A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Clivagem, Blastogênese e Implantação

Pré-visualização | Página 1 de 2

Clivagem, Blastogênese e Implantação  
Clivagem  
Segmentação ou clivagem é uma série  
de divisões mitóticas , as células  
resultantes da segmentação do zigoto  
(sptz + ovócito) são chamados de  
blastômeros .   
2 blastômeros 4 blastômeros 8 blastômeros  
 
O processo de clivagem ocorre na tuba  
uterina.   
 
Compactação  
Processo que tem início após o zigoto  
apresentar 8 blastômeros. Os  
blastômeros mudam de forma e se  
compactam para dar origem a uma  
mórula que possui entre 12 e 32  
blastômeros).    
 
A zona pelúcida acompanha o embrião  
até a implantação no útero, impedindo  
que ele se fixe na tuba uterina.   
 
 
 
 
Blastogênese/Blastulação  
No interior da mórula forma uma  
cavidade repleta de líquido, chamada  
de cavidade blastocística/blastocele ,  
dando origem ao blastocisto/blástula .  
 
À medida que o líquido aumenta na  
cavidade, os blastômeros são divididos  
em camadas de células embrioblasto  
(massa celular interna) e trofoblasto  
(camada celular externa). É dividido em  
blasto inicial e blasto tardio (quando  
ocorre degeneração da zona pelúcida).   
 
1- Massa celular interna ou embrioblasto   
2- Cavidade blastocística ou blastocele  
3- Camada celular externa ou trofoblasto   
4- Zona pelúcida   
O trofoblasto é responsável pela  
formação de estruturas embrionárias  
da placenta, o embrioblasto possui  
função germinativa para formação do  
embrião propriamente dito e o  
blastocele preenchido por fluído.   
FreeText
@vettstudy.g
 
Eclosão do blastocisto   
O blastocisto deixa a zona pelúcida  
para que ocorra a implantação.   
 
Cada espécie possui diferenciação no  
dia da eclosão.   
 
Dia*: dias após a fertilização.  
Em vermelho: chegada ao útero.   
Implantação   
No estágio embrionário de blastocisto,  
o trofoblasto adquire a competência de  
se prender ao epitélio uterino, que foi  
propriamente exposto ao estrogênio e  
progesterona . O blastocisto flutuava  
livremente na cavidade antes de  
ocorrer a implantação . A implantação  
começa quando o blastocisto é  
colocado em contato físico com  
endométrio uterino, que é modificado  
por mecanismos fisiológicos.   
 
Possuindo três estágios:   
Aproximação : é quando o trofoblasto  
embrionário que fica bem próximo ao  
epitélio uterino.   
Adesão : ocorre a associação entre o  
trofoblasto e o epitélio uterino de  
modo a impedir o blastocisto de se  
deslocar.   
Imersão : é a invasão do epitélio uterino  
pelo trofoblasto. Ocorre a perda do  
epitélio.   
 
Na aproximação ocorre um edema  
generalizado do estroma uterino antes  
do início da aproximação. A  
progesterona (PG) e o estrogênio agem  
na receptividade endometrial  
permitindo a aproximação e  
implantação do embrião. Durante a  
implantação do blastocisto mais dois  
trofoblastos entram em contato com o  
endométrio e diferenciam-se em duas  
camadas: citotrofoblasto uma camada  
mononucleada de células,  
mitoticamente ativas, forma novas  
células do trofoblasto, que migram  
para crescente massa do  
sinciciotrofoblasto, onde se fundem e  
perdem as membranas celulares, e a  
camada sinciciotrofoblast o que é uma  
massa multinucleada em rápida  
expansão, na qual não são perceptíveis  
os limites celulares.   
FreeText
@vettstudy.g
 
A adesão coincide no aumento da  
permeabilidade vascular no local onde  
ocorre a fixação do blastocisto. O  
sinciciotrofoblasto de toda superfície do  
blastocisto tem o potencial de aderir  
ao epitélio luminal.   
 
E na imersão é estabelecida uma  
relação vascular definitiva com a mãe.  
O sinciciotrofoblasto começa a secretar  
enzimas no trato uterino (colagenase,  
estromelisina metaloproteases,  
aminopeptidases e plasminas).   
Com a implantação, o embrião fica  
dentro do endométrio e a abertura do  
epitélio uterino é revestida por um  
tampão (coágulo). A seguir ocorre a  
cicatrização do epitélio uterino e no  
tecido conjuntivo do endotélio há  
reação decidual para formar células  
decíduas.   
 
Reação Decidual  
Ocorre durante a implantação do óvulo  
na parede endometrial. Proliferação e  
diferenciação das células do estroma  
uterino em células da decídua ,  
ocorrendo resposta ao blastocisto. A  
reação de decidualização é sempre  
precedida de um aumento na  
permeabilidade vascular do  
endométrio. Sendo um processo  
dependente da progesterona (fase  
secretora do endométrio).  
Receptividade Uterina  
Período restrito no qual o útero permite  
a adesão do blastocisto em sua parede  
e os eventos subsequentes que  
permitem a implantação. Estudos com  
fertilização in vitro indicam que a  
receptividade do útero para  
implantação coincide com a maior  
produção de progesterona pelo corpo  
lúteo . A progesterona é de importância  
crucial na determinação da janela de  
implantação. A migração do blastocisto  
no útero é acompanhada por :  
proliferação do trofoblasto, a  
capacidade do trofoblasto digerir um  
caminho do tecido no tecido uterino,  
modificações na parede no trofoblasto  
de modo a favorecer o movimento do  
embrião sempre para o interior do  
tecido uterino, o blastocisto adentra a  
superfície endometrial que é  
gradualmente refeita: reação decidual  
que é importante para que o útero  
possa garantir o suprimento sanguíneo  
no embrião.   
Formação do Disco Embrionário  
Bilaminar  
Paralelo a implantação do blastocisto  
ocorrem mudanças morfológicas na  
massa celular interna, ou  
embrioblasto , que resultam na  
formação de um disco embrionário  
bilaminar composto por duas camadas:  
epiblasto e hipoblasto , que originam as  
camadas germinativas que formam  
todos os tecidos e órgãos do embrião.   
 
1- Epitélio uterino  
2- Hipoblasto   
FreeText
@vettstudy.g
3- Sinciciotrofoblasto   
4- Citotrofoblasto   
5- Epiblasto   
6- Cavidade blastocística  
Formação das Estruturas  
Extra-Embrionárias   
Cavidade amniótica com a progressão  
da implantação do blastocisto surge  
uma cavidade no embrioblasto, que é  
primórdio a cavidade amniótica.  
Células amnióticas/amnioblastos  
(formadoras do âmnio) se separam do  
epiblasto e se organizam para formar o  
âmnio (membrana que envolve a  
cavidade amniótica). O epiblasto forma  
o assoalho na cavidade amniótica e é  
contínuo com o âmnio.   
 
1- Sinciciotrofoblasto (massa)  
2- Citotrofoblasto   
3- Epiblasto   
4- Hipoblasto   
5- Cavidade blastocística   
6- Capilar materno   
7- Cavidade amniótica