Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais

Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais


DisciplinaDireito Constitucional I64.654 materiais1.494.951 seguidores
Pré-visualização1 página
Eficácia e Aplicabilidade das Normas Constitucionais
Profa. Dra. Valdira Barris
EFICÁCIA JURÍDICA E EFICÁCIA SOCIAL
Eficácia \u2013 produção de efeitos;
Eficácia Social \u2013 efetiva aplicação da norma para resolução de casos concretos;
Eficácia Jurídica \u2013 significa que a norma está apta a produzir efeitos na ocorrência de relações concretas; já produz efeitos na ordem jurídica -revogação de normas anteriores.
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 
Segundo José Afonso da Silva: 
Normas de EFICÁCIA PLENA;
Normas de Eficácia CONTIDA.
Normas de EFICÁCIA LIMITADA;
Normas Constitucionais de Eficácia Plena
Estão aptas a produzir efeitos no momento em que a Constituição entra em vigor;
Não necessitam de norma integrativa infraconstitucional;
\u201c...são as que receberam do constituinte normatividade suficiente à sua incidência imediata. Situam-se predominantemente entre os elementos orgânicos da Constituição\u201d.
Normas Constitucionais de Eficácia Plena
Criam órgãos ou atribuem competências aos entes federativos;
Ex: Art. 2º , art. 19, 20...
Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.
Normas Constitucionais de Eficácia Contida
São aquelas que podem ter sua eficácia e aplicabilidade reduzidas por outras normas ou por motivos de ordem pública, bons costumes de paz social .
Ex. art. 5º , inc. XIII \u2013 assegura ser livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a LEI estabelecer.
Michel Temer adotou a nomenclatura normas constitucionais de eficácia redutível.
Normas Constitucionais de Eficácia Limitada
São aquelas normas que, de imediato, no momento em que a Constituição é promulgada, ou entra em vigor, não tem o condão de produzir todos os seus efeitos, precisando de uma lei integrativa infraconstitucional.
Normas Constitucionais de Eficácia Limitada
Subdividem-se em dois grupos:
Normas de Princípio INSTITUTIVO
Normas de Princípio Programático (normas programáticas)
Normas Constitucionais de Eficácia Limitada
Normas de Princípio INSTITUTIVO
Trazem previsão abstrata do início da estruturação de uma entidade ou órgão.
Para sua existência concreta, depende de integração legislativa
Normas Constitucionais de Eficácia Limitada
Normas de Princípio PROGRAMÁTICO
Fixam um programa de atuação para o Estado.
Produzem poucos efeitos porque precisam de uma evolução do Estado.
Ex. art. 4º , paragrafo único.
O ESTADO PODE SER ACIONADO EM FACE DESSAS NORMAS? ELAS PRODUZEM DIREITO SUBJETIVO?
Nova Constituição e suas implicações \u2013 fenômenos constitucionais
A relação do Direito com o passado, o presente e o futuro ( Direito intertemporal latu sensu)
Força normativa da Constituição.
O fenômeno da recepção
A RECEPÇÃO é o fenômeno pelo qual as normas infraconstitucionais que não contrariam a NOVA ORDEM serão recebidas e adentrarão ao Ordenamento Jurídico inaugurado. Exemplos: O CTN (foi elaborado como lei ordinária mas recebida como lei complementar).
As normas que forem incompatíveis com a Nova Constituição serão revogadas, por ausência de RECEPÇÃO: 
	
	COMPATIBILIDADE => RECEPÇÃO
	INCOMPATIBILIDADE => INEXISTÊNCIA DE RECEPÇÃO => REVOGAÇÃO
Em relação às normas infraconstitucionais, produzidas antes da Nova Constituição, incompatíveis com as novas regras não se observará qualquer situação de inconstitucionalidade mas de REVOGAÇÃO da LEI ANTERIOR por falta de RECEPÇÃO.
Vigora no Supremo Tribunal Federal o princípio da CONTEMPORANEIDADE: uma lei só é inconstitucional perante o paradigma de confronto em relação ao qual ela foi produzida.
O STF não admite a TEORIA DA INCONSTITUCIONALIDADE SUPERVENIENTE de ato normativo produzido antes da Nova Constituição e perante o novo paradigma.
Para que o fenômeno da RECEPÇÃO contemple uma norma infraconstitucional se faz necessário que:
	a) a norma esteja em vigor no advento da nova Constituição;
	b) não tenha sido declarada inconstitucional durante a sua vigência no ordenamento anterior;
	c) a norma tenha compatibilidade formal e material perante a Constituição sob cuja regência ela foi editada (ordenamento anterior)
	d) tenha compatibilidade material, no mínimo, com a nova Constituição (caso do CTN- lei ordinária que foi RECEBIDO como lei complementar- e do Código Penal- decreto-lei que foi RECEBIDO como lei ordinária)
O fenômeno da repristinação
É a possibilidade de uma norma que não foi recepcionada pela ordem jurídica anterior ser recebida pela ATUAL (norma produzida na vigência da CR/46 e não recepcionada pela de 1967 e que poderia ser recebida e produzir efeitos a partir da Ordem Jurídica de 1988).
O Brasil adotou a Teoria da IMPOSSIBILIDADE DO FENÔMENO DA REPRISTINAÇÃO.
RECEPÇÃO MATERIAL DE NORMA CONSTITUCIONAL
A nova Constituição mantem em vigor alguns dispositivos da Constituição anterior.
Ex. Art. 34 do ADCT
DESCONSTITUCIONALIZAÇÃO
A nova constituição ao revogar a Constituição anterior, transforma esta em norma infraconstitucional \u2013 lei ordinária;
referências
LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. Saraiva, 2013.
VASCONCELOS, Clever. Curso de Direito Constitucional. SARAIVA, 2014