A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Resumo de Biossegurança

Pré-visualização | Página 1 de 1

Biossegurança
· É um conjunto de medidas voltadas para amenização dos riscos para o homem, animais e meio ambiente.
BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA:
· Conjunto de ações voltadas para prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços, as quais possam comprometer a saúde do homem, dos animais, do meio ambiente ou a qualidade dos trabalhos desenvolvidos.
REGULAMENTAÇÃO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL:
· 2005 – (lei 01 105/02) estabelece regras para o trabalho com DNA recombinante no Brasil, incluindo pesquisa, produção e comercialização de OGMs (organismos geneticamente modificados).. Também trata das células tronco-embrionárias.
· 1995 – decreto 1752 – formaliza a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CINBio) e define suas competências no âmbito do Ministério da Ciência e Tecnologia.
HISTÓRICO:
· 1951 – Sulkin e Pike – brucelose e tuberculose mais frequentes.
· Questionário enviado a 50.000 laboratórios (1.342 casos) -> 1/3 dos casos foi relatado na literatura.
Maioria dos casos relacionados ao uso de seringas, agulhas e pepetas.
· 1949 – Sulkin e Pike – 222 infecções virais
· 1941 – Meyer e Eddie – 74 casos de brucelose associados a laboratório – aerossol (ar).
ÓRGÃOS E COMPETÊNCIAS:
· Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS)
· Órgãos de Registro e Fiscalização
· Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio)
· Comissões internas de Biossegurança (CRBios)
· Biossegurança Latu Sensu: inclui biossegurança de laboratórios e OGMs (organismos geneticamente modificados).
· Biossegurança Strictu Sensu: apenas segurança de transgênicos.
Biossegurança na pesquisa acadêmica:
É FUNÇÃO DAS UNIVERSIDADES E INSTITUTOS DE PESQUISA:
· Promover praticas/procedimentos laboratoriais seguros;
· Orientar a elaboração do projeto arquitetônico do laboratório;
· Fornecer a infraestrutura adequada;
· Educar usuários para o uso correto de equipamentos de contenção;
· Avaliar o risco dos experimentos com agentes infecciosos, DNA recombinante e com organismos transgênicos.
CIBIO – COMISSÃO INTERNA DE BIOSSEGURANÇA
· Situação: existem tecnologias disponíveis para eliminar ou minimizar os riscos.
· Problema: comportamento dos profissionais e falta de organização.
· Anos 70, profissionais de saúde possuem mais casos de infecções como Hep, TB, Sheguelose do que as de outras atividades.
EXEMPLOS:
· Um banheiro revira sacolas e caixas em um lixão, de repente, um descuido. Ele se fere com uma seringa utilizada e abandonada no meio do lixo.
PERIGO:
· Estado ou situação que inspira cuidado
RISCO:
· Perigo ou possibilidades de perigo.
· Refere-se à possibilidade de ocorrer alguma interação danosa entre um elemento agressor e um trabalhador.
· Fonte de risco/agente de risco: é o próprio elemento agressor
· Tipo de risco: diz respeito ao processo ou forma de propagação da nocividade de um agente de risco. 
· RISCOS DE ACIDENTES:
· Primário: é a própria fonte de risco, quando por si só já é um risco. Ex: frasco de éter, material perfuro-cortante.
· Secundário: é a própria fonte de risco mais a condição insegura ligada ao humano. Ex: frasco de éter junto a fonte de calor ou material perfuro-cortante descartado em local indevido.
· Prever a ocorrência futura é um dos grandes desafios do homem e através de estudo de estudos de fatos ocorridos, dos erros e dos acertos, pode-se prever o futuro até determinado ponto.
· A prevenção torna-se uma determinante fundamental à manutenção da saúde do trabalhador, principalmente devido ao numero elevado de riscos aos quais está exposto.
· Possibilita a descrição das causas dos mesmos e as formas de como contorna-las.