERACIONAL (RESULTADO OPERACIONAL 
LÍQUIDO) 
(+) Receitas Não-operacionais 
(-) Despesas Não-operacionais 
(=) RESULTADO DO EXERCÍCIO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA 
(-) Despesa c/ Provisão do Imposto de Renda 
(-) Despesa c/ Participações Societárias sobre o Lucro 
 Participações de Debêntures 
 Participações de Empregados 
 Participações de Administradores 
 Participações de Partes Beneficiárias 
 Fundos de Assistência e Previdência de Empregados 
 (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 
 Lucro/Prejuízo Líquido por Ação 
 
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 6
 
(*) Os prejuízos acumulados reduzem a BC das participações, mas não inte-
gram a DRE. 
 
(*) Participações de Partes Beneficiárias (ATENÇÃO!!!): 
O artigo 187, VI, da Lei no 6.404/76 com as alterações trazidas pela Lei no 
11.638/07, passa a estabelecer que, na DRE, as despesas com distribuição de 
parcela dos lucros anuais a partes beneficiárias não seja mais feita como parti-
cipações estatutárias sobre o lucro. Continuam sendo apresentadas como par-
ticipações estatutárias sobre o lucro apenas a distribuição