quadrado_comparativo_algas
5 pág.

quadrado_comparativo_algas


DisciplinaVegetais Inferiores (talófitos)215 materiais267 seguidores
Pré-visualização1 página
ALGAS \u2013 Quadro comparative 
 
 Chlorophyta Euglenophyta Rhodophyta Phaeophyta Bacillariophyta Dinophyta 
Ocorrencia Cosmopolita, 
90% de água 
doce (plâncton). 
Marinha \u2013 
bentônica. 
Algumas formas 
terrestres 
Ambiente 
marinho ou 
água doce 
Maioria marinha 
bentônica com 
poucas espécies 
de água doce 
Maioria de 
águas frias. 4-5 
gêneros de 
água doce, 
restante 
marinho 
Marinho \u2013 
planctônico; 
água doce; 
abientes 
terrestre úmido 
Marinho \u2013 planctônico; 
Água doce 
Morfologia Unicelulares, 
colônias, 
filamentosas e 
parenquimatosas 
A maioria é 
unicelular, 
existindo 
apenas um 
gênero colonial 
(Colacium) 
 
A maioria é 
multicelular, 
existindo poucos 
gêneros 
unicelulares. 
Predominam as 
formas 
filamentosas 
(cilíndrica), 
porém existem 
também as 
formas 
parenquimatosas 
e foliáceas 
Não existem 
formas 
coloniais , nem 
unicelulares. As 
mais simples 
são 
pluricelulares 
microscópicas 
epífitas . As 
mais 
complexas 
podem atingir 
até 60 m de 
comprimento 
Grande maioria 
das diatomáceas 
é unicelular, 
porém existem 
formas coloniais 
 
Grande maioria dos 
dinoflagelados são 
unicelulares biflagelados 
 
Parede 
celular 
Celulose, 
pol[imeros de 
xilose e manose 
\u2013 depósito de 
carbonato de 
cálcio em alguns 
gêneros 
parede celular 
ausente \u2013 
internamente à 
membrana 
plasmática 
existe uma 
película protéica 
Celulose, agar e 
carragenano. 
Podem 
apresentar 
deposito de 
carbonato de 
cálcio. 
Celulose, acido 
alginico e 
fucoidina 
Grande maioria 
das diatomáceas 
é unicelular, 
porém existem 
formas coloniais 
 
Corpo formado por 
placas de celulose rígid a 
que formam uma parede 
rígida (teca), a qual se 
assemelha a um 
estranho capacete ou 
parte de uma armadura 
organizada 
espiraladamente 
 
antiga 
 
Pigmentos Clorofila a e b, e 
carotenóides, 
sendo o principal 
a luteína 
(xantofila) e 
beta-caroteno. 
Clorofila a e b 
xantofilas 
(neoxantinas e 
anteraxantina) 
e carotenos 
(principalmente 
beta-caroteno) 
 
Cloroplastos 
disc[oides ou 
ovais. Clorofila a 
e d, 
carotenóides \u2013 
beta-caroteno, 
xantofilas, 
zeatina, luteina 
etc. Ficobilinas 
(b,r e c-
ficoeritrina, 
aloficocianina e c 
e r-ficocianina) 
Clorofila a, c1 e 
c2. Carotenos 
(beta-
caroteno), 
fucoxantina 
Pigmentos \u2013 
possuem 
clorofila a, c1 e 
c2. O 
carotenoide 
predominante é 
a fucoxantina, 
um pigmento 
marron. Possui 
também beta- 
caroteno e 
outras 
xantofilas. 
 
Clorofila a, c2 
xantofilas (peridinina, 
neoperidinina,dinixantin
a, etc.) e carotenos 
(principalmente beta-
carotenos) 
 
Reserva Amido que é 
armazenado no 
cloroplasto 
reserva \u2013 grãos 
de paramido 
que se 
acumulam no 
citoplasma 
 
Amido das 
florídeas que é 
armazenado no 
citoplasma 
Polissacarídeos 
de tipo 
laminarina e 
manitol que 
ocorrem no 
citoplasma 
Crisolaminarina, 
que se acumula 
em vesículas 
no citoplasma. 
Também 
apresenta 
óleos, que são 
encontrados 
nos 
cloroplastos ou 
no citoplasma 
 
Principais produtos de 
reserva são amido e 
óleo 
 
Flagelos Flagelos na fase 
vegetativa, 
Possuem um ou 
dois flagelos 
Ausência de 
flagelos 
Flagelos nos 
gametas e/ou 
Presentes 
apenas em 
Presença de um sulco 
que une circunda o 
reprodutiva ou 
em ambas 
esporos gametas 
masculinos da 
Ordem 
Centrales, em 
número de um 
 
corpo como uma cinta e 
outro perpendicular ao 
primeiro, sendo que os 
dois flagelos batem 
dentro desses sulcos 
 
Reprodução Vegetativa, 
espórica e 
gamética 
Vegetativa \u2013
divisão 
longitudinal da 
célula 
Gamética e 
meiose \u2013 
ausente 
Transforma-se 
em cisto, 
quando as 
condições 
ambientais 
tornam-se 
desfavoráveis 
 
Vegetativa, 
esporica e 
gametica 
Vegetativa, 
esporica e 
gametica 
Vegetativa , 
espórica e 
gamética 
 
Reprodução vegetativa 
através de simples 
divisão 
 Reprodução sexuada 
através da formação de 
gametas (isogamia ou 
anisogamia) 
 
Ciclo de 
vida 
Haplobionte 
diplonte, 
haplobionte 
haplonte, 
diplobionte 
isomórfico e 
diplobionte 
heteromorfico 
 Diplobionte 
heteromorfico 
Haplobionte 
diplonte, 
diplobionte 
isomórfico e 
diplobionte 
heteromorfico 
Ordem 
Centrales \u2013 
haplobionte 
diplonte \u2013 
oogâmica 
 gameta 
masculino com 
flagelo - 
anterozóide 
Ordem Pennales 
Ciclo de vida 
Haplobiontes haplontes 
 
\u2013 haplobionte 
diplonte \u2013 
isogamia 
 
Importância 
econômica 
Alimentação 
(Ulva, Caulerpa, 
Enteromorpha, 
Monostroma) 
Beta-caroteno - 
Dunaliela 
 Alimentacao \u2013 
Porphyra (nori) 
Eucheuma spp. 
\u2013 agar-agar 
Carragenanos 
Agar 
Ficobiliproteinas 
\u2013 marcadores 
fluorescentes - 
Porphyra 
Porphyra - 
vermiffugo 
Alimentação \u2013 
Laminaria 
japonica \u2013 
komku, 
Undaria 
pinnatifida \u2013 
wakame, 
Alginatos 
Laminaria \u2013 
cura de bocio 
Uso extensivo 
como filtro de 
líquidos, 
especialmente 
em refinarias de 
açúcar, e como 
isolante térmico 
em caldeiras 
Empregados 
também como 
abrasivo - 
diatomito 
Utilizado na 
análise da flora 
fóssil e 
conseqüente 
dedução da 
temperatura e 
alcalinidade das 
águas de 
tempos 
passados 
Utilizadas como 
indicadores de 
camadas que 
podem conter 
petróleo e gás 
 
 natural 
Certas 
diatomáceas 
estão 
associadas com 
a produção de 
ácido domóico 
(neurotoxina) 
que pode ser 
acumulado em 
moluscos 
causando 
envenenamento 
dos seres 
humanos