A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
68 pág.
Apostila_de_E._Experimental_no_SISVAR

Pré-visualização | Página 3 de 20

e marcar somente a caixa símbolo decimal com “.” 
no lugar de “,”. Confirmar a opção clicando em Ok, duas vezes e pronto. 
b) Abra o Excel e se o arquivo estiver pronto é só abri-lo. Caso contrário digite o arquivo 
na seguinte estrutura: 
 7
• Primeira linha com o cabeçalho das variáveis; 
• Demais linhas com os valores de cada parcela – cada coluna deve ser uma 
variável; 
• Não deixe células vazias. 
Formatar cada coluna do seguinte tipo: se por exemplo, a primeira coluna for do tipo 
qualitativa (texto), então marque a coluna “A” e escolha formatar células e escolher a opção 
texto; se a segunda for numérica, marcar a segunda coluna e escolher formatar células 
número. Escolher o número de casas decimais correspondente ao maior número de casas 
decimais observado para essa coluna e marcar obrigatoriamente a caixa escrita usar separador 
de 1000 (.). Isso é importantíssimo, pois o Excel possui problemas de eliminar o separador de 
decimais no arquivo exportado, formando números onde a parte inteira e a decimal não foram 
separadas uma da outra. Repetir para as demais colunas esse procedimento. É possível marcar 
várias colunas do mesmo tipo ao mesmo tempo para serem formatadas conjuntamente. No 
caso numérico deve-se escolher o número de casas decimais do valor observado que apresente 
um maior número de casas decimais para que o arquivo final não seja truncado em uma 
precisão não pretendida. 
Após é necessário marcar toda a área de dados, inclusive a primeira linha com os 
nomes das variáveis. É importante não marcar células vazias após o final da digitação dos 
dados no meio do arquivo, pois o Sisvar não suporta esse tipo de dados. Foi feito pra trabalhar 
com dados balanceados. 
Escolher a opção arquivo salvar como e a sub-opção “salvar como tipo dbase 3 ou 
dbase 4, digitar o nome para o arquivo e confirmar. O Excel dá uma mensagem que o arquivo 
não suporta múltiplas planilhas e que pode ser perdidos os dados. Confirmar essa mensagem e 
pronto, o arquivo já é <nome.dbf>, pronto pra ser utilizado pelo Sisvar (não precisa importar). 
Existem alguns cuidados que devem ser tomados para esse processo: 
• Salve antes de qualquer coisa o arquivo Excel para poder recorrer ao mesmo, 
caso dê problemas na exportação para dbase; 
• Abra o arquivo no editor de dados do Sisvar para checar se tudo está certo, 
principalmente se as casas decimais não foram coladas a parte inteira dos 
dados (problema do Excel e não do Sisvar); 
• Lembre-se de sair do Excel antes de abrir o arquivo no Sisvar para não gerar 
conflitos de compartilhamento. 
 8
Após todo esse procedimento você terá o seu arquivo na extensão dbf pronto para ser 
utilizado pelo Sisvar. O Sisvar está com algum problema para identificar um caminho ou 
nome de arquivos em que sinais de acentuação de português foram utilizados. Assim 
recomenda-se nomes de pastas e arquivos sem acentos, principalmente se o usuário estiver 
utilizando o Windows XP em inglês. 
 
Tabela 3. Os dados são referentes ao volume de madeira por árvore, em m3x104. São 
apresentados os dados de 5 famílias de Eucaliptos camaldulensis avaliadas em um 
delineamento inteiramente casualizado (DIC) com 6 repetições. 
Família Repetição Volume (m3x104) 
A 1 212 
A 2 206 
A 3 224 
A 4 289 
A 5 324 
A 6 219 
B 1 108 
B 2 194 
B 3 163 
B 4 111 
B 5 236 
B 6 146 
C 1 63 
C 2 77 
C 3 100 
C 4 99 
C 5 68 
C 6 76 
D 1 175 
D 2 239 
D 3 100 
D 4 104 
D 5 256 
D 6 267 
E 1 133 
E 2 106 
E 3 185 
E 4 136 
E 5 147 
E 6 210 
 
c) Efetuar a análise de variância 
• Abrir o SISVAR e ir para Análise\Anava; 
• Abrir arquivo exemplo1 DIC.dbf (no quadro “variáveis do arquivo” deve aparecer as 
variáveis do arquivo a ser analisado); 
 9
• Informar as Fontes de Variação. (no DIC, ver Tabela 1 → TRAT, Erro e Total. Não é 
necessário informar Erro e Total);Clicar em FAMILIA, adicionar e Fim; 
• Clicar em Yes para encerrar o quadro de análise de variância; 
• Clicar em FAMILIA no Quadro “Opções do quadro da análise de variância”; 
• Escolher a opção Teste de Tukey e/ou de Scott-Knott (Deve-se pedir cada teste 
individualmente, clicar em FAMILIA, teste escolhido, OK); 
• No quadro, “Variáveis a serem analisadas”, selecionar variável para analisar, no nosso 
exemplo “volume”; 
• Clicar em Finalizar\Finalizar. 
d) Saída dos resultados 
• Salvar relatório como exemplo1 DIC.doc 
 
RESULTADOS 
 
Arquivo analisado: 
 
C:\Documents and Settings\Bessa\Meus documentos\Roberta\Curso de estatística 
experimental\exemplo pag 4.DB 
 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 
 Variável analisada: volume 
 
 Opção de transformação: Variável sem transformação ( Y ) 
 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 
 TABELA DE ANÁLISE DE VARIÂNCIA 
 
-------------------------------------------------------------------------------- 
FV GL SQ QM Fc Pr>Fc 
-------------------------------------------------------------------------------- 
FAMILIA 4 86725.533333 21681.383333 8.890 0.0001 
erro 25 60973.833333 2438.953333 
-------------------------------------------------------------------------------- 
Total corrigido 29 147699.366667 
-------------------------------------------------------------------------------- 
CV (%) = 29.79 
Média geral: 165.7666667 Número de observações: 30 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 Teste Tukey para a FV FAMILIA 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 
DMS: 83.7649609862759 NMS: 0.05 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 
Média harmonica do número de repetições (r): 6 
Erro padrão: 20.1616522691525 
-------------------------------------------------------------------------------- 
Tratamentos Médias Resultados do teste 
-------------------------------------------------------------------------------- 
C 80.500000 a1 
E 152.833333 a1 a2 
B 159.666667 a1 a2 
D 190.166667 a2 a3 
A 245.666667 a3 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 10 
 
-------------------------------------------------------------------------------- 
Teste Scott-Knott (1974) para a FV FAMILIA 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 
 NMS: 0.05 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 
Média harmonica do número de repetições (r): 6 
Erro padrão: 20.1616522691525 
-------------------------------------------------------------------------------- 
Tratamentos Médias Resultados do teste 
-------------------------------------------------------------------------------- 
C 80.500000 a1 
E 152.833333 a2 
B 159.666667 a2 
D 190.166667 a2 
A 245.666667 a3 
-------------------------------------------------------------------------------- 
 
APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 
 
Tabela 4. Valores médios (erro padrão) de volume de madeira, em m3x104, de 5 famílias

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.