A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
Aula 2 Sistema articular

Pré-visualização | Página 1 de 3

Disciplina: Anatomia Sistêmica
Aula 2: Sistema articular
Apresentação
Nesta aula, você conhecerá os tipos de articulações presentes no corpo humano,
compreendendo a característica de cada uma delas e seus componentes, além de
saber que algumas possuem locais específicos no corpo humano.
Você identificará que, apesar de algumas articulações serem do mesmo tipo, elas
apresentam subclassificações devido aos componentes que a formam ou como se
movimentam.
Observará, ainda, os componentes presentes nas articulações sinoviais, que são as
que possuem mais mobilidade no corpo e são classificadas de acordo com sua forma
e sua movimentação.
Objetivos
Diferenciar os tipos de articulações presentes no corpo humano;
Comparar as articulações do tipo cartilaginosas;
Descrever as articulações sinoviais com seus componentes e suas
características.
O sistema articular
O sistema articular, também chamado de Artrologia, é a área da Anatomia
que estuda as articulações.
Mas afinal é articulação ou junta?
Muitas vezes ouvimos as pessoas se referindo às articulações como juntas,
mas será que isso está errado?
Não está errado. Apesar de, no latim, as articulações serem chamadas de
compagibus – no caso das articulações do corpo humano, elas têm origem no
termo juncturae que significa acoplamento, pois é o que ocorre entre os ossos
do corpo.
Por isso, alguns autores da Anatomia e até mesmo da Cinesiologia e
Biomecânica se referem às articulações como junturas.
 Fonte: Por S K Chavan / Shutterstock
E de onde surge o termo articulação, então?
Apesar de escritos em latim, os termos anatômicos sofrem uma influência
enorme do grego, de onde veio arthroseon. Sendo assim, a Artrologia tem
origem nas raízes gregas: arthron (articulação).
O que é uma articulação?
Em síntese, uma articulação é a junção de duas ou mais estruturas que, além
de ossos, podem ser de cartilagens ou tecido fibroso.
Nem toda articulação permite movimentação, cada uma tem características
próprias que vão determinar a sua mobilidade junto com os tipos de tecido
que a compõe.
Classificação das articulações
Podem ser classificadas em três tipos, que se subdividem depois.
Essa classificação se dá, em partes pelo tecido que compõem, nos casos das
fibrosas e cartilaginosas ou por necessitarem de um líquido para lubrificar e
auxiliar na movimentação delas, a sinóvia, presente nas articulações
sinoviais.
Alguns autores classificam essas articulações de acordo com a sua
mobilidade:
SINARTROSES
As articulações fibrosas são denominadas sinartroses por serem
consideradas quase imóveis.
ANFIARTROSES
As articulações cartilaginosas recebem o nome de anfiartroses, por serem
articulações semimóveis.
DIARTROSES
As articulações com mobilidade ampliada, que são as sinóvias, passam a se
chamar diartroses.
Agora, você pode estar se questionando sobre como saber a diferença entre
os tipos de articulação.
A primeira forma que classificamos é pelo tipo de elementos que compõem
essa articulação.
Vamos conhecer agora, mais detalhadamente, cada uma delas.
Articulações Fibrosas ou Sinartroses
Neste tipo de articulação as estruturas são mantidas unidas por tecido
conjuntivo fibroso, localizado em uma camada intermediária.
As articulações fibrosas são consideradas quase imóveis devido a não
apresentarem mobilidade ou, em alguns casos, ter movimentação mínima.
 Exemplo de articulação fibrosa. | Fonte:
Sobotta, 2012
Este tipo de articulação é dividido em dois tipos principais (alguns autores
consideram três), que são:
Sindesmoses
 Fonte: Sobotta, 2012
Apresentam ligamentos ou membranas interósseas formadas por uma
grande quantidade de tecido conjuntivo fibroso.
Um exemplo desse tipo de articulação é a membrana interóssea entre a
tíbia e a fíbula ou mesmo a articulação tíbio-fibular distal.
Suturas
 Fonte: Sobotta, 2012
Apresentam menor quantidade de tecido conjuntivo fibroso e forma
conexões mais curtas.
As suturas estão localizadas no crânio e se dividem em quatro formas,
conforme as superfícies ósseas articulares: plana, serrátil, escamosa e
esquindilese.
Nas suturas planas as superfícies articulares são planas ou quase
planas, resultando em uma linha reta após a junção.
Nas suturas serrátil, também conhecidas como denteadas, as
superfícies articulares lembram uma serra com seus dentículos. A sua
linha de junção é semelhante ao encontro de duas serras.
As suturas escamosas e as superfícies articulares se sobrepõem umas
às outras, semelhante às escamas dos peixes.
Já as suturas do tipo esquindilese e as superfícies ósseas se articulam
como se fossem a crista de um osso se alojando na fenda de outro osso.
Gonfoses
Esse tipo de articulação se assemelha à fixação de um pino, com origem
do grego gomphos (que significa prego, pino). Neste tipo um processo
está inserido em uma cavidade, um exemplo clássico é a fixação dos
dentes nos processos alveolares. Alguns autores preferem abordar as
gonfoses dentro das suturas.
Articulações cartilaginosas ou anfiartroses
Neste tipo de articulação os ossos possuem pouca movimentação, devido ao
seu constituinte. Pode-se afirmar que produzem movimentos elásticos, pois
ocorre um retorno natural ao seu estado inicial após o movimento.
Este tipo de articulação pode ser dividido em dois subtipos, baseado na
natureza da camada que se interpõe entre as superfícies articulares, que são:
a) Sincondrose
Nas articulações desse tipo a camada entre as superfícies articulares é
preenchida por cartilagem hialina. Essas articulações podem ser permanentes
ou temporárias.
Como o próprio nome já diz as sincondroses permanentes ficam durante toda
a nossa vida sem ocorrer junção definitiva das superfícies.
Exemplo: as cartilagens costais que movimentam a caixa torácica.
 Fonte: Sobotta, 2012
Já nas articulações sincondroses temporárias ocorre a sinostose, que é a
soldadura das superfícies ósseas.
Um exemplo desse tipo de articulação são as placas ou os discos epifisários
existentes nos ossos longos para que ocorra o crescimento do indivíduo.
Essas placas quando atingimos a idade adulta, entre 18 e 25 anos, param de
crescer e com isso se transformam em osso sólido.
 Fonte: SCIELO | Disponível em:
https://scielo.conicyt.cl/
<https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S0370-
41062013000600011> . Acesso em: 01 ago.
2018
Alguns adolescentes apresentam uma doença na
placa existente no tubérculo da tíbia. Nessa
idade, ainda não é uma tuberosidade. É a doença
de Osgood-Schlatter.

Saiba mais
Leia o texto Doença de Osgood-Schlatter: o que é, quais são as
causas e como tratar?
<http://www.portalped.com.br/blog/especialidades-da-
pediatria/pediatria-geral/doenca-de-osgood-schlatter/>
b) Sínfises
As articulações cartilaginosas do tipo sínfises possuem as características de
terem camada de fibrocartilagem espessa recobrindo as superfícies
articulares, ressaltando que estas superfícies já recebem uma fina camada de
cartilagem hialina.
Os discos intervertebrais são exemplos clássicos de articulações do tipo
sínfise. Diferente das sincondroses, não ocorre sinostose nas sínfises, exceto
em casos patológicos.
 Fonte: Fonte: Netter, 2008
Articulações Sinoviais ou
Diartroses
As articulações sinoviais possuem um tecido conjuntivo vascular responsável
pela formação da membrana sinovial. Essa membrana é responsável por
secretar a sinóvia, o líquido sinovial, tendo como principal função lubrificar a
articulação.
Estas articulações possuem amplitude de movimento variáveis, que pode ser
limitada pelos ligamentos, músculos, tendões e até mesmo pelo formato das
superfícies ósseas articulares.
Além da membrana sinovial e do líquido sinovial, as articulações sinoviais
apresentam outros componentes específicos. São eles:
Cavidade
articular
Neste tipo de articulação

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.