A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Fonte e Cadeia de Infecção

Pré-visualização | Página 1 de 1

AULA 03- Fontes de Infecção e Cadeia de Transmissão das Doenças
Palavras-chave: Infecção, Hospedeiro, Agente Etiológico, Fontes de Infecção, Classificação das Fontes de Infecção, Vias de Transmissão.
Infecção: É o processo onde ocorre a invasão do organismo do hospedeiro, pelo agente biológico e sua multiplicação nele. 
Hospedeiro: É todo ser vivo que albergue um agente em seu organismo, propiciando alimento ou abrigo. 
Agente Etiológico: É a substância, elemento, fator, animado o inanimado que em contato com o hospedeiro seja capaz de iniciar ou perpetuar o processo doença. 
Ambiente: Composto por fatores físicos, biológicos e socioeconômicos que podem auxiliar na disseminação ou controle de agentes causadores de infecção. 
Exemplo Brucelose: O touro infectado transmite a bactéria para a fêmea durante a inseminação artificial, infectando-a. Esta vaca poderá transmitir a doença ao homem através do leite, derivados crus e carne crua, além de seus anexos fetais, secreções e o próprio feto, que além de contaminar o homem, disseminará o agente no ambiente, podendo atingir outros bovinos. 
Antes de estudar a cadeia epidemiológica da doença, deve-se ter conhecimento do agente:
- Quem hospeda e transmite? Como abandona o hospedeiro? Que recurso utiliza para alcançar um novo hospedeiro? Como se hospeda neste novo hospedeiro?
Fonte de Infecção: Qualquer hospedeiro vertebrado que esteja infectado por determinado agente etiológico e possa transmiti-lo. 
Classificação das Fontes de Infecção
Podem ser classificadas quanto à característica do agravo:
- Doentes: são hospedeiros que revelam sinais clínicos, ainda que indefinidos, devido aos agentes presentes em seu organismo.
- Doentes Típicos: apresentam sinais clínicos bastante característicos da doença. Ex.: Mixomatose em coelhos, Peste suína, Cólera aviária...
- Doentes Atípicos: apesentam sinais leves, pouco característicos da doença. Pode ser de extrema malignidade ou benignidade. 
- Doentes em Fase Prodrômica: Doentes em fase inicial. Sinais indefinidos ou não manifestados para diagnóstico clínico. 
- Portadores: São hospedeiros que albergam e eliminam o agente etiológico de uma doença, sem apresentar qualquer alteração de saúde, porém podendo transmiti-lo. 
- Portadores sadios: Não apresentam sinais clínicos da doença, e não estão em período de incubação, podendo eliminar o agente etiológico. 
- Portadores em Incubação: Funcionam como fontes de infecção antes do aparecimento dos sinais clínicos, e no período infeccioso apresentarão sinais clínicos. 
- Portadores Convalescentes: Eliminam o agente após cura clínica. 
- Comunicantes: Tiveram exposição à áreas que contenham o agente, mas não há como afirmar se o indivíduo esta infectado. 
- Reservatórios: Pode fazer parte dos doentes e reservatórios. Espécie adaptada e essencial para a manutenção do agente, ou seja, sem os reservatórios o agente não se mantem no ambiente.
TRANSMISSÃO DAS DOENÇAS
É o processo onde o indivíduo infectado transmite o agente infeccioso para um indivíduo sadio através ou não de intermediários vivos ou objetos. 
- Porta de Entrada: São consideradas como as vias, pelas quais o agente infeccioso, consegue penetrar no organismo animal. As principais são: respiratória, digestiva, conjuntival, galactófora (leite materno), onfaloflébica (umbigo), cutânea e genito-urinária. 
- Vias de Transmissão: 
1. Direta – Contágio: contato direto com o animal ou agente;
2. Indireta: ingestão (água e alimentos); inalação (partículas de aerossóis); contato (fômites e veículos).
-Veículos: Qualquer elemento que transporte determinado agente infeccioso. 
Animado: Ser vivo que possa transportar passivamente o agente infeccioso;
Inanimado: Elementos capazes de transportar o agente infeccioso (água, alimentos, seringas escovas etc.)
- Fômites: Veículos inanimados, contaminados que podem transportar o agente. 
- Vetores: Organismos vivos que propagam o agente etiológico, podem ser mecânicos ou biológicos.
Mecânicos: Relação acidental entre o agente e vetor, e tem função de apenas carregar o agente. 
Biológicos: O agente além de ser transportado, também se desenvolve no vetor.