A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
Aula%2002%20(1)

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material Aula%2002%20(1) - página 1
Pre-visualização do material Aula%2002%20(1) - página 2
Pre-visualização do material Aula%2002%20(1) - página 3

Aula%2002%20(1)

CLÍNICA PSICANALÍTICA
Aula 02: Breve história da clínica psicanalítica
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
HISTERIA NA PSICANÁLISE
1
AS INFLUÊNCIAS 
DE CHARCOT
2
PRÓXIMOS 
PASSOS
Histeria como paradigma
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
A histeria
Freud — 1856-1939 (Sigmund Freud)
 O caso que trouxe a possibilidade da cura pela fala com Freud foi o da Sra. Emmy von N . (Fanny Moser - 1889 ) que tinha fobia de animais . 
O tratamento durou 6 semanas . 
A Sra. Emmy pediu que Freud parasse de fazer perguntas e a deixasse falar. (QUINODOZ, 2007)
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
Freud — 1856-1939
Em 1892, Miss Lucy R. não estava respondendo à hipnose e Freud passou a aplicar o método da associação livre para o seu problema de não sentir odores e suas alucinações olfativas. Freud identifica as causas dos sintomas histéricos pelo desejo reprimido da consciência de estar apaixonada por seu patrão. 
 Katharina, em 1893, tinha problemas de sufocação acompanhados da visão de um rosto assustador e foi consultada por Freud. Foi o caso em que Freud mostrou o papel dos traumatismos sexuais na origem dos sintomas histéricos quando elucidou que Katharina presenciara uma relação sexual de seu tio com sua prima 2, anos antes do aparecimento dos sintomas, tio esse que já havia tentado seduzi-la. (QUINODOZ, 2007)
A histeria
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
Freud — 1856-1939 
Srta. Elisabeth von R. (Ilona Weiss) foi a primeira paciente para quem Freud fez a análise completa de um caso de histeria. Freud tratou dela do outono de 1892 ao mês julho de 1893. Ela sofria de dores violentas nas pernas e distúrbios da marcha que apareceram pela primeira vez quando ela tratava do pai doente. O pai e, em seguida a irmã, morreram. Freud dividiu seu tratamento em três fases: 
1ª fase – impossibilidade de estabelecer uma relação entre os seus sintomas e a causa desencadeante não aceitando a hipnose. 
A histeria
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
Freud — 1856-1939
2ª fase – recorreu ao procedimento de pressão na cabeça pedindo que lhe falasse o que viesse à mente. Sua lembrança foi a de uma rapaz por quem ela estava enamorada e teve que abrir mão dele para tratar do pai. Com esta lembrança, a própria paciente descobriu o motivo da primeira conversão (o pai apoiava a perna na sua coxa onde a conversão começou). Nesse momento, Freud ganhou confiança em seu método e se deu conta da resistência. 
3ª fase – os sintomas retornaram e Freud manteve o trabalho até descobrir que a morte da irmã trouxe o pensamento de que seu cunhado estaria livre para ela. Sua consciência moral não permitia que ela amasse seu cunhado e então ela reprimiu esse desejo. Após essa descoberta ela ficou curada. (QUINODOZ, 2007)
A histeria
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
Freud — 1856-1939
Construção dos Conceitos 
Pelo estudo da histeria, Freud começa a perceber alguns de seus primeiros conceitos: 
Transferência – ele já apontava que Breuer não havia percebido que a gravidez psicológica de Anna O. era um processo de transferência feito por ela, do pai para o médico. 
Resistência – com a dificuldade da Srta. Elisabeth von R. de se recordar ou falar de lembranças que viessem em sua mente, Freud percebe a existência de um mecanismo com um tipo de censura inibindo os pensamentos no tratamento. 
Sedução infantil – no curto período de 1895 a 1897 Freud acreditava que suas pacientes realmente haviam sida abusadas na primeira infância, mas seus estudos posteriores o fazem perceber que isso, na verdade, só acontecia em fantasia. 
A histeria
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
Freud — 1856-1939 
Complexo de Édipo – com as histéricas e posteriormente com a sua autoanálise, Freud se dá conta que deseja a mãe e sente inveja do pai. A esse funcionamento inicialmente reprimido, ele irá chamar de Complexo de Édipo. 
Entre 1894-1899 
Freud continua a desenvolver seus estudos sobre histeria, fobia e obsessões nos seguintes textos:
1894 — As neuropsicoses de defesa 
1895 — Sobre os fundamentos para destacar da neurastenia uma síndrome específica denominada ‘neurose de angústia
1986 — Observações adicionais sobre as neuropsicoses de defesa
A histeria
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
Freud entre 1894 e 1899 
No segundo texto, ele delimita a neurose de angústia, hoje conhecida como síndrome do pânico. 
Em A sexualidade na etiologia das neuroses (1898), vai falar da importância da sexualidade no adoecimento. 
E, em Lembranças encobridoras (1899), fala da substituição de lembranças reprimidas por outras que ocupam o lugar dessas mantendo seu poder patogênico no inconsciente. (QUINODOZ, 2007)
A histeria
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
A histeria veio a contribuir largamente para o surgimento da Psicanálise, pois é na clínica da histeria que Freud começa a entrar em contato com as carências apresentadas pelas teorias e pelos métodos de estudo da mente. É a partir dessa clínica que ele começa a construir seu próprio método de análise.
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
Freud ingressou na faculdade de Medicina em 1873, quando tinha 17 anos. 
Desde o primeiro semestre, já se interessou por Fisiologia. Neste mesmo semestre, teve o seu primeiro contato com Brucke (psiquiatra e psicólogo alemão). Autor que desenvolveu a estrutura fisiológica específica na qual, mais tarde, tentou modelar suas descobertas psicológicas.
Essa carreira foi perpassada por dois grandes pontos: uma aversão pelo exercício da Medicina e seu gosto pelo trabalho no laboratório.
Devido a sua má condição financeira, porém, um ano e meio após se formar, Freud desligou-se de suas funções no laboratório de Brucke e foi ganhar a vida como médico. 
O PERCURSO DE FREUD
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
Ingressou no Hospital Geral de Viena, tendo trabalhado em diversos setores desta instituição, inclusive sob a orientação de Meynert (renomado professor de psiquiatria de Viena). Freud trabalhou com Meynert na clínica psiquiátrica por 5 meses.
Submeteu-se, então, a uma bolsa de pós-graduação em Paris, com Charcot, o principal nome no que dizia respeito às doenças nervosas. Este médico era consultor nacional e internacional nesta área, sendo também o chefe do setor de patologia da Salpêtrière.
O PERCURSO DE FREUD
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
O PERCURSO DE FREUD
Freud permaneceu de outubro de 1885 a fevereiro de 1886 como aluno na Salpêtrière, estudando com Charcot. 
O que mais impressionou Freud, em Paris, foram as investigações de Charcot a respeito da histeria (FREUD, 1925). Este último provara a autenticidade das manifestações histéricas; a obediência da histeria a leis específicas e definidas; a ocorrência desta doença também em homens e que era possível produzir-se paralisias e contraturas histéricas através da hipnose.
AULA 02: BREVE HISTÓRIA DA CLÍNICA PSICANALÍTICA
Clínica Psicanalítica
AULA 01: NOME DA AULA
Disciplina
O PROBLEMA DA HISTERIA
A noção de histeria é muito antiga, remonta à Antiguidade. Sua delimitação acompanhou as mudanças da história da Medicina.
Até a Idade Média, a histeria era considerada possessão, “coisa do diabo” e era tratada pelo padre ou pelo curandeiro. Com o avanço da Medicina, coloca-se