Buscar

CORPO, MOVIMENTO E PSICOMOTRICIDADE

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 22 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 22 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 22 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

Corpo, Movimento 
e Psicomotricidade
Material Teórico
Responsável pelo Conteúdo:
Prof.ª Me. Maria Stella Aoki Cerri
Revisão Textual:
Prof.ª Dr.ª Maria Isabel Andrade Sousa Moniz
Breve História do Corpo, do Movimento e da Psicomotricidade
• Introdução;
• O corpo humano e sua história;
• O Movimento;
• O Movimento na Educação;
• Psicomotricidade.
• Esta unidade tem por objetivo apresentar a noção de Corpo, Movimento e Psicomo-
tricidade que foi se construindo e reconstruindo nos diferentes contextos sociais, 
históricos e religiosos. Ela possibilitará a você conhecer e compreender que o uso do 
movimento corporal na escola é muito importante, também, para a concretização 
do processo de ensino e de aprendizagem.
OBJETIVO DE APRENDIZADO
Breve História do Corpo, do 
Movimento e da Psicomotricidade
Orientações de estudo
Para que o conteúdo desta Disciplina seja 
bem aproveitado e haja maior aplicabilidade na 
sua formação acadêmica e atuação profissional, 
siga algumas recomendações básicas:
Assim:
Organize seus estudos de maneira que passem a fazer parte 
da sua rotina. Por exemplo, você poderá determinar um dia e 
horário fixos como seu “momento do estudo”;
Procure se alimentar e se hidratar quando for estudar; lembre-se de que 
uma alimentação saudável pode proporcionar melhor aproveitamento do estudo;
No material de cada Unidade, há leituras indicadas e, entre elas, artigos científicos, livros, vídeos 
e sites para aprofundar os conhecimentos adquiridos ao longo da Unidade. Além disso, você 
também encontrará sugestões de conteúdo extra no item Material Complementar, que 
ampliarão sua interpretação e auxiliarão no pleno entendimento dos temas abordados;
Após o contato com o conteúdo proposto, participe dos debates mediados em fóruns de discussão, 
pois irão auxiliar a verificar o quanto você absorveu de conhecimento, além de propiciar o 
contato com seus colegas e tutores, o que se apresenta como rico espaço de troca de ideias e 
de aprendizagem.
Organize seus estudos de maneira que passem a fazer parte 
Mantenha o foco! 
Evite se distrair com 
as redes sociais.
Mantenha o foco! 
Evite se distrair com 
as redes sociais.
Determine um 
horário fixo 
para estudar.
Aproveite as 
indicações 
de Material 
Complementar.
Procure se alimentar e se hidratar quando for estudar; lembre-se de que 
Não se esqueça 
de se alimentar 
e de se manter 
hidratado.
Aproveite as 
Conserve seu 
material e local de 
estudos sempre 
organizados.
Procure manter 
contato com seus 
colegas e tutores 
para trocar ideias! 
Isso amplia a 
aprendizagem.
Seja original! 
Nunca plagie 
trabalhos.
8
Unidade: Breve História do Corpo, do Movimento e da Psicomotricidade
Contextualização
Para nosso momento de contextualização, sugerimos que leia um pequeno artigo da revista 
Nova Escola intitulado: O corpo, o movimento e a aprendizagem.
O artigo fala da importância do trabalho com a dança nas escolas e defende a ideia 
de que “quem dança tem mais facilidade para construir a imagem do próprio corpo, o 
que é fundamental para o crescimento e a maturidade do indivíduo e a formação de sua 
consciência social”.
Leia o artigo e faça uma reflexão sobre a importância da dança no currículo escolar. 
Ressaltamos a importância do estudo da unidade para a sua formação pessoal e profissional.
A matéria está disponível no seguinte endereço eletrônico:
http://goo.gl/xPHR3m
9
Introdução
Nesta unidade, ao estudarmos o que se conhece sobre o corpo e o movimento corporal, 
veremos que o ser humano tem visões muito particulares do que é e o que significa o corpo, o 
movimento e a psicomotricidade humana.
Como educadores, deveremos ter uma visão mais científica, mais aprofundada, pois vamos 
trabalhar esses sentidos e funções em um ser humano em formação.
Assim sendo, veremos em pormenores o que cada um desses temas – corpo, movimento, 
psicomotricidade – tem em particular e como interagem na formação da personalidade da 
criança, contribuindo para que o adulto cresça em sua caminhada para uma formação dita 
civilizada, consciente, cidadã, onde valores humanos e tecnológicos se harmonizem pela vida.
O corpo humano e sua história
A história do corpo humano revela a dimensão da civilização em que foi criado.
No corpo estão inscritas todas as regras, todas as normas e todos os valores 
de uma sociedade específica, por ser ele o meio de contacto primário do 
indivíduo com o ambiente que o cerca. (DAÓLIO, 2003, p.39)
O autor nos indica que nosso corpo é o construtor e, ao mesmo tempo, é construído pela 
sociedade em que vive. É pelo estudo do percurso histórico do corpo, por todos os tempos, que 
poderemos ter uma visão (ainda que nem sempre clara) de como o corpo foi visto e sentido.
Desta forma, é necessário, primeiro, ter uma visão histórica de como cada sociedade, cada 
cultura ao longo do tempo e de cada uma dentro do seu espaço, construiu e representou o 
corpo humano, atribuindo-lhe certos atributos, negando outros e criando padrões referenciais 
de beleza, saúde, postura, etc.
Nota-se que, conforme a evolução histórica do pensamento e do discurso humano, as 
mudanças corporais foram acontecendo, sendo aceitas, de forma que as novas concepções 
serviram de base para a próxima mudança.
A partir dessas considerações, vamos desenvolver algumas concepções sobre o corpo no 
campo histórico, filosófico, religioso, etc. Todavia, observaremos que ao longo da história o 
homem procurou sempre um ideal de corpo. Observe a imagem a seguir. Note que o corpo 
ideal ou idealizado possui tamanho e proporções matemáticas, e ainda os tem. Esta matemática 
buscava a harmonia e uma estética corporal perfeita.
10
Unidade: Breve História do Corpo, do Movimento e da Psicomotricidade
O homem vitruviano é um conceito apresentado pelo arquiteto 
romano Marco Vitruvio Polião. O conceito é considerado um cânone 
das proporções do corpo humano, segundo um determinado 
raciocínio matemático e baseando-se, em parte, na proporção áurea. 
Desta forma, o homem descrito por Vitrúvio apresenta-se como um 
modelo ideal para o ser humano, cujas proporções são perfeitas, 
segundo o ideal clássico de beleza.
Homem Vitruviano, (1490) desenho 
de Leonardo da Vinci. 
Você Sabia ?
Pensamos que por ser o nosso próprio corpo, uma propriedade nossa, teremos o domínio e 
o conhecimento sobre ele.
Segundo o grande psicanalista Jacques Lacan (ARANHA, 2003), nos primeiros meses de 
nossas vidas (até os dezoito primeiros meses) a criança tem uma visão corporal pela experiência, 
que se denomina “experiência do espelho”: ela se alegra e ri ao conseguir se identificar com a 
imagem refletida de sua figura. Nesse contexto, ela constrói a figura do outro, que é diferente dela. 
Um adulto geralmente tem uma experiência que antes de tudo é pré-cognitiva ou pré-reflexiva.
Muitas pessoas passam a vida sem conhecer o seu próprio corpo por dentro, não sabendo 
como é e como funciona. Desconhecem a sua anatomia e sua fisiologia, essenciais para poder 
usufruir do corpo e suas benesses. 
Além dessas considerações, somente quando olhamos num espelho temos uma visão 
aproximada do nosso corpo, pois, em geral, só vemos algumas partes dele e mesmo assim em 
situações nem sempre reveladoras. Quando realizamos nossas atividades rotineiras e básicas, 
como andar, correr, falar, rir, chorar, etc., temos visões emocionais ou fisiológicas. Temos quase 
sempre uma visão corporal quando olhamos o outro. É com essa perspectiva, quase sempre 
surpreendente, que nos reconhecemos quando somos filmados/gravados.
A primeira vez em que me vi filmada, pensei e exclamei: quem é essa figura? Será minha 
irmã? Tenho uma tia parecida com essa mulher. Não consegui dissimular a minha surpresa.
Conhecemos muito mal o nosso corpo e os sons que emitimos. De agora em diante, veremos 
algumas concepções a respeito dessa surpreendente e misteriosa “máquina”: o nosso corpo.
1. A visão Platônica
O mundo ocidental, com uma visão maniqueísta a respeito de quase tudo,tende a ver, explicar e 
demonstrar o corpo humano em duas partes bastante distintas: corpo e alma.
A parte material, física, fisiológica é o corpo, enquanto a parte dita espiritual e consciente é 
chamada de alma. Esse dualismo, que poderíamos chamar de dualis brinquedo construindo 
mo psicofísico, tenta separar o indivisível.
11
Essa relação já aparece entre os gregos no século V a.C. por meio de Platão, que admite 
que a alma tenha vivido no mundo das ideias antes de se encarnar num corpo e, quando isso 
acontece, a alma fica aprisionada ao corpo e acaba se degradando.
Platão demonstra no diálogo “O Banquete” que a alma superior deve controlar as paixões 
ou seremos incapazes de comportamento moral adequado. Segundo Platão, o amor sensível 
deve estar subordinado ao amor intelectual. Na Grécia, o berço das Olímpiadas, até a guerra 
cessava por essa ocasião, daí o clássico ditado popular: “corpo são em mente sã”, de onde se 
deduz que o corpo para estar com boa saúde deve estar subordinado às boas ideias. Amar 
platonicamente é estar ligado primeiro às ideias, ao intelecto, à mente.
Maniqueísmo: Doutrina filosófica do persa Mani ou Manes (séc. III) segundo a qual o 
mundo foi criado e é dominado por dois princípios antagônicos, o bem absoluto e o mal 
absoluto. Forma de julgamento ou de avaliação que reduz uma questão a apenas dois aspectos 
opostos e incompatíveis.
2. A visão medieval/ascetismo
O império romano se desagrega e os bárbaros migram marcando o fim da Antiguidade e o 
início da Idade Média. O corpo passa a ser um sinal de pecado e a religião faz sua purificação por 
meio do Ascetismo. Em grego, ascetismo significava exercício e depois, disciplina e autocontrole.
Ascese: Conjunto de exercícios (oração, meditação, etc.) que visam ao aperfeiçoamento espiritual.
Ascetismo: Prática da ascese para alcançar elevação espiritual. Moral fundada no desprezo 
do corpo e das sensações físicas.
Desta forma, o cristianismo significou a renúncia aos 
prazeres, o controle corporal por meio da abstinência, 
jejum, flagelo. Santo Agostinho afirma que o corpo e a alma 
constituem uma unidade, embora o corpo seja mortal e a 
alma imortal. No livre arbítrio – onde o homem consegue 
evitar o mal – é a alma que governa, ou fazer o pecado onde 
o corpo contraria a lei divina. O corpo na Idade Média é 
o grande gerador do conflito “ação – consciência – Deus e 
pecado”. (ARANHA,2003)
 Neste período, a Igreja Católica era a grande controladora da vida e costumes na Europa 
e entendia o corpo como um grande gerador de pecado, fase que começa a desaparecer 
lentamente com o início do Renascimento.
Imperador Justiniano e arcebispo Maximiano junto com 
a corte; Basílica de San Vitale em Ravenna, na Itália.
12
Unidade: Breve História do Corpo, do Movimento e da Psicomotricidade
3. O Renascimento e a descoberta do corpo
Na Idade Média, havia uma proibição expressa da Igreja em dissecar cadáveres, pois o corpo, 
embora fonte de pecado, era uma criação divina. Descobrir o corpo era um sacrilégio, pois 
Deus, que o havia criado, não deveria ser desrespeitado.
A revolução acadêmica, onde despontavam Da Vinci, Galileu, Newton e outros, começou a 
dessacralizar o corpo e as ideias sobre ele.
Um olhar secularizado passa a considerar o ser humano do ponto de vista biológico e físico, 
retirando-lhe a essência religiosa. Aparece novamente o “dualismo psicofísico” onde o homem é 
formado por uma parte pensante com natureza espiritual e uma parte corpórea, de natureza material.
Outras concepções sobre o corpo foram se estabelecendo nesse período. Baruch Espinoza 
(1632-1677) afirma em sua obra não haver hierarquia entre Corpo e Espírito: o que existe é 
uma relação de correspondência. Não existe um passivo e outro ativo, as forças se equilibram 
e se correspondem. Espinoza é um filósofo da vida e diz: “É falsa a moral baseada no dever, é 
falsa a moral baseada na falta e no mérito, é falsa a moral baseada em pecado e perdão”.
Para Espinoza, liberdade é autodeterminação, é autonomia. O Renascimento e a Idade 
Moderna começam a libertar o corpo de todas as amarras externas que o prendiam.
4. O contemporâneo e o poder sobre o corpo
A integração do corpo-consciência se dá mediante o engajamento do conhecimento e do 
trabalho, que resulta em produção. Máquinas e ferramentas são ampliações do poder corpóreo: 
o martelo amplia o punho e o computador amplia o cérebro.
É preciso consciência desse poder para lhe conferir legitimidade, porque todo instrumento 
confere sentido a quem o usa: a arma para o caçador tem um sentido muito diverso do que lhe 
dá um guerrilheiro.
Para que o corpo não use esse poder de maneira indiscriminada, segundo aqueles que detêm 
a dominação, é preciso torná-lo dócil “a quem” usa esse corpo.
Ao longo dos tempos, a história mostra exemplos de sofrimento por parte daqueles que se 
negaram a seguir padrões que deveriam seguir. O poder entende que comportamentos fiquem 
dóceis pela domesticação. Usa-se o corpo para dobrar o espírito.
A hierarquia (e seus organogramas) é uma criação do poder dominante. Michel Foucault 
(1926 – 1984) cria a teoria da “microfísica do poder” onde ela é imposta pela “docilização do 
corpo”. (ARANHA, 2003)
O autor defende que o capitalismo só aceita o corpo que ao mesmo tempo é capaz de 
produzir e obedecer. Assim, na modernidade não se escraviza mais o corpo. Disciplina-se o 
espírito e usa-se o corpo como moeda de troca.
O procedimento para dominação do corpo é exercido por meio de um “olhar que vigia” 
(muros altos, sinais, horários, controles de ponto, prêmios, ameaças, etc.). É preciso dominar, 
sem que o outro perceba o domínio.
13
5. A idolatria do corpo na contemporaneidade 
Em oposição ao domínio expresso do corpo pelo capitalismo (seja ele privado ou de estado) 
surge um esforço para liberar as amarras do corpo, que resulta, entretanto, em idolatria do próprio.
Querer ser sempre jovem, não ter rugas, estrias, querer ser esbelto(a). No final do século 
XX, a ideia dominante é garantir um corpo bonito, mesmo que seja à custa da saúde. Ser belo 
e desejado se impõe de modo avassalador.
O narcisismo e a moda impõem modelos, que só através de remédios, cirurgias, academias, 
alimentos especiais (capitalismo tecnológico) se consegue realizar.
O interesse que é despertado pelo “corpo perfeito” não é uma busca feliz: ela é conduzida e 
imposta e, mais uma vez, o indivíduo é submetido ao mercado que vai indicar todos os meios 
para se alcançar a “felicidade”.
6. O educador e o corpo
Cabe ao educador conhecer significativamente o corpo humano, em especial o corpo das 
crianças/adolescentes com o qual terá que trabalhar. O conhecimento anatômico – fisiológico 
– hormonal é imprescindível, sob pena de não se conseguir resultados intelectuais devido ao 
desconhecimento corporal.
A sua atuação frente ao aluno será determinante para ele olhar e sentir seu corpo, o corpo 
do outro e formar a ideia corporal do ser humano. É no conhecimento e aceitação do nosso 
próprio corpo que aceitaremos os corpos diferentes, das outras pessoas.
O Movimento
Quando estudamos o corpo e sua temporalidade, vimos também que é necessário o 
estudo de sua anatomia e da sua fisiologia. Ao estudarmos o movimento do corpo humano, 
em especial o das crianças / adolescentes, veremos que ele é uma importante dimensão da 
cultura. O desenvolvimento do ser humano jamais poderá se completar sem que lhe organizem 
e possibilitem movimentos e o seu conhecimento físico/anatômico.
Assim, é imperioso conhecer os movimentos: nós nos movimentamos já no ventre materno 
e a partir do nascimento as crianças/bebês se movimentam de maneira contínua, adquirindo 
com isso um controle corporal, de início limitado, mas que aos poucos se intensifica e cresce, 
apropriando-se do entorno e suas possibilidades e interagindo com o mundo exterior.
Os bebês engatinham, correm, caminham e colocam o derredor como o seu mundo, 
sempre experimentando o novo, o desconhecido e surpreendendo com suamaneira de 
encarar o próprio corpo, as limitações e, sobretudo, com a inventividade. O movimento 
para um bebê/criança não tem limite, cabendo ao educador não reprimi-lo simplesmente, 
mas canalizá-lo para algo frutífero-educado e mais apropriado a sua função.
14
Unidade: Breve História do Corpo, do Movimento e da Psicomotricidade
Quando as crianças estão brincando também estão exprimindo sentimentos, emoções e 
uma maneira de pensar e agir. Cabe ao educador, mais uma vez, observar a movimentação 
do ser humano em formação e ampliar de maneira significativa (com jogos, brincadeiras, 
esportes, etc.) o uso de posturas corporais, da gesticulação e aumentar com isso o repertório 
de verbalização e linguagens.
O movimento, para uma criança/adolescente, é muito mais do que um exercício 
físico. Na verdade, quando se movimentam eles atuam sobre o meio físico e humano, 
modificando-o. Quando uma criança se movimenta, ela não apenas se desloca, ela 
mobiliza pessoas no tempo e no espaço e intenciona uma interação com outras pessoas e 
com o mundo que a rodeia.
O modo como andamos, saltamos, praticamos esportes, constitui o resultado da nossa 
interação com o meio físico e social. Todos esses movimentos constituem o produto das 
nossas necessidades e interesses, em diferentes épocas e em diferentes culturas. Esse 
comportamento pode ser aclamado como uma cultura corporal: campo da cultura que 
abrange e expressa a produção esportiva e práticas expressivas de comunicação, que se 
manifestam por meio de movimentos.
Em diferentes épocas e diferentes culturas foram surgindo movimentos/expressões corporais 
que deram origem à dança, aos jogos, brincadeiras e esportes que tinham por finalidade última 
a interação/integração social de determinados grupos. Esses comportamentos e movimentos 
tinham e têm intencionalidade.
Quando as crianças brincam, elas criam movimentos e ritmos próprios de sua cultura 
e apropriam-se dos mesmos, aprofundando a cultura e tornando o seu meio mais rico 
culturalmente. Quanto mais rico o meio nas suas expressões culturais, maior será a preservação 
de seus costumes e tradições.
Toda e qualquer instituição de educação infantil deve favorecer um ambiente físico seguro e 
socialmente agradável, para que as crianças, ao se sentirem protegidas e estimuladas, visual e 
sinestesicamente, se arrisquem e promovam desafios sob a tutela do educador. Se esse 
ambiente for pobre, pequena será sua manifestação, se for rico e propiciar desafios, grande será 
sua atuação e ampliação cultural.
O trabalho com movimento é essencial para a criança desenvolver sua psicomotricidade, 
pois possibilita manifestações motoras, sensoriais e psíquicas que irão proporcionar à criança o 
desenvolvimento de suas potencialidades psicomotoras.
A cultura do movimento é essencial para o desenvolvimento da psicomotricidade e 
quanto mais rica for, maior será a produção intelectual da criança.
Os movimentos corporais da criança expressam desejos: de comunicação, afetividade e 
interação com o ambiente que a rodeia. Essas possibilidades a fazem crescer culturalmente e a 
levam a ações intencionais cada vez mais complexas e objetivas.
Veremos que a psicomotricidade, antes relegada ao estudo do desenvolvimento motor com 
relevância para sua coordenação, tem nos dias atuais uma maior amplitude.
15
O Movimento na Educação
As diversas práticas pedagógicas que nos tempos atuais marcam a educação refletem diversas 
concepções em relação ao sentido que se deve dar ao movimento nas creches, pré-escolas, 
escolas e outras instituições afins.
É muito comum confundir movimentação com indisciplina. Com o intuito de se 
assegurar ordem, progresso, relações harmoniosas e uma atmosfera civilizada, procura-se 
simplesmente suprimir a ideia de movimento, cria-se um ambiente rígido nas posturas para 
as crianças de diferentes idades.
“Vamos formar uma fila: pequenos à frente e grandes atrás”. “Fiquem sentados sem conversar 
até a chegada do coordenador geral”. “Vamos fazer esta caminhada em ordem – sem bagunça”.
De maneira geral este tipo de imposição não leva em conta as disposições motoras da criança/
adolescente. Muitas vezes, o educador acredita que os movimentos que aí se multiplicam 
atrapalham a aprendizagem. “Criança que se mexe não aprende, não se concentra”. “Ela só 
pensa em brincar”.
Diante dessas assertivas, tão comuns nas escolas e no pensamento de alguns educadores, 
poderemos concluir que educação e movimento não se coadunam. É imperioso dizer que não 
poder movimentar-se, gesticular, é que impede o pensamento e a manutenção da atenção, tão 
necessários à aprendizagem.
Existem práticas educacionais que ao perceberem a necessidade de movimentação 
propõem exercícios limitados e deslocamentos em que a criança se movimenta apenas para 
dispender energia.
Essas práticas que permitem apenas movimentos coordenados totalmente pelo educador 
até podem ser eficientes para manter ordem e disciplina, porém impedem ou limitam as 
manifestações de expressão que são extremamente reveladoras nas crianças/adolescentes para 
se conhecer se gostaram ou não, se aprenderam ou não. 
O movimento para as crianças é muito mais do que mover partes do corpo ou se deslocar. 
Elas se expressam por meio de gestos e expressões faciais, utilizando o corpo como suporte. 
O ato motor é um gesto expressivo de sua necessidade de se comunicar e dizer que está presente.
Ideias Chave
Nesse sentido, é importante que o educador observe e absorva a ideia de que a expressividade 
e mobilidade são essenciais à educação. Grupo disciplinado não é aquele em que todos 
ficam quietos e imóveis à espera de ordens e comandos.
Deslocamentos, conversas, brincadeiras, jogos, não podem ser considerados desordem, mas 
sim manifestações naturais de alegria, desejo de participação e, portanto, guiados e dirigidos 
pelo educador para o fim que se deseja.
As manifestações de motricidade têm um caráter lúdico e expressivo e permitirão ao educador 
organizar e melhorar suas práticas educacionais.
16
Unidade: Breve História do Corpo, do Movimento e da Psicomotricidade
Psicomotricidade
É essencial entendermos, depois de estudar o corpo e movimento, como a psicomotricidade 
contribui para o processo de ensino e aprendizagem.
Não se concebe a criança de forma fragmentada e receptora de conteúdos. A complexidade 
da aquisição de conhecimentos e sua relação com o mundo são evidenciadas.
A Sociedade Brasileira de Psicomotricidade nos dá um conceito bastante amplo do que é 
Psicomotricidade, como veremos a seguir:
É a ciência que tem como objeto de estudo o homem através do 
seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e 
externo. Está relacionada ao processo de maturação, onde o corpo é 
a origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas. É sustentada 
por três conhecimentos básicos: o movimento, o intelecto e o afeto. 
Psicomotricidade, portanto, é um termo empregado para uma concepção 
de movimento organizado e integrado, em função das experiências 
vividas pelo sujeito cuja ação é resultante de sua individualidade, sua 
linguagem e sua socialização. (SBP, s/d)
É bom lembrar que os movimentos, no ser humano, se manifestam primeiramente na vida 
intrauterina e que, durante o nosso crescimento, vão se estruturando e exercendo grande 
influência no nosso comportamento.
A história da psicomotricidade acompanha a história do corpo, que sofreu grandes 
alterações desde a antiguidade até a atualidade. Segundo Fonseca (1995), desde Aristóteles 
o corpo foi negligenciado em função do espírito, passando apenas a ser estudado no século 
XIX, por neurologistas e depois por psiquiatras, visando entender as estruturas cerebrais e 
esclarecer fatores patológicos.
A partir do discurso médico-neurológico tentou-se explicar diferentes disfunções cerebrais 
que ocorriam sem que o cérebro fosse lesionado ou que se soubesse sobre sua lesão. As 
primeiras pesquisas psicomotoras tiveram fundo neurológico, que já não podia explicar 
alguns fenômenospatológicos.
Pela necessidade médica de encontrar respostas, foi empregada pela primeira vez, em 1870, 
a palavra psicomotricidade. (FONSECA,1995)
Segundo Fonseca (1995, p.9) 
Krishaber, Von Monakow, Bonnier, Mayer Gross, Wier-Mitchell, 
Wernicke, Foerster, Peisse, Head, Leipmann, H.Jackson, Gertsmann, 
Babinski, Lhermitte, Lunn, Meerovitch, Schilder, Nielsen, etc., 
e tantos outros, são alguns dos pioneiros no campo neurológico, 
psiquiátrico, neuropsiquiátrico a conferirem ao corpo significações 
psicológicas superiores.
17
Do dualismo teológico ao cartesianismo, o corpo é estudado de modo separado: o psiquismo 
e a consciência continuam alheios à motricidade corporal.
Os gregos e romanos sensualizaram o corpo, enquanto a religião católica e a Idade Média o 
tornaram carnal e pecador.
O cartesianismo o reduziu ao comando da razão e vontade. 
Os iluministas e positivistas transformaram o corpo em objeto anatômico e físico sem 
identidade própria.
A psicomotricidade veio estabelecer relações, tendo como princípio o corpo e a motricidade 
no centro do comportamento e da evolução do ser humano. A psicomotricidade rompe os 
dualismos: não se trata de estudar o psíquico e depois separadamente a motricidade.
O ser humano é um organismo complexo que possui corpo e cérebro atuando conjuntamente 
e o educador deve ter uma visão holística, uma visão sistêmica para compreendê-lo.
É necessário entender o corpo humano como possuidor de uma mente de onde emergem 
dois mundos: o dos objetos e o das sensações.
A mente humana conjuga o corpo e o cérebro, daí resultando a sua integração e a interação, 
constituídos pelo contexto onde ela se insere.
O corpo e a motricidade do ser humano não podem continuar restritos ao biológico, ao 
fisiológico, não havendo paralelismo, psicológico e fisiológico separados. O ser humano tem 
ação e intenção.
É necessário destacar que o desenvolvimento da psicomotricidade se faz com a criança evoluindo.
O meio, ao propiciar as trocas com a criança, permite uma conquista que se amplia à medida 
que as necessidades aumentam.
O professor/educador deve estar atento a fatores da psicomotricidade como lateralidade, 
percepção e esquema corporal.
Henry Wallon (1879-1962), médico, pedagogo, psicólogo e filósofo francês, introduz a partir 
de 1920 a ideia de que o movimento do corpo tem caráter pedagógico. O gesto e a ação são 
representativos em si para a psicomotricidade, ajudando a ciência da educação a se redefinir e 
renovar princípios educacionais.
Wallon se refere ao corpo não como algo estanque. Ele demonstra que há ações recíprocas 
entre funções motoras e funções mentais. Nos anos 60, a Universidade Salpêtrière cria e certifica 
a capacitação em Reeducação da Psicomotricidade. Ele também estimula trabalhos psicológicos 
em diversas escolas francesas (1970) onde se destacam Ajuriaguerra, Stamback e Granjon. 
Ajuriaguerra se destaca e vai para Genebra, liderar estudos de psicomotricidade. 
Wallon enfoca os estudos da criança e da psicomotricidade sob a ótica da totalidade, 
renunciando às abordagens unidimensionais e setoriais. (FONSECA,1995)
18
Unidade: Breve História do Corpo, do Movimento e da Psicomotricidade
Muito pouco citados por americanos e europeus, surgem autores soviéticos na área 
de psiconeurologia, como Ozeretsky (citado por Guilman), Vygostsky e Luria, etc. É na 
integração multidisciplinar e transdisciplinar que estará o futuro da evolução e atualização 
da Psicomotricidade.
A psicomotricidade cria no ser humano a consciência, onde os movimentos são relacionados 
a tempo, velocidade e espaço (os padrões motores). A ligação entre os aspectos afetivos, motores 
e intelectuais são os aspectos culturais do universo a que a criança pertence.
Cada gesto de uma criança carrega a marca do grupo ao qual ela pertence, tornando-se 
assim também uma marca pessoal e individualizada (só sua).
Wallon é explícito ao afirmar que o meio ambiente onde se realiza a aprendizagem e o meio 
de onde a criança emerge interferem diretamente na formação de sua identidade.
Um educador consciente da importância que esta ferramenta (a psicomotricidade) traz para a 
formação da criança entenderá que o movimento e o psíquico se unem para resolver problemas 
que surgem não só na vida escolar, como também na vida adulta fora da escola, tornando-o 
um indivíduo mais completo.
Finalizaremos a unidade com um fragmento do texto de Merleau-Ponty, importante pensador 
contemporâneo. Leia o trecho e pense a respeito do seu próprio corpo:
A tradição cartesiana habituou-nos a desprender-nos do objeto: a atitude reflexiva purifica 
simultaneamente a noção comum do corpo e a da alma, definindo o corpo como uma soma de 
partes sem interior, e a alma como um ser inteiramente presente a si mesmo, sem distância. Essas 
definições correlativas estabelecem a clareza em nós e fora de nós: transparência de um objeto 
sem dobras, transparência de um sujeito que é apenas aquilo que pensa ser. O objeto é objeto do 
começo ao fim, e a consciência é consciência do começo ao fim. Há dois sentidos e apenas dois 
sentidos da palavra existir: existe-se como coisa ou existe-se como consciência. A experiência do 
corpo próprio, ao contrário, revela-nos um modo de existir ambíguo. Se tento pensá-lo como um 
conjunto de processos em terceira pessoa – “visão”, “motricidade”, “sexualidade” – percebo que 
essas “funções” não podem estar ligadas entre si e ao mundo exterior por relação de causalidade, 
todas elas estão confusamente retomadas e implicadas em um drama único. Portanto, o corpo 
não é um objeto. Pela mesma razão, a consciência que tenho dele não é um pensamento, quer 
dizer, não posso decompô-lo e recompô-lo para formar dele uma idéia clara. Sua unidade é 
sempre implícita e confusa. Ele é sempre outra coisa que aquilo que ele é, sempre sexualidade ao 
mesmo tempo que liberdade, enraizada na natureza no próprio momento em que se transforma 
pela cultura, nunca fechado em si mesmo e nunca ultrapassado. Quer se trate do corpo do 
outro ou do meu próprio corpo, não tenho outro meio de conhecer o corpo humano senão 
vivê-lo, quer dizer, retomar por minha conta o drama que o transpassa e confundir-me com ele. 
(MERLEAU-PONTY, 1999, p.268-269)
19
Material Complementar
 
 Explore
Como material complementar sugerimos que você leia o capítulo 2 (Educação psicomotora paginas 
55 – 77) do livro Pedagogia do movimento: universo lúdico e psicomotricidade de Hermínia Regina 
Bugeste Marinho... [et al.]. – 2. ed. – Curitiba: Ibpex, 2007.
O capitulo dois do livro trás uma importante contribuição para refletirmos sobre a importância da 
psicomotricidade no desenvolvimento dos indivíduos. O referido livro encontra-se em E-books na 
biblioteca Pearson da universidade.
 Explore
20
Unidade: Breve História do Corpo, do Movimento e da Psicomotricidade
Referências
ARANHA, Maria Lucia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à 
filosofia. 3.ed.revista.São Paulo: Moderna,2003.
BRASIL. Referencial Curricular Nacional Para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 
1998.v.3
DAOLIO, Jocimar. Da cultura do corpo. Campinas, SP: Papirus,1995- 7ª ed. 2003.
FONSECA,Vitor da. Psicomotricidade: uma visão pessoal. Construção Psicopedagógica, São 
Paulo-SP, 2010, Vol. 18, n.17, pg. 42-52
______________. Manual de Observação Psicomotora: significação peisoneurológica dos 
fatores psicomotores. Porto Alegre:Artes Médicas,1995.
MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo, Martins 
Fontes. 1999.
Sociedade Brasileira de Psicomotricidade (site) http://profissionaispsicomotricidade.
blogspot.com.br/2007/07/segundo-sociedade-brasileira-de.html Acesso em 10/4/2013
	Página em branco

Mais conteúdos dessa disciplina