A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
80 pág.
NR10-e-EPIs

Pré-visualização | Página 1 de 3

ADEQUAÇÃO A NOVA NR 10
ADEQUAÇÃO A NOVA NR10
Consultoria (Levantamento das necessidades);
EPI’s (Uniforme, luvas, mangas, etc);
Ferramentas Isoladas;
EPC’s;
Treinamento 40 e 80Hs
Ensaio dos EPI’s e EPC’s
TRABALHANDO COM ELETRICIDADE
	RISCOS ENVOLVIDOS:
CHOQUE ELETRICO
QUEIMADURAS
	TIPOS DE PROTEÇÃO:
COLETIVA
INDIVIDUAL
PROTEÇÃO:
RISCOS ENVOLVIDOS 
RISCOS ENVOLVIDOS 
	CHOQUE ELÉTRICO: 
O choque elétrico, geralmente causado por altas descargas, é sempre grave, podendo causar distúrbios na circulação sanguínea e, em casos extremos, levar à parada cárdio-respiratória.
Na pele, podem aparecer duas pequenas áreas de queimaduras (geralmente de 3º grau) - a de entrada e de saída da corrente elétrica. 
EFEITOS ESTIMADOS DA ELETRICIDADE
 
RISCOS ENVOLVIDOS 
 CORRENTE
 CONSEQUÊNCIA
1 mA
Apenas perceptível
10 mA
"Agarra" a mão
16 mA
Máxima tolerável
20 mA
Parada respiratória
100 mA
Ataque cardíaco
2 A
Parada cardíaca
3 A
Valor mortal
RISCOS ENVOLVIDOS 
	QUEIMADURAS:
	 Existem dois tipos de queimaduras provocadas por eletricidade. Queimaduras provocadas pela passagem de corrente elétrica através do corpo (Choque) e queimaduras provocadas pela radiação de calor liberada em um arco elétrico.
RISCOS ENVOLVIDOS 
	QUEIMADURAS:
	 A pele humana é um bom isolante e apresenta, quando seca, uma resistência à passagem da corrente elétrica de 100.000 Ohms. Quando molhada, porém, essa resistência cai para apenas 1.000 Ohms. A energia elétrica de alta voltagem, rapidamente rompe a pele, reduzindo a resistência do corpo para apenas 500 Ohms. 
RISCOS ENVOLVIDOS 
(A) Touch Potential	(B) Step Potential 	(C and D) Touch / Step Potential
Quando a corrente passa pelo coração as aumenta de obito
RISCOS ENVOLVIDOS 
QUEIMADURAS:
 
 UM ARCO ELÉTRICO PODE ATINGEI UMA TEMPERATURA DE 19000 C PODENDO CAUSAR QUEIMADURAS DE PRIMEIRO, SEGUNDO E TERCEIRO GRAU 
1.bmp
PROTEÇÃO COLETIVA
	EPC’S:
Tapetes e mantas isolantes;
Bloqueios;
Aterramento temporário;
Etc.
	Ferramentas:
Varas de manobra;
Detectores de tensão;
Etc.
8.bmp
9.bmp
NR 10
PROTEÇÃO COLETIVA
	 10.2.8.2 As medidas de proteção coletiva compreendem, prioritariamente, a desenergização elétrica conforme estabelece esta NR.
	 10.2.8.2.1 Na impossibilidade de implementação do estabelecido no subitem 10.2.8.2, devem ser utilizadas outras medidas de proteção coletiva, tais como: Isolação das partes vivas, obstáculos, barreiras, sinalização, sistema de seccionamento automático de alimentação, bloqueio de religamento automático.
10.5 Segurança em Instalações Elétricas Desenergizadas.
	Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas que obedecerem a seqüência a baixo:
a) Seccionamento;
b) Impedimento de reenergização (Bloqueadores);
c) Constatação da ausência de tensão (Detectores);
d) Instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores;
e) Proteção de elementos energizados existentes na zona controlada (Coberturas rígidas isolantes);
f) Instalação de sinalização para impedimento da energização (Sinalizadores). 
10.bmp
11.bmp
12.bmp
BLOQUEADORES
	NOVA NR10:
	Pela nova NR 10 é obrigatório a utilização de um bloqueio físico no ponto de seccionamento e religamento para o impedimento de uma eventual reenergização acidental.
 DETECTOR DE TENSÃO
Atende a norma IEC 601243-1 a partir de 1KV até 400KV;
Máxima tensão de detecção 3 vezes maior do que a mínima;
Detecção por contato;
Uso com vara de manobra;
Freqüência de trabalho de 50/60Hz.
VARA DE MANOBRA
	 Vara de Manobra Telescópica
ATERRAMENTO TEMPORÁRIO
13.bmp
14.bmp
15.bmp
SISTEMAS ENERGIZADOS
MANTAS ISOLANTES
	NR 10:
	10.2.8.2:Na impossibilidade de desenergização, devem ser adotadas outras medidas de proteção coletiva, tais como: Isolação das partes vivas, obstáculos, barreiras, etc.
MANTAS ISOLANTES
LEAL / SALISBURY
Coberturas flexíveis nas classes: 0, 2, 4
Borracha tipo II resistente ao ozônio
Altamente Flexíveis
Norma: ASTM D 1048
	 
PROTEÇÃO INDIVIDUAL
	Ferramentas:
Ferramentas Isoladas;
Detectores de tensão;
Etc.
	EPI’S:
Vestimenta antichama;
Protetor Facial contra arco voltáico;
Luvas e mangas isolantes;
Etc.
17.bmp
NR10
FERRAMENTAS ISOLADAS
	
	10.4.3 “Nos locais de trabalho só podem ser utilizados equipamentos, dispositivos e ferramentas elétricas compatíveis com a instalação elétrica existente, preservando-se as características de proteção, respeitadas as recomendações do fabricante e as influências externas
18.bmp
19.bmp
20.bmp
Norma Internacional IEC 900
Depois de um acondicionamento de 24 horas em água, retira-se e seca-se a mesma. Logo inicia-se o ensaio da seguinte maneira: colocamos a parte isolada da ferramenta dentro do balde d’água e aplica-se sobre a cabeça a tensão de 10 kV durante 3 min. Mede-se a corrente de fuga, que deve ser inferior a 1 mA por 200 mm de parte isolada.
Ensaio Dielétrico
Norma Internacional IEC 900
A dureza do martelo deve ser de 20 HRC (tratamento térmico). Seleciona-se 3 pontos de ensaios suscetíveis a queda sobre uma superfície plana. O ensaio é realizado sobre estes pontos.
Ensaio de impacto
Norma Internacional IEC 900
Coloca-se um aparato de prova pontiagudo de 2 kg no centro da parte isolada. Depois, coloca-se o conjunto dentro de um forno programado a 70 durante 2 h. Após a saída do forno, realiza-se um ensaio dielétrico de 5 kV durante 3 min entre a ponta do aparato e a cabeça não isolada da ferramenta.
Ensaio de penetração
Norma Internacional IEC 900
Depois do acondicionamento de 168 h da ferramenta a uma temperatura de 70 realiza-se o ensaio de aderência entre o 3 e o 5 min. A capa isolante não pode despegar-se mais que 3 mm da parte condutora em relação à sua posição inicial. O peso adotado varia de acordo com o tipo de ferramenta ensaiada.
Ensaio de aderência do revestimento isolante
Norma Internacional IEC 900
Logo após ajustar a chama para se obter unicamente a parte azul, coloca-se a ferramenta sobre a mesma a uma distância de 20 mm durante 10 s e retira-se a ferramenta. A propagação da chama deve ser observada durante 20 s e não superar os 120 mm de altura.
Ensaio de propagação de chama
Norma Internacional IEC 900
Refere-se a qualidade das partes metálicas da ferramenta que devem resistir a norma ISO;
As normas seguem o padrão Internacional da norma IEC 900
Ensaio mecânico
Norma Internacional IEC 900
 A Ferramenta deve conter:
- Origem (identificação do fabricante com sua marca)
- Referência do produto (exemplo: MS4)
- Ano de fabricação (exemplo 98)
- Símbolo da norma IEC900 (os triângulos) e a tensão de uso de 1000 V.
- As marcações feitas nas ferramentas atendem as exigencias agregadas a norma EN 60900
10.2.9.1Quando as medidas de P.C. forem tecnicamente inviáveis ou insuficientes para se controlar os riscos, devem ser adotados equipamentos de proteção individual específicos e adequados às atividades desenvolvidas, em atendimento ao disposto na NR 6;
 
NR 10
10.2.9 - Medidas de Proteção Individual
LUVAS ISOLANTES
NBR 10622
	 - As luvas isolantes são usadas em situações em que existam perigos de choque elétrico que possam atingir os eletricistas quando em contato com condutores ou equipamentos elétricos energizados
	 - As luvas são usadas para proteção pessoal, portanto ao autorizar seu uso deve ser dada uma margem de segurança entre a tensão máxima na qual são usadas e a tensão de ensaio.
22.bmp
23.bmp
CLASSES DE TENSÃO
Propriedades elétricas para C.A
Plan1
		
		Classe das		Tensão		Tensão de		Tensão mínima		Corrente máxima de fuga (mA)
		Luvas		máxima de uso		ensaio		de perfuração		Luva de		Luva de		Luva de		Luva de
				(Valor eficaz)		(Valor eficaz)		(Valor eficaz)		267mm		356mm		406mm		457mm
				(V)		(V)		(V)		(comprimento)		(comprimento)		(comprimento)		(comprimento)
		OO		500		2500		4000		8		12		14