3_-_Elicitar
86 pág.

3_-_Elicitar


DisciplinaEngenharia de Software I7.135 materiais71.151 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Elicitação
Eduardo Kinder Almentero
ekalmentero@gmail.com
Introdução
\u2022 Citações
\u201cThere is no sense in being precise about something when
you do not even know what you are talking about\u201d 
(não há sentido em ser preciso sobre algo quando você não sabe sobre o que 
está falando) 
Von Neumann
\u2013 \u201cWhat is the unknow? (o que é o desconhecido?)
\u2013 Do you know a related problem? 
(você conhece um problema relacionado?)
\u2013 Could you restate the problem?\u201d
(você pode reformular o problema?) 
George Pólya (livro How to Solve it)
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 2
Introdução
\u2022 Principal justificativa para o emprego dos 
métodos, técnicas e ferramentas da 
engenharia de requisitos é em função do 
custo de correção de erros, ou seja, a medida 
que refinamos nosso software cresce o custo 
das mudanças efetuadas neste software.
\u2022 Na engenharia de requisitos cabe à Elicitação 
a tarefa de identificar os fatos que compõem 
os requisitos do sistema
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 3
Introdução
\u2022 O que é elicitação?
\u2022 Elicitar
\u2013 [Var. elicitar + clarear + extrair] V.t. d. 1. descobrir, 
tornar explícito, obter o máximo de informações 
para o conhecimento do objeto em questão.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 4
Tarefas da Elicitação de Requisitos
\u2022 Identificação das Fontes de Informação
\u2022 Coleta de Fatos
\u2022 Comunicação
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 5
Discussão
\u2022 Apesar de intimamente relacionada com as tarefas de 
Modelagem e Análise, ao destacar a Elicitação, 
proporcionamos o entendimento e estudo mais 
minucioso de técnicas específicas para a descoberta de 
informações.
\u2022 A maioria destas técnicas não foram criadas no 
contexto da Engenharia de Software, elas foram 
\u201cimportadas\u201d de ciências sociais como sociologia e 
psicologia.
\u2022 Devido a sua importância, é papel do Engenheiro de 
Requisitos contextualizá-las para uso no processo de 
desenvolvimento de software.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 6
Identificação de Fontes de Informação
\u2022 É crucial determinar o contexto onde a ER irá 
ocorrer.
\u2022 O primeiro passo é definir o UdI, de onde 
serão extraídas as informações pertinentes a 
tarefa de elicitação.
\u2022 O UdI contém todas as fontes de informação 
que serão utilizadas na ER.
\u2022 Pode ser preciso redefinir o UdI, caso a 
fronteira inicial não tenha sido bem definida.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 7
Técnicas para identificar fontes de 
informação
\u2022 Há pouco conteúdo relacionado a este tópico.
\u2022 Meir D. Burstin (1984), um dos poucos que se 
aprofundou nesta tarefa, propôs a Árvore Abstrata de 
Usuários.
\u2022 A Árvore mapeia os usuários envolvidos no processo e 
relaciona ao cada usuário um conjunto de requisitos.
\u2022 Basicamente, este método consegue mapear os 
usuários e sua hierarquia de forma abstrata, onde 
usuários com necessidades mais concretas aparecem 
nas folhas da árvore.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 8
1
1Aqui a palavra usuários tem o mesmo significado que o termo atores 
empregado na definição do UdI
Árvore Abstrata de Usuários
\u2022 O sistema e os pontos de vista dos usuários
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 9
Meir D. Burstin (1984) \u2013 Tese de Doutorado
Árvore Abstrata de Usuários
\u2022 Método
1. Determinar o nível mais abstrato de usuário.
2. Decompor todos os usuários abstratos possíveis.
3. Repetir o passo dois horizontalmente e 
verticalmente, até que nenhuma outra 
decomposição seja possível.
4. Investigar individualmente cada usuário abstrato 
elementar e determinar seus requisitos.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 10
Exemplo de Árvore Abstrata de 
Usuários
CEO
Diretor 
Financeiro
Gerente de 
contas
Assistente de 
contas
Analista de 
contas
Gerente de 
compras
Diretor 
Comercial
Gerente de 
vendas
Vendedor
Gerente de 
Marketing
Fornecedores
Profissional 
de marketing
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 11
Requisitos
Identificação de Fontes de Informação
\u2022 É importante lembrar que atores não são a 
única fonte de informação em um UdI.
\u2013 Documentos do UdI
\u2022 Políticas da organização (plano diretor)
\u2022 Manuais de software/hardware
\u2022 Memorandos/atas de reunião/ contratos/ e-mails
\u2013 Livros sobre os temas relacionados
\u2013 Outros sistemas já existentes na empresa
\u2013 Outros sistemas já existentes no mercado
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 12
Priorização de Fontes de Informação
\u2022 Normalmente, teremos a disposição uma 
enorme quantidade de fontes de informação.
\u2022 Portanto, é preciso priorizar, para que não se 
perca tempo desnecessariamente.
\u2022 Quase sempre, é impraticável utilizar todas as 
fontes de informação disponíveis no UdI.
\u2022 Não existe regra fixa para priorização, porém, 
temos algumas heurísticas para nos guiar
durante esta tarefa.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 13
Heurísticas para priorização de fontes 
de informação
\u2022 Identificar os donos do sistema \u2013 pessoas ou setores 
da organização que são os principais clientes do 
software (aqueles que irão cobrar a entrega do produto 
software).
\u2022 Identificar os atores que serão impactados em suas 
rotinas de trabalho com a implantação do software.
\u2022 Identificar a rede de relacionamentos entre os 
componentes do macro sistema.
\u2022 Identificar, com a ajuda dos atores mencionados 
anteriormente, outros que tenham informações 
pertinentes ao desenvolvimento do software.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 14
Heurísticas para priorização de fontes 
de informação
\u2022 Identificar se há grupos de interesse relacionados 
ao software.
\u2022 Procurar por soluções e pacotes já disponíveis no 
mercado.
\u2022 Ler os documentos mais referenciados pelos 
atores identificados.
\u2022 Listar livros e outros sistemas relacionados com 
o tema ou mencionado pelos atores.
\u2022 Descobrir, através de perguntas diretas aos 
atores identificados, quais outras fontes de 
informação devem ser consultadas.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 15
Heurísticas para priorização de fontes 
de informação
\u2022 Uma vez identificadas, as fontes de 
informação precisam ser averiguadas. 
\u2022 Esta tarefa é realizada na Coleta de Fatos.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 16
Coleta de Fatos
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 17
Sá Carvalho, Análise de Sistemas - o Outro Lado da Informática
Leitura de Documentos
\u2022 Consiste na coleta e leitura/estudo de 
documentos (texto) pelos engenheiros de 
requisitos.
\u2022 A leitura de documentos permite o contato 
com o vocabulário do UdI.
\u2022 O conhecimento deste vocabulário é 
extremamente importante, e pode ser visto 
como o primeiro passo para o entendimento 
do problema. 
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 18
Leitura de Documentos
\u2022 Guia
\u2013 Identifique o autor/autores do documento.
\u2013 Identifique o propósito do documento estudado.
\u2013 Diante de documentos extensos, ou de grande 
quantidade de documentos, considere a utilização 
de técnicas relacionadas a mineração de texto.
\u2013 Utilize ferramentas de busca na Web, com os 
parâmetros bem ajustados, a fim de encontrar 
documentos mais relevantes.
\u2013 Priorize os documentos encontrados.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 19
Leitura de Documentos
\u2022 Vantagens
\u2013 Grande volume de informação;
\u2013 Facilidade de acesso e disponibilidade;
\u2013 Possibilidade de uso de ferramentas 
automatizadas;
\u2013 Contato com o vocabulário do UdI.
\u2022 Desvantagens
\u2013 Dispersão de informações;
\u2013 Volume de trabalho para extrair fatos.
15/04/2015 Prof. Eduardo Kinder Almentero 20
Observação
\u2022 Envolve olhar para o ambiente de trabalho real, 
que o usuário experimenta em seu cotidiano.
\u2022 É utilizada quando desejamos