A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
168 pág.
DISSERTAÇÃO-PEDAGOGIA-HOSPITALAR

Pré-visualização | Página 42 de 46

M. A. T. Escola no Hospital: espaço de produção de subjetividades, 
cultura e transformação social. Cadernos de Educação nº29, ano 16 – Faculdade de 
Educação – PPG, 2007. 
 
PIAGET, J. A formação do símbolo na criança: imitação jogo e sonho, imagem e 
representação. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. 
 
PORTO, Olivia. Psicopedagogia Hospitalar: intermediando a humanização na saúde. 
2ª ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2010. 
 
QUEIROZ, N. L. N. Brincadeira e desenvolvimento infantil: um olhar sociocultural 
construivista. Programa de Pós-graduação em Psicologia em Desenvolvimento Humano 
e Saúde – PED/IP – UnB, Brasilia- DF, 2006. 
 
SANTOS, Clese Anne Almeida (et al.). Projeto: Desafio, brinquedo e alegria. Relatório 
de Estágio. Aracaju, 2004. 
 
SANTOS, Josefa Oseane dos (et.al). Projeto: Desafio, Brinquedo e Alegria. Relatório 
de Estágio. Aracaju/SE, 2002. 
 
SANTOS, Santa Marli Pires dos. Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. 
Petropólis, RJ: Vozes, 2000. 
 
SILVA, Anne Isabel Sobral (et al.). Projeto: Desafio, brinquedo e alegria. Relatório de 
estágio, Aracaju, 2005. 
 
SILVA, Henrique Batista. História da Medicina em Sergipe. Aracaju/SE, 2006. 
 
SOBRAL, Carlos Oliva. Sociedade Beneficência e Hospital Amparo de Maria. 
Aracaju/SE: Ed. J. Andrade Ltda., 2002. 
 
THOMPSON, E. P. A miséria da teoria. Rio de Janeiro: Zahar, 1981. 
151 
 
 
VASCONCELOS, K. M. Pedagogia Hospitalar. Artigo Cientifico. Faculdade Alfredo 
Nasser. Aparecida de Goiânia, 2010. 
 
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998. 
 
VON SIMSON, O. R. de M.; PARK, M. B.; FERNANDES, R. S. Educação Não-
Formal: cenários da criação. Campinas/SP: Editora da Unicamp, 2001. 
 
WEISS, Maria Lúcia Lemme. Psicopedagogia Clínica: uma visão diagnóstica dos 
problemas de aprendizagem escolar. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. 
 
WILES, P. M. The schoolteacher on the hospital ward. Journal of advanced Nursing. 
Londres, 1987, n. 12, p. 631-640. 
 
WINNICOTT, Henri. Psicologa e educação da infância. Lisboa: Editorial Estampa Ltda, 
1975. 
YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. São Paulo: Bookman, 2010. 
 
ZARDO, Sinara Pollom. O desenvolvimento organizacional das Classes 
Hospitalares do RS: uma análise das dimensões econômicas, pedagógica, política e 
cultural. Universidade Federal de Santa Maria. Dissertação. (Mestrado em Educação). 
Santa Maria/RS, 2007. 
 
ZARDO, Sinara Pollom. FREITAS, Soraia Napoleão. Educação em classes 
hospitalares: transformando ações e concepções à luz da teoria da complexidade. 
Educar, Curitiba, n. 30, p. 185 – 196, Editora UFPR, 2007. 
 
 
REFERÊNCIAS ELETRÔNICAS 
 
CLASSE HOSPITALAR. Hospital Infantil Joana Gusmão. Disponível em 
http://www.sade.se.gov.br/hijg/Pedagogia/HistoricoClasse.htm. Acesso em 16 de junho 
de 2005. 
 
FONSECA. Eneida Simões. Aspectos da ecologia da Classe Hospitalar no Brasil. 
Disponível em 
http://www.educacaoonline.pro.br/aspectos_da_ecologia.asp?f_id_artigo=177 Acesso 
em 20 de julho de 2005. 
 
ROCHA, Yloma Fernanda de Oliveira. O Trabalho Pedagógico no Âmbito Hospitalar. 
Disponível em http://www.webartigos.com/articles/15233/1/O-Trabalho-Pedagógco-no-
Ambito-Hospitalar/pagina1.html. Acesso em Fevereiro de 2010. 
 
SANJAD, Nelson. Cólera e medicina ambiental no manuscrito 'Cholera-morbus' 
(1832), de Antonio Correa de Lacerda (1777-1852). Hist. Cienc. Saúde - Manguinhos 
[online]. 2004, vol.11, n.3, pp. 587-618. ISSN 0104-5970. doi: 10.1590/S0104-
59702004000300004. Disponível em <http://www.scielo.br>, Acesso em 14 de maio de 
2010. 
http://www.sade.se.gov.br/hijg/Pedagogia/HistoricoClasse.htm
http://www.educacaoonline.pro.br/aspectos_da_ecologia.asp?f_id_artigo=177
http://www.webartigos.com/articles/15233/1/O-Trabalho-Pedag%C3%B3gco-no-Ambito-Hospitalar/pagina1.html
http://www.webartigos.com/articles/15233/1/O-Trabalho-Pedag%C3%B3gco-no-Ambito-Hospitalar/pagina1.html
http://www.scielo.br/cgi-bin/wxis.exe/iah/?IsisScript=iah/iah.xis&base=article%5Edlibrary&format=iso.pft&lang=i&nextAction=lnk&indexSearch=AU&exprSearch=SANJAD,+NELSON
http://www.scielo.br/
152 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ANEXOS
153 
 
UNIVERSIDADE TIRADENTES – UNIT 
DIRETORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO 
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - PPED 
MESTRADO EM EDUCAÇÃO 
 
PESQUISA: PEDAGOGIA HOSPITALAR: POSSIBILIDADES EDUCACIONAIS NA 
ÁREA DA SAÚDE, UM ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL REGIONAL AMPARO DE 
MARIA 
 
MESTRANDA: ADRIANA ROCHA FONTES 
ORIENTADORA: PROFA. DRA. GIOVANA SCARELI 
 
ROTEIRO DA ENTREVISTA 
 
 
1 – Nome: 
2 – Profissão: 
3 – Há quanto tempo exerce a profissão? E no HRAM? 
4 – Você considera importante a humanização no hospital? Por quê? 
5 – Você acompanhou ou acompanha o processo de humanização no hospital? De que 
maneira? 
6 – Como se deu a participação dos pacientes apos o início das atividades lúdicas e 
educacionais no hospital? 
7 – Percebeu se houve melhora do paciente após participação nas atividades de 
humanização? 
8 – E quanto a brinquedoteca, você considera importante seu papel no processo de 
humanização hospitalar? De que forma? 
9 – Enquanto (médico...) , qual a sua opinião em relação ao desenvolvimento das 
atividades de humanização para o paciente? Traz benefícios para o tratamento da saúde? 
De que modo? 
10 – A humanização também envolve um processo educacional, de aceitação, mudança 
de comportamento. Na sua opinião, quando o paciente hospitalizado é uma criança, 
como elas se comportam diante do tratamento com atividades de humanização no 
hospital? 
11 – Você vê possibilidade de serem desenvolvidas práticas educativas dentro do 
hospital? 
154 
 
12 – Tendo acompanhado diversos pacientes na ala pediátrica, você poderia afirmar que 
as crianças que tiveram um tratamento humanizado e envolvido com atividades lúdicas 
educativas obtiveram uma recuperação mais rápida do que a prevista diante do seu 
quadro clinico? 
13 – Há algo que considere relevante que gostaria de dizer? 
155 
 
ENTREVISTA - 1 
 
1 – Izabel Carvalho 
2 – Psicóloga 
3 – No HRAMª há 5 anos 
4 – Sim, porque é o local onde o usuário... onde permeia assim, muito sofrimento, então 
eu acho que a parte da humanização, ou seja, do apoio emocional, contribui 
significativamente para recuperação desse paciente, onde muitas vezes eles chegam 
abalados com sua doença afastados da sua família, onde tem um vínculo afetivo, 
segurança, preocupação com seu trabalho. Então, eu acho que a humanização, o cuidado 
com o outro é muito importante, em vários sentidos, esse usuário, esse hospitalizado ele 
vai se sentir mais humanizado, como uma pessoa que não está ali sozinho, ele pode 
contar com aquela equipe para aliviar seu sofrimento. 
5 – Eu acompanhei muitas vezes levando apoio, dando apoio emocional, assistência 
psicológica aos pacientes hospitalizados e também com práticas através dos projetos de 
humanização, musicoterapia, brinquedoteca, dentre outros, foram tantas ações. 
6 – Inicialmente, antes da chegada desse atendimento, os pacientes muitas vezes se 
encontravam mais tristes, desmotivados, ou seja, desanimados. Depois, com as 
atividades a melhora, a participação, ficaram mais motivados, o apoio emocional 
contribuiu significativamente para a recuperação do paciente. 
7 – Muitas vezes eles estavam tristinhos, com seus problemas e começavam a ver as 
coisas de um jeito mais positivo, eles se alegravam, se motivavam, isso colaborava cada 
vez mais para seu tratamento, não era só aquele tratamento mecânico, com uso 
medicamentoso, com o processo de humanização associado a medicação os pacientes 
começavam a evoluir significativamente. 
8 – A brinquedoteca tem papel fundamental dentro da instituição hospitalar, é através da 
brinquedoteca que as crianças mesmo com seus problemas, mas criança é muito 
espontânea, e muitas vezes só pelo fato de estar em contato com os

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.