acordo-ortografico
16 pág.

acordo-ortografico

Disciplina:TEORIA DA LITERATURA I379 materiais26.983 seguidores
Pré-visualização3 páginas
editora dom bosco

dom bosco eXPLica o QUe mUdoU
Na ortoGraFia brasiLeira

Novo acordo
ortográfico

�
n
ov

o
a

co
rd

o
or

to
g

rá
fi

co
ed

it
or

a
 d

om
 b

os
co senhores diretores, coordenadores, professores, pais,

alunos e demais interessados:

com muita satisfação a editora dom bosco preparou

esta cartilha para você entender o que muda na língua

portuguesa segundo o novo acordo ortográfico. com o

objetivo de auxiliar nossas instituições parceiras e buscan-

do o constante aperfeiçoamento de todos os envolvidos

no processo educacional, procuramos demonstrar, de

forma clara e objetiva, quais as principais alterações in-

troduzidas na ortografia do nosso idioma. ressalte-se que

estamos longe da pretensão de sanar aspectos polêmicos

das novas regras, mesmo porque, conforme previsto no

acordo, eventuais dúvidas devem ser esclarecidas com a

publicação da nova edição do Vocabulário Ortográfico da

Língua Portuguesa (Volp).

apresentaçãoapresentação

apresentação

�
n
ov

o
a

co
rd

o
or

to
g

rá
fi

co
ed

it
or

a
 d

om
 b

os
co

novo acordo ortográficonovo acordo ortográfico
Pelo decreto no. 6.583, de 29 de setembro de 2008, o

presidente Luiz inácio Lula da silva promulgou o acordo

ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa,

em 16 de dezembro de 1990.

o acordo privilegia a língua escrita, fixando e deli-

mitando uma unidade linguística expressiva, sem atingir

qualquer aspecto da língua falada. embora não suprima

a totalidade das diferenças ortográficas do idioma, cons-

titui significativo avanço em direção à unificação da es-

crita dos países que adotam a língua portuguesa como

idioma oficial, evitando, assim, sua desagregação.

apesar dos inúmeros pontos controversos e obscuros

no texto do acordo, bem como das dúvidas e ambiguida-

des ainda evidentes, seu principal objetivo é instituir uma

ortografia oficial única da língua portuguesa e, com isso,

aumentar seu prestígio internacional, pondo fim às diver-

gências entre a norma ortográfica oficial brasileira e a de

outros países que adotam a língua portuguesa: Portugal,

angola, cabo Verde, Guiné-bissau, moçambique e são

tomé e Príncipe.

novo acordo ortográfico

�
n
ov

o
a

co
rd

o
or

to
g

rá
fi

co
ed

it
or

a
 d

om
 b

os
co ALFABETO

as letras k, y e w passam a fazer parte do alfabeto,

que volta a compor-se de 26 letras, não 23.

Utilizam-se as letras k, y e w em siglas, símbolos,

nomes próprios, palavras estrangeiras e seus derivados.

ACENTUAÇÃO
1. Trema (¨)

Não existe mais o trema em língua portuguesa. man-

tém-se apenas em palavras estrangeiras, nomes próprios

e seus derivados.

ortografia em práticaortografia em prática

¬ km, kg, Kibon

¬ Yara, byron, byroniano

¬ watt, show, Wagner

a b c d e F G H i J K L m N o P Q r s t U V W X Y Z

¬ consequência, frequência, tranquilo, aguentar,

linguiça, cinquenta, pinguim, linguista

¬ Hübner, hübneriano, müller, mülleriano

ortografia em prática

�
n
ov

o
a

co
rd

o
or

to
g

rá
fi

co
ed

it
or

a
 d

om
 b

os
co

ortografia em prática
2. Ditongos abertos (éi, ói)

Não são mais acentuados em palavras paroxítonas.

Obs.: continuam acentuados os ditongos abertos éi,

éu e ói, seguidos ou não de s, dos monossílabos tôni-

cos e oxítonos.

¬ anéis, céu, herói, papéis, corrói, troféu

3. Hiatos

os hiatos oo e ee não são mais acentuados.

4. Acento diferencial

Não existe mais acento diferencial em palavras

homógrafas.

¬ assembleia, boleia, colmeia, coreia, estreia,

epopeia, hebreia, ideia, plateia, panaceia

¬ apoio e apoia (verbo apoiar), boia, heroico, jiboia,

paleozoico, paranoico, tramoia

¬ enjoo, voo, coroo, perdoo, magoo, abençoo, coo,

moo, povoo

¬ creem, deem, leem, veem, descreem, releem,

reveem

¬ para (verbo e preposição)

¬ pela (substantivo e verbo), pelo (substantivo e

verbo)

¬ pera (substantivo)

¬ polo (substantivo)

ortografia em prática

ortografia em prática

�
n
ov

o
a

co
rd

o
or

to
g

rá
fi

co
ed

it
or

a
 d

om
 b

os
co Observação

a) continua o acento diferencial em pôde (verbo po-

der, 3a. pessoa do singular do pretérito perfeito do

indicativo), para diferenciar de pode (verbo poder,

3a. pessoa do singular do presente do indicativo);

e em pôr (verbo), para diferenciar de por (preposi-

ção).

b) Permanecem os acentos que diferenciam singular

e plural dos verbos ter e vir, bem como de seus de-

rivados (manter, deter, conter, reter, advir, convir,

intervir, etc.).

¬ o garoto tem vários carrinhos.

 os garotos têm vários carrinhos.

¬ aquela moça vem de curitiba.

 aquelas moças vêm de curitiba.

¬ o professor mantém a ordem.

 os professores mantêm a ordem.

¬ o advogado intervém em todos os processos.

 os advogados intervêm em todos os processos.

c) É facultativo o emprego do acento diferencial em

dêmos (verbo dar, 1a. pessoa do plural do presen-

te do subjuntivo, para diferenciar de demos (verbo

dar, 1a. pessoa do plural do pretérito perfeito do in-

dicativo; e em fôrma (substantivo), para distinguir

de forma (substantivo ou 3a. pessoa do singular do

presente do indicativo ou 2a. pessoa do singular do

imperativo afirmativo).

ortografia em práticaortografia em prática

ortografia em prática

�
n
ov

o
a

co
rd

o
or

to
g

rá
fi

co
ed

it
or

a
 d

om
 b

os
co5. i e u tônicos

elimina-se o acento agudo de i e u constituindo hiato

tônico apenas quando eles estão precedidos de ditongo.

Não é o caso de saúde, saída, juízes, por exemplo.

6. u tônico

elimina-se o acento agudo do u tônico nas formas

verbais rizotônicas, quando precedido de g ou q e segui-

do de e ou i (gue, gui, que, qui).

Obs.: ainda levam acento o i e u tônicos de palavras

oxítonas, precedidos de ditongo e em posição final,

mesmo seguidos de s.

¬ Piauí, tuiuiú, tuiuiús

¬ baiuca, boiuna, bocaiuva, cheiinho, saiinha,

feiura, feiume

¬ averigue, apazigue, enxague, argui, obliquem

ortografia em práticaortografia em prática

ortografia em prática

�
n
ov

o
a

co
rd

o
or

to
g

rá
fi

co
ed

it
or

a
 d

om
 b

os
co UsO dO híFEN

embora ainda causem polêmica em vários aspectos,

as regras para uso do hífen servem para palavras forma-

das por prefixos ou elementos que podem funcionar como

prefixos: aero, agro, além, ante, anti, aquém, arqui, auto,

circum, co, contra, eletro, entre, ex, extra, geo, hidro, hiper,

infra, inter, intra, macro, micro, mini, multi, neo, pan, pluri,

proto, pós, pré, pró, pseudo, retro, semi, sobre, sub, super,

supra, tele, ultra, vice, etc.

1. Com hífen

a) quando o prefixo estiver diante de palavra iniciada

por h.

b) quando o prefixo termina por consoante e o elemen-

to seguinte começa pela mesma consoante.

¬ anti-herói, anti-higiênico, extra-humano,

semi-herbáceo, sobre-humano, super-homem,

macro-história, mini-hotel

¬ hiper-realista, hiper-requintado,

hiper-requisitado, sub-bibliotecário, inter-racial,

inter-regional, inter-relação, super-racional,

super-realista, super-resistente

c) depois do prefixo sub também se o elemento come-

çar por r.

¬ sub-região, sub-raça

ortografia em práticaortografia em prática

ortografia em prática

�
n
ov

o
a

co
rd

o
or

to
g

rá
fi

co
ed

it
or

a
 d

om
 b

os
cod) quando o prefixo terminado em vogal e o segundo

elemento da palavra começa pela mesma vogal.

f) sempre com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém,

pós, pré, pró, vice e soto.

e) com os prefixos circum e pan antes de palavra inicia-

da por m, n e vogal.

¬ anti-ibérico, anti-inflamatório, anti-

inflacionário, arqui-inimigo, micro-ondas,

contra-ataque, semi-internato, micro-orgânico,

auto-observação

¬ circum-navegação, pan-americano

¬ além-mar, além-fronteiras, ex-marido,

ex-diretor, ex-prefeito, pós-graduação,

pré-vestibular, pré-história, pró-desarmamento,

recém-nascido, sem-terra, sem-número,

vice-rei, vice-almirante, soto-mestre

g) com sufixos de origem tupi-guarani.

h) para unir palavras combinadas ocasionalmente, for-

mando encadeamentos