A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
calcificação e deposição intracelular

Pré-visualização | Página 1 de 2

22/08/17 
CALCIFICAÇÃO E DEPÓSITOS PATOLÓGICOS 
1. CALCIFICAÇÃO PATOLÓGICA 
❖ Definição: deposição tecidual anormal de sais de cálcio, juntamente a quantidades menores de ferro, 
magnésio e outros minerais 
❖ Características do cálcio: 
• Presente em ossos e cartilagens 
• Níveis séricos próximos à saturação (valor normal de 8 a 10 mg/dl) 
• Baixo teor intracelular (podendo ser agente de morte celular) devido à redução da fosforilação e 
ativação de proteinacinases 
• Elemento não visível 
 
❖ Classificações atribuídas ao cálcio visível: 
I. CALCIFICAÇÃO DISTRÓFICA – quando tecido sofre, previamente, processo de necrose 
• Contexto: necessariamente decorrente de dano tecidual e níveis séricos de cálcio normais 
▪ Com a necrose, a área celular torna-se ácida e favorece a precipitação do cálcio circulante 
formando fosfato de cálcio tentativa de tamponar a acidez do tecido 
• Aparência macroscópica: grânulos ou grumos finos cor cinza-amarelada ou bem branca, palpáveis 
como depósitos arenosos ou pétreos 
▪ OBS: em calcificação com necrose hemorrágica, pode adiquirir coloração pardacenta 
• Morfologia microscópica: 
▪ Aparência granular, amorfa, basofílica, algumas vezes agregada 
▪ Pode ser intracelular, extracelular, ou ambas as localizações 
▪ Células necróticas individuais podem adquirir várias camadas criando configuração de 
corpúsculos de psamoma (ex: câncer papilar da tireoide) 
• Patogenia: 
A. Necrose caseosa 
▪ Ex: pulmões, tuberculose  atrai sais de cálcio, podendo definir um nodo pulmonar 
calcificado 
B. Necrose coagulativa 
▪ Ex: câncer de mama  áreas de isquemia devido ao crescimento tumoral sem irrigação 
adequada causam necrose e atraem o cálcio. Funciona como mecanismo de reconhecimento 
de tumores de mama na mamografia 
✓ OBS: mamografia não é útil para tumores que não proliferam por essa causa 
▪ Ex: carcinomas seroso papífero da tireoide e dos ovários  a necrose e calcificação possuem 
padrão de corpos psamomatosos; só é vista microscopicamente 
C. Necrose gordurosa 
▪ Ex: Necrose gordurosa enzimática pós pancreatite aguda  libera ácidos graxos pela ação da 
lipase pancreática, que se combinam com o cálcio na tentativa de neutralizar o local, 
formando sabões de cálcio e, posteriormente, carbonato de cálcio 
D. Esteatonecrose 
▪ Como evento tardio, pode ocorrer organização do cálcio como cicatrização 
E. Necrose liquefativa  extremamente raro ocorrer deposição de cálcio 
F. Aterosclerose: placas de ateroma 
Fundamentos da Patologia Humana | Mariana Gurgel 
 
2 
G. Doença valvar: dano necrótico associado à calcificação devido à febre reumática 
H. Degeneração/ senescência  necrose do tecido com calcificação forma buscite 
I. Inatividade metabólica  bócios, cistos, atrofias, cicatrizes 
J. Trombos vasculares  flebolitos 
K. Rastreio de toxoplasmose, infecção congênita e zika  calcificações distróficas no SNC 
 
 
II. CALCIFICAÇÃO MESTATÁTICA – não há lesão previa do tecido, mas resulta de hipercalcemia 
secundária a algum distúrbio do metabolismo do cálcio 
• Contexto: ocorre em tecidos previamente sadios; os níveis de cálcio séricos estão altos 
a) Pode ocorrer por aumento do PTH (hiperparatireoidismo primário) 
b) Excesso de vit D 
c) Mobilização do cálcio ósseo (por tumores e doenças renais crônicas que levam ao 
hiperparatireoidismo secundário) 
d) Sarcoidose: doença granulomatosa que simula inflamação e forma nódulos no pulmão, 
linfonodos... cursa na produção de paratormônio e consequente hipercalcemia 
e) Hipertireoidismo: provoca calcificação metastática pelo aumento da taxa metabólica 
f) Doença de Addison: a insuficiência na produção do cortisol acaba causando insuficiência renal 
simultânea, correndo para hipercalcemia 
g) Leucemias: células cancerígenas acabam corroendo as trabéculas ósseas 
h) Síndromes paraneoplasicas: a alta produção de PTH por esses tumores causa hipercalcemia 
i) Imobilização óssea: ocorre reabsorção óssea por desuso 
• Mecanismo: o cálcio circulante deposita-se em tecidos normais, principalmente os de alto 
metabolismo (pois estes estão mais ácidos devido à produção dos radicais livres) 
• Sítios de deposição: 
▪ Alvéolos pulmonares 
▪ Glândulas 
▪ Fundo gástrico 
▪ Túbulos renais (nefrocalcinose)  pode levar a insuficiência renal e retroalimenta a calcificação 
Figura 1 Valva cardíaca calcificada Figura 2 Calcificação na Mama 
Figura 4 e 5 Útero com mioma e calcificação 
Figura 3 Calcificação da tireoide 
Fundamentos da Patologia Humana | Mariana Gurgel 
 
3 
armado com crepitação 
• Morfologia: como também é precipitado o fosfato de cálcio, terá a mesma aparência da calcificação 
distrófica 
 
III. CALCIFICAÇÃO IDIOPÁTICA – quando não é estabelecido o mecanismo de causa e efeito 
• Características: não possui relação nem com tecido lesado nem com hipercalcemia 
• Calcinose Escrotal: acomete homens com a formação de nódulos subcutâneos na bolsa escrotal 
▪ Pode ser recidiva 
▪ Microscopicamente, possui coloração basofilica relativamente mal corada  devido à 
consistência dura e necessidade de inserir ácido para fixação da lâmina 
• Calcinose intersticial: depósitos de cálcio próximos às articulações 
• Miosite ossificate: lesão pseudotumoral que aparece após traumatismos em M. esquelético, os quais 
são substituídos por tecidos calcificados. É uma forma muito rara que pode ter associação genética 
ou com trauma muscular 
 
Figura 6 e 7 Calcificação Metastática do pulmão 
Figura 8 Calcificação metastática do fundo gástrico Figura 9 Calcificação Mestastática nos rins 
Figura 10 e 11Calcinose Escrotal Figura 12 Miosite ossificante 
Fundamentos da Patologia Humana | Mariana Gurgel 
 
4 
2. DEPÓSITOS INTRACELULARES 
❖ Acúmulos celulares consistem em uma das manifestações dos transtornos metabólicos nas células. As 
substancias armazenadas enquadram-se nas seguintes categorias: 
I. Natureza normal – compõe o funcionamento da célula, mas estão em excesso 
• Ex: água, gotículas de lipídeos (ocorrem na lesão reversível), gotículas de proteínas, carboidratos 
(principalmente hepatócitos e M. estriado) 
II. Substância anormal 
• Exógena: minerais ou produtos de agentes infecciosos. Pode haver entrada por diversas vias. 
• Endógena: produto da síntese ou metabolismo anormal. 
▪ Ex: organismos sintetiza enzimas que não conseguem ser eliminadas 
• Pigmento: resíduo intracelular que se constitui em pigmentos 
❖ Características: 
• Pode ter caráter permanente ou transitório (Ex: uso de medicamentos) 
• Pode ter natureza tóxica ou inerte (Ex: maioria dos pigmentos de atv metabólica) 
• O deposito pode se fazer presente na célula de origem ou ser produzido em uma célula e se depositar 
em locais distintos 
• Localização: Depósitos estão, na maioria das vezes, no 
citoplasma, em fagolisossomos ou podem habitar o próprio 
núcleo 
❖ SITUAÇÕES POSSÍVEIS: 
I. Célula produz uma substancia endógena normal ou 
aumentada, mas a taxa de metabolismo é inadequada para 
removê-la 
• Ex: ESTEATOSE HEPÁTICA (degeneração gordurosa) 
▪ Fígado produz os lipídeos, mas não consegue excretar, 
formando esteatohepatite 
▪ Essa substância em excesso passa a funcionar como um 
corpo estranho, o que atrai a inflamação e acaba destruindo 
as células 
• Ex 2 : ATEROSCLEROSE 
 
II. Substância endógena normal ou anormal se acumula devido a 
defeitos no dobramento, transporte da proteína e/ou uma 
inabilidade de degradar eficientemente a proteína anormal. 
Tipicamente produto de um gene mutado (mutação genética 
ou adquirida) 
• Ex: GLICOGENOSE: falta aprato enzimático para destruir o 
carboidratao para que ele participe das reações metabólicas 
• Ex 2: ACÚMULO DE ALFA-1-ANTITRIPSINA 
 
III. Decorrente de substância exógena anormal que se acumula 
porque a maquinaria celular não é capaz de degradá-la nem a 
transportar para outros locais. São introduzidas no organismo 
por meios