Princípio Limitador
1 pág.

Princípio Limitador


DisciplinaDireito Administrativo I63.550 materiais1.120.793 seguidores
Pré-visualização1 página

Princípio limitador


Introdução



HTML image 0
A constituição Federal serve de base para a iluminação desse princípio

Inicialmente, iremos estudar sobre o que seria o princípio limitador, assim como iremos analisar de qual forma eles se aplicam dentro do Direito Penal e qual a devida relação que esses estabelecem perante princípios que possuem bases constitucionais, como é o caso do princípio da legalidade, intervenção mínima, dentre outros que serão abordados durante o discorrer do texto.

Dessa forma, temos que a intervenção realizada pelo Estado dentro da esfera individual de um determinado indivíduo deve ser limitada devido a fragilidade do mesmo quando comparado ao ente estatal. Logo, podemos ter como entendimento que a finalidade de se estabelecer limites é justamente evitar o cometimento de arbitrariedades e abusos, em que a Constituição Federal previu, em seu texto, vários aspectos dos princípios limitadores, consagrando-os como verdadeiras garantias de cidadão perante o poder punitivo estatal.


Relação com o princípio da legalidade, da intervenção mínima, da fragmentariedade, irretroatividade da lei



HTML image 1
Exemplificação de como ocorre a irretroatividade da lei penal

Quando analisamos essa relação, iremos perceber que esse princípio da legalidade irá determinar que a elaboração de normas incriminadoras é considerada função exclusiva da lei, em que somente a lei poderá determinar algum fato como sendo crime e somente a lei pode determinar a aplicação de uma pena.

Por conseguinte, temos que o princípio da intervenção mínima determina que a criminalização de uma determinada conduta somente será legítima se a mesma for considerada como um meio necessário para que haja a prevenção de ataques contra bens jurídicos importantes.

Outrora, o princípio da fragmentariedade tem por característica principal a determinação de que o Direito Penal protegerá tão somente valores imprescindíveis para a sociedade, ou seja, somente punirá as ações consideradas como mais graves que forem praticadas contra os bens jurídicos mais importantes.

Por fim, o princípio da irretroatividade da lei penal tem por objetivo determinar que uma determinada lei penal considerada mais severa não pode retroagir para prejudicar a situação de um infrator, em que somente terá retroatividade a lei penal mais benéfica ao infrator.


Importância do princípio da ofensividade ou lesividade para o Direito Penal, em estabelecimento de nexo com o princípio limitador



HTML image 2
O Direito Penal é um dos mais interessados pelo princípio limitador, observando os nexos de causalidade existentes entre os fatos ocorridos

Iremos inferir que o princípio da ofensividade ou lesividade se configura a partir de uma gama de proteções tanto no que diz respeito ao ato de legislar quanto o ato de julgar. Logo, quando realizamos uma breve análise, veremos que o princípio visa defender os possíveis infratores da ação do próprio legislador, fazendo com que tais crimes sejam considerados como tal, somente quanto ofender ou oferecer algum dano a algum bem jurídico de terceiros.

Por conseguinte, isso também irá se aplicar ao magistrado que no momento em que vai aplicar a legislação, precisará deliberar se aquela atitude do infrator, de fato, gerou algum dano a terceiros, decidindo assim pela aplicabilidade da sanção penal.

Com isso, podemos perceber que o princípio da lesividade ainda possui uma funcionalidade de realizar a proteção do cidadão pelo que ele é, em que, dessa forma, não será permitido que se penalize, por exemplo, os que não tomam banho pelo simples fato de não tomarem, mesmo que isso seja um fato reprovável por boa parte da sociedade, a qual tende a repudiar aquela ação, pois, tal ação não causa nenhum dano a terceiro e logo não poderá ser tipificada.


Considerações finais

Em síntese, pudemos perceber que o Estado deve agir em sede de Direito Penal de acordo com o que é estabelecido diante das diretrizes sociais, as quais estão pautadas dentro de uma correlação de suas atividades com respeito, ética e moralidade.

Por fim, foi possível entendemos como verdadeiras e de fundamental importância as normas gerais limitadores da aplicação da Ciência Penal, pois, a partir dessas conseguimos ter garantias de suma importância para o respeito aos direitos dos cidadãos, assim como para que seja possível realizar o cerceamento de direitos daqueles em que foi verificado o desvio de conduta social que é tipificado por lei.