A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
DIP Vulvovaginites - Tabela

Pré-visualização | Página 1 de 1

Ana Karolliny, 2021 
Vulvovaginite 
Agente 
etiológico 
Anaeróbios e vaginais: 
Gardenerella vaginalis e 
outros 
Cândida albicans Trichomonas vaginallis Cocos Gram + : 
Strept. Grupo B 
Deficiência de 
estrogênio pós-
parto ou climat. 
Sintomatologia ❖ Corrimento fino, 
homogêneo, 
branco 
acinzentado 
❖ Odor de peixe 
podre 
❖ Ausência de 
prurido e 
irritação vulvar 
❖ Corrimento 
vaginal = “queijo 
cottage”, 
branco e 
aderido às 
paredes 
❖ Eritema e 
edema de vulva 
e vagina 
❖ Prurido 
❖ Sem odor 
❖ Corrimentol 
fétido, verde-
amarelado e 
bolhoso; 
❖ Prurido, 
irritação vulvar, 
dispareunia 
❖ Colo em 
morango 
❖ Teste de Schiller 
❖ Corrimento 
purulento 
abundante, 
queimação 
ou irritação 
vulvovaginal 
❖ Dispareunia, 
eritema com 
manchas 
vulvovaginais 
e colpite 
macular 
❖ Corrimento 
esbranquiçado 
❖ Dispaurenia 
❖ Sangramento 
pós-coito 
Diagnóstico Critérios de Amsel (>3) Quadro clínico e exame 
a fresco 
Quando clínico e exame 
a fresco 
Quadro clínico e 
exame a fresco 
Quadro clínico e 
exame a fresco 
Whiff test (teste 
das aminas) 
Positivo Negativo Positivo Negativo Negativo 
pH vaginal Alcalino > 4,5 Ácido < 4,5 Alcalino > 4,5 Alcalino > 4,5 Mais alcalinizado 
Exame a fresco Clue Cells Leveduras e 
pseudohifas; 
leucocitose 
Trichomonas móveis e 
muitos leucócitos 
Redução de 
lactobacilos e 
presença de cocos 
Gram + 
Células epiteliais 
parabasais e 
aumento de 
leucócitos 
Tratamento Metronidazol oral ou 
vaginal 
Fármacos do grupo 
“azóis” tópicos ; 
nistatina tópica 
Metronidazol oral Clindamicina a 2% 
tópica 
Creme vaginal de 
estrogênio 1 ou 2x 
/ semana