A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
43 pág.
artigo naercio educação no brasil trabalho (1)

Pré-visualização | Página 8 de 8

e de “empregabilidade” entre as pessoas com diferentes grupos educacionais. Esta demanda pode estar relacionada com a rápida evolução tecnológica recente e/ou com a liberalização comercial que teve lugar do início dos anos 90.
Em segundo lugar, é preciso explicar por que as pessoas que completam o ensino médio crescentemente param de estudar, ao invés de entrar no ensino superior. Além disto, é necessário examinar em que medida a aceleração educacional recente se refletirá em uma piora ainda maior das condições de trabalho e desemprego das pessoas com um nível intermediário de educação, ou se o mercado reagirá criando postos de trabalho adequados ano novo mix educacional brasileiro. Finalmente, uma necessidade sempre premente no Brasil é pensar em políticas públicas dirigidas às pessoas com baixo nível de qualificação, para tirá-las das condições de pobreza e readaptá-las ao mercado de trabalho.
– Referências
Anuatti, F. e Fernandes, R. (2000) “Grau de Cobertura e Resultados Econômicos do Ensino Supletivo no Brasil”, Revista Brasileira de Economia, vol.53, no.4
Ashenfelter e Krueger (1994). “Estimates of Economic Return to Schooling from a New Sample of Twins”, American Economic Review, vol. 84, no.5.
Barros, R.P. e Almeida Reis, J.G.A (1990), “Desigualdade Slarial e Distribuição de Educação: A evolução das Diferenças Regionais no Brasil”, Pesquisa e Planejamento Econômico, vol. 20 , no. 3
Barros, R.P. (1997), “Os Determinantes da Desigualdade no Brasil”, Seminário 22/97, IPE-USP.
Barros, R.P., Henriques, R. e Mendonça, R.(2000), “Education and Equitable Economic Development”, Economia, Vol 1, no.1.
Behrman, J, Duryea, S. and Szekely, M. (1999), “Schooling Investments and Aggregate Conditions: A household-Survey-Based Approach for Latin America and the Caribbean, Inter-American Development Bank, mimeo.
Fernandes, R. e Menezes-Filho, N. (2000), “A Evolução da Desigualdade no Brasil Metropolitano entre 1983 e 1997”, Estudos Econômicos, Vol. 20 , n.4.
Fernandes, R. e Picchetti, P. (1999), “Uma Análise da Estrutura do Desemprego e da Inatividade no Brasil Metropolitano”, Pesquisa e Planejamento Econômico, vol. 29, n.1
Ferreira, F. e Barros, R.P. (1999). “The Slippery Slope: Explaining the Increase in Extreme Poverty in Urban Brazil, 1976-1996”, Revista de Econometria, vol. 19, n.2.
Gonzaga, G. , Camargo, J. M. e Menezes-Filho, N. (2000), “Os Efeitos da Redução da Jornada de Trabalho em 1988 sobre o Mercado de Trabalho no Brasil, Anais do XXII Encontro Brasileiro de Econometria, Campinas, SP.
Hall, R. and Jones, C (1998) “Why Do Some Countries Produce So Mcuh More Output per Worker Than Others”, NBER Working Paper 6564.
Kats, L. and Autor, D. (1999). “Changes in Wage Inequality and Earnings Inequality”, in Ashenfelter, O and Card, D. (eds) Handbook of Labor Economics, vol. 3A, Elsevier.
Lam, D. e Schoeni (1993). “Effects of Family Background on Earnings and Returs to Schooling : Evidence from Brazil”, Journal of Political Economy, vol 101 no. 4.
Langoni, C. (1973). Distribuição de Renda e Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro:Expressão e Cultura.
Leme, M.C. e Wajnman, S. (2000). “A Decisão de Alocação de Tempo dos Adolescentes no Brasil”, Anais do XXIII Encontro Brasileiro de Econometria, Capinas, SP.
Menezes-Filho, N., Fernandes, R. e Picchetti, P. (2000a). “`Rising Human Capital but Constant Inequality: The Education Composition Effect in Brazil”, mimeo Universidade de São Paulo.
Menezes-Filho, N., Fernandes, R., Pichetti, P e Narita, R. (2000b). “The Choice Between School and Work in Brazil”, Anais do XXVIII Encontro Nacional de Economia, Capinas, SP.
Mankiw, N. G., Romer, D. and Weil, D. (1992), “A Contribution to the Empirics of Economic Growth”, Quarterly Journal of Economics, vol. 107, n.2.
Rodrigues Jr, M. e Menezes-Filho, N. (2000) “Comércio, Tecnologia e a Demanda por Trabalhadores Qualificados no Brasil”, USP mimeo.
Savedoff, W.D. (1990). “Os Diferenciais Regionais de Salários no Brasil: Segmentação Versus Dinamismo na Demanda”, Pesquisa e Planejamento Econômico, vol.20, n.3.
Human Development Report publicado pelas Nações Unidas, 2000.
– Referências Adicionais
A bibliografia sobre educação é muito grande. Os seguintes websites possuem dados e informações importantes sobre o assunto:
www.iadb.org/exr/pub/pages/teesociales.asp#educaion
www.worldbank.org/data/databytopic/databytopic.html#education
www.educationtindex.com
www.ipea.gov.br
www.undp.org/hdr2000
www.min-edu.pt
www.race.nuca.ie.ufrj.br/abet
www.mec.gov.br
www.ibge.gov.br

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.