A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
59 pág.
1 Princípios do Direito Penal. Disposições constitucionais aplicáveis. Conceito e fontes do Direito Penal.

Pré-visualização | Página 14 de 18

b) Somente as afirmativas I e IV s‹o corretas. 
c) Somente as afirmativas III e IV s‹o corretas. 
00000000000
00000000000 - DEMO
 
 
 
Prof. Renan Araujo www.estrategiaconcursos.com.br 42 de 57 
DIREITO PENAL P/ PC-DF (2017) Ð AGENTE 
Teoria e quest›es 
Aula 00 Ð Prof. Renan Araujo 
 d) Somente as afirmativas I, II e III s‹o corretas. 
e) Somente as afirmativas II, III e IV s‹o corretas. 
 
8! EXERCêCIOS COMENTADOS 
 
01.! (CESPE Ð 2016 Ð PC-GO Ð AGENTE Ð ADAPTADA) 
O princ’pio da legalidade pode ser desdobrado em trs: princ’pio da 
reserva legal, princ’pio da taxatividade e princ’pio da retroatividade 
como regra, a fim de garantir justia na aplica‹o de qualquer norma. 
COMENTçRIOS: Item errado, pois o princ’pio da legalidade se divide em 
ANTERIORIDADE (lei penal deve ser anterior ao fato) e RESERVA LEGAL (somente 
lei em sentido estrito pode criminalizar condutas e estabelecer penas). 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç ERRADA. 
 
02.! (CESPE Ð 2016 Ð PC-GO Ð AGENTE Ð ADAPTADA) 
Em raz‹o do princ’pio da legalidade, a analogia n‹o pode ser usada em 
matŽria penal. 
COMENTçRIOS: Item errado, pois em direito penal s— Ž vedada a analogia 
prejudicial ao rŽu, exatamente por violar o princ’pio da legalidade. ƒ admitida, 
contudo, a analogia favor‡vel ao rŽu. 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç ERRADA. 
 
03.! (CESPE Ð 2016 Ð PC-PE Ð AGENTE Ð ADAPTADA) 
O princ’pio da fragmentariedade ou o car‡ter fragment‡rio do direito 
penal quer dizer que a pessoa cometer‡ o crime se sua conduta coincidir 
com qualquer verbo da descri‹o desse crime, ou seja, com qualquer 
fragmento de seu tipo penal. 
COMENTçRIOS: Item errado, pois o princ’pio da fragmentariedade prega que o 
Direito Penal n‹o deve proteger todo e qualquer bem jur’dico, ou seja, o Direito 
Penal deve se voltar ˆ tutela, apenas, daqueles bens jur’dicos considerados mais 
relevantes para a sociedade. 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç ERRADA. 
 
04.! (CESPE Ð 2016 Ð PC-PE Ð AGENTE Ð ADAPTADA) 
O princ’pio da insignific‰ncia no direito penal disp›e que nenhuma vida 
humana ser‡ considerada insignificante, sendo que todas dever‹o ser 
protegidas. 
COMENTçRIOS: Item errado, pois o reconhecimento da insignific‰ncia da 
conduta implica o reconhecimento de que a conduta n‹o Ž MATERIALMENTE 
t’pica, ou seja, que a conduta n‹o se enquadra no conceito material de crime, 
00000000000
00000000000 - DEMO
 
 
 
Prof. Renan Araujo www.estrategiaconcursos.com.br 43 de 57 
DIREITO PENAL P/ PC-DF (2017) Ð AGENTE 
Teoria e quest›es 
Aula 00 Ð Prof. Renan Araujo 
 pois n‹o Ž capaz de lesionar de maneira significativa o bem jur’dico protegido 
pela norma penal. 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç ERRADA. 
 
05.! (CESPE Ð 2016 Ð PC-PE Ð AGENTE Ð ADAPTADA) 
O princ’pio da ultima ratio ou da interven‹o m’nima do direito penal 
significa que a pessoa s— cometer‡ um crime se a pessoa a ser 
prejudicada por esse crime o permitir. 
COMENTçRIOS: O princ’pio da interven‹o m’nima sustenta que o Direito Penal 
somente deve ser utilizado em Ҝltimo casoÓ, ou seja, quando for estritamente 
necess‡rio para a prote‹o de bens jur’dicos relevantes. 
Este princ’pio decorre do car‡ter fragment‡rio e subsidi‡rio do Direito Penal. 
Assim, por fora deste princ’pio, num sistema punitivo, como Ž o Direito Penal, a 
criminaliza‹o de condutas s— deve ocorrer quando se caracterizar como meio 
absolutamente necess‡rio ˆ prote‹o de bens jur’dicos relevantes 
(fragmentariedade), e desde que isso n‹o seja poss’vel pelos outros ramos do 
Direito (subsidiariedade). 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç ERRADA. 
 
06.! (CESPE Ð 2012 Ð POLêCIA FEDERAL Ð AGENTE DA POLêCIA 
FEDERAL) 
O fato de determinada conduta ser considerada crime somente se estiver 
como tal expressamente prevista em lei n‹o impede, em decorrncia do 
princ’pio da anterioridade, que sejam sancionadas condutas praticadas 
antes da vigncia de norma excepcional ou tempor‡ria que as caracterize 
como crime. 
COMENTçRIOS: As normas excepcionais e tempor‡rias tm como caracter’stica 
principal o fato de que, mesmo revogadas, continuam a reger os fatos 
PRATICADOS DURANTE SUA VIGæNCIA, n‹o ocorrendo abolitio criminis na 
hip—tese. 
Contudo, as leis excepcionais e tempor‡rias n‹o podem ser aplicadas a fatos 
praticados ANTES de sua entrada em vigor. Trata-se de pegadinha! 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç ERRADA. 
 
07.! (CESPE Ð 2012 Ð PC/AL Ð AGENTE DE POLêCIA) 
Em caso de urgncia, a defini‹o do que Ž crime pode ser realizada por 
meio de medida provis—ria. 
COMENTçRIOS: Pelo princ’pio da legalidade, mais especificamente o princ’pio 
da reserva legal, somente LEI EM SENTIDO ESTRITO (Diploma legislativo 
produzido pelo Poder Legislativo) Ž que pode definir condutas criminosas, bem 
como majorar penas. 
00000000000
00000000000 - DEMO
 
 
 
Prof. Renan Araujo www.estrategiaconcursos.com.br 44 de 57 
DIREITO PENAL P/ PC-DF (2017) Ð AGENTE 
Teoria e quest›es 
Aula 00 Ð Prof. Renan Araujo 
 Nem mesmo Medida Provis—ria (Que Ž um diploma legislativo emanado do Poder 
Executivo) poder‡ definir crimes ou majorar penas, ainda que se trate de 
urgncia. 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç ERRADA. 
 
08.! (CESPE - 2013 - DEPEN - AGENTE PENITENCIçRIO) 
O direito penal brasileiro n‹o admite penas de banimento e de trabalhos 
forados. 
COMENTçRIOS: De fato, as penas de banimento de trabalhos forados n‹o s‹o 
admitidas no Direito Penal brasileiro, por fora do que disp›e a Constitui‹o 
Federal em seu art. 5¼, XLVII. Vejamos: 
Art. 5¼ (...) 
XLVII - n‹o haver‡ penas: 
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do art. 84, 
XIX; 
b) de car‡ter perpŽtuo; 
c) de trabalhos forados; 
d) de banimento; 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç CORRETA. 
 
09.! (CESPE - 2013 - DEPEN - AGENTE PENITENCIçRIO) 
A a‹o de grupos armados civis contra o Estado democr‡tico constitui 
crime insuscet’vel de graa ou anistia. 
COMENTçRIOS: A a‹o de grupos armados civis contra o Estado Democr‡tico 
n‹o se confunde com terrorismo. A a‹o de grupos armados, neste caso, 
conforme prev a Constitui‹o Federal em seu art. 5¼, XLIV, Ž apenas 
inafian‡vel e imprescrit’vel. Vejamos: 
Art. 5¼ (...) 
XLIV - constitui crime inafian‡vel e imprescrit’vel a a‹o de grupos 
armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado 
Democr‡tico; 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç ERRADA. 
 
10.! (CESPE - 2013 - POLêCIA RODOVIçRIA FEDERAL Ð POLICIAL 
RODOVIçRIO FEDERAL) 
O princ’pio da legalidade Ž par‰metro fixador do conteœdo das normas 
penais incriminadoras, ou seja, os tipos penais de tal natureza somente 
podem ser criados por meio de lei em sentido estrito. 
COMENTçRIOS: A quest‹o foi considerada correta, mas o princ’pio que exige 
que o tipo penal incriminador seja criado por lei em sentido estrito n‹o Ž o da 
legalidade, mas o da RESERVA LEGAL. ƒ fato que a reserva legal Ž subprinc’pio 
00000000000
00000000000 - DEMO
 
 
 
Prof. Renan Araujo www.estrategiaconcursos.com.br 45 de 57 
DIREITO PENAL P/ PC-DF (2017) Ð AGENTE 
Teoria e quest›es 
Aula 00 Ð Prof. Renan Araujo 
 da legalidade, de forma que, indiretamente, a legalidade se aplica ao caso. 
Entretanto, a Banca poderia ter sido mais espec’fica, evitando causar confus‹o 
na cabea dos candidatos. 
A quest‹o n‹o chega a estar errada, mas poderia ter sido mais espec’fica. 
Portanto, a AFIRMATIVA ESTç CORRETA. 
 
11.! (CESPE - 2013 - POLêCIA RODOVIçRIA FEDERAL Ð POLICIAL 
RODOVIçRIO FEDERAL) 
A extra-atividade da lei penal constitui exce‹o ˆ regra geral de aplica‹o