ARTIGO TCC em Psicologia das Emergências e dos Desastres
31 pág.

ARTIGO TCC em Psicologia das Emergências e dos Desastres


DisciplinaPsicologia Ambiental e das Emergencias29 materiais33 seguidores
Pré-visualização31 páginas
2
A PSICOLOGIA A SERVIÇO DAS EMERGENCIAS E DESASTRES
Olivia Melo Colins
1
Dannilo Jo rge Escorcio Halabe
2
RESUMO
Este artigo trata do papel do psicólogo numa Gestão Integral de Riscos e Desastres (GIRD),
evidenciando-se as atribuições descritas pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) em Nota
Técnica sobre a Atuação do Psicólogo na GIRD. E mbora exist am orientações, atuar, ainda gera
dúvidas ao psicólogo, impedindo-o do exercício adequado nas intervenções. No Maranhão,
profissionais psicólogos, timidamente, buscam integrar-se a G IRD, dem onstrando assim a
relevância desta pesquisa na compreensão da atuação e do fazer ciência. Ressaltaram-se as
contribuições das intervenções psicoló gicas na relação teoria-prática em contextos de
emergências e desastres. À Defesa Civil (DC) cabem as responsabilidades das ações da GIRD.
À Psicologia, a serviço das emergências e desastres, compete representar as populações afetadas
e em situações de vulnerabilidade garantindo-lhes a integralidade da atenção psicossocial e
saúde mental. Nessa interface, revisou-se a bibliografia disponível na base de dados S ciELO,
analisando-se qualitativamente os conteúdos, fundamentando-se no mat erialismo histórico-
dialético. Os resultados evidenciam: a din amicidade da p rática em situações extremas ; teorias
e técnicas construídas nas intervenções diárias ; atuação destoante das postuladas para o
atendimento em crises; necessidade de atuação orientada por or ganizações assistenciais e/ou
humanitárias; atuação interdisciplinar e intersetorial; necessidade eme rgente de
desenvolvimento de novas práticas psicológicas voltadas à G IRD c apazes de promover maior
resiliência das populações atendidas. Destarte, considera-se, qu e a Psicologia contribui
sobremaneira na promoção e desenvolvimento de novas práticas, numa integração
multissetorial e das ciências. P rima-se, portanto, por uma Psicologia capaz de levantar
discussões e desconstruir velhos conceitos, desmistificando a concretude dessa prática dinâmica
e mutável.
Palavras-chave: Defesa Civil. Atuação do psicólogo. Psicolo gia. Emergências. Desastres.
Gestão Integral de Riscos e Desastres.
1
Graduando e m Psicologia no UNICEUM A. Integrou a primeira equipe de estagiários do UNICEUMA em
Psicologia na Superinte ndência de Defesa Ci vil de São Luís MA (201 7.1).
2
Dr. em Psicologia Clí nica (PUC -SP, 201 8). Me em Educação (UFMA, 201 2). Esp. em Metodolo gia Ensino
Superior (CEMES/UFM A, 2011). Graduado em Psicologia (UFM A, 2008). Docente no UNICEUM A e Grupo
Santa Fé. Psicólogo Clínico, ênfase e m Psicanálise e Metodo logi a da P esquisa.
3
ABSTRACT
This articule talks about the work of the psychologist in Risks and Disasters Integral Management
{RDIM} highlighting its assignments reported by Psycholo gy Federal Council {PFC} in a
Technical Note about t he Psychologist´s Performance in RDIM. Although t here are guide lines,
acting, still raises doubts to the psychologist, preventing its proper exercise while intervening. In
Maranhão, psychology professionals, timidly, are seeking for integration in RDIM, proving the
relevance of this research in understanding the possi bilities of acting and making science. Stands
out the aids of psychological interventions on theory-practice relation in emergencies and disasters
contexts. To Civil Defense fits the responsibilities of RDIM a ctions. To Psychology, working for
the emergencies and disasters, fits representing affected populations and in vulnerability situations
with a view to guara ntee the psychosoci al attention and the sanity o f the involve d ones. Due to this
interface, the available SciELO´s data base was revised, analyzi ng qualitatively the contents
substantiated on historical-dialectical materialism. The re sults highlight: the dynamicity of practice
in extreme situations; theories and techniques built during daily interventions; dissonant
performances of the postulated for assistance in c rises; nee d for action oriented b y charitable and/or
humanitarian organizations; the necessary interdisciplinary and intersectoral actions; the
development of new psychological practices directed to RDIM, able to promote greate r resilience
of t he served populations. It is considered, that Psychology contributes prom oting and developing
new practices, in a multisectoral integration of sciences. Therefore, stans out, for a Science able to
raise discussions, deconstructing old ideas and demysti fying the concreteness of thi s d ynamic and
changeable practice.
Keywords: Civil Defense. Ps ychologist actuation. Emergencies. Disasters. Risks and Disasters
Management.
1 INTRODUÇÃO
Os desastres tanto naturais quanto os causados pelo homem, ocasionam diversos
impactos, seja sob o aspecto dos danos físicos e sociais, seja pelos danos psicológicos ou
emocionais emergidos das perdas so fridas ou vivenciadas. É v asto o númer o de municípios que
são atingidos todos os anos por desastres naturais ocasionados por fortes chuvas, tempestades
ou longos períodos de estiagem e seca.
4
A Confederação Na cional de Municípios (CNM), por meio do Observatório dos
Desastres N aturais
3
(ODN) destaca qu e em 2012 o Brasil foi considerado um dos 10 países que
mais sofreram d anos devido à ocorrência de de sastres naturais. No An uário Brasileiro de
Desastres N aturais de 2013 (último apresentado), os registros apontam que ocorreram 493
desastres naturais, dos quais se contabilizam 183 mortes.
Dentre os maiores d esastres ocorridos atualmente, dá-se destaque àqueles qu e
excedem, justamente, a capacidade de resposta do Muni cípio afetado. Desta forma, é importante
que se uma atenção especial àqueles que trazem ameaças a vida. Sobre esse aspecto, a Defesa
Civil busca pautar o seu trabalho, principalmente, por ter a missão d e evitar que se percam vidas
humanas em decorrência de tragédias (CNM, 2018).
Os dados estatísticos apresentados pelo ODN apontam que o Estado do Maranhã o
e o Município de São Luís se encontram em situação de alerta constante, o q ue chama a atenção
pelos indicadores apresentados onde demonstram uma média de 33,33% de Chuva para o
Maranhão, percentual bem acima dos 16,67% apresentados p ara o Brasil. Os índi ces de Seca
apresentam-se com 66,67%, um pouco abaix o da média de 75,11% par a o Brasil, porém, não
menos preocupante. Uma vez que nem os municípios nem a capital , têm estruturas
administrativas e orçamentárias que suportem os incidentes demandados, as calamidades
tendem a ocorrer, provocando o comprometiment o e sobrecarga do sistema público de saúde
municipal. Assim, as cidades e suas populações tendem a ficar a mercê de ajudas humanitárias
e solidarias (CNM, 2016).
Tais dados importam à Psicologia, uma vez que a Comissão Nacional de Psicologia
na Gestão Int egral d e Riscos e de Desastres identifica a necessidade de o profissional psicólogo
estar inserido neste contexto, com o intuito de atuar nas ações da GIRD garantindo os
componentes da atenção psicossocial e saúde mental dos envolvidos , protegendo as famílias e
pessoas afetadas pelos eventos. É papel da P sicologia, representar as pop ulações, realizando
um trabalho a rticulado com as redes assistenciais, com vistas a reduzir os dan os ligados à saúde.
Seu trabalho deve estar na direção de uma articulação intersetorial e de responsabilidade
compartilhada, representando o elo com a rede de atenção psicossocial, assistencial e da saúd e
básica (POZZER, 2013).
3
Portal desenvolvido p ela Confederação Nacional de Municí pios para q ue os gestores municipais possa m
acompanhar, monitorar e avali ar a implementação d a Política Nacional de P roteção e Defesa Civil no s
municípios brasileiros, a partir do lev antamento e co mpartilhamento de d ados e informações das rea lidades
locais.(Portal CMN, site: www.cnm.org.br). Dispo nível em: <http:// www.desastres.c nm.org.br/pagina/inter na/o -
que-e-observatorio>. Ace sso em: 20 mar. 20 18.