Resenha Ética e Responsabilidade Social Leonardo Souza
4 pág.

Resenha Ética e Responsabilidade Social Leonardo Souza


DisciplinaÉtica e Responsabilidade Social6.703 materiais87.497 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Resenha IBF
Nome: Leo nardo d e Oliveira S ouza
Curso: E ngenharia de produçã o e ge renciame nto de projetos
Disciplin a: Ética e R espon sabilidade Soci al e Pro fissional
Ética e resp onsabilid ade social
A palavr a Ética vem do grego Ethos, é uma forma de escr ever em língua latina
duas letra s gregas, o ethos , com eta inicial, e ethos, com épsilon inicial.
A Ética é uma doutrina filosó fica que tem como objet o a moral no tempo e no
espaço, sobre a ótica do comp ortamento humano. Refe rente às questões éticas,
pode-se afirmar que elas devem e stabelecer os rumos norteadores do
compor tamento moral a partir da educação para uma conduta justa e racional.
Ética, com o definição, pode ser con siderada a parte da F ilosofia que estuda os
valores morais e os princípios ideais da conduta humana, já a moralidade
condecora-se de acordo com as regras morais do grupo social em que se vive.
As empre sas e suas relações são mecanismos importantíssimos para a
sociedade, clar amente a ética e a moral devem , de forma conjun ta, estabelecer
parâm etros nessas entidades. Existem três fases da Ética Empresarial, são elas:
Industrial - Pós-In dustrial - Da Informação.
Uma das prim eiras preocupações éticas no quesito empresarial, formou - se
através de debates. Por me io disso, havia a ideia de elevar o operário à condição
de participante da administração das entidades.
Na industrialização várias questões passaram a ter destaque: Resp onsabilidade
Corpora tiva, Comunicação e Balanço Social, Avaliação d e Qualidade, Recur sos
Humanos.
A ética nos negócios se refere aos valores que apoiam a tomada de decisão e a
desenvoltura dos trabalhadores, gestores e direto res de uma empresa. A ética
deve ser ob servada pela empresa como uma aliada na definição de condutas
desejadas para seus empregados, assim as responsa bilidades éticas co laboram
com valores morais específicos.
Existir uma conexão entre ética e empresa, entendendo que o sucesso
empre sarial oco rre quando a or ganização compreendesse condições lega is e
morais, grande contribuição essa de Adam Smith e Max Weber.
O Direito Empresarial é uma a tividade econômica exercida pelo emp resário por
meio da ar ticulação dos fatores pr odutivos para a produ ção e circulação de bens
onde uma so ciedade organizada para o consumo , tendo por o bjetivo final o
lucro. o Ca ter é o Conjunto de fatores que p esam em cada indivíduo,
transformando- o em u m ser único dentro da sua esp écie. Isso , em uma empresa,
influencia suas decisões, seu jeito de ser, de fazer e resolver as situações
diárias.
O car áter de um a organização é formado p or um processo so cial, organizacional,
cultural, histórico, somado a cada componente da institu ição.
Cada ser humano é diferente, tem suas individualidades e age de acordo com o
seu processo histórico e cultural, devido a isso, dilemas éticos podem ocorrer, o
que pode ocasionar a caracterização do “não saber ou não compreender o que
é ser ético”. Considerando os estudos, a ética organizacional exige que a
empre sa priorize o respeito, sob qu alquer circunstância, com seus f uncionários.
Vale lembra que dilema é a difícil escolha entre duas opções.
Todas as pessoas têm direito ao re speito, a uma vida digna, oportunidades. Sem
o estabelecimento de r egras de conduta, não se constrói uma so ciedade, para
se instaurar a cidadania como valor, são necessários princípios de dignidade.
Um do s princip ais pilares do planejamento de uma empresa está na definição de
seus valores, e sses que representam o s temas e áreas que são inegociáveis
dentro da organização e o ferecem subsídios quando a empresa decide elaborar
um Código de Ética. O valor moral é a base p ara o indivíduo agir e refere -se a
opiniões pessoais sobre o comportamento eticamente correto ou incorreto.
Os seres humanos, dotados de alta capacidade e inteligência, vivem no seu
espaço e usur pam de todos os recursos possíveis para pr omover a manutenção
de su as vidas. A exploração deles, o descarte inconsequ ente do lixo, entre outros
fatores, tem g erado grandes preocupações, pois os recu rsos n aturais estão cada
vez mais escassos. Os motivos d essa escassez são identificáveis através d e
estudos, a renovação não acontece no mesmo r itmo em que extração.
Identifica- se a falta plena de ética e moral nas relações com o meio ambiente.
Quanto ma ior o desen volvimento te cnológico, ma ior a aplicaç ão de recursos
naturais. Os processos tecnológicos o essenciais pa ra a utilização dos
recurso s naturais, a utilização de recursos na turais depende do d esenvolvimento
tecnológico. Ambos são essenciais para si próprios.
A econ omia cresce pelo uso dos recur sos naturais de maneira b astante clar a,
logo, p ara que seja considerada como recurso a exploração de algo deve ser
economicamente viável.
A re sponsabilidade social envolve preocupações com to dos os púb licos com os
quais uma empresa se rela ciona. Os investi mentos nessa área visam o bter uma
imagem que seja, no m ínimo, sim pática ao público. O vigor d as empresas está
ligado à sua r esponsabilidade social, o exercício da cidadania traduz bem essa
questão, assim com o a po stura clara e tr ansparente na p restação de contas, o
relacionamento financeiro r esponsável com os fu ncionários; açõ es que tornam a
empre sa competitiva e atraente perante a so ciedade. Os mecanismos de
valorização existentes re conhecem instituições q ue praticam os princí pios da
ética e da moral, um exemplo claro é o ISSO, sua principa l atividade é elab orar
padrõe s p ara espe cificações e métod os de traba lho em várias ár eas de
conhecimento. Vale destacar a NBR 16000 q ue tem com o co nceitos em suas
atividades: Proporcionar a redução da crescente variedade de produto sem
procedimentos.; Propor ciona meios reais mais eficientes na troca de inf ormação
entre fabricante e o cliente, melhorando a confiabilidad e das relações e dos
serviços; Evita a existência de r egulamentos conflitantes sobre produtos e
serviços e m dife rentes países, facilitando o intercâmbio comercial; Prover a
sociedade de m eios eficaze s pa ra afe rir a qualidade dos produtos e protege a
vida hu mana e sua saúde. a SA 8 000, fo i elaborada com re quisitos ba seados
nas diretrizes internacionais de Direitos Humanos da ONU e atualmente é
adotada mundialmente por organizações que desejam ser reconhecidas p ela
Helio
Helio fez um comentário
Boa tarde, poderia enviar para meu email, por favor? hfernandes18.18@gmail.com Ficaria muito grato.
0 aprovações
Carregar mais