A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Geografia ambiental

Pré-visualização|Página 1 de 5

D is cipl ina :
Ed ucação A mb ie nta l ( GAM13 )
Avalia ção:
A va liação I I - Ind ivid ua l FL EX
N ota da Prova:
9,00
Le ge nda: R es pos ta Ce rta Sua Res pos ta Errada
1.
Pro mo ver a re lação e ntre as d is c ip linas não é uma tare fa s imp les, po m nec essár ia.
At ua lme nte, a for ma de e ntre ter os e st uda ntes no co nt e údo a ser traba lhado é
de mo nstrar a e le a co nt e xt ua lização e a ar t ic ulação e xiste nte e nt re as á reas dos
saberes. "A rt ic ular, saber, co nhe c ime nto, vivê nc ia, e sco la, co munidade, me io
a mb ie nte etc., tor no u- se nos últ imos a nos o ob jet ivo da interd isc ip linar idad e q ue se
trad uz, na pr át ica, por um traba lho co letivo e so lidár io na or ga nização da es co la "
(GA DOT TI, 1999, p. 4 ). Re fere nte à abo rda ge m inte rd isc ip linar, c lass if iq ue V pa ra
as se nte nça s verdade iras e F para as fa ls as :
( ) Ut iliza r o trab a lho interd isc ip linar co mo met odo lo gia poss ib il ita rea lizar a
inte gra ção dos co nt e údos co ncebe ndo o s aber co mo to ta lidade.
( ) Ut iliza r o trab a lho interd isc ip linar co mo met odo lo gia poss ib il ita re lac io nar o
ens ino à pesq uisa e a co ne xõ es co m a s c iê nc ias.
( ) Um tr aba lho interd isc ip linar e xige p la ne ja me nto e or ga nização, po rta nto não
cabe aos pro fe ssore s de ed ucação bá s ica rea lizá- lo.
( ) Um tr aba lho interd isc ip linar ind ica q ue a e sco la se co ns t it ui de fo r ma
part ic ipativa e dec is iva na for mação do ind id uo soc ia l.
A gora, as s ina le a a lter na t iva q ue aprese nta a seq uê nc ia C O RRET A :
FO N TE : GADOT TI, Mo ac ir. I nte rd isc ip linar idade at i t ude e mé todo. I ns t it uto Pa ulo
Fre ire. U nive rs idad e de São Pa ulo. 1999.
a)
V - V - F - V.
b)
V - F - V - F.
c)
F - F - F - V.
d)
V - F - F - V.
2.
Falar de Ed ucação A mb ie nta l não é tare fa s imp les, e la e xige estudo e co mpr ee nsão
da sua ap licab ilidade. Um dos ma io res de sa fio s da EA es tá no e nte nd ime nto do
conce ito me io a mb ie nte. Sobre o me io a mb ie nte, as s ina le a a lter na t iva CO R R ET A :
a)
Me io a mb ie nte - um be m de uso e xc lus ivo dos a ge nt es eco nô micos.
b)
Me io a mb ie nte - um be m de uso co mum q ue ser ve pa ra ut ili zar e s uga r os
rec ursos ine xp lica ve lme nte.
c)
Me io a mb ie nte - um be m de uso co mum co m r iq ue zas /patr imô nio da
huma nidade.
d)
Me io a mb ie nte - um be m de uso pa ra e xt ração e t ra ns fo r m ão, o u seja, d e livre
exp loração.
3.
A Ed uc ação A mb ie nta l (EA) e xp lora d iverso s co nce itos, co nte údos, pro jeto s e ações
que b usc a m es tar inser idos e m t s es fe ras : a soc ia l, a a mb ie nta l e a eco nô mica.
Sobre a que o u a q ue m e la de ve se r o fe rec ida, a na lise as se nte nças a se guir :

I- As pessoas q ue tê m inte resse na área, po r me io de c urso s de e xte nsão, o fic inas e
mini c ursos ba seados e m co nce itos q ue s ão funda me nta is para de se nvo lve r proj etos
a mb ie nta is.
II- No sis te ma re gular de e ns ino p úb lico, a q ue m se gara nte o aces so gra t uito a
cur sos espec ia lizados.
III- Aos acad ê micos q ue es tão c urs a ndo o ve l s uper ior, po is so me nte e les se rão
capazes de dese nvo lver açõ es a mb ie nta is.
IV- Em todos os níve is de e ns ino p úb lico o u pr ivado, a fim de es tabe le cer par cer ias e
re lões co m a prob le mática a mb ie nta l.
V - Para toda as pe ssoas q ue de seja m apr imora r co nhec ime nto b usca ndo capac ita ção
teór ic a e co loca r e m p t ica o q ue apr e ndera m.
Ass ina le a a lte r nat iva C O RR E TA :
a)
As se nte nças I I e V estão co rre tas.
b)
As se nte nças I, II, I II, I V e V est ão corre tas.
c)
As se nte nças I, III e IV estão co rre tas.
d)
As se nte nças I, IV e V es o cor reta s.
4.
O s ins tr ume ntos vis ua is e lúd icos são impresc ind íve is par a e nvo lve r e se ns ib iliza r o
educa ndo. Le va ndo e m co ns ideração este a specto, q ua is dos a ss unto s a se guir fo ra m
ut il izados na mús ica "Mo sca na Sopa ", de Ra ul Se ixa s? A na lis e as se guinte s opções :
I- C onvi nc ia co m os a nima is indese jados.
II- Res istê nc ia de a lguns ins etos ao s inse t ic idas.
III- C ooperat ivas e as ON Gs.
IV- C resc ime nto pop ulac io na l.
A gora, as s ina le a a lter na t iva CO R RETA :
a)
As opções I, II e IV e stão co rret as.
b)
As opções III e IV e stão co rret as.
c)
As opções II e I II es o cor reta s.
d)
As opções II, I II e I V es tão cor retas.
5.
U ma fo r ma de traba lhar a s q uestõ es a mb ie nta is é d isc ut ir e re flet ir co m o s es t uda ntes
as s it uações q ue aco ntece m no cot id ia no. A Ed ucação A mb ie nta l p rec isa ser
traba lhada de for ma t ra ns ve rsa l vo ltada aos co nhec ime ntos, às hab il idades e às
at it ud es de c uid ado e va lo r co m o me io a mb ie nte. E la pr ec isa esta r inse r ida no s
difere ntes ve is ed ucac io na is, co m o obje t ivo de a t ingir todo s os es t uda nte s. Sobre o
expos to, a na lise a s se nte nças a se guir :
I- A esco la pode p ro mo ve r mo me ntos de inte ração, co mo o fic inas ped a gicas,
teatro s, vis ita s téc nicas e p roje tos soc ia is e a mb ie nta is para mot ivar o c uidado co m o
me io a mb ie nte.
II- O s professore s pode m de se nvo lve r seq uê nc ias d id át icas por á rea dos sab eres e
traba lhar co m co nce itos vo ltados pa ra a pres er vação e uso s ust e nt á ve l, poss ib ilit a ndo
a d ime nsão tra ns versa l.
III- C onse guir pro mo ver o fort a lec ime nto da c idad a nia, a respo nsab il idade soc ia l e

a mb ie nta l e a so lid ar ied ade não são pr inc íp ios a mb ie nta is.
IV- O s pro fesso res de d ifere ntes á reas dos s aberes não necess ita m rea liza r atividade s
a mb ie nta is, po is a ed uca ção a mb ie nta l cabe se r t raba lhada p e lo pro fesso r de
Bio lo gia, Peda go gia o u Ge o gra fia.
Ass ina le a a lte r nat iva C O RR E TA :
a)
As se nte nças I, III e IV estão co rre tas.
b)
Some nte a se nte nça II es tá cor reta.
c)
As se nte nças I, II, I II e IV es tão cor reta s.
d)
As se nte nças I e II e stão co rretas.
6.
A tra ns versa lidad e co nst it ui, co nfor me Y us (1998, p. 21 ), ? numa for ma d e e nte nde r
o trata me nto d e dete r minados co nte údo s ed ucat ivos q ue não fa ze m parte d as
disc ip linas o u áreas c ss icas do saber e da c ultura?. O que press upõe o tr ata me nto
dos te ma s tra ns versa is? A na lise as se guintes se nte nças :
I- Int erd isc ip linar idade, pe ns a me nto co mp le xo e ho lístico.
II- E labo ração de pro jeto s co mo for ma d e fra gme nta ção e d urab il idade nas
at ivid ades peda gó gicas da es co la.
III- F or mação c r ít ica e p art ic ipa t iva, fa ze ndo a co ne xão dos co nte údo s de e ns ino co m
prob le má t ic as re le va nte s do co nte xto do ed uca ndo.
IV- I nte gr ação c ur r ic ular co ns t it da a pa rt ir do d lo go e ntre ed ucado res.
A gora, as s ina le a a lter na t iva CO R RETA :
FO N TE : YUS , Ra fae l. Te ma s tra ns versa is : e m b usc a de uma no va e sco la. Po rto
A le gr e : Art Med, 1998.
a)
As se nte nças I I, II I e I V es tão corr etas.
b)
As se nte nças I I e I II es o cor retas.
c)
As se nte nças I, III e IV estão co rre tas.
d)
As se nte nças I I e I V es tão corr etas.
7.
Há do is c uidados a sere m to mados q ua ndo os ed uc adores e le ncar e m os a grotó xicos
co mo um t e ma de re le vâ nc ia soc ia l: o pr ime iro re lac io nado co m o método de
definiç ão do te ma gerado r e o o utro re la c io nado co m a fr a gme ntação do
conhec ime nto. Ass im se ndo, c lass ifiq ue V pa ra as se nte nças ve rdade iras e F pa ra as
fa lsas :
( ) O conte xto do traba lho e da fa mí lia é inte r - re lac io nado, ma s as cr ia nças, não
nece ssar ia me nte, tê m q ue as s umir toda a d ure za das p reoc upaçõe s dos ad ultos.
( ) Na ado les nc ia há uma gra nde ab ert ura para a s d isc ussões de o rde m po lít ica,
ét ica, a té pe la fac ilid ade do ado le sce nte e m q ues t io na r o co nte xto e os va lores dos
pa is.
( ) A ut ilização d e ins tr ume ntos vis ua is e lúd icos não é reco me nd ada para traba lhar
este te ma espe c ífico.
( ) Que stões q ue gera m co nflitos e dese nca nta me nto na re lação e ntre pa is e filhos
não de ve m ser tra tadas pe los ed ucado res.