A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
44 pág.
ATLAS DE ANATOMIA HUMANA

Pré-visualização | Página 3 de 5

de células musculoesqueléticas, denominadas fibras musculares 
devido à sua forma alongada. Os tecidos conjuntivos circundam as fibras 
musculares e os músculos inteiros, nos quais penetram os vasos sanguíneos e 
os nervos. 
Estruturas dos Músculos 
O termo fáscia é aplicado a uma lâmina ou faixa larga de tecido fibroso sob a 
pele ou em torno dos músculos e outros órgãos do corpo. Existem dois tipos de 
fáscia: (1) Tela subcutânea ou tecido subcutâneo, que é composta de tecido 
conjuntivo areolar e tecido adiposo e está imediatamente abaixo da pele. (2) 
Fáscia dos músculos, mais importante para o estudo dos músculos, composta 
de tecido conjuntivo denso não-modelado. Essa fáscia mantém os músculos 
unidos, separando-os em grupos funcionais. 
Vários revestimentos de tecido conjuntivo estendem-se a partir da fáscia dos 
músculos. O músculo inteiro é recoberto pelo epimísio, a qual pode ser mais 
espessa e forte ou fina e relativamente fraca. O perimísio circunda os feixes de 
10 a 100 ou mais fibras musculares denominadas fascículos. Finalmente, o 
endomísio, que envolve cada fibra muscular individual. O epimísio, o perimísio 
e o endomísio estendem-se além do músculo como um tendão – um cordão de 
tecido conjuntivo denso modelado composto de feixes paralelos de fibras 
colágenas. Sua função é fixar um músculo a um osso. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Anatomia Humana – Profª Ingrid Jardim 20 
 
Contração Muscular 
 
O movimento intencional é uma característica fundamental do comportamento 
humano. O movimento é realizado pela contração dos músculos, colocando em 
ação um intrincado sistema de alavancas e polias formado por ossos, 
ligamentos e tendões. 
 
Todos os tipos distintos de tecidos musculares apresentam as seguintes 
características em comum (Braun & Simonson, 2007): 
 
1- Contratilidade: as fibras musculares alongadas se contraem melhor que 
uma célula quadrada ou redonda, criando assim tensão; 
2- Excitabilidade: as fibras são capazes de reagir a um impulso nervoso; 
3- Extensibilidade: os músculos podem se estender além de seu comprimento 
normal de repouso. 
Além de movimentar o esqueleto e as estruturas de tecido conjuntivo, os 
músculos também ajudam a movimentar o sangue e a linfa. 
 
Tipos de Fibras 
 
Fibras tipo I 
- fibras de contração lenta ou oxidativo lento; 
- associada ao metabolismo aeróbico fadigam mais lentamente; 
- velocidade de contração lenta; 
- rica em mioglobina e mitocôndrias; 
- tem como principal fonte de ATP a fosforilação oxidativa. 
 
Fibras tipo IIa 
- intermediária vermelha; 
- alto conteúdo de mioglobina e mitocôndrias; 
- velocidade de contração intermediária; 
- velocidade de fadiga intermediária; 
- principal fonte de ATP fosforilação Oxidativa. 
 
Fibras tipo IIb 
- branca; 
- baixa concentração de mioglobinas e mitocôndrias; 
- velocidade de fadiga rápida; 
- principal fonte de ATP glicólise. 
Fusos Musculares 
São encontrados dentro dos músculos e são considerados órgãos pequenos, 
porém complexos e com múltiplas funções. 
São compostos de fibras denominadas intrafusais e fibras extrafusais. 
Os fusos musculares são especialmente abundantes nos pequenos músculos 
da mão e do pé, embora também em grande número nos músculos dos braços 
e pernas. 
 
De maneira geral, os fusos possuem inervação aferente e eferente, 
funcionando como um receptor ao estiramento, enviando impulsos sensitivos 
por axônios aferentes, e contêm também fibras contráteis que são controladas 
Anatomia Humana – Profª Ingrid Jardim 21 
 
por impulsos nervosos que os atingem via axônios motores de pequeno 
diâmetro a partir da medula espinhal. O grau de encurtamento das porções 
contráteis do fuso muscular regula a sensibilidade da porção receptora a 
estiramento do fuso muscular. Em essência, conforme os neurônios motores α 
causam contração das fibras extrafusais, a descarga dos neurônios motores ү 
causa contração das fibras intrafusais. 
 
A contração das fibras intrafusais proporciona uma faixa de variação ajustável 
da sensibilidade para comprimentos mutáveis do músculo. 
 
Órgãos Tendinosos de Golgi (OTG) 
 
Os órgãos tendinosos de Golgi residem dentro dos tendões dos músculos, 
perto do ponto de inserção da fibra muscular no tendão. O OTG é estimulado 
pela tensão produzida pelo pequeno feixe de fibras musculares. Os impulsos 
nervosos descarregados pelo OTG são transmitidos por grandes axônios 
aferentes de condução rápida à medula espinhal e cerebelo. 
A chegada dos impulsos do OTG na medula espinhal excita os interneurônios 
inibidores que inibem os neurônios Aα do músculo em contração, limitando a 
força desenvolvida àquela que pode ser tolerada pelos tecidos que estão sendo 
tencionados. 
 
Neurotransmissores 
 
Os neurônios enviam sinais de controle a outros neurônios ou aos músculos 
liberando substâncias químicas, chamadas neurotransmissores. Cada vez que 
um impulso chega à sinapse, neurotransmissores são liberados. 
Fisiologicamente a sinapse química entre dois neurônios pode ser excitadora 
ou inibidora. As excitadoras causam despolarização da membrana pós-
sináptica, fazendo com que o neurônio dispare um ou mais impulsos nervosos. 
A sinapse inibidora causa hiper polarização da membrana pós-sináptica que 
tende a manter inativo o neurônio pós-sináptico. 
A transmissão do impulso nervoso à placa motora é ampliada pela ação da 
acetilcolina. Tal mecanismo representa um sistema de amplificação que faz 
com que um fraco impulso nervoso estimule uma grande fibra muscular. A 
acetilcolina secretada faz com que a fibra muscular gere seu próprio impulso. 
Dessa forma, cada impulso nervoso, na verdade pára na placa motora e, em 
seu lugar, começa um impulso inteiramente novo no músculo. 
 
Potencial em Ação 
 
Quando um sinal é transmitido ao longo de uma fibra nervosa, o potencial de 
membrana passa por uma série de variações que, no seu conjunto, são 
chamados de potencial de ação. 
 
O potencial de ação pode ser produzido por qualquer fator que aumente 
bruscamente a permeabilidade da membrana aos íons sódio, que carregados 
positivamente, penetram no interior da fibra modificando o estado antes 
negativo de seu interior e desencadeando o potencial de ação. Esse primeiro 
Anatomia Humana – Profª Ingrid Jardim 22 
 
estágio do potencial de ação é chamado de despolarização. A volta a valores 
negativos de repouso é chamada de repolarização. 
 
Fadiga Muscular 
 
A interrupção do fluxo de sangue para o músculo em contração causa a fadiga 
muscular quase completa em um minuto, mesmo quando o músculo não está 
ativo, devido à perda óbvia do fornecimento de nutrientes. 
 
O mecanismo da fadiga muscular ocorre em razão de ação prolongada da 
atividade muscular resultante, principalmente, da incapacidade de processos 
contráteis e metabólicos da fibra muscular, que não consegue produzir a 
mesma quantidade de trabalho. É importante ressaltar que as funções 
nervosas funcionam normalmente, os impulsos quase sempre passam pela 
placa motora para fibra nervosa e até potenciais de ação são gerados e 
passam pelo trajeto da fibra muscular, mas a depleção de ATP nas próprias 
fibras torna a contração gradativamente mais fraca. 
 
Cãibras e Espasmos 
 
A cãibra é uma contração forçada, dolorosa e involuntária das fibras 
musculares, podendo ser causadas por trauma, sobrecarga, perda de líquido, 
desequilíbrio hidroeletrolítico ou temperaturas extremas (Braun & Simonson, 
2007). Segundo os autores, as cãibras podem ser aliviadas por meio da 
massagem com gelo, que reduz os impulsos nervosos e a atividade celular dos 
fusos musculares, ou por meio de inibição recíproca, manipulação direta ou 
compressão. 
 
Tanto as câimbras quanto os espasmos ocorrem quando um músculo 
esquelético sofre contração involuntária e não relaxa imediatamente. Os 
espasmos são

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.