A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
Renovação, Regeneração e Reparação Tecidual

Pré-visualização | Página 1 de 1

RENOVAÇÃO, REGENERAÇÃO E REPARAÇÃO TECIDUAIS
A lesão celular e tecidual aciona eventos para eliminar os agentes agressores, contendo o dano e preparando as células sobreviventes para replicação. O processo de cura é amplamente separado em regeneração e reparação.
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
PROCESSO DE CURA
"Processo de reposição do tecido destruído observado após a extinção dos agentes flogísticos"
Compreende a reconstituição completa. Tecidos com alta capacidade de proliferação (sistema hematopoiético e epitélio gastrintestinal) podem continuamente se renovar e regenerar após a lesão, caso as células-tronco não sejam destruídas e a arquitetura do tecido conjuntivo esteja intacta.
REGENERAÇÃO
Compreende a restauração de alguma estrutura normal e, portanto, a função, mas também pode ocasionar algumas deficiências. A cura, nessa situação, envolve alguma combinação de regeneração e formação de cicatriz (fibrose). 
REPARAÇÃO
A contribuição relativa dos dois processos depende da capacidade de o tecido lesionado regenerar-se, da extensão da lesão (isto é, quanto da matriz foi danificado) e da extensão da fibrose conduzida pelos mediadores de inflamação crônica.
REPARAÇÃO
Visão geral das respostas de cura após lesão. A cura após lesão aguda pode ocorrer por regeneração que restaura a estrutura normal do tecido ou por reparo com formação cicatriz. Na inflamação crônica, a cura envolve formação de cicatriz e fibrose.
MECANISMOS DE REPARO TECIDUAL
PAPEL DA MATRIZ EXTRACELULAR NA REGENERAÇÃO E REPARO
CAPACIDADE REGENERATIVA DAS CÉLULAS
CAPACIDADE REGENERATIVA DAS CÉLULAS
CAPACIDADE REGENERATIVA DAS CÉLULAS
CAPACIDADE REGENERATIVA DAS CÉLULAS
FATORES DE CRESCIMENTO
Proteínas que estimulam a sobrevivência e a proliferação de várias células e podem promover migração, diferenciação e outras respostas celulares. 
FATORES DE CRESCIMENTO
. 
FATORES DE CRESCIMENTO
. 
Estimulam a função dos genes de controle do crescimento, muitos dos quais são chamados de proto-oncogenes, porque suas mutações levam a proliferação celular descontrolada, característica do câncer (oncogênese) 
Fator de Crescimento
Fontes
Funções
Fator de crescimento epidérmico (EGF)
Macrófago ativados, glândulas salivares,queratinócitose muitas outras células
Mitogênicoparaqueratinócitose fibroblastos; estimula a migração dequeratinócitose formação do tecido de granulação
Fator de crescimento transformador (TGF-a)
Macrófagos ativados,queratinócitos, muitos outros tipos celulares
Estimula a proliferação dehepatócitose muitas outras células epiteliais
Fator de crescimento dohepatócito(fator dispersante)
Fibroblastos, células do estroma do fígado, células endoteliais
Aumenta a proliferação dehepatócitose outras células epiteliais; aumenta amotilidadecelular
Fator de crescimento endotelial vascular (VEGF)
Célulasmesenquimais
Estimula a proliferação de células endoteliais; aumenta a permeabilidade vascular
Fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF)
Plaquetas, macrófagos, células endoteliais, células musculares lisas,queratinócitos
Quimiotático para neutrófilos, macrófagos, fibroblastos e células musculares lisas; ativa e estimula a proliferação de fibroblastos, células endoteliais e outras; estimula a síntese de proteínas da MEC
Fator de Crescimento
Fontes
Funções
Fator de crescimento dos fibroblastos (FGFs), incluindo ácido (FGF-1) e básico (FGF-2)
Macrófagos,mastócitos, células endoteliais, muitos outros tipos celulares
Quimiotático emitogênicopara fibroblastos; estimula aangiogênesee a síntese de proteínas da MEC
Fator de crescimento transformador b (TGF-b)
Quimiotático para leucócitos e fibroblastos; estimula a síntese de proteínas da MEC; suprime a inflamação aguda
Quimiotático para leucócitos e fibroblastos; estimula a síntese de proteínas da MEC; suprime a inflamação aguda
Fator de crescimento dequeratinócitos(KGF)
(isto é, FGF-7)
Fibroblastos
Estimula migração, proliferação e diferenciação dequeratinócitos
PAPEL DA MATRIZ EXTRACELULAR NO REPARO TECIDUAL
Complexo de várias proteínas que se arranjam em uma rede que circunda as células e constitui uma proporção significativa em qualquer tecido. 
PAPEL DA MATRIZ EXTRACELULAR NO REPARO TECIDUAL
PAPEL DA MATRIZ EXTRACELULAR NO REPARO TECIDUAL
Composição:
 Colageno: força tensil
Elastina, fibrina e fibras elásticas: elasticidade
Proteínas de adesão: imunoglobilinas, caderinas, integrinas, selectinas
Glicosaminaglicanas e Proteoglicanos: regulação da estrutura, permeabilidade e atividade do fator de crescimentodo tecido conjuntivo
Funções da Matriz Extracelular
Formação da Cicatriz
ETAPAS NA FORMAÇÃO DA CICATRIZ
MECANISMO GERAL DA REPARAÇÃO (FASES): 
MECANISMO GERAL DA REPARAÇÃO (FASES): 
MECANISMO GERAL DA REPARAÇÃO (FASES): 
Migração dos leucócitos para a área; 
–Primeiras horas quimiotaxinas CXC - atração de neutrófilos 
–Após 18 horas – quimiotaxinas CC – atração de monócitos
 
Produção de tecido de cicatrização e proliferação do tecido epitelial 
–Liberação de fatores de crescimento por macrófagos. 
Formação de novos vasos 
–Fatores de crescimento + TNFa 
–Células endoteliais formam brotos em direção do coágulo, os quais formam novos tubos e se conectam restabelecendo a circulação capilar no tecido neoformado. 
MECANISMO GERAL DA REPARAÇÃO (FASES): 
Remodelação do tecido cicatricial 
Aumento da quantidade de colágeno; 
Substituição do colágeno do tipo I para do tipo III (mais grosso); 
Redução da capilarização; 
Redução das células inflamatórias; 
Diferenciação de fibroblastos em miofibroblastos; 
Contração da cicatriz (pode chegar a 90% do volume inicial em cicatrização de segunda intenção). 
TIPOS DE CICATRIZAÇÃO
 Cicatrização por primeira intenção: mais simples, incisão cirúrgica
Cicatrização por segunda intenção: mais complicada, ferida é mais extensa (excisão cirúrgica), podendo ou não haver contaminação da ferida 
TIPOS DE CICATRIZAÇÃO
Característica
Por primeira intenção
Por segunda intenção
Tipo de Ferida
Linear,coaptante, pouco traumatizada, com perda mínima de substância
Irregular, nãocoaptante, traumatizada, com perda desubstância (comum em úlceras)
Contaminação
não contaminada
Contaminada ou não
Intensidade da reação inflamatória
Menor
Maior
Formação de tecido de Menor granulação
Menor
Maior, as vezes exuberante
Volume da cicatriz final
Menor
Maior, as vezes com formação dequelóide
TIPOS DE CICATRIZAÇÃO
Característica
Por primeira intenção
Por segunda intenção
Retração cicatricial
Menor
Maior
Perda de células especializadas
Menor
Maior
Tempo de Resolução
Menor
Maior
Fatores que influenciam na cura de feridas
Fatores que influenciam na cura de feridas
RENOVAÇÃO, REGENERAÇÃO E REPARAÇÃO TECIDUAIS

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.