A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
guerra-fria2017-07-231777420904 (1)

Pré-visualização | Página 1 de 9

0 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1 
 
A GUERRA FRIA 
 
 
REVOLUÇÃO CHINESA 
 
A Revolução Chinesa foi um movimento político, 
social, econômico e cultural ocorrido na China no ano de 
1911. Liderada pelo médico, político e estadista chinês Sun 
Yat-sen. Este movimento nacionalista derrubou a Dinastia 
Manchu do poder. 
 
 
Causas: China antes da revolução 
 
No século XIX, no contexto do imperialismo, a 
China era dominada e explorada pelas potências 
europeias, principalmente pelo Reino Unido. Esta potência 
imperialista, além de explorar a China economicamente, 
interferia nos assuntos políticos e culturais da China. Os 
imperadores da Dinastia Manchu eram submissos à 
dominação europeia. 
 
A distribuição das terras produtivas chinesas 
também era um outro problema para o país, pois quase 
90% estavam nas mãos de grandes proprietários rurais 
(espécies de senhores feudais). 
 
Entre 1898 e 1900 um ato de rebeldia contra a 
dominação estrangeira ocorreu na China. Os boxers 
fizeram uma revolta de caráter nacionalista que foi 
duramente reprimida pelas tropas estrangeiras. Este 
conflito ficou conhecido como Guerra dos Boxers. 
 
Em 1908, Sun Yat-sen fundou o Partido 
Nacionalista (Kuomintang) cujo principal objetivo era fazer 
oposição à monarquia e ao domínio europeu no país. 
 
 
A REVOLUÇÃO NACIONALISTA 
 
Em 1911, com o apoio de grande parte dos 
militares chineses, Sun Yat-sen foi proclamado primeiro 
presidente da República Chinesa. Porém, em várias 
regiões do país comandadas por grandes proprietários 
rurais ocorreram resistências, mergulhando a China num 
longo período de guerra civil. 
 
Em 1925, com a morte de Sun Yat-sen, ocorreu 
uma disputa pelo controle do Kuomintang, que acabou por 
se fundir com o Partido Comunista Chinês. 
 
Em 1927, o general Chiang Kai-shek assumiu o 
poder do Kuomintang e, no comando das tropas chinesas, 
começou a combater os opositores da República, entre 
eles os grandes proprietários rurais e comunistas. 
 
Os conflitos entre nacionalistas e comunistas ficou 
suspenso apenas na Segunda Guerra Mundial, quando 
combateram, juntos, o Japão que tentava conquistar a 
China. Com o término da conflito mundial e a expulsão dos 
japoneses do território chinês, as tropas nacionalistas de 
Chiang Kai-shek voltaram a perseguir e combater os 
comunistas de Mao Tse-tung, reiniciando o conflito 
armado. 
A REVOLUÇÃO COMUNISTA 
 
Em outubro de 1949, os comunistas tomam o 
poder e proclamam a República Popular da China, com 
Mao Tse-tung como chefe supremo. Transformada num 
país comunista, a China passou por uma série de reformas 
como, por exemplo, coletivização das terras, controle 
estatal da economia e nacionalização de empresas 
estrangeiras. 
 
 
 
AGORA VAMOS DE FATO ENTRAR NA GUERRA FRIA 
 
 
 Entre as características marcantes do mundo no 
segundo pós-guerra destacam-se: 
 
 A ascensão dos EUA e da URSS; 
 O declínio da Europa; 
 A expansão do socialismo; 
 A deslocação da África. 
 
 
 Devido a condição de superpotências lançadas 
pelos EUA e URSS e das consequentes disputas 
ideológicas e de estratégias militares entre os dois lados, 
iniciou-se em 1947 a Guerra Fria. 
 
 
As principais manifestações da Guerra Fria foram: (por 
parte dos EUA) 
 
A doutrina Truman  fundamentada na elaboração de 
estratégias para combater o 
socialismo, elaborada em 1947 
pelo Presidente dos EUA, Harry 
Truman; 
 
 
O plano Marshall  elaborado com a finalidade de conter 
a propagação do socialismo, 
sistematizou a ajuda econômica a ser 
dada pelos EUA para a reconstrução 
da Europa Ocidental. A soma 
estipulada pelo plano alcançou a cifra 
de 17 bilhões de dólares, segundo 
relatório do secretário de Estado 
Norte-Americano George Marshall; 
 
 
A OTAN – organismo de defesa coletiva, sediada em 
Bruxelas, que contou com a participação da 
maioria dos países da Europa Ocidental, 
Estado Unidos e Canadá; 
 
 
A OTASE (SEATO) – organismo atuante no Sudeste 
Asiático visando cercar a 
influência da URSS. 
 
 
 
 
2 
 
As manifestações Soviéticas na Guerra Fria foram: 
 
O COMECOM – conselho para a assistência econômica 
mútua orientado pelos princípios da 
planificação econômica (1949); 
 
O tratado de assistência mútua da Europa Oriental, 
o pacto de Varsóvia (1955), resposta Soviética a OTAN. 
 
 
A GUERRA DA CORÉIA (1950-53) 
 
Liberdade do acordo domínio japonês após 1945, 
foi dividida pelo paralelo 38 entre as forças de ocupação, 
ficando a URSS com a parte Norte e os EUA com a parte 
Sul. 
 
Em 1950 a Coréia do Norte invade a Coréia do Sul. 
 
Quinze nações capitaneadas pelos EUA auxiliam 
a Coréia do Sul. A luta continuou ferozmente com a Coréia 
do Norte recebendo auxílio da China. 
 
Em 1953 o conflito terminou sem definir a situação. 
 
 
REVOLUÇÃO CUBANA 
 
A Revolução Cubana é um movimento popular que 
consistiu na derrubada do governo de Fulgêncio Batista 
pelo movimento de 26 de Julho e o estabelecimento de um 
novo governo, liderado por Fidel Castro, no início de 1959 
durante o período da Guerra Fria. 
 
 
Antecedentes: 
 
 Após movimentos fracassados pela independência de 
Cuba, um jovem poeta denominado José Martí fundou 
o Partido Revolucionário Cubano (1892) e a partir dele 
realizou duras críticas ao domínio espanhol; 
 
 Em 1895 têm início a luta de independência de Cuba 
que irá prosseguir mesmo com a morte de José Martí 
até 1898; 
 
 Em 1901 os cubanos foram persuadidos a incluir, em 
sua nova Constituição, uma Cláusula que garantia aos 
Estados Unidos o direito de intervenção em Cuba, 
sempre que os interesses dos primeiros estivessem 
ameaçados, mesmo após o término de sua ocupação 
militar, a ocorrer em 1902. 
 
 A Emenda Platt mantinha Cuba como um "protetorado" 
estadunidense até 1933, quando um movimento 
popular conduziu ao poder Fulgêncio Batista 
 
 
Cuba durante a ditadura de Fulgêncio Batista 
 
 A ditadura enfrentava crítica conjuntura criada pela 
queda dos preços do açúcar com a fórmula de restrição 
produtiva. Para combater seus efeitos depressivos, o 
governo inicia uma mobilização compulsiva de recursos 
financeiros que, em proporção apreciável, terminariam 
nos bolsos dos personagens do regime. 
 
 Evidência máxima disto era a massa de 
desempregados e sub-empregados que já, a meados 
da década de 50, chegaria a constituir a terça parte da 
força trabalhista do país. Na miséria vivia a maioria dos 
trabalhadores rurais cubanos durante a república 
neocolonial, vítimas das expulsões, a falta de trabalho 
e a enorme exportação por latifundiários e colonos 
estrangeiros e da platéia com o respaldo dos governos 
burgueses dependentes. 
 
 
O ataque ao quartel general de Moncada 
 
 As ações de tentativa para derrubar o governo Batista 
se desencadeariam em 26 de julho de 1953, com os 
ataques simultâneos aos quartéis de, em Santiago de 
Cuba, em Bayamo, concebidos como estopim de uma 
vasta insurreição popular; 
 
 Ao fracassar a operação, dezenas de combatentes que 
foram feitos prisioneiros terminaram assassinados. 
Outros sobreviventes, entre os quais se encontrava o 
comandante Fidel Castro, foram julgados e condenados 
a severas penas de prisão. 
 
 
O Processo revolucionário 
 
 Após o enorme fracasso ocorrido no ataque contra o 
quartel de Moncada, Fidel Castro, exilado no México, 
fundou o Movimento 26 de Julho em 1957; 
 
 Fidel e seus guerrilheiros se estabeleceram em Sierra 
Maestra de onde realizavam as suas incursões militares 
contra o ditador; 
 
 Em 1957, enquanto o Exército Rebelde se concentrava 
nas montanhas com uma série de ações, nas cidades 
se desenvolvia com grande ímpeto a luta clandestina. 
 
 
A concentração revolucionária e a revolta popular 
 
 Em 1957, enquanto o Exército Rebelde se concentrava 
nas montanhas com uma série