A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
SERVIÇO SOCIAL E A QUESTAO SOCIAL unidade 3

Pré-visualização | Página 1 de 2

Pensar a questão social também evoca uma reflexão sobre esse “termo”. Usando as definições de Netto (2001) sobre a questão social, analise as afirmativas:
I. No que diz respeito ao termo “questão social”, vemos que ele surgiu na terceira década do século XIX.
II. O termo “questão social” existiu para nomear os problemas sociais como produtos inerentes da sociedade capitalista.
III. No contexto do surgimento do termo “questão social”, esse assumiu uma conotação dual, ora usado por correntes críticas, ora como aporte de perspectivas conservadoras e tradicionais.
IV. No século XIX, o termo “questão social” carregava a conotação crítica, tal como o conhecemos hoje.
V. As primeiras vezes que o termo “questão social” surgiu buscavam designar o chamado fenômeno do pauperismo.
Podemos concluir que estão corretas as afirmativas:
		Resposta Selecionada:
	c. 
I, III e V.
	Respostas:
	a. 
I, II e III.
	
	b. 
I, IV e V.
	
	c. 
I, III e V.
	
	d. 
II, III e IV.
	
	e. 
III, IV e V.
	Feedback da resposta:
	Resposta: C
Justificativa: Netto (2001) nos coloca que o termo questão social surgiu na terceira década do século XIX e, nesse momento, buscava nomear o fenômeno do pauperismo que se mostrava latente na Inglaterra. Eventualmente, no contexto do seu surgimento, o termo foi apropriado tanto por correntes críticas, quanto por pensadores vinculados à corrente conservadora.
	Refletindo sobre a questão social como fenômeno, analise as asserções apresentadas:
I. Marx indica que a questão social é um fenômeno natural, comum, um evento que acontece em todas as sociedades, incluindo a sociedade capitalista.
II. Marx indica que a questão social não é um fenômeno natural, comum, mas um evento que acontece, tipicamente, na sociedade capitalista.
III. De acordo com a perspectiva de Marx, não há como a questão social ser suprimida se os meios de produção forem capitalistas.
IV. A defesa de Marx era por um comunismo, chamado por muitos de utópico, justamente por propor o fim das desigualdades sociais e, consequentemente, da questão social.
V. De acordo com a perspectiva de Marx, há como a questão social ser suprimida mesmo se os meios de produção forem capitalistas.
Podemos inferir que estão corretas as afirmativas:
		Resposta Selecionada:
	e. 
II, III e IV.
	Respostas:
	a. 
I, IV e V.
	
	b. 
III, IV e V.
	
	c. 
II, III e V.
	
	d. 
I, III e IV.
	
	e. 
II, III e IV.
	Feedback da resposta:
	Resposta: E
Justificativa: para Marx, a questão social é o produto do desenvolvimento capitalista, portanto, nenhuma intervenção será suficiente a ponto de eliminar a questão social em uma sociedade em que a produção se mantém capitalista. A única forma de eliminar a questão social seria eliminando a sua raiz, portanto, substituindo a ordem social capitalista por uma comunista.
	Iamamoto (2001) é uma importante teórica de nossa categoria, que tem buscado sempre aprofundar os conceitos com os quais nos relacionamos em nossa profissão. Partindo da colocação de Iamamoto (2001) a respeito da questão social, analise as afirmativas, atribuindo verdadeiro (V) ou falso (F).
I. Iamamoto (2001) destaca que a questão social é algo que está presente no cotidiano das pessoas, ou seja, é um evento concreto e constante que afeta muitos segmentos populacionais.
II. Iamamoto (2001) coloca que a questão social não é algo concreto, mas um conceito marxista filosófico.
III. Iamamoto (2001) compreende que nós, como assistentes sociais, devemos desarticular possíveis estratégias de luta e embate.
IV. Iamamoto (2001) salienta que a questão social também é rebeldia, é oposição daqueles segmentos que vivenciam as situações de desigualdade social e que se opõem a ela.
V. Iamamoto (2001) coloca que nós, assistentes sociais, não atuamos na mediação das tensões geradas pela questão social.
A sequência correta aos valores atribuídos está expressa na afirmativa:
		Resposta Selecionada:
	 [Sem Resposta]
	Respostas:
	a. 
V, F, F, V, F.
	
	b. 
F, F, F, V, F.
	
	c. 
V, F, V, V, F.
	
	d. 
V, F, F, V, V.
	
	e. 
F, V, F, V, F.
	É interessante repensar a questão social a partir de diversas perspectivas. Uma dela é a de Hannah Arendt que compreende a questão social de uma forma bastante específica. Considerando o pensamento da autora, analise as afirmativas:
I. Arendt nos diz que a questão social nunca foi assumida como pauta de reivindicação nas revoluções modernas.
II. Hannah Arendt indica que o termo “questão social” teria tido início somente na sociedade moderna.
III. Para Hannah Arendt, o surgimento das revoluções e dos embates entre as classes sociais teria grande relevância em dispor sobre o que pode ser considerado como questão social.
IV. Para Hannah Arendt, é responsabilidade do Estado administrar e interferir de forma a minimizar e gerir a questão social.
V. Arendt nos diz que a questão social despertou o interesse dos grupos revolucionários e fez surgir o que ela denomina como solidariedade social.
Podemos dizer que estão de acordo com o pensamento de Hannah Arendt as afirmativas:
		Resposta Selecionada:
	b. 
II, III e V.
	Respostas:
	a. 
I, III e V.
	
	b. 
II, III e V.
	
	c. 
II, III e IV.
	
	d. 
III, IV e V.
	
	e. 
I, II e III.
	Feedback da resposta:
	Resposta: B
Justificativa: Hannah Arendt coloca que o termo questão social surgiu na Idade Moderna, período em que também surgiram as grandes revoluções e disputas entre as classes sociais. Para ela, a questão social aparece a partir dos embates, mas também é o momento em que as classes sociais percebem suas necessidades comuns. Derivando desse entendimento das necessidades comuns, as classes sociais desenvolvem intervenções de ajuda e cooperação mútua.
	Observe a notícia:
“Desemprego recua para 12,3% em maio e atinge 13 milhões de brasileiros
População subutilizada chega a 28,5 milhões e atinge recorde. Desalento e número de trabalhadores por conta própria também alcançam novas máximas.
A taxa de desemprego no Brasil caiu para 12,3% no trimestre encerrado em maio, atingindo 13 milhões de pessoas, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Trata-se da segunda queda seguida e da menor taxa desde o trimestre encerrado em janeiro (12%). No mesmo trimestre do ano passado estava em 12,7%.
(Correção: ao ser publicada, esta reportagem errou ao informar que o número de trabalhadores sem carteira assinada bateu recorde no trimestre encerrado em maio. A taxa é a quinta maior da série histórica, e o recorde, segundo o IBGE, foi atingido no trimestre encerrado em novembro de 2018. A informação foi corrigida às 10h15.)
Apesar da queda na taxa de desocupação, os números de subutilizados e desalentados (que desistiu de procurar emprego) atingiram o recorde de toda a série história da pesquisa, iniciada em 2012. A informalidade também é a maior já registrada [...].”
Fonte: https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/06/28/desemprego-fica-em-123percent-em-maio-aponta-ibge.ghtml. Acesso em: 10 de ago. 2019.
Nela, vemos a apresentação do desemprego que, mesmo recuando, ainda atinge 13 milhões de brasileiros. O desemprego pode ser compreendido como:
		Resposta Selecionada:
	b. 
Um fenômeno natural que acontece pelo fato de que os indivíduos não possuem qualificação profissional.
	Respostas:
	a. 
Uma das expressões da questão social que está também ligado às alterações no processo produtivo.
	
	b. 
Um fenômeno natural que acontece pelo fato de que os indivíduos não possuem qualificação profissional.
	
	c. 
Algo que não está presente em países com capitalismo altamente desenvolvido, mas sim em países de desenvolvimento periférico como o Brasil.
	
	d. 
Um fenômeno que guarda relação direta com os desejos dos indivíduos, os quais nem sempre têm vontade e interesse de trabalhar.
	
	e. 
Algo que advém do sistema capitalista, sendo inerente e, portanto, não pode ser compreendido como uma expressão da questão social.
	O Governo de Fernando Collor foi conhecido como aquele em que tivemos a introdução do neoliberalismo