A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
1424-leia-algumas-paginas

Pré-visualização | Página 1 de 3

33 FONOLOGIA
FONÉTICA
CAPÍTULO 1
FONOLOGIA
SUMÁRIO
A língua portuguesa • 1. Introdução • 1.1. Elementos da comunicação • 1.1.1. Emissor • 1.1.2. Re-
ceptor • 1.1.3. Mensagem • 1.1.4. Referente • 1.1.5. Código • 1.1.6. Canal de comunicação • 1.2. 
Exercício • 2. Gramática • 2.1. Fonologia • 2.2. Morfologia • 2.3. Sintaxe • 3. Fonologia • 3.1. Fonema 
• 3.2. Fonemas vocálicos • 3.2.1. Vogais • 3.2.2. Semivogais • 3.3. Fonemas consonantais • 3.4. En-
contros vocálicos • 3.4.1. Ditongo • 3.4.2. Tritongo • 3.4.3. Hiato • 4. Encontros consonantais • 4.1. 
Perfeitos • 4.2. Imperfeitos • 5. Dígrafo • 6. Sílaba • 6.1. Monossílaba • 6.2. Dissílaba • 6.3. Trissílaba 
• 6.4. Polissílaba • 7. Divisão silábica • 8. Fixando as regras de separação de sílabas • 9. Exercícios • 10. 
Questões de concursos
A LÍNGUA PORTUGUESA
A língua portuguesa, também designada português, é uma língua românica flexiva origi-
nada no galego-português falado no Reino da Galiza e no Norte de Portugal. A parte sul do 
Reino da Galiza se tornou independente, passando a se chamar Condado Portucalense em 
1095 (um reino a partir de 1139). Enquanto a Galícia diminuiu, Portugal independente se ex-
pandiu para o sul (Conquista de Lisboa, 1147) e difundiu o idioma, com a Reconquista, para o 
sul de Portugal e mais tarde, com as descobertas portuguesas, para o Brasil, África e outras par-
tes do mundo. O português foi usado, naquela época, não somente nas cidades conquistadas 
pelos portugueses, mas também por muitos governantes locais nos seus contatos com outros 
estrangeiros poderosos. Especialmente nessa altura a língua portuguesa também influenciou 
várias línguas.
É uma das línguas oficiais da União Europeia, do MERCOSUL, da União de Nações Sul-Ame-
ricanas, da Organização dos Estados Americanos, da União Africana e dos Países Lusófonos. 
Com aproximadamente 280 milhões de falantes, o português é a 5ª língua mais falada no mun-
do, a 3ª mais falada no hemisfério ocidental e a mais falada no hemisfério sul da Terra.
Durante a Era dos Descobrimentos, marinheiros portugueses levaram o seu idioma para 
lugares distantes. A exploração foi seguida por tentativas de colonizar novas terras para o Im-
pério Português e, como resultado, o português dispersou-se pelo mundo. Brasil e Portugal 
são os dois únicos países cuja língua primária é o português. Entretanto, o idioma é também 
largamente utilizado como língua franca nas antigas colônias portuguesas de Moçambique, 
Angola, Cabo Verde, Guiné Equatorial, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe, todas na África. 
Além disso, por razões históricas, falantes do português são encontrados também em Macau, 
no Timor Leste e em Goa.
O português é conhecido como “a língua de Camões” (em homenagem a uma das mais 
conhecidas figuras literárias de Portugal, Luís Vaz de Camões, autor de Os Lusíadas) e “a última 
flor do Lácio” (expressão usada no soneto Língua Portuguesa, do escritor brasileiro Olavo Bi-
lac). Miguel de Cervantes, o célebre autor espanhol, considerava o idioma “doce e agradável”. 
Em março de 2006, o Museu da Língua Portuguesa, um museu interativo sobre o idioma, foi 
fundado em São Paulo, Brasil, a cidade com o maior número de falantes do português em todo 
o mundo.1
1. Fonte: Enciclopédia Livre Wikipédia
Duda Nogueira 34
FONÉTICA
1. INTRODUÇÃO
Antes de iniciarmos os estudos, vamos a algumas defi nições para que possamos chegar a 
nosso objetivo sem que haja dúvidas. Chama-se gramática normativa a gramática que busca 
ditar ou prescrever as regras gramaticais de uma língua, posicionando as suas prescrições co-
mo a única forma correta de realização da língua e categorizando as outras formas possíveis 
como erradas.
A comunicação se baseia em elementos.
1.1. Elementos da comunicação
CANAL de ComuNiCAção
CÓDIGO
emiSSoR ReCeP-ToRSSoR
emiSSoR ReCePToR
RefeReNTe
meNSAGem
1.1.1. Emissor
O que emite a mensagem. 
1.1.2. Receptor
O que recebe a mensagem. 
1.1.3. Mensagem
O conjunto de informações transmitidas. 
1.1.4. Referente
O contexto da mensagem, o assunto de que ela trata. 
1.1.5. Código
A combinação de signos utilizados na transmissão de uma mensagem. A comunicação só 
se concretizará, se o receptor souber decodifi car a mensagem. 
1.1.6. Canal de Comunicação
Por onde a mensagem é transmitida. 
TV, rádio, jornal, revista, cordas vocais, ar… 
35 FONOLOGIA
FONÉTICA
1.2. Exercício
01. Elucide os elementos de comunicação na poesia de Fernando Pessoa.
Mar português
Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.
(Pessoa, Fernando)
a) emissor
b) receptor
c) mensagem
d) código
e) canal
f) contexto.
GABARITO
1
a) emissor: “nós, os portugueses”, indicado por meio de verbos e pronomes demarcados na 1ª pes-
soa do plural.
b) receptor: o mar
c) mensagem: o poema, retratado na íntegra
d) código: a língua portuguesa
e) canal: a linguagem escrita
f) contexto: o mar português.
2. GRAMÁTICA
A gramática é dividida em: fonologia, morfologia e sintaxe.
2.1. Fonologia
Estudo dos fonemas, letras, pontos de articulação.
2.2. Morfologia
Estuda a composição dos vocábulos, estudo das classes de palavras e gramaticais.
Duda Nogueira 36
FONÉTICA
2.3. Sintaxe
Relação entre as palavras de uma oração ou relação entre as orações de um período.
• de concordância – verbal (sujeito e verbo) e nominal (substantivo em relação ao artigo, 
adjetivo, numeral etc.);
• de regência – verbal (verbo pedindo preposição ou não) e nominal (nome acompanhado 
de preposição);
• de colocação – trata da colocação de certas palavras na frase.
• pronominal: próclise, mesóclise, ênclise.
Iniciaremos, agora, nosso estudo, objetivando o aprendizado paulatino e completo de 
nossa língua portuguesa.
3. FONOLOGIA
Fonologia (do Grego phonos = voz/som e logos = palavra/estudo) é o ramo da Lin-
guística que estuda o sistema sonoro de um idioma, do ponto de vista de sua função no 
sistema de comunicação linguística. Esta é uma área muito relacionada com a Fonética, 
mas as duas têm focos de estudo diferentes. Enquanto a Fonética estuda a natureza física 
da produção e da percepção dos sons da fala (chamados de fones), a Fonologia preocupa-
-se com a maneira como eles se organizam dentro de uma língua, classificando-os em 
unidades capazes de distinguir significados, chamadas fonemas.2
Fossas nasais
LÍnGUa
ÚVULa
FaRÍnGE
FaRÍnGE
LaRinGE
CoRDas 
VoCais
EPiGLoTE
CanaL 
REsPiRaTóRio
aBóBaDa 
PaLaTina
VÉU 
PaLaTino
aLVÉoLos
LáBio
sUPERioR
DEnTEs
sUPERioREs
DEnTEs
inFERioREs
LáBio
inFERioR
PaLaTo
2. http://pt.wikipedia.org/
37 FONOLOGIA
FONÉTICA
FONOLOGIA
som – 
letra 
vogal – 
semivogal
hiato 
ditongo:
• crescente
• decrescente
• oral
• nasal
tritongo: 
• oral
• nasal
consoante
perfeito 
imperfeito 
sílaba
dissílaba, 
trissílaba , 
polissílaba 
átona 
tônica
oxítona 
paroxítona 
proparoxítona 
3.1. FONEMA 
É a menor unidade sonora que pode ser isolada no interior de uma palavra. Sua função é 
diferenciar as palavras de uma língua.
Caro
carro
bola
bela
dia
tia
3.2. Fonemas vocálicos
A, E, I, O, U. Dividem-se em dois grupos:
3.2.1. Vogais
Por se tratar do emprego dos sons, as vogais são pronunciadas fortemente. 
Facilitando: em toda sílaba há uma vogal. O número de vogal é exatamente igual ao 
número de sílaba.
Note a diferença: 
PA ÍS PA IS
vogal vogal vogal semivogal
Duda Nogueira 38
FONÉTICA
3.2.2. Semivogais
São pronunciadas fracamente e para que existam, é necessária a vogal. Por isso é semi. 
São os sons de I e U. Cuidado porque em várias palavras da língua portuguesa, E = i e O = u. 
MAU
vogal + semivogal
PÃO
vogal + semivogal
A pronúncia do o = u.
3.3. Fonemas consonantais
B, C, D, F, G, H,