A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
204 pág.
A-Fisica-Dos-Anjos-Sheldrake

Pré-visualização | Página 3 de 50

o universo. Os anjos das trevas não representariam, en­
tão, o lado sombrio da civilização ocidental? Um lado que tem adotado a ar­
rogância e o mau uso do conhecimento como um modo de vida normal?
RUPERT: Eu gostaria de falar sobre o que você disse a respeito da proxi­
midade dos anjos com a cosmologia. A associação dos anjos com os Céus é 
o que me ocorreu em primeiro lugar. Eu cresci em Newark-on-Trent, uma 
cidade-mercado em Nottinghamshire, Inglaterra, onde existe uma enorme 
igreja medieval. No teto da igreja, assim como em muitas igrejas medievais, 
as colunas são sustentadas por anjos entalhados. E, na grande catedral góti­
ca de Lincoln, apenas 24 quilômetros distante de Newark, há um comparti­
mento chamado coral dos anjos, onde há anjos tocando instrumentos musi­
cais - o coral celestial. Para vê-los, é preciso olhar para cima. Então, desde a 
infância, essa é a imagem que faço dos anjos. Eles estão associados com as
Introdução 19
estrelas. E é sobre isso que gostaria de falar em primeiro lugar, sobre o as­
pecto cosmológico dos anjos e a associação deles com o Céu.
Na Idade Média, assim como em todas as épocas anteriores, de forma 
geral o homem acreditava que o Céu tinha vida, que o cosmo todo tinha 
vida. O Céu era habitado por inúmeros seres conscientes, associados com as 
estrelas, com os planetas e, talvez, com os espaços entre eles. Quando as 
pessoas pensavam em Deus no Céu, não pensavam como uma vaga metáfo­
ra ou um estado psicológico; pensavam no céu.
“Nosso Pai, que habita o Céu”. Hoje, creio, muitos cristãos entendem 
se tratar de uma frase metafórica, nada a ver com o céu de fato. O Céu foi 
entregue à ciência; o reino celestial é domínio da astronomia. E a astronomia 
nada tem a ver com Deus, corn os espíritos ou com os anjos; ela está envol­
vida com as galáxias, com a geometria do campo gravitacional, com a área 
de alcance da emissão de átomos de hidrogênio, com o ciclo de vida das 
estrelas, dos quasares, dos buracos negros, e assim por diante.
Mas não era assim que as pessoas costumavam pensar. Elas acreditavam 
que o Céu estava cheio de espíritos e de Deus. E, de fato, se pensarmos em 
Deus como onipresente, a divindade deve estar em todo o universo, do qual 
a Terra é uma ínfima parte.
Por meio da revolução científica do século XVII, o universo foi mecani­
zado e, ao mesmo tempo, o Céu secularizado, sendo ambos formados por 
matéria ordinária planando ao redor, em perfeita harmonia com as leis de 
Newton. Não havia espaço para as inteligências angélicas. Os anjos não têm 
espaço em um mundo mecanicista, exceto, talvez, como fenômenos psico­
lógicos, existentes apenas em nossas imaginações.
Mas esse ponto de vista mecanicista da ciência está sendo agora substi­
tuído. Descobertas científicas recentes estão nos levando em direção a uma 
nova visão do mundo vivo. Esse é o principal assunto do meu livro O renas­
cimento da natureza.
O velho universo mecânico era uma imensa máquina que foi perdendo 
potência aos poucos, morrendo em virtude do calor termodinâmico. Mas, 
desde os anos 1960, tem sido substituído por um cosmo evolucionário. O 
universo começou muito quente e pequeno na bola de fogo, menor que uma 
cabeça de alfinete, e tem se expandido desde então. Na medida em que cres-
20 A FÍSICA DOS ANJOS
ce, esfria. Mais estruturas, formas e padrões se desenvolvem em seu interior. 
No início, não havia átomos, estrelas, galáxias, elementos como ferro e car­
bono, planetas e vida biológica. Conforme o universo se expandiu, pela 
primeira vez essas coisas passaram a ocupar um lugar nele, e foram repetidas 
inúmeras vezes em muitos locais e épocas. Esse universo em crescimento e 
desenvolvimento não é como uma máquina. É mais um organismo em de­
senvolvimento.
Em vez de a natureza ser formada por átomos inertes, apenas partículas 
de matéria inertes durando para sempre, temos agora a impressão de que os 
átomos são estruturas complexas de atividade. A matéria, agora, é mais como 
um processo que uma coisa. Como o filósofo da ciência, Sir Karl Popper, já 
disse, “Por meio da física moderna, o materialismo se transcendeu”. A matéria 
deixou de ser o princípio explicativo fundamental, mas ela mesma é explica­
da em termos de princípios mais fundamentais, a saber, campos e energia.
Em vez de vivermos em um planeta inanimado, uma bola de pedra 
enevoada girando ao redor do sol conforme as leis do movimento de Newton, 
podemos pensar que vivemos na Mãe Terra. A hipótese de Gaia coloca em 
forma científica contemporânea a crença antiga de que vivemos em um 
mundo vivo.
Em vez de o universo ser rigidamente determinado, com tudo cami­
nhando inexoravelmente de acordo com a causalidade mecânica, temos um 
mundo ao qual a liberdade, a receptividade e a espontaneidade retornaram. 
O indeterminismo chegou por meio da teoria quântica nos anos 1920. Mais 
recentemente, a teoria do caos confirmou que o antigo ideal do determinis­
mo de Newton era uma ilusão. A ciência vem se libertando da idéia de que 
vivemos em um universo previsível e rigidamente determinado.
Em vez de interpretar a natureza como não criativa, nós agora a vemos 
como criativa. Charles Darwin e Alfred Russel Wallace conceberam uma 
formulação científica à idéia de que plantas e animais são criados pela mãe 
natureza, mas, por muito tempo, os físicos negaram que a evolução tivesse 
qualquer contribuição a dar ao cosmo como um todo. Eles continuaram 
acreditando que o universo era uma máquina não criativa até os anos 1960. 
Mas agora verificamos que a evolução criativa não está limitada ao mundo
Introdução Z1
da vida biológica; o desenvolvimento evolucionário do cosmo todo é um 
vasto processo criativo.
Ao contrário da idéia de que a natureza em sua totalidade seria logo 
compreendida em termos de física e matemática, a verdade é que entre 90% 
a 99% da matéria no cosmo é “matéria negra”, completamente desconhecida 
para nós. É como se a física tivesse descoberto o inconsciente cósmico. Não 
sabemos o que é essa matéria negra, nem o que ela faz, nem como influencia 
a maneira com que as coisas acontecem.
Além disso, a cosmologia evolucionária põe em dúvida a velha idéia de 
“leis eternas da natureza”. Se a natureza se desenvolve, por que as leis da 
natureza não se desenvolveriam? Como poderíamos saber se as “leis” que nos 
governam - a cristalização do açúcar, o clima, entre outras — existiam no 
momento do Big Bang? Em um universo evolucionário, faz mais sentido pen­
sar nas leis da natureza se desenvolvendo também, Acredito que faz ainda 
mais sentido ver as regularidades da natureza como hábitos. E os hábitos da 
natureza se desenvolvem. Em vez de o universo todo ser governado por uma 
mente matemática, pode depender de uma memória inerente. Essa é a base 
de minha hipótese de ressonância mórfica: memória na natureza.3
Hierarquia aninhada de unidades mórficas. O diagrama poderia representar, por exemplo, cé­
lulas em tecidos, em órgãos, em organismos; ou planetas no sistema solar, em galáxias, em 
aglomerados galácticos.
Por fim, em vez de tudo ser explicado em termos de fragmentos e par­
tículas, podemos pensar o universo holisticamente, ordenado em uma série
22 A FÍSICA DOS ANJOS
de níveis de organização, em uma hierarquia agrupada ou holarquia. Em 
cada nível, as coisas são integrais e parciais. Os átomos são unidades consti­
tuídas por partes subatômicas, sendo estas completas a um nível mais baixo. 
As moléculas são unidades constituídas de partes atômicas; os cristais são 
unidades constituídas de partes moleculares, tal como células dentro de te­
cidos, tecidos dentro de órgãos, órgãos dentro de organismos, organismos 
dentro de sociedades, sociedades dentro de ecossistemas, ecossistemas den­
tro de Gaia, Gaia no sistema solar, o sistema solar na galáxia, e assim por 
diante. Em todas as partes, níveis dentro de níveis de organização,