Caso concreto 2 Direito Civil I
2 pág.

Caso concreto 2 Direito Civil I


DisciplinaDireito Civil I53.131 materiais611.819 seguidores
Pré-visualização1 página
DIREITO CIVIL I - CCJ0006
Título
SEMANA 2
Descrição
Caso concreto
Renata deu à luz sua filha Mariza, que, em razão de má formação na gestação, sobreviveu por algumas horas e veio a falecer pouco depois do parto. Considerando que o pai de Mariza faleceu dias antes do nascimento e em dúvida sobre as consequências dos fatos narrados, Renata procura um advogado que afirma que com o nascimento Mariza adquiriu personalidade e capacidade de direito, mas não titularizou direitos subjetivos e, ao morrer, não haveria potencial sucessão. Assiste razão ao advogado? E se Mariza fosse natimorta, quais seriam as consequências?
Resposta: Sim, basta a pessoa nascer com vida para que ela tenha capacidade civil. Se Marilza fosse natimorto, ela não teria capacidade jurídica. No Art. 2° do Código Civil diz: \u201c A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei não põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro. \u201d Logo, Marilza não seria uma pessoa natural.
 
Questão objetiva
(OAB - XVI EXAME UNIFICADO/2015) Os tutores de José consideram que o rapaz, aos 16 anos, tem maturidade e discernimento necessários para praticar os atos da vida civil. Por isso, decidem conferir ao rapaz a sua emancipação. Consultam, para tanto, um advogado, que lhes aconselha corretamente no seguinte sentido:
José poderá ser emancipado em procedimento judicial, com a oitiva do tutor sobre as condições do tutelado.
José poderá ser emancipado via instrumento público, sendo desnecessária a homologação judicial.
José poderá ser emancipado via instrumento público ou particular, sendo necessário procedimento judicial.
José poderá ser emancipado por instrumento público, com averbação no registro de pessoas naturais.
Resposta: Alternativa B
Desenvolvimento