Finanças Pessoais (ap2)
10 pág.

Finanças Pessoais (ap2)


DisciplinaGestão Financeira da Empresa739 materiais2.043 seguidores
Pré-visualização2 páginas
UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO 
 
 
 
 
 
 
GESTÃO FINANCEIRA 
PCA FINANÇAS PESSOAIS - CONHECENDO A RENDA FIXA, RENDA VARIÁVEL E OS 
DERIVATIVOS 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CÁSSIA FERREIRA DA SILVA - 1701313 
DANIELLE ALEXANDRE DA SILVA- 1701336 
GABRIELLA QUINTELLA INÁCIO - 1701318 
GABRIELLA SANTOS DA SILVA- 1701332 
YARA PEREIRA DA SILVA - 1701366 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Rio de Janeiro, 
2020 
 
Fundos de Investimento 
Fundos de investimento são a junção dos recursos que serão aplicados em 
ativos financeiros e oferecem serviços de gestão a investidores, aumentam a 
liquidez de aplicações financeiras e diminuem os custos de transação. 
Seu crescimento, no Brasil, pode ser observado após a criação do Plano 
Real, que minimizou as dificuldades nos avanços dos fundos de investimento, 
tornando a economia mais estável e diminuindo os níveis de inflação. Em 2015, se 
tornou o quarto maior mercado de fundos de investimento, pelo ranking European 
Fund and Asset Management Association. Está em primeiro lugar na América Latina, 
seguido de México e Argentina e está entre os trinta maiores do mundo. Podem ser 
divididos em renda fixa ou variável. 
 
 Renda Variável 
 
Investimento cuja remuneração e a forma de cálculo não são conhecidas pelo 
investidor no momento da aplicação. São recomendados para pessoas com um perfil 
mais arrojado, porque o investimento é bem mais arriscado e, como consequência, 
permitem retornos muito maiores que as opções de renda fixa. Os principais 
investimentos são: ações, derivativos, câmbio, commodities e fundo de renda 
variável. 
 
Renda Fixa 
A regras de remuneração são definidas com antecedência, ou seja, são títulos 
de rendimento juro prefixado (conhecimento prévio) ou que depende de indexadores 
(\u200bIPCA\u200b, taxa de juros, etc.). 
Assim o investidor sabe o valor de sua remuneração no momento da 
aplicação. Os investimentos de renda fixa podem ser diferenciados por critérios 
como o tipo de emissor, rentabilidade do título, seu prazo e valor mínimo de 
investimento inicial. 
Algumas características específicas devem ser observadas. Abaixo estão 
listadas a mais importantes : 
 
1. Emissor do título: sua importância está ligada ao risco de crédito envolvido no 
investimento em títulos emitidos pela instituição financeira ou empresa. A 
situação financeira do emissor deve ser investigada antes de finalizar a 
compra. No Brasil, os títulos públicos, emitidos do governo federal, são os 
mais seguros. 
 
2. Prazo título: envolve a visão do risco de crédito e da taxa de juro obtida pelo 
investidor para o prazo do investimento. Sobre risco de crédito deve-se 
considerar além da saúde do emissor do título, o período que esse título ficará 
exposto a esse risco. A taxa de juro reflete à questão da estrutura a termo das 
taxas de juro do mercado de renda fixa, e ao risco de mercado ou de 
mudança de preço do título. O prazo do título está ligado a esses dois tipos de 
risco, porque ambos os riscos aumentam conforme se aumenta o prazo dos 
títulos. 
 
3. Tipo de rendimento do título: Define critério para corrigir ou remunerar o 
investimento. Os títulos podem ser de rendimento prefixado, como as 
LTN\u2019s(Letras do Tesouro nacional) e os CDB\u2019s (Certificados de Depósito 
bancário) entre outros. Além dessa forma de rendimento encontramos os 
títulos indexados, que podem ser atrelados ao câmbio, como as NTNDs 
(Notas do Tesouro Nacional) que são corrigidas pela variação da taxa cambial 
(Real x USDólar), podem ser indexados às taxas de juro overnight como as 
LFTs (Letras Financeiras do Tesouro), ou indexados à índices de inflação, 
como as NTN-Bs, que rendem a variação acumulada do IPC-A (índice de 
preços ao consumidor \u2013 amplo) e as NTN-Cs, que rendem a variação 
acumulada do IGP-M (índice geral de preços do mercado). 
Títulos pós-fixados e pré-fixados 
Os títulos emitidos possuem rentabilidade fixa ou variável, dependendo da 
forma de rentabilidade escolhida e são classificados em pós-fixados e pré-fixados. 
Pré-fixados são títulos em que o investidor já sabe de forma precisa qual será a sua 
rentabilidade. A única exceção a essa regra seria no caso da venda antes do 
vencimento no mercado secundário, onde a rentabilidade pode variar. Por fixar um 
 
valor no momento da compra, o investidor pode ter uma perda de curto prazo no 
caso em que o juros suba. Esse tipo de título é mais indicado para momentos em 
que se observa o fim de um ciclo de alta de juros, isto é,quando se aposta em uma 
queda desse indicador a partir do momento da aplicação. 
Em títulos pós-fixados, não é possível saber exatamente a rentabilidade do 
investimento, pois dependem de fatores que ocorrem após a aplicação. Esses ativos 
financeiros são interligados com 29 indexadores para corrigir o valor ou a 
remuneração dos títulos. Os títulos são considerados mais defensivos e 
conservadores, uma vez que eles acompanham as principais taxas da economia e 
refletem as condições do mercado. Vale ressaltar que devido a esse tipo de 
rendimento, a renda fixa possui um viés de ser variável, pois ela varia de acordo com 
a flutuação dos juros que, por sua vez, é influenciada pelo mercado. Possibilitando 
assim arbitragem por meio dos investidores que desejam apostar contra ou a favor 
da tendência do mercado. 
 
Principais títulos Renda fixa 
1. Poupança 
2. CDB 
3. Tesouro Direto 
4. LCI e LCA 
5. Letra de Câmbio 
6. CRI/ CRA 
Principais títulos Renda Variável 
1. Ações 
2. Derivativos 
3. ETF 
4. Commodities 
5. Moedas 
6. Fundos de Investimento 
 
Poupança (renda fixa) 
A poupança é uma conta com finalidades diferentes da conta corrente. 
Geralmente, as pessoas que investem na poupança são iniciantes em poupar 
dinheiro. Seu rendimento é mensal e o juros é estabelecido à partir do valor 
investido. Os riscos em investir na poupança são quase que nulos, porque o Fundo 
Garantidor de Crédito cobre mais de R$ 200 mil por CPF, na falha de da instituição 
bancária. Se o foco do investidor é ganhar dinheiro, a poupança não é a aplicação 
ideal, tendo em vista que sua rentabilidade é de 0,2625% ao mês, segundo o blog 
 
Rico - Analista André Moraes, corretora que presta serviços financeiros para seus 
clientes investirem. 
 
CDB (renda fixa) 
O Certificado de Depósito Bancário, mais conhecido como CDB é um título 
emitido pelos bancos. Direcionado aos investidores que podem esperar anos até o 
dinheiro aplicado gerar rendimento, por isso, é um tipo de investimento com retorno 
a longo prazo. Além disso, é indiscutível que o CDB é seguro e apresenta lucro 
melhores comparado à poupança. 
 
Tesouro Direto (renda fixa) 
Investimento emitido pelo governo. Tipo de investimento específico, onde 
corresponde à baixo, médio e longo prazo. Sua rentabilidade é baseado em tesouro 
prefixado (com juros), tesouro selic e tesouro IPCA (com juros). Os vencimentos, 
que diz respeito à validade do seu título, também é um diferencial deste tipo de 
investimento. Ele é de baixo ou quase nenhum risco e é o ideal para quem busca 
uma carteira diversificada, mas segura.