A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
Anatomia aula 1

Pré-visualização | Página 1 de 3

Disciplina: Anatomia do Aparelho Locomotor
Aula 1: Cabeça e pescoço
Apresentação
Nesta aula, vamos compreender a estrutura óssea do crânio e da face. A organização dessa estrutura permite o abrigo e a
proteção do encéfalo, bem como formar a estrutura da face.
Além disso, os músculos presentes nessa região são os responsáveis pela mímica facial, ou a expressão dos sentimentos.
Objetivos
Identi�car os componentes anatômicos do crânio;
Descrever a organização deste em neurocrânio e viscerocrânio;
Listar os componentes musculares da cabeça e da face.
Osteologia (crânio)
O crânio é composto de 28 ossos
separados, a maioria desses ossos é
pareada. Podemos dividir em uma
calvária ou calota craniana, que
circunda e protege o cérebro.
Existe ainda um esqueleto facial delicado que é composto especialmente de ossos de paredes �nas, e também há alguns desses
contendo cavidades conhecidas coletivamente como seios paranasais, sendo elas “ocas” ou pneumáticas.
Em uma visão externa, podemos identi�car áreas na face e no pescoço, como vemos na Figura 1:
 Figura 1: Regiões anatômicas (cabeça e pescoço) | Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Podemos observar que as regiões demarcadas na Figura 1 recebem seus nomes em virtude dos ossos existentes nessa área,
abaixo da pele. Por isso, temos a região frontal, onde o osso recebe o mesmo nome, parietal e, assim, sucessivamente.
A Figura 2 nos dá uma visão global desses ossos em separado:
 Figura 2: Crânio. Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Mas é com a Figura 3 que você começa a ter uma visão mais geral de como tais ossos se comunicam, formando o crânio:
Aqui, você pode observar o crânio em uma visão frontal e a �gura colorida favorece a identi�cação dos ossos. Nesta visão,
você identi�ca facilmente o osso frontal e a mandíbula, sendo ambos ossos ímpares, enquanto os ossos: nasal, zigomático e
maxila são pares.
As demais áreas apresentadas na Figura 3 são acidentes ósseos que também têm sua importância, mas, por agora você
pode se ater aos ossos.
 Figura 3: Crânio (vista anterior) Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Na Figura 4, você observa o mesmo crânio em visão lateral esquerda. Além dos ossos mandíbula (ímpar), maxila (par),
zigomático (par), nasal (par) e frontal (ímpar), você pode ver ainda o osso parietal esquerdo (par), osso occipital (ímpar), osso
temporal (par) e osso esfenoide (ímpar).
Na imagem nós podemos observar outras partes anatômicas interessantes, como as suturas, mas esse é um assunto para
mais tarde.
 Figura 4: Crânio (vista lateral esquerda) Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Na Figura 5, você observa o crânio numa visão superior, de cima para baixo, logo vê-se a calvária. Nesta �gura, você vê quatro
ossos:
à frente, o frontal;
posteriormente, o occipital (ambos ímpares); e
lateralmente, os ossos parietais, além das suturas que estudaremos posteriormente.
 Figura 5: Crânio (vista superior) | Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Na Figura 6, vemos o crânio posteriormente, aqui podemos localizar os ossos parietais, occipital, temporais além da
mandíbula.
 Figura 6: Crânio (vista posterior) | Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Agora que você já conhece os ossos formadores do crânio e da face, está na hora de
aprender sobre a divisão do crânio, onde vemos neurocrânio e viscerocrânio. Na Figura 7,
você tem uma ideia de como se organizam esses “dois crânios”:
 Figura 7: Neuro e viscerocrânio | Fonte: Estudos na Web <http://estudos-na-web.blogspot.com/2017/07/anatomia-cranio.html> . Acesso em: 11 out. 2018.
O crânio tem dois componentes anatomofuncionais:
1
O neurocrânio
Que é composto pela abóbada craniana (calvária) e da base do
crânio; ele envolve e protege o cérebro e os órgãos especiais
de sentido do olfato, da visão, da audição e do equilíbrio.
2
O viscerocrânio
Forma o esqueleto da face, palato e faringe, e abriga as
estruturas ligadas aos atos da alimentação, respiração e
expressões faciais; também protege a língua e forma a orelha
média e o meato acústico externo ósseo.
Então:
neurocrânio formado por calvária
(ossos ímpares: frontal e occipital;
ossos pares: parietais e temporais) e
um assoalho ou uma base do crânio
(ossos ímpares etmoide e esfenoide);
viscerocrânio formado por ossos que
circundam a boca (maxila e
mandíbula), nariz e a maior parte das
órbitas (cavidades orbitais). Ossos
ímpares são vômer e mandíbula;
ossos pares são maxilas,
zigomáticos, temporais, nasais,
lacrimais, palatinos, conchas nasais
inferiores.

Bom, tem um detalhe, o osso temporal
funciona como um “agente duplo”, calma,
vamos entender. A face interna do osso
temporal abriga e protege uma área do
cérebro, porém, na parte externa há um
acidente ósseo chamado meato acústico
externo, que veremos mais tarde, esse
acidente abriga o sistema vestibular e é a
porta de entrada do sistema auditivo,
característica essa do viscerocrânio, por
este motivo esse osso é tanto do
neurocrânio quanto do viscerocrânio.
http://estudos-na-web.blogspot.com/2017/07/anatomia-cranio.html
Ao se observar a base interna do crânio, você percebe uma série de estruturas anatômicas. Essa base interna pode ser dividida
em fossa anterior, média e inferior. É na base do crânio que os 12 pares de nervos cranianos emergem. Vemos isso na Figura 8.
 Figura 8: Crânio (base interna) | Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Na base externa do crânio, vemos diversos acidentes ósseos, entre eles os forames de onde emergem as raízes nervosas, mas
também os forames por onde passam os vasos sanguíneos (Figura 9).
 Figura 9: Crânio (vista inferior) | Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Atividade
Agora que você já está familiarizado com os ossos do crânio, precisamos te fazer uma, ou melhor, duas perguntas, só para
testarmos seus conhecimentos, vamos?
1. Na visão anterior do crânio, quais ossos vemos e quais deles são ímpares?
2. O osso temporal pertence a qual classi�cação do crânio? Explique sua resposta.
Órbita
A órbita é o espaço anatômico onde o globo ocular se aloja, nela há diversos pequenos músculos que têm origem nas paredes
ósseas da órbita e se inserem no globo ocular, assim sendo possível o movimento deste. Na Figura 10, você pode observar como
os ossos compõem a órbita:
 Figura 10: Órbita | Fonte: NETTER, 2004.
Na região superior, vemos o osso frontal que inferior e lateral se articula com o osso
zigomático, e esse último se articula inferior e medialmente com o osso maxila que, por �m,
articula-se medial e superiormente ao osso frontal.
Aqui, temos a visão externa da órbita, que internamente é formada por osso lacrimal,
etmoide e esfenoide, como você pode ver.
Já que estamos falando de órbita e consequentemente de visão, vamos abordar agora não a audição em si, mas a anatomia da
audição. Veja a Figura 11:
 Figura 11: Sistema auditivo. Fonte: TORTORA e GRABOWSKI, 2002.
Aqui, você pode observar algo que conversamos mais cedo, o osso temporal abrigando o sistema auditivo. Esse sistema, em
resumo absoluto, é formado pelo tímpano, uma membrana �brosa que vibra com a chegada das ondas sonoras, que por sua vez
faz vibrar os ossículos da audição (martelo, bigorna e estribo), vistos na Figura 12.
 Figura 12: Ossículos da audição | Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Na Figura 3, havíamos apenas estudado os ossos e as suas localizações. Agora, podemos observar outras estruturas: os
acidentes ósseos. Estruturas com glabela, násio, margem supraorbital e outros acidentes ósseos observados no osso frontal:
 Figura 3: Crânio (vista anterior) | Fonte: DRAKE, VOGL e MITCHELL, 2015.
Imagine o osso esfenoide!
Já explicamos que ele é um osso ímpar. Veja como ele é na Figura 13.
Vista anterior
 Figura 13a: Esfenoide (vista anterior) | Fonte: SOBOTTA, 2000.
Vista posterior
 Figura 13b: Esfenoide (vista posterior) | Fonte: SOBOTTA, 2000.
Dica
Busque localizá-los nas peças sintéticas e/ou cadavéricas no laboratório de Anatomia.
Na visão lateral, como visto na Figura 4, você observa outros acidentes. Por exemplo,