Aula 07 -Texto - sistema digestório - canal alimentar
12 pág.

Aula 07 -Texto - sistema digestório - canal alimentar


DisciplinaAnatomia I41.368 materiais327.753 seguidores
Pré-visualização10 páginas
1 
SISTEMA DIGESTÓRIO 
 
INTRODUÇÃO 
 
 O sistema digestório compreende os órgãos responsáveis pela apreensão do alimento, mastigação, deglutição, ingestão, 
digestão, absorção e, finalmente, armazenamento e eliminação de detritos, sob a forma de fezes. Destina-se ao aproveitamento, 
pelo organismo, de substâncias ditas alimentares, que asseguram a manutenção de seus processos vitais. 
 O sistema digestório consiste de um longo tubo músculo-membranoso, o canal alimentar, também chamado de trato 
digestório ou trato gastrintestinal. Este tem início na cabeça, na rima da boca, uma fenda limitada pelos lábios superior e 
inferior, e percorre, sucessivamente, o pescoço e as cavidades torácica, abdominal e pélvica, terminando no ânus. 
 O canal alimentar apresenta diversos segmentos que, sucessivamente, são designados: cavidade oral (boca), faringe, 
esôfago, estômago, intestino delgado e intestino grosso que se abre, no meio externo, através do ânus. No canal alimentar, 
abrem-se os ductos de glândulas que também fazem parte do sistema digestório e recebem o nome de órgãos anexos ao sistema 
digestório. Estes compreendem: as glândulas salivares maiores e menores, o fígado (a vesícula biliar) e o pâncreas, além de 
numerosas glândulas menores contidas nas paredes do canal alimentar. 
 Como já foi dito, os órgãos que constituem o sistema digestório são responsáveis pela: 
Apreensão dos alimentos. 
Mastigação - desintegração parcial dos alimentos por processos mecânicos e químicos, realiza-se na cavidade oral. 
Deglutição - condução dos alimentos da cavidade oral para o esôfago, através da faringe. 
Ingestão - introdução do alimento no estômago que se processa através do esôfago. No estômago e primeira porção do intestino 
delgado, realiza-se a digestão, que é o desdobramento das substâncias alimentares em suas moléculas mais simples, passíveis de 
serem absorvidas. 
Absorção - processa-se no restante do intestino delgado. É a passagem dos produtos da digestão através do epitélio da mucosa 
gástrica e intestinal para os capilares sanguíneos e linfáticos. Estes drenam para as veias que vão formar a veia porta do fígado. 
Armazenamento e eliminação - o intestino grosso serve de receptáculo temporário de detritos não utilizáveis, até o momento 
destes serem eliminados pela defecação. 
 
CAVIDADE ORAL 
 
 A cavidade oral, primeiro segmento do canal alimentar, é um espaço irregular limitado, anteriormente e lateralmente, 
pelos lábios e bochechas; superiormente, pelo palato duro; posteriormente, pelo palato mole e, inferiormente, pelo assoalho 
muscular da cavidade oral. Situada na parte inferior da face, abre-se, anteriormente, por meio de uma fenda limitada pelos 
lábios, denominada rima da boca e se comunica, posteriormente, com a parte oral da faringe através de uma abertura 
denominada ístmo das fauces. Na cavidade oral, encontram-se a língua, os arcos alvéolo-dentais e os óstios de abertura dos 
ductos das glândulas salivares maiores e menores. 
 A cavidade oral é dividida, pelos processos alveolares e dentes, em duas partes: 
- uma parte periférica, denominada vestíbulo da boca, que é o espaço situado entre os lábios e bochechas, externamente, e os 
arcos alvéolos-dentais, internamente; 
- e uma parte central, a cavidade própria da boca, que se apresenta limitada, externamente, pelos arcos alvéolos-dentais. 
 Quando os dentes estão em oclusão, ambas as partes se comunicam pelos espaços interdentais e por um espaço, 
pequeno e restrito, situado entre a margem anterior do ramo da mandíbula e o último dente molar, denominado espaço 
retrodental. Porém, quando a mandíbula encontra-se abaixada, esta comunicação, entre o vestíbulo da boca e a cavidade própria 
da boca, é ampla. 
 No vestíbulo da boca, a mucosa que reveste os lábios e bochechas continua-se pela que reveste os processos alveolares, 
formando assim os fórnices ou sulcos gengivovestibulares superior e inferior. 
 
 A cavidade oral é limitada por seis paredes: 
 
\uf0b7 Parede anterior: 
Os lábios, que representam a parede anterior da cavidade oral, são pregas músculo-membranosas moles e móveis que 
circunscrevem a rima da boca, fenda situada entre os lábios superior e inferior. A forma, a espessura e o perfil dos lábios 
apresentam variações raciais e individuais sendo que, nas mulheres, os lábios normalmente são mais móveis do que nos homens. 
Os lábios superior e inferior unem-se, lateralmente, numa linha de junção que recebe a denominação de comissura dos 
lábios. Esta união lateral dos lábios superior e inferior determina, de cada lado, a formação de um ângulo, denominado ângulo da 
boca. 
Com a mandíbula em posição de repouso, os lábios superior e inferior normalmente ficam em contato. Nesta condição, 
a linha de contato entre os lábios situa-se ligeiramente acima da margem incisal dos incisivos superiores e os ângulos da boca, na 
maioria das pessoas, relacionam-se à face distal do canino superior. 
A face anterior dos lábios é recoberta por pele e apresenta as seguintes estruturas: 
- no lábio superior, existe um sulco mediano de forma triangular, denominado filtro do lábio superior, cujo vértice se encontra 
abaixo do septo nasal cartilagíneo e cuja base está voltada para a área vermelha do lábio, onde se situa uma discreta elevação 
denominada tubérculo do lábio superior, que se relaciona aos mecanismos de apreensão dos alimentos e produção de 
fonemas. O lábio superior apresenta-se separado da bochecha pelo sulco nasolabial, discreta depressão linear que se inicia na 
asa do nariz e se projeta látero-inferiormente, terminando próximo ao ângulo da boca, tornando-se mais acentuado com a 
idade. 
 2 
- no lábio inferior, separando este do mento, encontra-se o sulco mentolabial, sulco de convexidade superior que também se 
acentua com a idade ou em decorrência de determinados hábitos do indivíduo. Em indivíduos idosos, existe também o sulco 
labiomarginal, que parte do ângulo da boca e se dirige ínfero-medialmente em direção à base da mandíbula. 
A face posterior dos lábios está relacionada com os arcos alvéolos-dentais e é recoberta por uma mucosa que é contínua 
com aquela que reveste os processos alveolares, formando, assim, os fórnices superior e inferior que são interrompidos, no plano 
mediano, pelos frênulos dos lábios superior e inferior que, por sua vez, são pregas constituídas por feixes de tecido fibroso 
recobertos por mucosa. O frênulo do lábio inferior, normalmente, é pouco desenvolvido e a hipertrofia dos frênulos, mais 
frequente no lábio superior, pode motivar alterações fonéticas e estéticas, diastemas e até interferir em restaurações, próteses e 
tratamentos ortodônticos. Em desdentados com acentuada atrofia alveolar, os frênulos dos lábios superior e inferior podem 
dificultar a adaptação correta das próteses totais. 
A margem aderente é o limite periférico dos lábios. No vestíbulo da boca, a margem aderente de ambos os lábios é 
delimitada pelos fórnices superior e inferior que são interrompidos, no plano mediano, pelos frênulos dos lábios superior e 
inferior. Na face, a margem aderente do lábio superior corresponde ao sulco nasolabial e às extremidades posteriores do septo 
nasal, das narinas e da asa do nariz. No lábio inferior, a margem aderente corresponde ao sulco mentolabial. 
A margem livre dos lábios é uma zona de transição entre a pele e a mucosa. Apresenta coloração avermelhada devido à 
presença de alças capilares próximas à sua superfície, que é composta de pele extremamente fina e sem pelos. Em pessoas de 
pele escura, as concentrações de depósitos de melanina tornam esta região marrom e não vermelha. É na margem livre do lábio 
superior que se encontra o tubérculo do lábio superior. 
Constituição anatômica dos lábios: 
- Plano cutâneo - onde são encontrados folículos pilosos, glândulas sebáceas e sudoríparas. 
- Plano muscular - representado pelo músculo orbicular da boca. 
- Plano glandular - representado pela