A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Rede de Saúde Mental

Pré-visualização | Página 2 de 2

pelo uso de álcool e 
outras drogas. Mínimo 150mil hab. 
OBS: Se o município não possuir CAPS, o 
atendimento é feito na atenção básica. 
-> Os CAPS fazem o direcionamento local às políticas 
e programas de Saúde Mental, desenvolvem projetos 
terapêuticos e comunitários, dispensam de 
medicamentos e encaminham e acompanham os 
usuários que moram em residências terapêuticas, 
assessorando e sendo retaguarda p/ os ACS e ESF no 
cuidado domiciliar.-> Objetivo: oferecer atendimento 
em sua área de abrangência, no acompanhamento 
clínico e na reinserção dos usuários ao acesso a 
trabalho, lazer, exercício de seus direitos civis e 
fortalecimento dos laços familiares e comunitários. 
• Os CAPS visam: atendimento em regime de 
atenção diária; gerenciar os projetos terapêuticos 
oferecendo cuidado clínico eficiente e 
personalizado; promover a reinserção social dos 
usuários, por ações intersetoriais, que envolvam 
educação, trabalho, esporte, cultura e lazer, 
montando estratégias conjuntas de 
enfrentamento dos problemas. 
• Também, devem dar suporte e supervisionar a 
atenção à saúde mental na rede básica (PSF, 
PACS); regular a porta de entrada à rede, na sua 
área; coordenar (junto ao gestor local (as 
atividades de unidades hospitalares psiquiátricas 
que atuem no seu território e manter atualizada a 
lista dos pctes da sua área que utilizem 
medicamentos p/ saúde mental. 
Os pacientes atendidos no CAPS apresentam 
sofrimento intenso psiquiátrico, que lhes impossibilita 
viver e realizar seus projetos de vida. Possuem 
transtornos mentais severos e/ou persistentes. 
Se o paciente estiver isolado, sem poder acessar o 
serviço, um profissional do CAPS em casa pode 
atende-lo, de forma articulada com as ESF do local. 
-> Cada usuário deve ter um projeto terapêutico 
individual, respeitando suas particularidades. 
 
Portaria GM 336/02: o CAPS poderá oferecer -> 
Atendimento Intensivo: atendimento diário, quando o 
pcte estiver em grave sofrimento psíquico, em 
situação de crise ou dificuldades intensas no convívio 
social e familiar. Pode ser domiciliar, se necessário. 
Semi – intensivo: usuário pode ser atendido até 12 
dias no mes. Oferecido quando o sofrimento e a 
desestruturação psíquica da pessoa diminuíram, 
melhorando as possibilidades de relacionamento, mas 
a pessoa ainda necessita de atenção direta da equipe 
p/ se estruturar e recuperar sua autonomia. Pode ser 
domiciliar. 
Não intensivo: oferecido quando nao necessita de 
suporte contínuo p/ viver em seu território e realizar 
suas atividades, podendo ser atendido até 3 dias no 
mes. Pode ser domiciliar. 
Quando o pcte é atendido em um CAPS, tem acesso 
aos recursos terapeuticos -> 
ü Atendimento individual: medicamentos, 
psicoterapia, orientação, 
ü Atendimento em grupo -> oficinas terapêuticas, 
oficinas expressivas, oficinas geradoras de renda, 
oficinas de alfabetização, oficinas culturais, grupos 
terapêuticos, atividades esportivas, suporte social, 
grupos de leitura e debate, grupos de confecção 
de jornal; 
ü Atendimento p/ família: atendimento nuclear e a 
grupos de familiares, atendimento individualizado a 
familiares, visitas domiciliares, atividades de ensino, 
atividades de lazer com familiares. 
ü Atividades comunitárias: atiividades c/ associações 
de bairro e outras instituições da comunidade, 
que objetiva trocas sociais, integração do serviço 
e usuário com a família, a comunidade e 
sociedade. 
ü Assembléias ou Reuniões de Organização do 
Serviço: é um instrumento p/ o efetivo 
funcionamento dos CAPS como lugar de 
convivência. É preferencialmente semanal, reúne 
usuários, familiares e convidados, que discutem, 
avaliam e propõem encaminhamentos p/ o 
serviço. Discutem-se assuntos p/ melhorar o 
atendimento. 
-> As atividades do CAPS podem ser desenvolvidas 
fora do serviço, como parte de uma estratégia 
terapêutica de reabilitação psicossocial, que pode ser 
iniciada ou articulada pelo CAPS, mas que é realizada 
em comunidade, no trabalho e na vida social. 
-> O CAPS pode articular o cuidado clínico com 
programas de reabilitação psicossocial. Os projetos 
devem incluir a construção de trabalhos de inserção 
social, respeitando as possibilidades individuais e os 
princípios de cidadania que minimizem o estigma e 
promovam protagonismo de cada usuários frente à 
sua vida.